agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

:: ‘Notícias’

AS FARRAS DAS EMENDAS PARLAMENTARES E O CAOS SOCIAL NO BRASIL DO MAPA DA FOME

O Congresso Nacional se transformou no pior câncer do Brasil ou num vírus que já matou mais que a Covid-19, enquanto juristas de tendência política cravam suas garras no Supremo Tribunal Federal (STF) dizendo que a corte deu um golpe com suas sentenças ao interferir nos outros poderes, sobretudo no executivo.

Não restam dúvidas que estão todos apodrecidos, mas o STF é apenas provocado e ainda procura defender a nossa frágil democracia de uma ditadura militar. Ainda é uma trincheira a favor de eleições livres. No entanto, o Congresso é o maior vilão, principalmente a partir do “Centrão” comprado por emendas escandalosas, enquanto mais de 50 milhões passam fome e ficam nas filas do osso e das peles de animais para fazer um escaldado para enganar o estômago.

CATAM LIXO NAS RUAS

Crianças aparecem raquíticas e desnutridas como nas cenas degradantes e desumanas em Biafra, Senegal, na Guiné, no Haiti e no Congo. Milhões de desempregado catam lixo nas ruas, e a polícia todos os dias joga jatos de água em moradores de rua e desloca as cracolândias para outras praças e avenidas. Vivemos um verdadeiro caos social, com matanças indiscriminadas pela violência e massacres de seres humanos. Lá fora, nós somos vistos com pena pelos estrangeiros.

Enquanto isso, por apoiar presidentes da Câmara, do Senado e o próprio capitão-presidente psicopata, deputados e senadores recebem polpudas emendas parlamentares secretas para aplicar em projetos escusos eleitoreiros. São 15, 20, 30 e 50 milhões que recebem quando ocorre uma votação de interesse particular para manter o poder, como a recente que aumenta o auxílio “emergencial”, como se isso fosse resolver o problema da miséria.

O próprio senador Marcos do Val, do Podemos, achou estranho ter sido aquinhoado com uma emenda de 50 milhões de reais para o estado do Espírito Santo. Até o próprio ficou estarrecido e foi perguntar o motivo. A resposta foi porque ele apoiou o Pacheco para ser eleito presidente do Senado. Mesmo sendo eleitos e com direito como os outros, alguns ficam com apenas 10 ou 15 milhões.

Por si só, essas emendas já são uma aberração, especialmente agora com um tal orçamento secreto. São verdadeiros vendilhões do templo, e ainda aparecem os cínicos e os caras de pau na televisão falando que estão trabalham pelo povo, pela causa social. O Congresso, meus senhores, é uma quadrilha organizada e, tanto a direita, a esquerda, a extrema e o centro se unem quando o negócio é saquear os cofres públicos ou aprovar leis eleitoreiras para que todo esse sistema permaneça como está.

Em outro país, de gente não submissa e indignada, que não aceita ser explorada, já teria ocorrido uma revolução ou invasão dos palácios imperiais, como aconteceu agora no Siri Lanka, na Ásia. Aqui, todos baixam a cabeça e ainda agradecem as migalhas que recebem, dando seu voto de misericórdia a esses malfeitores e salteadores. Temos uma massa manobrável sem nenhum nível crítico que foi construída e moldada ao longo da história desses 522 anos de corrupção e falta de educação.

Escrevo esse texto transbordando toda minha revolta quando em minha mente passa todos os dias esse quadro de terror em meu país, que muito gostaria que fosse outro, não com essa tirania social de milhões passando fome e amontoados em casebres fedorentos, sendo aos poucos exterminados. São, na verdade, milhões de mortos-vivos. São fantasmas!

Depois das eleições é comum ouvir de “cientistas políticos” e das próprias estatísticas feitas por agências de pesquisas que o Congresso, as assembleias e as câmaras de vereadores tiveram renovação de 50 e até 60%, mas tudo isso não passa de mais um engodo. Na verdade, são os velhos caciques que entregam o bastão do poder para seus filhos e parentes mais novos, que já carregam o DNA dos pais e avós, com os vícios das malandragens.

Depois de mamar por muitos e muitos anos e encher as burras de dinheiro, o pai, ou o avô, chama o filho ou o neto e simplesmente diz que vai dar 100, 200 ou 300 mil votos para eleger sua cria. Outras vezes o cara resolve subir para a Câmara Federal ou Senado e seus mesmos votos elegem seu herdeiro para uma assembleia estadual, como nos velhos tempos dos coronéis e oligarcas latifundiários.

