De autoria do jornalista e escritos Jeremias Macário

Guerreiam dois reinos impérios:

Muçulmano e cristão

(Habsburgos e otomanos),

Fincados em seus mistérios,

Da represália religiosa odiosa,

Criaram a Branca Escravidão.

 

Brigam corsários, paxás e reis,

Turcos, mouros, maometanos e sultão

Contra Espanha, França, Portugal e Itália,

Desde a época das Cruzadas,

Por um reino no céu,

Até a Costa da Berbéria,

(Túnis, Trípoli e Argel)

Da humana matéria,

Branca Escravidão.

 

Essa Branca Escravidão,

Tem uma abominável história,

De rasa memória,

De padres, ricos e nobres,

Pescadores, camponeses pobres,

Por mar, terra e vilas litoral,

Pela força capturados,

Como prisioneiros acorrentados,

Nos cativeiros dos banhos públicos,

Como nos campos de concentração,

Vendidos no mercado Badistão.

 

Com a perda de seus provedores,

Apartados da sua pátria,

Mulheres viúvas em prantos,

Famílias choravam suas dores,

Idosos e crianças pelos cantos,

Comiam sobras do lixo,

Sem dinheiro para remição,

Dos escravos da Branca Escravidão.

 

Expostos a chuvas e sol nas galés,

Varadas, espancamentos e torturas,

Testavam suas crenças e fés,

E o renegado surrava seu irmão.

Trinitários e mercedários

Deles faziam suborno e promoção,

Para resgatar seus servos

Dos sofrimentos e agruras,

Da negra Branca Escravidão.