Oh quanta saudades da Salvador (Bahia) das décadas dos meados do século passado quando ainda não havia tanta violência e a cidade era convidativa para os boêmios da noite, sem perigo de assaltos, sem contar a calmaria do dia, com um trânsito de pessoas e veículos sem sinais de estafa!

Lembro dos finais da década de 60 até os anos 80 quando curtia as noitadas com os amigos sem a preocupação de horário para retornar para casa, muitas vezes a pé dando minhas baforadas de cigarro ao ar e apreciando as paisagens da Baia de Todos os Santos.

Da Cidade Baixa do Mercado Modelo subia pela Ladeira da Montanha ao Gravatá dos cabarés cortando a Avenida Carlos Gomes ao Braseiro, ou Avenida Sete de Setembro – Piedade – Campo Grande até o Corredor da Vitória. Saudades do prédio de “A Tarde” (hoje Hotel Fasano) onde comecei a laborar em início de 1973 como Revisor e depois Repórter de Redação!

A Rua Chile ainda era famosa com seus personagens cativos como a Mulher de Roxo, a escadaria rolante das Americanas, artistas e intelectuais papeando nos cafés e bares. O velho Cacique e o Anjo Azul estavam sempre com suas portas abertas para se farrear até o dia clarear.

Como era prazeroso assistir o pôr-do-sol do final da tarde caindo sobre a bela paisagem da Baia de Todos os Santos vendo no horizonte a orla de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, tendo ao lado o Teatro São João e o Edifício Sulacap! Tomar um banho de mar sossegado no Porto e na Barra Avenida, acompanhado do Farol e do Edifício Oceânico!

Naquela época ainda era bom viver em Salvador porque ainda se podia respirar a qualidade do ar, não o de hoje tão poluído e arriscado por causa da violência da bandidagem.  Tomar um cravinho com os amigos e as morenas no Centro Histórico com suas arquiteturas seculares, e depois pegar o buzú na Barroquinha, Baixa dos Sapateiros, ou descer o Elevador Lacerda!

Quantas boas lembranças daqueles tempos de andanças e causos para contar nas noites de boemias com companheiros e colegas de trabalho! Não tenho mais saudades da Salvador de hoje onde a cidade ficou mais desumana, e as pessoas pouco se conhecem. Não tenho mais saudades dessa Salvador estressada do corre-corre pelo ter que reduz nosso tempo de vida. Tenho saudades da Salvador do ser, do curtir e do existir.