abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

:: ‘De Olho nas Lentes’

SOJA NA CIDADE

Poderia ser uma fazenda de feijão (o Brasil ainda importa mais da metade do seu consumo), que está sempre no cotidiano da mesa dos brasileiros, mas a foto que saiu das lentes da minha máquina é uma grande produção de soja nos limites de vários bairros de Anápolis, em Goiás, o que significa que o visitante ou turista da cidade não precisa ir muito longe para conhecer essa cultura, tão cultuada pelo grande agronegócio porque ela rende dólares no exterior e não reais. Todos sabem que o nosso país ainda é uma colônia, principalmente quando se apura o resultado da balança comercial, isto é, exportação versos importação. Este item é sempre superavitário a favor das exportações porque o maior peso está nas matérias primas, como grãos agrícolas, carnes, petróleo cru, ferro e outros metais. Como forma de dar dimensão a esse estado de coisa, dizem que o Brasil transporta um navio de soja para a China e volta com umas caixas de chips, vacinas ou outros remédios do ramo da química fina. Nossa capacidade industrial ainda é atrasada para o mundo atual. O mais feio é que nossos empresários do agronegócio, além de desmatar nossos cerrados e florestas, causando impacto ao meio ambiente, ainda abrem a boca para dizer que são eles que colocam o alimento na mesa dos brasileiros. Isso é uma mentira (fake news) porque quem nos alimenta é a agricultura familiar, pouco subsidiada pelo governo e pelos bancos. Por que um capitalista desse não planta feijão, arroz, trigo e milho para o consumo interno? Com essa política, vamos sempre ser exportador de produtos primários. Não acreditei quando vi, em Anápolis, quase que dentro da cidade, uma fazenda de soja. Ali naquela região, por onde você viaja o que mais se vê são plantações de soja, o ouro dos exploradores da bancada ruralista no Congresso Nacional, por sinal uma das mais retrógradas.

ENTULHOS NAS ESTRADAS

Quem viaja por aí está sempre se deparando com entulhos e lixos às margens das pistas próximas das cidades, como este flagrante que nossas lentes captaram na entrada de Brumado. É um retrato fiel de como o homem depreda e polui o meio ambiente, sem falar em sacos plásticos, cocos e garrafas pet que viajantes vão jogando nas pistas por onde passa. Se formos bem analisar, no fundo se resume a uma questão de falta de educação, por mais que se faça campanhas de preservação. Na saída da cidade de Ituaçu para Barra da Estiva, por exemplo, conhecida como portal da Chapada Diamantina, na região sudeste baiana, existe um lixão onde são depositados os restos produzidos por moradores. Outra visão triste dessa sujeira está na chegada de Itambé. Os poderes públicos são os maiores culpados por não cumprirem as leis de construção dos aterros do lixo e ainda não fiscalizar e proibir que particulares joguem seus entulhos à beira das estradas. Juntando tudo isso e mais os desmatamentos, os incêndios, a poluição dos rios e mares, dentre outras agressões à natureza, temos aí a autodestruição da própria humanidade através das mudanças climáticas que provocam catástrofes e tragédias. Como forma de enganarmos a nós mesmo, colocamos toda culpa no El Nino, que está indo para dar lugar a El Nina. O lixo só faz aumentar através do consumismo. Por essas e outras é que sempre digo que não temos mais retorno para reverter as altas temperaturas da terra.