Esse esquema anacrônico já perdura há séculos. Então, não existe nada de mudança, só ilusão para os olhos de quem não enxerga. A grande maioria dos brasileiros está cega, muda e surda; sofre de amnésia; continua a cometer os mesmos erros do passado porque não tem história; e a outra parte menor aproveita dessa cegueira para roubar e fazer suas falcatruas. Isso tem passado de geração em geração, mas essa galinha dos ovos de ouro um dia pode secar.

PRIMEIRO ENCONTRO DOS POVOS DE AXÉ

POR UMA PRAÇA DOS ORIXÁS EM CONQUISTA

Com um ato religioso das mães de santo, acompanhadas pelos sons dos ataques, na abertura dos trabalhos, foi realizado em Vitória da Conquista, no último dia 9 (sábado), na Praça de Alimentação do Centro Cultural Glauber Rocha, o 1º Encontro dos Povos de Axé, com a representação de vários terreiros, do secretário de Desenvolvimento Social, Michael Farias Alencar Lima, do presidente do Conselho Municipal de Cultura, Jeremias Macário, dentre outros convidados do candomblé e da sociedade civil e militar.

Na avaliação de Mãe Graça, presidente da Rede Caminhos dos Búzios, uma das organizadoras do evento em conjunto com o Coletivo de Entidades Negras e Associação Cultural Agentes de Pastoral Negros, o encontro foi muito proveitoso por ter colocado em discussão questões atuais relacionadas aos povos de axé e aos negros em geral, como a intolerância religiosa, a retomada da Fundação Palmares, políticas públicas para os negros, o racismo que continua arraigado em nossa sociedade, as dificuldades que atravessam os terreiros em Conquista (mais de 70), a assistência social a essa gente, dentre outros problemas que afligem os afrodescendentes.

Na ocasião, ocorreram mesas redondas, rodas de conversas com temas sobre religião, racismo, participação do povo de Axé na política e outras abordagens. O encontro que teve início por volta das 9 horas da manhã, só terminou no final da tarde, com várias posições dos participantes contra a falta de políticas públicas dos governos em relação aos povos negros que têm sido vítimas de ações de violência e discriminação por parte de policiais.

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Segundo Mãe Graça, o encontro, que contou com a participação de mais de 160 pessoas, foi um marco, e outros virão para unir mais ainda os povos de axé, visando alcançar seus objetivos e demandas. Em sua fala na abertura, o presidente do Conselho de Cultura condenou a intolerância religiosa que ainda perdura em pleno século XXI, e disse que não devíamos estar mais discutindo esse assunto, se houvesse mais compreensão e respeito religioso. Infelizmente, ainda estamos num país atrasado em pleno 2022.

Ainda em seu pronunciamento, sugeriu, com apoio e iniciativa do legislativo e do executivo, que seja criada em Vitória da Conquista, a Praça dos Orixás, como já existe a Praça da Bíblia, do Índio e outras em homenagens a personalidades da nossa história. O secretário de Desenvolvimento Social prometeu realizar ações de assistência social junto às comunidades de terreiro ainda nesses próximos meses.

O encontro teve ainda as presenças das mães de Santo Olinda, babalorixá e coordenadora da Igualdade Racial, Carminha, Cris, Lena, Paula, dos pais de Santo Idailton, Marcos, Santinho, Luciano, Ricardo, de Thais Pimenta, do Conselho de Cultura e do Núcleo Territorial de Cultura do Estado, do vereador Alexandre Xandó, também integrante titular do Conselho de Cultura, representantes do Conselho Titular da Criança e do Adolescente, da OAB, de outros órgãos e entidades da sociedade conquistense.

PROJETOS NA ÁREA CULTURAL VÃO AJUDAR ARTISTAS CONQUISTENSES

Não é muita coisa porque nos últimos anos a cultura nesses país só tem ficado com as sobras, mas a “Lei Paulo Gustavo”, de R$3,8 bilhões, vetada pelo capitão-presidente e agora restaurada pelo Congresso Nacional com a pressão da classe artística, destinada a ações emergenciais no setor, vai proporcionar uma boa ajuda aos artistas conquistenses que, como tantos outros, continuam no sufoco, principalmente depois de dois anos parrados por causa da pandemia.

