Um quintal sem flores é como uma alma sem cores. Nos momentos de mais introspecção ou quando se sente por dentro um vazio, elas lhe transportam para um outro lado do além, até mesmo para longe do conhecer e do saber que, na maioria das vezes, trazem sofrimento e dor. Elas podem não lhe dar uma resposta para seus enigmas e mistérios existenciais da vida, mas penetram em seu espírito e o faz aquietar-se, como se fossem calmantes naturais que fazem parar o tempo do passado, do presente e do futuro. Nas flores do meu quintal ainda tenho a me visitar o beija-flor e outros pássaros que cantam, encantam e espantam meus males. Elas são como almas vivas no meu caminho solitário do desconhecido. Dizem que também sou criador porque fui gerado da terra e a ela retornarei. Flores do meu quintal que não se cansam de sorrir para mim na alegria e na solidão do meu ser. São sábias as flores do meu quintal, como se fossem canções em noites de sarau. São poesias que não fazem distinção de crenças e fés. São curas para nossas doenças e dançam suavemente ao sabor do vento, tanto faz ser do norte ou do sul, do leste ou oeste. Elas são como rainhas e vinhas do nosso sertão Nordeste, tão agreste que abriga a flor do mandacaru.