 

“MUDANÇA”

A escultura ou performance do artista Fernando Madeira que dá o nome de “Mudança” em sua obra, instalada no Instituto Biapo (visitamos em nossa viagem ao estado), em Goiás Velho ou Velha, localizado em frente da casa da poetisa Cora Coralina, por si só já diz tudo. A palavra mudança provoca arrepios em muita gente que tem receios de sair da sua comodidade e partir para enfrentar desafios. Mudança para outros é ter coragem, é transformação de vida e coragem. Todo ser humano deve estar sempre em processo de mudança para ganhar mais saber e conhecimento, e quem não muda com intuito de melhorar, inclusive em seus conceitos, não merece viver.  A terra está sempre em mudança. Mudança também é renovação, evolução das ideias diante das novas tecnologias, do pensar de outra forma, de acordo com o tempo. O que ontem era antigo, hoje entra o moderno que devemos incorporá-lo. Tem ainda aquela mudança do tipo material, como sair do campo para a cidade, ou de uma cidade para outra. Mudar de emprego, de trabalho para melhorar de vida. Quem não faz mudanças morre sem saber. Existe a mudança para o pior. Cada um faz sua reflexão, mas mudar é essencial. É como no futebol quando o técnico faz mudanças em seu time para ganhar do adversário.

O BEIJA-FLOR

Ele (deve ser) não canta, mas encanta com seu estalo para se acasalar. Está sempre na minha árvore florida do meu quintal (minha esposa a chama de trovão porque nunca para de crescer, mesmo sendo podada) com outros pássaros desde o amanhecer ao anoitecer, se alimentando do néctar da flor. Tem vezes até que tira a concentração das minhas leituras e dos pensamentos no alpendre, do meu rancho. Me faz esquecer até do tempo que nos devora aos poucos, lento para uns e rápido para outros. Dessa vez o beija-flor achou de pousar na palha do coqueiro. Com seu jeito de ave arisca (nem tanto assim) aquietou-se com suas assas como se pedisse para ser retratado pelas lentes da minha máquina. Tanto ele tinha certeza que esperou que eu fosse ao meu escritório e ligasse a máquina fotográfica no ponto de foco e da luz para criar a sua imagem. Me aproximei o bastante e ele posou poeticamente com seu longo bico e até olhou de soslaio. Depois deu um pequeno voo entre as folhas, continuou a estalar e a bicar as flores. Era quase final da tarde. Fui fazer meus exercícios costumeiros. O sol começou a se pôr no horizonte infinito fazendo chegar a sombra da noite. Nos despedimos do dia. O beija-flor deve ter ido para seu ninho ou para sua morada do sono, para retornar no outro alvorecer.

A DENGUE E O PODER PÚBLICO

Dizem (a mídia está sempre anunciando) que 70% ou 80% dos casos registrados de dengue estão dentro das casas e prédios residenciais, só que não se fala de como esses dados foram apurados. Houve uma pesquisa para constatar esse alarmante índice? O esquema é culpar os moradores como vilões e não se mostra o lado negligente do poder público que deixa ruas sem serviços de drenagem, esgotamento e calçamento (empoçamento das águas das chuvas), sem fiscalizar e punir, conforme determina a lei, os terrenos particulares abandonados cobertos de matos e lixo de todo tipo, oficinas que viraram sucatas de carros (o Disep de Conquista é um exemplo) e até os próprios imóveis da Prefeitura Municipal no mesmo estado. Estive tirando umas fotos da Praça Tancredo Neves e visitei o monumento em homenagem aos presos políticos que tombaram durante a ditadura civil-militar de 1964. Os vidros ou os materias plásticos que protegem as luminárias em torno da escultura, de autoria do grande artista plástico Romeu Ferreira, foram quebrados por vândalos. As partes abertas servem para empoçar água e têm muito lixo em seu interior. Ainda sobre a proliferação da dengue (já comentei essa questão aqui) acho um deboche quando um especialista recomenda ao cidadão procurar o médico logo nos primeiros sintomas. Fico a imaginar que sua linguagem está sendo direcionada aos ricos. Os pobres (grande maioria) são dependentes do SUS, cujos postos da família, hospitais e as UPAS estão superlotados. O paciente passa um dia para ser atendido sofrendo de dores em pé e nos bancos desconfortáveis, sendo que muitos retornam para suas casas sem o atendimento. Existem postos que nem têm médicos na cidade. Até parece que cada brasileiro tem um médico à sua disposição. Isso é um acinte, uma vergonha, falta de respeito e revoltante. É muita cara de pau. Quando o indivíduo consegue um pedido de exame, o resultado do teste num laboratório público só sai depois de 10 a 15 dias. Sem mais comentários.

