Por entre caminhões no posto de combustível, nos restaurantes, ranchos ou cruzando a BR-407 no árido sertão dos cactos, umbuzeiros e mandacarus, de Senhor do Bonfim a Juazeiro, numa distância de 120 quilômetros, o que mais se ver é a bodada (bodes e cabras), passeando ou pastando. Na sequidão, esses animais raspam o bagaço, reviram lixos e correm pra lá e pra cá atrás do alimento. Nas chuvas aproveitam a fartura viçosa para encher suas barrigas. São dóceis e lá se vão os cabritinhos e a as cabritinhas atrás de seus pais. Sem cercas reforçadas, eles são criados soltos pelos seus donos e quase ninguém mais presta atenção em seus movimentos. São livres para andar à vontade. Vez por outra, lá estão os motoristas desviando deles. Junto com os jumentos que, infelizmente, estão em extinção, a bodada também é símbolo desse Nordeste rico e cultural, de um povo simples que não perde a fé e a esperança. Há séculos, o bode já faz parte desse cenário e sua carne é uma iguaria apreciada na forma de assado, frito ou cozido com uma boa quiabada, cebola, farofa, pimenta e tomate. Quem não gosta de um bode, do forró, do baião e do xote, só pode ser doente da cabeça ou do pé, como se canta com relação ao samba, também um ritmo que nasceu em nosso querido Nordeste de Ariano Suassuna, Graciliano Ramos, Jorge Amado, José Lins do Rego, Câmara Cascudo, José de Alencar, Ruy Barbosa, Vandré, Zé Ramalho, Chico César, Caetano, Gilberto Gil e tantos outros poetas, compositores, músicos e escritores de sangue bom. O bode também está em nossa literatura e nas canções quando se fala dessa terra de sertanejo forte e persistente. Deixem nossa bodada solta passear!