maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


Quem é este “Coronavid”? . Por Jeremias Macário

“ANDANÇAS” TAMBÉM É MÚSICA

Não são só causos, contos e histórias, numa mistura de ficção com realidade, o novo livro “Andanças”, do jornalista e escritor Jeremias Macário, também tem poemas, muitos dos quais começam a ser musicados por artistas locais e de outras paragens do Brasil, como de Fortaleza, no Ceará.

Do título “Na Espera da Graça”, que fala do homem nordestino que sempre vive a esperar por tempos melhores, o cantor, músico e compositor Walter Lajes extraiu de sua viola uma bela canção, numa parceria que fez com o autor, com apresentação em vários festivais.

O músico e compositor Papalo Monteiro se interessou por “Nas Ciladas da Lua Cheia”, uma letra forte que descreve os políticos na figura de bichos que, de quatro em quatro anos, aproveitam as eleições com promessas vãs para se elegerem.

Tem “O Balanço do Mar”, um xote que lembra passagens de nossas vidas, e “Lágrimas de Mariana”, um belo poema triste sobre a tragédia do rompimento da barragem da Samarco, lá em Mariana (MG), musicados e cantados pelo amigo parceiro Dorinho Chaves.

Lá de Fortaleza, Ceará, os companheiros Edilson Barros e Heriberto Silva realizaram uma parceria musical aproveitando a letra “A DOR DA FINITUDE”, que versa sobre um tema que pouca gente gosta de abordar, que é a morte, e filosofa que tudo passa, tudo muda e tudo se transforma. Outros poemas estão sendo trabalhados para entrarem no rol das letras musicadas, inclusive do novo livro “ANDANÇAS”.

Essa é uma parceria com o amigo poeta e músico, baiano de Alagoinhas, Antônio Dean, que há muitos anos reside em Campina Grande da Paraíba com sua família, fazendo sucessos e cantando com sua profunda voz, a cultura nordestina para todo o Brasil.

Conheça o Espaço Cultural “A Estrada”

Com 3.483 itens entre livros (1.099), vinis nacionais e internacionais (481), CDs (284), filmes em DVDs (209), peças artesanais (188) e 106 quadros fotográficos, dentre outros objetos, o “Espaço Cultural a Estrada” que está inserido no blog do mesmo nome tem história e um longo caminho que praticamente começou na década de 1970 quando iniciava minha carreira jornalística como repórter em Salvador.

espaco cultural a estrada (5)

Nos últimos anos o Espaço Cultural vem reunindo amigos artistas e outras personalidades do universo cultural de Vitória da Conquista em encontros colaborativos de saraus de cantorias, recitais poéticos e debates em diversas áreas do conhecimento. Nasceu eclético por iniciativa de um pequeno grupo que resolveu homenagear o vinil e saborear o vinho. Assim pintou o primeiro encontro do “Vinho Vinil” com o cantor e compositor Mano di Sousa, os fotógrafos José Carlos D`Almeida e José Silva entre outros convidados.

CLIQUE AQUI para saber mais sobre o espaço cultural de Jeremias Macário.

A “INDÚSTRIA DA MISÉRIA”

Os governantes populistas, ou assistencialistas, derramam todos os anos uma dinheirama para socorrer as chamadas pessoas com vulnerabilidade social, moradores de ruas, por exemplo, dando comidas e abrigos, sem apresentar um programa alternativo que devolva dignidade humana de independência, para que essa gente não se torne viciada em somente receber o peixe sem aprender a pescar.

Eu chamo isso de “indústria da miséria”, ou máquina de fazer votos. Hoje, tanto a esquerda como a direita fazem isso, inclusive essa prática é bem vista e elogiada em Vitória da Conquista. Muita gente não sabe, mas Conquista está cheia de andarilhos que vêm de fora sabendo que aqui serão acolhidos com boa alimentação e dormida.

A questão não é condenar que haja um atendimento para essas pessoas, mas que essa ação não seja permanente ao ponto de cair no vício e na acomodação do beneficiário não querer fazer mais nada para sair dessa miséria. Sei de gente que se desloca de cidades distantes e se abriga aqui com a alegação de que veio tirar documentos.

O assistencialismo cheira muito com a palavra caridade, uma cultura milenar criada pela Igreja Católica que, como consolo para aliviar a situação de penúria, dizia que a pessoa iria ganhar o reino dos céus quando morresse. Ainda tinha aquela pregação de que, quem desse uma esmola também seria abençoado com um lote no céu.

Não somente em Conquista, mas em todo Brasil esse assistencialismo, ou “indústria da miséria”, vai se perpetuando de geração em geração e nunca se acaba. Com isso, cria-se uma camada de povo que vai sempre viver à margem da sociedade como párias que nada fazem e se enterram nas drogas.

Essa prática eleitoreira, que remete aos tempos do coronelismo, gasta bilhões de reais por ano e não apresenta resultados em termos de reduzir a pobreza extrema, bem como eliminar a desgraça humana. Não adianta só dar comida e abrigo se o espírito continua pobre, sem estímulo para reagir e não ser um subjugado e submisso dos oportunistas. Essa “indústria” é como se fosse uma matéria-prima valiosa do poder político que utiliza essa ferramenta para se tornar dono da pessoa vulnerável, como o próprio nome já diz.

Todos esses bilhões gastos por ano nessa política assistencialista poderiam, em boa parte, serem aplicados em investimentos na qualificação da educação e da saúde, sem falar no saneamento básico. Se assim fizessem, em poucos anos iríamos ter uma nova geração de pessoas fora da miséria e da dependência.

Quase ninguém quer pensar e refletir sobre essa realidade nesse país e defende a continuidade desses “programas”, não importando a ideologia que se tenha. Grande parte dessas pessoas, acolhidas em abrigos, recebe o Bolsa Família e tem o melhor celular, quando não usa o dinheiro para comprar drogas.

Não estou falando de famílias que vivem em barracos nas favelas e periferias pobres que até pagam luz, água, gás e lutam para ter uma comida no prato. É outra categoria que vive pior do que os chamados vulneráveis de ruas andarilhos. Para finalizar, gostaria de saber quando essa “indústria da miséria” vai se acabar? Está havendo alguma transformação social? Está se dando dignidade ao ser humano? É tudo enganação, engodo e demagogia.

 

 

“A MÁSCARA DA AFRÍCA” XV

GANDHI NA ÁFRICA DO SUL

  1. V. S. Naipaul narra, em sua obra, “A Máscara da África”, a visita de um grande homem que visitou a África do Sul nos anos de 1890 e terminou ficando 20 anos naquele país para ser a voz do seu povo que era discriminado e menosprezado.

Esse homem era Mohandas Gandhi. Ele saiu de Durban a Joanesburgo e a Pretória, em parte uma versão moderna da Grande Marcha, feita por trem e diligência. Foi um calvário, mas essa viagem modificou sua vida e o colocou no caminho da obra testemunhada em sua país, na Índia.

Existe um monumento para ele em Joanesburgo e em Pretória. Ele foi para África do Sul, em 1893, quando ainda tinha 24 anos por causa de conexões familiares como advogado, a convite de um empresário indiano mulçumano.

Como profissional na Índia só tinha estado no tribunal uma vez, em Bombaim, num caso ridículo de Pequenas Causas. Para Gandhi foi um fiasco porque ele se levantou no momento em que deveria interrogar as pessoas do outro lado, mas se sentiu intimidado.

Em pleno tribunal, ele se sentou e transferiu o caso para outro colega que atuou brilhantemente com a questão. A partir dali ficou mortificado e achou que, como advogado, deveria evitar tribunais e apenas rabiscar petições.

Foi aí que veio a oferta sul-africana de um amigo da sua família para passar um ano na África do Sul, com bilhete de volta na primeira classe. Na sua visão, estava indo mais como um serviçal do que como advogado, mas aceitou a ideia da aventura.

Tudo começou com uma lenta viagem marítima de Lamu, Mombaça, Moçambique e depois Durban. Lá conheceu seu empregador que lhe disse que seria um elefante branco na firma. Gandhi descobriu que o caso legal era de contabilidade. Comprou um livro e começou a estudar. Ficou sabendo tudo que precisava.

Depois de oito dias compraram um bilhete para ele de primeira classe com direito a um leito para Pretória. No entanto, ele preferiu poupar o dinheiro. Foi, então, que seu calvário começou nas paradas entre Maritzburg, Charlestown e Standerton. Nesses locais, Gandhi sofreu insultos, vergonha e medo por causa de um tratamento vil e violento.

Em Maritzburg, o atendente da ferrovia lhe perguntou se ele havia pedido um leito. Gandhi confirmou que sim. Vieram dois agentes e depois um terceiro que lhe disse que deveria se mudar para o compartimento de bagagem. Quando Gandhi se recusou, chamaram um policial que o empurrou para fora. Fazia muito frio. Tinha um casaco na bagagem, mas pensou que se pedisse seria insultado.

Naquela noite, imaginou retornar para a Índia ou seguir para Pretória. Concluiu que devia ficar e lutar contra a doença do preconceito. Decidiu pegar o próximo trem. Era um homem correto e da lei.

Na manhã seguinte enviou um longo telegrama ao gerente geral da ferrovia. O trem em que embarcou, com o bilhete do leito, o levou até Charlestown. Acontece que o calvário continuou. Não havia ferrovia para Joanesburgo, apenas uma diligência. O condutor lhe atormentou não permitindo que Gandhi se sentasse dentro do carro, mas no estribo da carruagem. Passou a viagem toda chutando Gandhi, tanto que os outros passageiros protestaram.

A diligência parou no vilarejo de Standerton para passar a noite. Havia enviados lá a mando do empregador para recebê-lo. Ele aproveitou o tempo para escrever uma longa carta ao agente da empresa de diligências. Recebeu uma resposta encorajadora. A diligência era maior e o funcionário estúpido não estaria nela.

Os indianos do empregador encontraram um bom lugar para ele e, finalmente, chegou a Joanesburgo. Para o trecho final até Pretória, redigiu um bilhete ao chefe da estação dizendo quem era e foi pessoalmente de casaca e gravata comprar o bilhete (existe na África do Sul uma fotografia dele com esses trajes).

O homem da bilheteria era da Holanda e lhe tratou bem. Naquela época, segundo o autor do livro, Gandhi acreditava no Império Britânico. “Acreditava que os indianos na África do Sul eram discriminados porque eram politicamente indiferentes e não eram organizados”.

Quando terminou o seu trabalho, com sucesso, se preparou para retornar para Índia. Foi a Durban esperar um navio e lá viu uma nota no jornal sobre o direito de voto dos indianos onde a Câmara local buscava destituir os indianos de votar. Ele ficou chocado com isso e procurou conversar com os empresários indianos, que não estavam preocupado com a questão.

Gandhi era ainda um jovem tímido e destreinado. Depois de uma discussão, os empresários transferiram o fardo do protesto para Gandhi que adiou sua volta. Então, sua permanência na África do Sul se estendeu por vinte anos.

Estava na meia idade quando partiu, com suas ferramentas políticas e espirituais aperfeiçoadas. Tudo aconteceu naquela longa viagem onde tornou-se um grande líder de homens e passou a ser chamado de mahatma (grande alma).

FAMILIARES DE VÍTIMAS DA DITADURA VÃO A BRASÍLIA EXIGIR JUSTIÇA DO ESTADO

Esse material foi produzido por grupos de familiares de desaparecidos políticos, com apoio de várias organizações da sociedade civil da Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás, segundo Diva Santana, do Grupo Tortura Nunca Mais e irmã de Dinaelza Coqueiro, morta e desaparecida na Guerrilha do Araguia.

É com este objetivo que familiares de mortos e desaparecidos políticos realizam uma semana de luta em Brasília em mais um passo na busca para que o Brasil cumpra suas obrigações internacionais e garanta justiça e reparação às vítimas de violações de direitos humanos durante 21 anos da ditadura militar, civil e empresarial.

Coincidindo com a visita da Corte Interamericana de Direitos Humanos ao país, a mobilização ocorre entre os dias 20 e 23 de maio nos ministérios da Justiça, dos Direitos Humanos, Casa Civil e Congresso Nacional.

Além disso, a solicitação de uma audiência com a primeira vara Federal de Brasília visa cobrar providências para o cumprimento da sentença, de 2003, condenando a União a indicar o local onde se encontram os restos mortais das vítimas da “Guerrilha do Araguaia” e a promover o sepultamento condigno desses corpos, em lugar a ser indicado pelos familiares, autores da ação.

Após décadas de impunidade, os familiares continuam a batalha por reconhecimento e reparação dos horrores vividos, e relatam o abandono das investigações. Embora o Estado brasileiro tenha sido condenado pela 1ª Vara Federal de Brasília e pela Corte Interamericana por uma série de violações de direitos humanos relacionadas ao desaparecimento e morte de 62 pessoas na Guerrilha do Araguaia (1972-74), as medidas de reparação e ações judiciais ainda enfrentam obstáculos.

Além disso, a reinstalação da Comissão de Mortos e Desaparecidos vem sendo protelada pelo governo do presidente Lula (PT) para evitar tensão com os militares. Para os familiares, a falta de progresso na busca por restos mortais e na divulgação de informações sobre a Guerrilha do Araguaia é um reflexo do descaso do Estado.

Mesmo com exumação de ossos e ações judiciais, como no caso Gomes Lund e dos 29 restos mortais da Guerrilha do Araguaia sob custódia no hospital da UNB, no IML da Bahia e no Caaf, em São Paulo, o avanço das investigações tem sido lento e insuficiente.

A Lei de Anistia brasileira, de 1979, que protege os militares envolvidos em violações de direitos humanos, tem sido uma barreira para a responsabilização dos culpados. Apesar dos esforços do Ministério Público Federal, a justiça tem sido negada em muitos casos, perpetuando o sofrimento das famílias das vítimas que cobram a punição e a adoção de políticas públicas para impedir a repetição de violações.

CASO GOMES LUND (“GUERRILHA DO ARAGUAIA”) VERSUS BRASIL

Esse material foi produzido pelo grupo de familiares de desaparecidos políticos, com apoio de várias organizações da sociedade civil, como coalização por memória, verdade, justiça, reparação por filhos e netos, segundo informa Diva Santana, do Grupo Tortura Nunca Mais e irmã de Dinaelza Coqueiro, morta e desaparecida na Guerrilha do Araguaia.

Após o final do regime militar e da consequente restauração da democracia no país, várias iniciativas estatais promoveram algum tipo de reconhecimento dos crimes ocorridos durante o período ditatorial, incluindo os referentes à Guerrilha do Araguaia.

A despeito disso, a impunidade dos responsáveis pelas torturas, desaparecimentos forçados e execução extrajudicial de integrantes da Guerrilha do Araguaia se manteve.

A não responsabilização foi reiteradamente embasada na Lei de Anistia brasileira, cujo a vigência e constitucionalidade do parágrafo que protege os militares foi reafirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

As ações judiciais movidas com o objetivo de identificar restos mortais das vítimas e publicizar informações sobre as incursões militares contra a Guerrilha também não resultaram em avanços significativos no esclarecimento dos crimes.

Em 7 de agosto de 1995, Centro pela Justiça e o Direito Internacional (Cejil) e a Human Rights Watch/Americas entraram com petição na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), denunciando as violações sofridas pelas vítimas da Guerrilha do Araguaia e seus familiares.

Posteriormente, a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos do Instituto de Estudos da Violência do Estado, o Grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro (GTNM/RJ) e Angela Harkavy, irmã de um desaparecido, entraram como co-peticionários.

Questionado, o Estado brasileiro alegou não esgotamento dos recursos internos. Após quase seis anos, a CIDH produziu relatório de admissibilidade da petição, em março de 2001.

Após uma série de pedidos de prorrogação de prazo de ambas as partes, a Comissão produziu relatório de mérito em outubro de 2008, considerando o Brasil responsável por uma série de violações de direitos humanos, em detrimento dos membros da Guerrilha do Araguaia e seus familiares.

O órgão fez uma série de recomendações ao Estado brasileiro, que chegou a apresentar relatórios de cumprimento parcial. A despeito disso, a CIDH não considerou a implementação satisfatória e remeteu o caso à Corte em março de 2009.

Como parte dos acontecimentos relacionados à Guerrilha do Araguaia ocorreram antes do reconhecimento da competência da Corte pelo Brasil, a submissão se refere aos fatos que ocorreram após esse marco temporal, bem como a violações continuadas, que persistiam após o reconhecimento.

A Corte Interamericana admitiu parcialmente uma das exceções preliminares interpostas pelo Estado e negou as outras duas, dando prosseguimento ao julgamento. Na mesma sentença, condenou o Brasil pela violação dos direitos ao reconhecimento da personalidade jurídica, à vida, à integridade pessoal, às garantias judiciais, à liberdade de pensamento e de expressão e à proteção judicial, em relação com a obrigação de respeitar e garantir os direitos, e o dever de adotar disposições de direito interno, previstos na Convenção Americana.

Parte das violações refere-se aos membros da Guerrilha, parte a seus familiares. O Tribunal também decidiu que “as disposições da Lei de Anistia brasileira que impedem a investigação e sanção de graves violações de direitos humanos são incompatíveis com a Convenção Americana” e “carecem de efeitos jurídicos”.

A Corte determinou uma série de medidas de reparação, que incluem a publicação da sentença e o pagamento de indenização, custas e gastos. Também determinou outras medidas de reabilitação, satisfação e não repetição, incluindo: oferecimento de tratamento médico e psicológico; esforços para determinar o paradeiro das vítimas desaparecidas; capacitação em direitos humanos das Forças Armadas; tipificação do delito de desaparecimento forçado de pessoas em conformidade com os parâmetros interamericanos; e busca, sistematização e publicação de informações sobre a Guerrilha.