“O ESTRANHO”

Não consegui um dedo de prosa com esse senhor solitário sentado numa cadeira com seu acampamento ao lado, ou uma espécie de barraca, na Avenida Bartolomeu de Gusmão, por isso que resolvi chamá-lo de “O Estranho”, como se fosse seu nome. Cheguei com minha máquina e tentei emplacar uma conversa para saber da sua graça, de onde vinha e o que fazia ali naquela tarde nublada costurando, se não me engano, uma camisa, calça ou calção. Mal me respondeu e não me deu nenhuma atenção. Quando se está com um problema ou aperreio na vida, cada ser humano age de uma forma diferente. Tem uns que vão logo se abrindo, contam sua história e pede uma ajuda para sobreviver. Outros são introspectivos, se fecham e não querem papo com ninguém. Tem   suas próprias razões para assim se comportar. Na minha jornada jornalística de 50 anos como profissional tenho, em alguns momentos, feito o dublê de psicólogo. Na grande maioria das vezes consegui arrancar até um bom papo e fazer uma entrevista, mas não com “O Estranho”, por mais que tenha tentado, e olha que sou insistente. No entanto, senti que melhor seria dizer um “tá bem” e desejar-lhe sorte. “O Estranho” estava “enfezado” ou banzo e, com certeza, passando por uma situação difícil que a nossa sociedade nem quer saber. Seu gesto foi de protesto e de menosprezo com a minha aproximação. Achei mais sensato não o importunar, se ele deu a entender que o deixasse em paz com sua dor, sua mágoa e sofrimento. “ vida é como ela é” – lembrei de Nelson Rodrigues.

O VELHO E O RIO

Oh quantos ensinamentos! Um com sua idade avançada de humano ancião que aprendeu muitas coisas da vida e ainda procura se renovar até a sua finitude. O outro tem milênios de anos e também se renova continuamente, nunca sendo sempre o mesmo. Ambos com suas finitudes. O velho e o rio estão unidos e se respeitam através do prazer de um servir ao outro. Banhar-se no rio e ser banhado por ele, apesar do ser humano não ter tanta consciência disso, ao ponto de estar sempre agredindo com sua ação destruidora e egoísta de só querer receber sem dar em troca o que o seu irmão rio necessita para continuar vigoroso e novo. No entanto, o velho, com sua sabedoria de anos, ao se banhar deve agradecer suas águas que limpam, refrescam seu corpo e confortam sua alma. Deve também pedir perdão pelos males praticados em vida, e os dois, o velho e o rio, seguem sua jornada, cada um procurando ensinar que homem e natureza precisam estar unidos para que não haja retrocessos. Por coincidência, a imagem é um flagrante do encontro do velho ou do idoso, como queiram, com o “Velho Chico”, o nosso conhecido São Francisco, amigo dos nordestinos.

NO BANCO DA PRAÇA

Ali mesmo ele arriou o seu corpo, não se sabe se por cansaço, por fome ou por embriaguez. Quem passa vai seguindo sua vida cotidiana e nem está aí para o moço que dorme no banco da praça, que também é utilizado para um encontro, um bate-papo com um amigo ou até o namoro de um casal. O banco da praça é também um local onde muitos dão uma parada para refletir sobre os problemas e até apreciar o movimento dos carros, dos transeuntes ou observar o comportamento dos outros, como fazem os poetas e escritores quando querem escrever uma crônica da vida. É no banco da praça que artistas escultores se inspiram para construir estátuas de famosos, como Jorge Amado, João Ubaldo, Vinícius de Morais, na Bahia, e Carlos Drummond, no Rio de Janeiro. No entanto, o moço ali, numa praça de Juazeiro (Bahia), flagrado pelas lentes da minha máquina não passa de um simples desconhecido que pode ser até um andarilho qualquer ou mesmo um mendigo. Não deveria ter uma estátua em homenagem a esse anônimo para que as pessoas refletissem mais sobre o outro, o desamparado e abandonado pela sociedade, cada vez mais desumana e individualista que só pensa em si? Ronnie Von fêz “A Praça” (letra e música): A mesma praça/o mesmo banco/as mesmas flores, o mesmo jardim/tudo é igual, mas estou triste. No banco da praça também pode ser título de um belo poema com diversas conotações.

A BODADA ESTÁ SOLTA

Por entre caminhões no posto de combustível, nos restaurantes, ranchos ou cruzando a BR-407 no árido sertão dos cactos, umbuzeiros e mandacarus, de Senhor do Bonfim a Juazeiro, numa distância de 120 quilômetros, o que mais se ver é a bodada (bodes e cabras), passeando ou pastando. Na sequidão, esses animais raspam o bagaço, reviram lixos e correm pra lá e pra cá atrás do alimento. Nas chuvas aproveitam a fartura viçosa para encher suas barrigas. São dóceis e lá se vão os cabritinhos e a as cabritinhas atrás de seus pais. Sem cercas reforçadas, eles são criados soltos pelos seus donos e quase ninguém mais presta atenção em seus movimentos. São livres para andar à vontade. Vez por outra, lá estão os motoristas desviando deles. Junto com os jumentos que, infelizmente, estão em extinção, a bodada também é símbolo desse Nordeste rico e cultural, de um povo simples que não perde a fé e a esperança. Há séculos, o bode já faz parte desse cenário e sua carne é uma iguaria apreciada na forma de assado, frito ou cozido com uma boa quiabada, cebola, farofa, pimenta e tomate. Quem não gosta de um bode, do forró, do baião e do xote, só pode ser doente da cabeça ou do pé, como se canta com relação ao samba, também um ritmo que nasceu em nosso querido Nordeste de Ariano Suassuna, Graciliano Ramos, Jorge Amado, José Lins do Rego, Câmara Cascudo, José de Alencar, Ruy Barbosa, Vandré, Zé Ramalho, Chico César, Caetano, Gilberto Gil e tantos outros poetas, compositores, músicos e escritores de sangue bom. O bode também está em nossa literatura e nas canções quando se fala dessa terra de sertanejo forte e persistente. Deixem nossa bodada solta passear!

O JUMENTO E O HOTEL

Símbolo do Nordeste pela sua resistência e ajuda aos sertanejos, sempre que me deparo com um jumento, ou jegue, e estou com a máquina na mão, vem logo o dedo e faço o foco para clicar. Por acaso estava eu conversando com meu “Velho Chico” e lá estava o jeguinho bem em frente do Rio Mar Hotel, por sinal rio-mar ou Oporá, que em indígena é Rio São Francisco, nome dado pelo português Américo Vespúcio, em 1501. Mas, voltando à imagem do jumento com sua carrocinha, será que ele estava ali esperando um hóspede para dar uma volta para mostrar a cidade de Juazeiro? Com tantas matanças desse animal pelos matadouros para exportar sua carne e sua pele para a China, o jegue está cada vez mais escasso, tornando-se, infelizmente, uma espécie em extinção. Os que ainda sobrevivem, continuam sendo animais de carga e sustento para muitas famílias. Na verdade, sua presença ali constitui um contraste em meio à evolução da tecnologia e aos meios de transporte. Em seu lugar são as motos que fazem aquela barulheira e poluição nas cidades, inclusive no campo onde ninguém mais quer andar nesse equino. É mais uma homenagem que faço ao jumento e, quando o vejo, sempre me lembro dos tempos de menino quando labutava com meu pai como lavrador, principalmente com a cultura da mandioca. Era ele que fazia todo transporte das raízes e da farinha para as feiras.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia