Não é caso para comemorar e nem celebrar, mas para lembrar sua data em 1º de abril de 1964, que foi a ditadura civil-militar, para que nunca mais seja repetida. Como herança deixou feridas abertas na nação que foi a total impunidade contra os malditos torturadores que mataram e desapareceram com os corpos daqueles que lutaram pela liberdade.

Nesta data fatídica, o que mais ainda nos coloca em posição de indignação é que a nossa mídia de um modo geral, inclusive a da nossa terra conquistense, não fez nenhuma menção, nenhuma reportagem sobre o assunto, o que denota que temos hoje um jornalismo sem memória e história.

Condeno aqui também a postura das esquerdas (nem todas), especialmente do PT que governou durante mais de 20 anos o nosso país e se acovardou diante dos coronéis, delegados, oficiais e generais que cometeram suas atrocidades e depois retornaram para seus quartéis, seus palácios e suas poltronas confortáveis como se nada tivesse acontecido.

O Brasil foi talvez o único país da América do Sul que disse amém – e aqui incluo os três poderes – por não colocar esses criminosos no banco dos réus e não prendeu ninguém, ao contrário do que fez a Argentina, Uruguai e o Chile, somente para citar esses três hermanos. Na tese dessa dita “esquerda”, melhor deixar como está porque a condenação seria um ato de revanchismo.

Volto a afirmar que as feridas continuam abertas. É só alguém perguntar isso para as famílias que perderam seus entes queridos nos porões das torturas e outras que nem tiveram o direito de realizar seus ritos funerais porque esquartejaram, mutilaram e desapareceram com os corpos de seus parentes mais próximos, como fizeram com os guerrilheiros do Araguaia. Aqui mesmo em Vitória da Conquista tivemos o caso de Dinaelza Coqueiro.

Por falar em Vitória da Conquista, vem aí o seis de maio de 1964 quando a cidade, numa manhã frienta, foi cercada por cerca de 100 soldados do exército do capitão Bendock e simplesmente prenderam e cassaram o mandato do prefeito José Pedral Sampaio (teve seus direitos políticos cassados por 20 anos), eleito constitucionalmente pelo povo, se não me engano em 1962.

Essa operação (ocorreu o mesmo em Feira de Santana e Alagoinhas, na Bahia) durou pouco tempo, mas foi o suficiente para prender cerca de 100 dos nossos cidadãos. O mais grave é que o vereador Péricles Gusmão veio a morrer nas dependências do Batalhão Militar, segundo eles, um ato de suicídio, que não ficou totalmente comprovado. O professor Públio de Castro ficou nove meses presos (muitos foram levados para Salvador, inclusive o prefeito Pedral).

Tenho certeza que sobre essa data, quando a Câmara Municipal de Vereadores foi cercada pelas tropas do capitão e seus membros (nem todos) foram obrigados a cassar o mandato do prefeito, a nossa mídia vai passar “batida” e fazer de conta que nada existiu. Infelizmente, o nosso jornalismo de hoje mal cobre o factual ou registra os BOs (os boletins de ocorrências). Existe um monumento do escultor Romeu Ferreira na Praça Tancredo Neves em homenagem aos tombados baianos pela ditadura, mas a maioria desconhece.

Uma pena que nossos jovens em geral (existem poucas exceções) não sabem desse episódio cavernoso e vergonhoso que foi a ditadura civil-militar de 1964 (contou com apoio de civis e de muitas instituições, como da Igreja Católica) que exterminou com cerca de 500 brasileiros que se opuseram ao regime. Outros milhares foram presos e torturados.

É por essa mais criminosa impunidade da nossa história que vimos, até há pouco tempo, extremistas, negativistas, fascistas e nazistas saírem às ruas para pedirem uma intervenção militar, ou seja, outra ditadura dos generais. Tentaram um golpe em 8 de janeiro do ano passado.

Como essas feridas continuam abertas, nada nos garante uma tomada do poder pela força das armas, como queria o então ex-presidente capitão, que negou sua existência e ainda fez apologia a um dos maiores torturadores, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do Doi-Codi do II Exército (São Paulo), entre 1970 e 1974.

Não vou entrar aqui no âmbito mais profundo propriamente dito de como surgiu a ditadura de 1964 no Brasil, que, na verdade, começou com a renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961. Como João Goulart era o seu vice, por direito constitucional tinha que assumir a presidência, sem enfrentamentos, mas os generais se opuseram ferrenhamente, alegando ser ele da linha comunista, o maior inimigo da época.

A sociedade reagiu, tendo à sua frente os governadores Leonel Brizola, do Rio Grande do Sul (Campanha da Legalidade e o Grupo dos Onze), Miguel Arraes, de Pernambuco e outras lideranças organizadas. Jango terminou sendo empossado, mas sob o regime parlamentarista.

Tentaram outra vez em 1954/55 quando Getúlio Vargas se suicidou, mas o general legalista Lott barrou. Eles ficaram armados na tocaia e aí conseguiram destilar todo seu ódio em 1º de abril de 1964 quando o golpe foi consumado e governaram com a mão de ferro por mais de 20 anos. O pior período, chamado era de chumbo, foi a partir de 13 de dezembro de 1968, com o AI-5, até 1974, final do mandato do general Médici.

É lamentável que a grande maioria dos nossos brasileiros nada ou pouco sabe sobre essa triste história, ao ponto de um estudante, depois de uma palestra de um historiador ativista a respeito do assunto, perguntar se tudo aquilo que ele havia narrado, aconteceu mesmo. Que essa maldita, nunca mais no Brasil!