O Tribunal também determinou a investigação penal dos fatos do presente caso e a responsabilização pelos delitos, não podendo o Estado “aplicar a Lei de Anistia em benefício dos autores, bem como nenhuma outra disposição análoga”.

O Brasil pagou a maior parte das indenizações e efetivou a publicação da sentença nos espaços determinados pela Corte. A Lei de Anistia, porém, continuou servindo como argumento para magistrados negarem instauração de processo penal ou a responsabilização dos agentes da repressão, a despeito de esforços do Ministério Público Federal nesse sentido.

As iniciativas de busca de restos mortais, bem como de sistematização e publicação de informações sobre a Guerrilha foram enfraquecidas durante o governo Bolsonaro. As demais medidas de reabilitação, satisfação e não repetição foram pouco ou nada cumpridas pelo Estado brasileiro.

O procedimento de supervisão do cumprimento da sentença segue em aberto, mais de 21 anos após a decisão. O único relatório de supervisão da sentença publicado pela Corte data de outubro de 2014. Familiares dos desaparecidos forçados no Araguaia solicitam audiência com primeira vara do Distrito Federal para cobrar providências para cumprimento da sentença e relatam o descaso do Estado na continuidade das ações.

Remanescentes ósseos exumados e abandonados no período de 2008 a 2017, realizaram inúmeras expedições oficiais sob coordenação governamental e outras tantas de caráter pessoal. Ressalte-se que na última expedição oficial, com a coordenação da extinta Comissão sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CMDP) em setembro de 2018, foram exumados de um cemitério, há anos desativado em São Geraldo do Araguaia/PA, restos mortais compatíveis fisicamente com uma jovem participante da chamada Guerrilha do Araguaia e levados para o Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal (INC) em Brasília/DF (patrimoniado em recipiente próprio sob número ACSG 15,A5 RM OS e etiquetas de n. 4307962 / 4307972) para exames.

Após quase 6 anos, nada se sabe sobre o andamento das pesquisas referentes a esses restos mortais. Além desses que estão no INC, existem outros 29 RM, junto ao Instituto de Medicina Legal do DF (IML) e na Universidade de Brasília (UnB) lá recolhidos e resguardados por determinação judicial, que necessitam de declaração oficial dos peritos forenses quanto as análises de finalidade propostas e laudos que indiquem a conclusão e devidos encaminhamentos necessários. Destacam-se, dentre os 29, os restos mortais de 3 crianças oriundas de São Geraldo do Araguaia/PA.

COLEÇÃO DIVINA

(Chico Ribeiro Neto)

Umas pessoas colecionam os primeiros dentes. Outras, asas de borboleta. Algumas, estrelas.

Nunca apreciei colecionar selos, achava chato, mas admirava quem o fazia. E havia os encontros para troca de selos e também era um encontro de amigos.

Colecionar bolas de gude, isqueiros, pequenas caixas de fósforo, flâmulas, ingressos de shows, bilhetes de namoradas. Em tudo isso tem um pedacinho da gente.

Colecionar as cartas que vovô Chico escrevia toda semana, de Ipiaú, para minha mãe Cleonice, a quem chamava de Teuzinha.

No início da ditadura, em 1964, em Salvador, minha mãe me obrigou a queimar no quintal uma coleção do jornal de esquerda “Brasil Urgente”, com medo de que eu fosse preso.

Coleciono folhas da avenida Centenário, os olhos da primeira namorada, a cara do meu avô quando saí de Ipiaú, as mãos de minha mãe, o viveiro de passarinhos do meu pai Waldemar.

Tem ainda quem coleciona a “Revista do Esporte” e “Sétimo Céu”, revista de fotonovelas e variedades.

Tem a coleção das pedrinhas catadas na praia e daquele papel que fazia arraia. Tem gente que coleciona mortalhas de Carnaval. Tem a coleção que não se guarda na gaveta, mas na alma. A coleção de dores e dissabores, a coleção de beijos. De carinhos preciosos e de noites memoráveis.

A coleção de bares, sempre no copo americano e longe de qualquer engano. Coleção de amigos de farra, que eram a felicidade total. A coleção de cerveja gelada e de charque frito com cebola.

Tem o colecionador de sonhos, de bonitos e medonhos. Não convém colecionar problemas, ô “trem” que rende. Você acaba de resolver um e já-já aparece outro.

Colecionamos tudo que vivemos. Vistos lá de cima, somos uma coleção de Deus.

(Veja crônicas anteriores em leiamaisba.com.br)

 

LÁ SE FOI NOSSA HISTÓRIA

Muitos falam que não devemos olhar para o passado, mas construir o presente pensando no futuro. Na vida humana espiritual até se compreende, de certa forma, mas quando se trata da nossa história material, é como se a pessoas deixasse de ter sua identidade como referência. É o caso de Vitória da Conquista que destruiu, ao longo dos anos, praticamente todo seu patrimônio arquitetônico do centro, chamada de Rua Grande (Praça Tancredo Neves, Barão do Rio Branco e imediações, como a atual Praça Nove de Novembro). A 9 de Novembro (data que se celebra a emancipação de Conquista), por exemplo, no início do século XX era cercada de bares e lojas antigas. Além dos coronéis e jagunços que frequentavam a vida noturna, ali foi palco de muitos carnavais com seus blocos que deixaram saudades. Na Barão do Rio Branco existiam os casarões antigos e um barracão que servia de rancho para tropeiros (hoje é a primeira Igreja Batista). No centro da praça, um prédio com bares, lanchonetes, sorveteria e uma área de parada de ônibus. Tudo isso foi a nossa memória, simplesmente derrubada para dar lugar a edifícios modernos, como Banco do Brasil, do Nordeste, Caixa Econômica Federal, hotéis e empresas. Hoje é um amontoado de carros soltando gases tóxicos e poluição visual com um emaranhado de fios. Conquista é uma cidade de mais de 300 mil habitantes, a terceira maior da Bahia, que não tem entro histórico para mostrar ao visitante que chega.

O NORDESTE E O SUL

Poema de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário

Duas regiões distintas,

Com seus riscados culturais,

Uma roga pela chuva,

A outra que venha sol,

Oh, quanta tormenta e ternura!

Choro e lamúria!

Nos traçados, temporais!

Dizei-me, oh Senhor Deus!

Sobre esta pintura,

Donde vem tanta fúria?

No Nordeste queima o paiol,

O dilúvio bate no Sul,

E o poeta carrasquento,

No lamento do gaúcho,

Fica solitário e nu.

 

A seca racha o solo,

Mata a plantação e o rebanho,

Empurra o pau-de-arara para o Sul,

A mãe consola a criança no colo,

E o retirante segue escravo do ganho.

 

Leva anos e mais anos,

O nordestino ancestral,

Hoje é moço-menino,

E agora vê a enchente do Sul,

Tempestade, lama e vendaval,

Os rios do Pampa viram mar,

Matando nossos hermanos de lá.

 

Dizei-me, Senhor Deus!

Do Olimpo, o Zeus!

Para aonde vai essa caravana?

Contra nossa natureza,

Castigada pela mente insana,

Oh quanta loucura e avareza!

Tragédia, morte e terror!

Do Norte ao Sul,

Oxalá, meu pai xangô!

 

Não sei o que será dessa terra,

De tanta riqueza e pobreza,

Não faço parte dessa guerra,

Desse capital predador,

Que só criou sofrimento e dor,

Como o capeta belzebu,

Rachando o Nordeste e o Sul.

OBRAS DE CONTENÇÃO E TRANSPARÊNCIA

Será que seria necessária uma comitiva tão grande de ministros, inclusive do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), para visitar o Rio Grande do Sul? Não ofende perguntar. O cenário exige serenidade e não o uso político.

Bem, vamos deixar essa questão de lado e tratar daquilo que é mais importante depois que o sol rei voltar ao seu trono e as águas baixarem em Porto Alegre e em todas as cidades atingidas do interior.

É só retirar as lamas e os entulhos das casas e ruas, pintar os prédios, reconstruir as estradas e erguer as pontes levadas pelas enxurradas?  Vamos fazer de conta que outras tragédias não mais se repetirão? A natureza vai perdoar os malfeitos que estão fazendo contra ela?

Pelas imagens e noticiários da mídia em geral, todo Brasil está chegando junto para socorrer as vítimas, não somente com donativos, material humano, mas também com dinheiro. Até agora não se sabe quanto, mas deve chegar a milhões ou bilhões de reais.

O governo federal está dando sua cota de contribuição, mas a sociedade civil bem mais, como sempre acontece. Já imaginou o quadro sem a solidariedade humana?

Isso de antecipar verba da restituição do Imposto de Renda, do seguro desemprego, do FGTS, do décimo terceiro, parcelas do Bolsa Família e coisas assim cheira a demagogia. Quem receber sentirá lá na frente que foi iludido porque ficará sem a grana.

Com esses bilhões de reais que o estado vai contar, inclusive com o cancelamento da sua dívida para com a União por três anos, até o momento, pouco se falou em realizar obras de contenção para enfrentar futuras intempéries e catástrofes, apenas que vão relocar algumas unidades de tratamento de água, mais por exigência da natureza.

Sabemos que no ano passado as enchentes provocaram os mesmos estragos e nada foi feito nesse sentido, falo de obras de proteção. Por causa disso, milhares de gaúchos já reconstruíram seus bens móveis e imóveis por até três vezes. O governo vai deixar novamente tudo como está, e nenhum segmento político e social, inclusive a mídia, não vai cobrar que se faça projetos de contenção?

Outra coisa que queria saber é sobre a questão da transparência no que se refere à prestação de contas de todas doações dos brasileiros, principalmente no tocante aos milhões ou bilhões em dinheiro enviados ao povo do Rio Grande do Sul.

Entendo que todos aqueles que deram alguma quantia, seja pobre ou rico – aliás essa tragédia atingiu todas as classes sociais – têm o direito de saber onde seu dinheiro foi investido em benefício do cidadão, e se foi bem empregado. O mais trágico é que nesse Brasil não existe cobrança. Dane-se a transparência. Vamos torcer para que não haja corrupção.

E QUANDO AS ÁGUAS BAIXAREM?

Quem assistiu ou ouviu cientistas, arquitetos urbanistas e especialistas falando sobre como foram feitas as obras de contenção contra as inundações em torno de Manhattan, de Nova Iorque, na foz do Rio Hudson, e em Amsterdam, na Holanda, deve ter percebido como nosso país está atrasado e primitivo neste quesito.

Infelizmente aqui não temos planejamento. A preferência é maquiar e improvisar, para que tudo continue no mesmo. A porta vai continuar aberta para outra tragédia, cuja responsabilidade é do próprio homem que, com sua avareza e ganância, vem destruindo o meio ambiente ao longo dos últimos séculos.

Aqui ainda estamos na base do concreto armado, comportas, bombas, sacos de areias improvisados, tubulações subterrâneas que terminam estourando com a pressão das águas e até aterramento de rios. São obras, conforme ficou constatado no Rio Grande do Sul, que não resolvem o problema das enchentes. Além do mais, não tiveram a devida manutenção ao longo dos anos, desde 1970.

Lá em Manhattan e Amsterdam foram abertos canais de escoamento no próprio solo em torno das cidades e parques, formando pequenos lagos e ilhotas onde a água é retida e não chega a atingir a área urbana. Ainda existem outros sistemas de drenagem que funcionam muito bem.

Quanto ao Rio Grande do Sul, o que vão fazer depois que as águas baixarem? Acredito que simplesmente vão colocar tratores e escavadeiras para limpar os entulhos das ruas, praças e avenidas. A pergunta que fica é: E quando as águas baixarem? Vamos esperar para ver.

As estradas, o aeroporto, as calçadas e pontes vão ser consertados e erguidos para normalizar o trânsito. Prédios receberão alguma reforma com novas pinturas. As casas e bairros serão reconstruídos nos mesmos lugares. Fazemos questão de não aprender a conviver com as catástrofes, como ocorrem até hoje com as secas no Nordeste.

No mais, tudo continuará no mesmo até que os fatos se repitam. Não é isso que sempre acontece no Brasil? Ah, vamos esperar também os casos de desvios de recursos e até de corrupção com as doações.

Fora as perdas de vidas humanas, entre 200 a 300 pessoas, as mais significativas e irrecuperáveis para seus familiares e amigos, não temos ideia dos prejuízos materiais que certamente serão incalculáveis, como também não sabemos o volume de recursos em dinheiro arrecadado das campanhas feitas pelo Brasil inteiro. Temos ainda verbas da União e do Governo do Estado. Juntando tudo isso, vamos ter bilhões de reais.

Somando as contas, entendo que o Rio Grande do Sul terá recursos suficientes para contratar os melhores arquitetos e engenheiros urbanistas, no sentido de elaborar projetos semelhantes aos que foram implantados em Nova Iorque, Amsterdam, na Holanda, e em outros países desenvolvidos.

O DIÁLOGO INTERROMPIDO

Da forma um tanto agressiva como os movimentos negros, feministas, LGBTs  e mais colocam a questão e o tema em debate, como se fosse uma guerra aberta declarada contra  todos os outros, ao invés de unir, no sentido de que todos sejam iguais e merecem respeito e consideração, está cada vez mais dividindo, criando ódio, intolerância e separação.

Alguém, a esta altura deve estar a perguntar aonde eu quero chegar? Primeiro, eu peço liberdade para passar e expressar meu ponto de vista. Segundo, que não seja logo sentenciado e linchado pela caravana enfurecida. Terceiro, que o diálogo em nosso país, nos últimos anos, foi interrompido, e muita gente boa evita falar sobre determinados assuntos para não ser logo taxado de racista, machista, misoginista, homofobista ou outros istas. Não é impondo que se conquista uma sociedade igualitária e justa.

Uma coisa é a pessoa, e são muitas, declarar e praticar o racismo, o machismo ou homofobismo, outra é dar sua opinião como esses problemas vêm sendo postos com rancor e revanchismo. Muitas falas dão um tom acintoso, como se dissesse agora é a vez de nos vingar e partir para violência. Com minha idade, já tomei muitas porradas na vida e não é mais uma que vá fazer diferença.

A escravidão de 350 anos nas Américas e no Brasil, principalmente, foi abominável, mas a humanidade atual não é culpada para ser colocada no tronco, nem ser crucificada. Nas novelas atuais, a Rede Globo (sempre teve DNA burguês), para conquistar sua audiência como defensora das minorias, está se aproveitando disso e enveredando pelo ridículo equivocado, injetando mais veneno.

Os grupos LGBTs têm todo direito de sair às ruas, praças e avenidas e realizarem suas marchas, mas não precisam agredir religiões e se expor de maneira escandalosa. Sabemos que o Brasil é um país conservador religioso e não vai se mudar isso de uma hora para outra jogando pedras e flechas para todos os lados. As coisas podem ser muito bem colocadas de forma respeitosa.

E, por falar em respeito, entendo que todos devem ser respeitados, não somente o idoso, a criança, a mulher, o negro, o homossexual, o portador de necessidades especiais. Assim como o homem não deve e não pode ser agressivo conta a mulher, a recíproca é verdadeira.

A mulher também não tem o direto de pôr o dedo em riste contra o homem. Tanto quanto os homens, conheço mulheres autoritárias e manipuladoras que acham que podem ser assim porque sua categoria foi há anos subjugada e submissa. Não é assim que a banda toca. É um pensamento enviesado e torto.

Em minha opinião, o respeito vale para todos. Não estou aqui entrando na abordagem dos homens que batem e matam mulheres por ciúmes ou outros motivos. Isso é altamente condenável e deve ser combatido.  Estou me referindo a atitudes e comportamentos desses movimentos que, no lugar de abrir o diálogo, só fazem interromper.

Não se deve destilar ódio do passado para aqueles que vivem no presente. Nessa toada, ao invés de curar e fechar as cicatrizes, a raiva só faz abrir mais as feridas. Tem gente que já traz, ou guarda consigo ao lado, uma bolsa de veneno para jogar na primeira discussão que lhe desagrade e não esteja dentro do seu politicamente correto.

Infelizmente, o diálogo está interrompido e atravancado. Existe um patrulhamento ferrado onde milhares evitam falar para não ser mal interpretado e rotulado como racista, machista e outras coisa horríveis.

Hoje não se pode ter um debate aberto mais acirrado com certas categorias que foram injustiçadas ao longo dos séculos, senão você será processado no rol da questão de gênero. Você está impedido, por exemplo, de dar sua posição sobre as cotas, como se fosse uma coisa absoluta e intocável.

Esse caminho da revanche, do julgamento precipitado e do dividir vão nos levar a algum lugar de reconciliação? Não existe essa de fala, de arte, de literatura e consciência diferenciadas, de acordo com a cor da pele ou de gênero.

Existem expressões culturais diferentes, como nos ritmos musicais. Respeito quem tem o ponto de vista ao contrário, mas sem essa de agressões e rótulos. Não sou gado para ser ferrado. No lugar da esperança, criamos o medo um do outro. No lugar do diálogo, optamos pelo monólogo. No lugar do debate saudável, a agressão e o ódio.

Na minha cabeça e leitura, as pessoas têm o direito de discordar dos programas “assistencialistas” do Bolsa Família e outras políticas públicas, da união do casamento entre gays, mas não podem sair por aí espalhando sua raiva canina. O outro lado, também não. Todos têm o direito de criticar os governantes, com responsabilidade, sem lançar mentiras e ofensas infundadas.

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia