Autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário

Aleluia! Aleluia! Aleluia!

Nasci,

Sem pedir para vir,

Mas estou aqui

A respirar

Esse ar poluído,

Imundo,

Que construíram pra mim.

 

É a vida como é,

Ou “como ela é”,

De hipocrisias e sodomias,

Bela como aquarela,

Finita e infinita,

De dores e amores.

 

A vida é como é:

Pode estar,

No jogo do babalaô,

No oráculo do Ifá,

Na pregação do pastor,

Na Bíblia e no Alcorão,

Nas cenas de horror,

Culturas ou religiões,

Sentimentos ou razões,

No espírito ancestral,

Conflito existencial.

 

A vida é como é:

De acertos e desacertos,

De raivas,

Palavras amáveis,

Como viagem de trem,

De estação em estação,

Onde uns sobem,

Outros descem,

E ninguém é ninguém,

Com tantas gentes,

Diferentes,

Malditos e divinos,

Bom, mau ou feio,

Como criança no recreio,

Que nem sabe de onde veio.

 

A vida é como é:

Travessia

Do esfumaçado rio,

Onde o barqueiro,

Cobra uma moeda,

Para ser seu guia.

 

A vida é como é:

Alma da floresta,

Filho da montanha,

Perda e ganha,

Agonia e festa,

Templo do senhor,

Vingador,

Ilusão é fé.