Há muito tempo que Salvador precisava ter um museu que resgatasse a riqueza musical de seus grandes artistas que ganharam fama nacional e internacional, como João Gilberto, Gilberto Gil, Raul Seixas, Caetano Veloso, Dodô e Osmar, Luis Caldas, Tom Zé, Capinam, Assis Valente, Morais Moreira e tantos outros nomes que nos orgulham.

Com um projeto iniciado lá no governo de ACM Neto, finalmente “A Cidade da Musica da Bahia” foi inaugurada na semana passada no antigo casarão de azulejos da Cidade Baixa, na Praça Cairú, em frente do Mercado Modelo e do Elevador Lacerda, numa boa localização que revive a nossa história.

Em viagem à capital por motivo familiar, tive o privilégio de ser um dos primeiros a visitar e conhecer seu grandioso acervo musical, com um estilo que não deixa nada a dever a outras casas dessa natureza em outros países avançados. Foi como entrar no túnel do tempo! Foi um planejamento de anos que valeu a pena, com um pessoal bem treinado no quesito atendimento ao turista.

Posso dizer que fiquei encantado com o que vi lá dentro sobre a Bahia Musical, se bem que faço minhas restrições a muitos personagens de “compositores” sem conteúdos em suas letras, com músicas que deixam muito a desejar, como é o caso do axé dos tempos mais atuais. Muita coisa é lixo, na minha concepção.

No computo geral, é, sem dúvida, um apanhado histórico que fica registrado para a posteridade. Lá dentro existe uma interação muito grande entre os atores dessa linguagem artística com o público. Existem estilos para todos os gostos, como do karaokê, o funk, o sertanejo, o arrocha até o pop, a bossa nova, o samba, o reague e outras misturadas características da Bahia.

Ao entrar, me senti dentro da cultura baiana em se tratando da sua expressiva musicalidade que irradia o mundo. Lá dentro você recebe uma gama de conhecimento sobre os variados tipos de samba, a capoeira, sobre o conjunto das batidas percussionistas em harmonia com o candomblé, o rock de Raul Seixas e as festas de carnaval, Santa Bárbara, de Largo e tantas outras que atraem milhões de turistas brasileiros e do exterior.

O museu, que só enriquece mais Salvador, está em três andares do prédio todo forrado de azulejos, com cabines que apresentam ao visitante um leque variado de artistas e gente que contam as histórias dessa capital da música. O local ainda possui um estúdio de gravação para quem estiver interessado em musicar seu trabalho, uma biblioteca com obras valiosas, não apenas sobre o tema do museu, uma loja de objetos de lembrança da terra e uma lanchonete.

Lá dentro existem várias salas de exibições dos carnavais e das principais festas, com belas performances dos cantores e compositores. É claro que não podiam ficar de fora os trios elétricos criados por Dodô e Osmar, sem deixar de citar o Tapajós. Diante do poder aquisitivo do soteropolitano, considero alto o ingresso de 20 reais inteira e 10 meia.