Pelo critério de divisão, de acordo com a proporcionalidade populacional e do Fundo de Participação dos Municípios, a Secretaria de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer-Sectel de Conquista poderá abocanhar cerca de R$2,7 milhões, podendo beneficiar cerca de 500 artistas em diversas linguagens. Dois terços serão aplicados em projetos audiovisuais e os outros restantes nos demais segmentos. Os recursos são provenientes do superávit do Fundo Nacional de Cultura (FNC).

EFEITOS DA COVID-19

Conforme o projeto, cujo relator foi o senador Alexandre Silveira, a União terá de enviar o dinheiro aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios, para aplicação em iniciativas que visem combater e reduzir os efeitos da Covid-19 na cultura. Esses entes serão responsáveis pela indicação das ações, formação de comissão de seleção dos editais abrangendo todas linguagens artísticas, entre outros atributos

A proposta foi feita em homenagem ao ator Paulo Gustavo que morreu vítima do vírus, em maio de 2021. Essa lei é a segunda aprovada pelo Congresso para auxiliar a área cultural, mas ainda é muito pouco. Outro projeto é o PL 1.518/21, chamado de Lei Aldir Blanc 2, no valor de R$3 bilhões de fomento à cultura, a partir de 2023, devendo vigorar até 2027. A lei é também uma homenagem ao artista que faleceu em 2020 de Covid.

O último apoio aos artistas conquistenses em forma de edital ocorreu no final do ano passado, beneficiando 400 participantes, num valor em torno de R$300 mil, verba do Fundo Cultural e do orçamento da Prefeitura Municipal. Cada selecionado recebeu cerca de R$750 reais, uma pequena quantia que não atendeu às necessidades dos participantes, Em 2020, em plena pandemia, Conquista recebeu cerca de R$2,2 milhões da Lei Aldir Blanc 1, quando 500 artistas de variadas linguagens foram contemplados.

 

LEI ALDIR BLANC 2

Essa Lei Aldir Blanc 2 foi proposta pela deputada Jandira Feghali e mais outros cinco deputados, tendo como relator o parlamentar Veneziano Vital do Rego. Esses recursos de R$3 bilhões, em cada ano, deverão ser investidos em 17 ações, como festivais, exposições, espetáculos, feiras, prêmios, bolsas para estudantes, intercâmbio cultural, aquisição de obras, digitalização patrimonial, reformas de centros, bibliotecas, teatros, dentre outros setores.

De acordo com o projeto, 80% dessa verba serão destinadas a ações de apoio na área cultural, como editais, prêmios, cursos, manutenção de espaços artísticos, dentre outras iniciativas correlatas. Os outros 20% vão para incentivo a programas e projetos em locais periféricos urbanos e rurais, bem como em comunidades tradicionais.

PROJETO PAULO GUSTAVO

De acordo com informações dos produtores culturais Jardiel Alarcon e Afonso Silvestre, o projeto Paulo Gustavo precisa ser publicado oficialmente em âmbito federal, devendo sair ainda nesta semana. A lei será regulamentada pela Presidência da República, com detalhamentos sobre seu funcionamento, num tempo de cerca de um mês.

Os estados e os municípios devem apresentar seus planos de trabalho junto ao governo federal com respaldo da participação social através de seus conselhos, plenárias ou audiência pública, dentro de um prazo de 60 dias.

Estes entes vão se habilitar, com base em suas burocracias, ao recebimento da verba que lhes cabem e uso do montante financeiro, com seus regramentos e regulamentações por meio de decretos e resoluções.

Os municípios e estados devem fazer seus empenhos gerais para seus fundos culturais para que os recursos sejam liberados ainda neste ano de 2022. A partir daí, lançam seus editais com cronograma legitimado pelo jurídico.

Pelo padrão, os editais locais devem ter prazos de inscrições, contratação de comissão de seleção, avaliação dos inscritos, resultado, tempo para recorrer e publicação de resultado final no Diário Oficial. Existem outros trâmites burocráticos que devem ser observados pelos beneficiários dos recursos federais.

 

MAIS UM CASO A SER ARQUIVADO

Como o caso do menino Maicon, que ninguém mais se lembra, as mortes dos ciganos (fato mais recente), a chacina numa periferia de Vitória da Conquista, o assassinato do jornalista João Alberto no final dos anos 90, dentre outros, a morte do jovem Yuri Oliveira, filho do jornalista Tico Oliveira, pelo pelotão Peto da polícia militar, será mais uma ocorrência destinada a ir para o arquivo morto.

Conforme relato de Bianca, esposa da vítima, que deixou dois filhos menores, um de 12 e outro de 10 anos, os policiais invadiram sua residência sem mandado judicial, o que constitui em crime contra a Constituição, e Yuri foi colocado na viatura, possivelmente já morto. Será que eles não sabem que entrar numa residência privada só com um mandado da justiça? Fariam isso se fosse na mansão de um ricaço ou de um político?

Os familiares só foram saber do seu falecimento horas depois, no Hospital de Base. Bianca ainda relatou que implorou para entrar em sua casa no momento da invasão, mas foi impedida pela polícia. Quando conseguiu, a casa estava cheia de sangue, segundo informações da própria.

Como sempre acontecem nessas ocasiões, o comando militar sempre anuncia que vai apurar e investigar a ação irregular de seus subordinados, mas o tempo passa e tudo cai no esquecimento. A mídia também comete o pecado de não acompanhar o resultado da investigação. O sistema já está errado quando é regra geral a polícia investigar polícia, no caso a corregedoria que cheira com corporativismo.

A impunidade neste país é mãe da violência. O pior de tudo isso é que boa parte da sociedade compactua com esses atos, dizendo que a polícia tem mesmo é que matar. Eu mesmo já ouvi muito isso da boca de certas pessoas em Conquista, não imaginando que um dia pode acontecer com elas ou com alguém da sua família.

É mais um fato brutal que nos faz lembrar os tempos da ditadura civil-militar de 1964 e do AI-5 onde os direitos humanos foram simplesmente abolidos. Não importa se a pessoa tem passagem pela polícia, se o procedimento ultrapassa os limites constitucionais e termina em morte que poderia ser evitada através da prisão do perseguido, ainda quando este estava dentro da sua residência. Não dá para entender que uma pessoa sozinha com um revólver vá enfrentar policiais fortemente armados, só se estiver com o intuito de se suicidar.

 

 

OS “BEBUNS” DO JENIPAPO

Nas andanças da vida, a gente vê e observa coisas hilárias, inusitadas e outras cotidianas que vamos incorporando aos nossos arquivos de lembranças. Os cronistas do tempo, desde a Grécia Antiga, delas se aproveitavam dessas matérias-primas para nos ofertar belos textos, muitos dos quais em forma de comédia, humor e até tragédias.

Pois é, na semana do São João estava eu numa dessas andanças pelas bandas de Juazeiro, Senhor do Bonfim e Jacobina, com intuito de encerrar as festas juninas em minha querida Piritiba, mas meu desejo de curtição evaporou-se por causa dessa pandemia. Em Bonfim tinha parentes com covid e, quando estava no distrito de Jenipapo, recebi notícia semelhante sobre a situação de Piritiba.

Com essa frustração toda, fui obrigado a retornar para Juazeiro, mas antes pernoitei na casa da minha irmã que reside atualmente no distrito de Jenipapo, que uns dizem pertencer a Jacobina e outros a Miguel Calmon, vizinho de Piritiba. Bem, isso é menos relevante que os “bebuns”.

É só para dizer que recebi o castigo dos deuses para atravessar mais um ano (agora são três) sem ver a cara da festa mais popular nordestina que mais adoro, apesar de terem descaracterizado. Até o prefeito do município de Laje, na Bahia, tentou proibir que se fizessem fogueiras no seu asfalto novo. Pense num absurdo…. dizia o ex-governador João Mangabeira.

Não quis o santo que eu tomasse nem um quentão, comesse uma canjica, um milho e nem saboreasse um amendoim cozido. Imagino que fiz alguma coisa contra ele para merecer essa punição de não cair na gandaia dos folguedos e me esbaldar como sempre faço.

Estou enrolando com isso tudo e ainda não falei dos “bebuns” do Jenipapo, mas vamos lá. Logo que cheguei, por volta das 13 horas, me deparei na rua principal da entrada (só existem umas duas ou três, e haja quebra-molas!) com um grupo de três ou quatro “cachacistas”, em pleno dia de semana, numa batucada infernal com uma pequena caixa de som estragado do tipo “bate estaca”. A coisa estava animada e só rolava a pinga braba misturada. Como não tinha mulher, dançava homem com homem no chão batido na porta da rua. Abraço pra lá, amigo pra cá e até beijo de cumpadi.

A fome começou a bater, e ai fui providenciar uma bar-restaurante para forrar a barriga que já roncava. Comida fria cheia de comim, mas a fome fala mais alto. Tomei umas geladas, que ninguém é de ferro e, na volta, os “bebuns” continuavam ainda mais animados. A tarde caiu, e os “pingunços” entraram pela noite a dentro ao som da caixa. Sem luz no casebre, a farra foi mesmo no escuro.

Cá de longe a tudo “filmava” e me divertia para esquecer que não ia mais farrear meu São João em Piritiba. Quanta saudade! Quando já era tarde, lá vem eles falar comigo com aquele bafo de álcool e conversa mole, para me convidar a se juntar a eles.

Tive que dar uma saída de que não bebia, mas o melhor estava reservado quando por volta das 24 horas, saiu de um bar, não de onde, um “bebum” caxingando de uma perna e arrastando chinela pela aquela rua deserta sem mais uma viva alma.

Uma cena hilariante! O “bebo” dava dois passos pra frente e três para trás. Uma luta danada para vencer sua embriaguez, até que se aprumou e encurtou a distância para sua casa, sem antes dar uma parada e mijar na rua. Que alivio deve ter sido!

Fiquei assuntando sua peregrinação etílica até chegar na porta do casebre. Foi a cena que me deixou mais descontraído porque o “bebum” demorou uns cinco minutos para abrir a porta. Ia de vez e voltava de costas, tentando acertar a chave na fechadura.

Naquela agonia, pensei até em ir lá para ajudá-lo, mas teve uma vez que mirou o alvo e lá caiu de vez na sala, deixando tudo aberto. Fui dormir e não soube mais o que aconteceu porque logo cedo peguei estrada, deixando Jenipapo dos “bebuns” para trás.

LINDO POR FORA E ESTRAGADO POR DENTRO

Muitos discordam e outros que é derrotismo, mas a realidade nos mostra que temos um Brasil lindo por fora de oito mil quilômetros de belas praias e encantadas paisagens naturais, e outro estragado por dentro desde que aqui chegou Cabral e depois mais uma leva de invasores que nessa terra, onde tudo dá, plantaram a corrupção, a esperteza de passar a rasteira no outro e a malandragem. No geral, somos filhos de pais com mau caráter e desvios de condutas.

São 522 anos de história cheia de ciclos econômicos e ziguezagues de Pau Brasil, Cana-de-Açúcar, Corrida do ouro e do diamante, do Café e da Borracha, uma parte de capitanias hereditárias para manter o luxo dos reis de Portugal no período colonial e a outra nas mãos de senhores oligarcas e coronéis opressores do povo que até hoje continua inculta e submissa de cabeça baixa. Temos um sistema eleitoral onde nada muda e sempre permanecem os mesmos viciados em roubar e tramar contra a República.

A parte linda de suas florestas, cachoeiras, rios, litoral, mar, baías, biomas exuberantes, biodiversidade, a fauna e a flora está sendo derrubada e queimada criminosamente, poluída e usada desordenadamente para dela extrair o capital para cada vez mais concentrar renda e aumentar as desigualdades sociais. Os índios praticamente foram dizimados pelos brancos, e os que restaram estão sendo violentamente massacrados pelos garimpos clandestinos e expulsão de suas terras.

Existe ainda uma parte linda, mas com um futuro desastroso, cujo impacto ambiental foi acelerado nesses últimos quatro anos nesse governo criminoso do capitão-presidente que mandou esvaziar e desmantelar os órgãos fiscalizadores e promotores da preservação. O Pantanal, a Floresta Amazônica e até a nossa caatinga estão sendo desfigurados e se tornando regiões desérticas.

Tudo isso está acontecendo aos olhos dos brasileiros e do mundo, com a anuência de um presidente e de um Congresso Nacional comprado e corrupto. Praticamente não existem clamor, indignação, revolta e protestos, mas somente conversas de blábláblás de cientistas, especialistas, ativistas, artistas e intelectuais que preferem ficar atrás das câmaras dando suas opiniões, ou no silêncio perturbador.

Cadê toda essa gente nas ruas, praças e avenidas para defender o direito das nossas futuras gerações e brigar para que o lindo não se torne feio, para que o mau canceroso seja extirpado. Não é somente a natureza, o nosso lindo patrimônio cultural, museus, monumentos e bibliotecas também estão sendo destruídos pelo fogo ou pelo tempo por falta de manutenção. Muitos dos nossos bens imateriais, costumes e tradições seculares estão desaparecendo e outros tantos nem existem mais. As nossas festas juninas, por exemplo, viraram shows de funks, hip-hop, lambadas, as comidas típicas substituídas por hamburguês, cachorro-quente e os folguedos se foram.

Como citei antes na abertura, o Brasil, infelizmente, nasceu estragado, que precisa ser jogado no lixo para que venha um novo. O nosso país tem um passado estragado vergonhoso de 350 anos de escravidão brutal que, de certa fora, perdura até hoje no trabalho e no tratamento para com seus filhos. Tem um longo passado de ditaduras de governos tirânicos torturadores, mais que liberdade e democracia. Tem a má formação colonial, imperial e republicana, todas sem a participação popular que sempre foi relegada e esmagada quando tentou se rebelar.

Para completar o estrago, temos dois brasis ou mais, um de lindas avenidas luxuosas e outros de ruelas, becos e esquinas de casebres subumanos, sem água potável e vivendo em pleno esgoto a céu aberto. Temos crianças raquíticas sem escolas, ingerindo drogas ou vendendo balas nas sinaleiras. Temos cracolândias e milhares morando nas ruas e viadutos. Temos um ser humano degradado que perdeu a esperança e tem medo de sair às ruas.

A parte estragada do nosso gigante Brasil está nas safadezas de cafajestes políticos carcamanos mafiosos, na elite capitalista que não quer divisão social, nas mordomias nababescas dos três poderes, nos extremistas fascistas, terraplanistas e fanáticos religiosos ou não, que primam pela prática do preconceito, do racismo, da homofobia, da misoginia e uma nação retrógrada nas ideias e no pensamento, inclusive pedindo uma intervenção militar ditatorial.

O estragado está também nessa esquerda arcaica, de linguagem velha, que esqueceu suas bases junto ao povo, para se agarrar ao poder, inclusive se juntando a essa direita quando é da sua conveniência. Está nos quase cem anos de atraso na educação, nos mais de 30 milhões de famintos, nos doze milhões de desempregados, nas violências bárbaras, nas matanças de cidadãos pelas polícias, nas favelas desumana, nos corredores da morte dos hospitais superlotados e na própria população que se deixou contaminar pelos malfeitos que vêm lá do alto, gerando a falta de respeito para com o outro do seu mesmo nível de pobreza.

A parte estragada está em nós mesmos egoístas que não reagimos, mas nos contentamos com o pouco de ter um carrinho na garagem, uma viagem vez ou outra e uma cervejinha em final de semana. Está estragado no conservadorismo, na forma de planejar o crescimento econômico e na priorização do individual pelo senso coletivo. Está na falta de consciência política, no voto vendido e comprado por favores, na ignorância de milhões de incultos, nas filas dos auxílios, nas doações como esmolas e na crença idiota de que foi Deus que assim sempre quis.

“MOMENTO HISTÓRICO”

Carlos González – jornalista

O título de uma das principais matérias do Diário Oficial de Vitória da Conquista da última sexta-feira (dia 1 º) chama atenção para suas primeiras palavras: “Momento histórico”. Na leitura do texto concluímos que esse relevante acontecimento, que entrará para os anais do município, se resumiu numa simples transmissão de cargo, no qual a prefeita Sheila Lemos, que vai fugir do frio por 15 dias, cede sua cadeira ao presidente da Câmara de Vereadores, Luís Carlos Dudé.

O papa Bento XVI entregou as chaves da sede da Igreja Católica Romana ao cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, que se tornou papa Francisco; o rei João Carlos I, da Espanha, abdicou em favor do seu filho Felipe VI, de quem sou um respeitoso súdito. Esses e outros atos similares vêm ocorrendo há séculos, sem afetação, principalmente nos países de regime parlamentarista, com constante troca de chefes de governo.

Para que amanhã Conquista não venha a ser comparada com Sucupira,  a risível cidade criada pelo escritor baiano Dias Gomes (1922-1999), não vejo necessidade de se repetir as formalidades, daqui a 15 dias, quando a prefeita retornar de seu merecido e tropical descanso. Um aperto de mãos e um abraço firmam a transmissão de poder.

Mas, em vez de um simples cumprimento, na presença de poucas testemunhas, em seu gabinete, a prefeita optou por uma festa cívica, num auditório decorado, na presença de políticos, servidores municipais, dirigentes de entidades empresariais e financeiras, e da imprensa – os veículos considerados independentes ficaram de fora. O texto do decreto de posse e assunção do cargo foi encadernado e recebeu as bênçãos de um sacerdote cristão.

Creio que o presidente Jair Bolsonaro – o governador Rui Costa, “persona non grata” desta gestão, nem foi lembrado – não foi convidado, porque, certamente, não perderia a oportunidade de promover mais uma motociata nas ruas de Conquista. Usando e abusando das aeronaves da FAB, o destemperado Messias atravessou os três anos e meio de seu (des)governo passeando pelo país, e “inaugurando” obras dos outros, uma delas, o Aeroporto Glauber Rocha.

“Não tenho dúvida que aqui se registra um momento histórico da maior grandeza”, admitiu Sheila Lemos no discurso de passagem do cargo, lembrando que Luís Carlos Dudé “é um amigo de muitos anos”, que adquiriu experiência política com os amigos que fez.

Ao agradecer, Dudé elogiou a gestão de Sheila, com realização de obras nos “quatro cantos da cidade” (não mencionou o caos na saúde e na educação e o abandono da zona rural); destacou o fato de ter nascido na Alegria (zona oeste), onde mora até hoje; de ter ganhado as primeiras moedas vendendo picolé e cocada; de sua identidade com o catolicismo. Dudé se referiu ao ex-prefeito José Pedral como “meu professor e como o maior político na história de Vitória da Conquista”.

Em cima do tema em questão eu perguntaria: quem acredita que Bolsonaro vai passar a faixa presidencial a Lula? Ele já disse que vai deixar o Brasil, mas não informou o destino. Suas divergências com chefes de governo, por causa da sua política em relação a Amazônia, vão lhe mostrar que só há um caminho: a Hungria, cujo primeiro-ministro, Viktor Orbán, é um ultradireitista, que, praticamente, amordaça a imprensa.

 

 

 

 

LANÇAMENTO DO MUSICANTE 2022

Foi lançado nesta sexta-feira (dia 1/07), num café da manhã, no salão Rafiki, o Musicante 2022 – 2º  Festival de Música Estudantil do Sudoeste Baiano, com as presenças dos deputados federal e estadual, Waldenor Pereira e José Raimundo, respectivamente, o diretor do Núcleo Estadual de Educação, Ricardo, o presidente do Conselho Municipal de Cultura, Jeremias Macário, professores, estudantes e demais convidados da sociedade conquistense.

O evento é uma promoção do Núcleo Territorial de Educação-NTE20, cuja diretora é a professora Nellyne Celene, com apoio financeiro da Secretaria de Educação do Estado e emendas parlamentares de Waldenor e José Raimundo. O concurso do festival, como qualquer outro, segue suas regras de seleção, e os vencedores serão premiados com verbas e troféus.

A solenidade de lançamento foi encerrada pelo cantor e compositor Evandro Correia e Igor de Brito, vencedor da primeira edição do Musicante, realizado de forma presencial e virtual em 2021, no Centro de Cultura Camilo de Jesus Lima, quando contou com a participação de 24 municípios da região sudoeste e 51 escolas.

O 2º Musicante deste ano será totalmente presencial no mês de novembro, no Centro de Cultura, devendo contar com maior número de inscritos, conforme previsão da diretora do NTE, Nellyne Celene, que se mostrou muito entusiasmada com a adesão dos estudantes ao Festival Estudantil, um sucesso de público.

Na ocasião, do lançamento do 2º Musicante, falaram os deputados Waldenor e José Raimundo enaltecendo a cultura e a arte que, segundo eles, foram mutiladas no atual governo federal, inclusive com o fim do Ministério da Cultura, mas reafirmaram que sempre sobreviverão às dificuldades do tempo.

PELO VISTO, A FOME E A MISÉRIA SE ACABAM LOGO APÓS AS ELEIÇÕES

Sem muitos comentários sobre a proposta do capitão-presidente de aumentar o auxílio de 400 reais para 600; conceder mil reais mensais aos caminhoneiros; e aumentar a ajuda ao gás de cozinha para as famílias pobres. Tudo isso só até o final do ano, bem próximo às eleições.

É uma cara de pau mesmo! Trata-se de uma atitude explícita de compra de votos, em conluio com um Congresso Nacional desmoralizante e corrupto. Pelo visto, a fome, a inflação e a miséria se acabam logo após as eleições. A saída desses parlamentares vendidos é votar um decreto de emergência.

Será que o nosso povo vai engolir mais essa safadeza? O Bozó e sua turma de cínicos acreditam que sim, porque eles estão confiantes que na fome de mais de 30 milhões de brasileiros será fácil comprar esses eleitores com um mísero prato de comida.

Enquanto isso, o nosso Brasil cada vez mais se afunda nos escândalos do Ministério da Educação e agora do ex-presidente da Caixa Econômica Federal, o assediador sexual das mulheres funcionárias, um psicopata na gestão de uma estatal.

Como sempre, todos são inocentes, ninguém viu, ninguém sabe e ninguém fez nada. O silêncio dos brasileiros continua a compactuar com toda essa bandalheira, em nome da desgraça dos desamparados e ignorantes. É uma psicopatia geral que tomou conta do país.

Com tudo isso acontecendo, ainda tem deputado que critica quem fala mal do Brasil lá fora. Gostaria de saber dele e de quem se sente incomodado se, no momento atual, existem coisas boas para se dizer aos estrangeiros?

O capitão vem há tempos tentando golpear as eleições, dizendo que as urnas não são confiantes e que vai haver fraudes. Tudo isso é uma trama armada por ele e os militares, com o propósito único de praticar irregularidades eleitorais e ficarem impunes.

Vem muito mais coisa absurda por aí nessa campanha, e seus atos criminosos vão passar incólumes pelo Tribunal Superior Eleitoral que terá receio de agir porque ele vai apelar de que está sendo perseguido. É um script montado por ele para ficar livre, para fazer o que bem entender.

 

 

UM EMPREENDIMENTO ARROJADO EM PLENO SERTÃO DO NORTE DA BAHIA

Em pleno sertão seco do norte da Bahia, no distrito de Maçaroca, distante 60 quilômetros de Juazeiro, onde predomina o árido do sol durante todo o ano, mas de terra farta em frutas, alimentadas pelas águas do Rio São Francisco, nasce um arrojado empreendimento movido a energia solar, voltado para a prestação de serviços nas áreas do lazer, esporte, entretenimento e do turismo.

Quem está erguendo este projeto visionário (quase concluído), que vai engrandecer mais ainda a cidade de Juazeiro da Bahia, é o empresário Rosemberg Macário, proprietário do conjunto de restaurante e posto denominado de “Folha Seca”, muito conhecido dos viajantes, turistas e caminhoneiros de todas as partes do Brasil que ali sempre fazem suas paradas para degustar uma boa comida caseira sertaneja, descansar e ainda comprar algumas lembranças artesanais da terra e do estado.

O movimento é intenso dia e noite naquela paisagem seca catingueira, cortada pela BR-407 onde as cabras e os bodes pastam tranquilamente nas margens da pista, especialmente no trecho de 120 quilômetros entre Senhor do Bonfim e Juazeiro. Em breve essa movimentação vai ser mais constante e procurada quando da inauguração desse novo conjunto de equipamentos, possivelmente prevista para ainda este ano.

Um dos destaques que certamente será mais apreciado e inédito na Bahia será a conclusão de um campo oficial de futebol com grama mista (sintética e natural) que só existe no estádio do Palmeiras, em São Paulo. Além de uma pista de corrida, será erguida uma arquibancada com capacidade para três mil pessoas.

Com outras instalações em torno, o campo se completa como um centro de treinamento para equipes profissionais de futebol que irão disputar partidas em Juazeiro, bem como a prática de outros esportes, tudo isso no sossego de lindas paisagens cinzentas e verdes da nossa caatinga do semiárido baiano onde ainda sobrevoam o carcará e o gavião.

De acordo com Rosemberg, já estão prontos três chalés de dois quartos com um de casal e outro com três camas para cinco a seis pessoas, sala de estar e cozinha. Em outra área foi construída uma pousada com dez apartamentos, todos eles com duas, três e quatro camas completos com televisão, internet, ar condicionado, frigobar, banheiros e outros móveis de uso pessoal.

Ainda fazem parte do conjunto, salão de jogos, um salão de eventos para seminários, simpósios e reuniões corporativas, com capacidade para 150 a 200 pessoas. O usuário vai conta também com uma área de restaurante, academia, dois vestiários para duas equipes com oito banheiros, piscina semiolímpica e um parque de diversão para crianças, uma pista de coper de 1.200 metros que ficará pronta nesses trinta dias, um campo gramado para futebol soçaite para oito pessoas de cada lado e outro oficial cuja grama está sendo instalada, ambos com modernos refletores, além de quadra de tênis, futevôlei e futebol de areia.

Segundo informações do próprio empresário, será acrescentado à piscina, próxima aos chalés, um tobogã com quarenta metros de altura para entretenimento dos visitantes, inclusive destinado a crianças, jovens e adultos. Toda área construída terá cerca de 600 metros de fundo por 200 de frente. Para atender toda essa demanda, o local contará com um extenso estacionamento para veículos.

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia