dezembro 2023
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

:: 8/dez/2023 . 23:57

UM BRASILEIRÃO FORA DE SÉRIE

Carlos González – jornalista

Eu arriscaria a afirmar que, desde 1959, quando foi disputado o primeiro Campeonato Brasileiro com o nome de Taça Brasil, conquistado pelo Bahia, nenhuma das edições posteriores foi mais arrebatadora do que a deste ano. Independente do interesse despertado no público até a última rodada, o torneio promovido pela CBF foi marcado por fatos surpreendentes, que somente podem ser explicados pelo Sobrenatural do Almeida, personagem criado pelo jornalista tricolor Nélson Rodrigues.

O torcedor brasileiro tem conhecimento de sobra da derrocada do Botafogo depois de virar o turno com 47 pontos, um recorde no Brasileirão. Toda a “gordura” – 14 pontos na frente do segundo colocado – derreteu nos 19 jogos restantes, e o time alvinegro, que está há 28 anos na fila, caiu para a 5ª posição, que lhe dá o direito de disputar em 2024 uma pré-Libertadores  contra dois adversários.

Se duas das figuras mais populares da história do Bahia (o chefe de torcida “Lourinho” e o massagista “Alemão”) estivessem vivos eu diria que eles colocaram um galo (o símbolo do Atlético Mineiro) de bozó em alguma encruzilhada. O “trabalho” teria dado o resultado esperado, mantendo o Bahia na 1ª divisão do futebol brasileiro. Sua torcida estava desiludida; os seguidores de Exu (orixá que tem as cores vermelha e preta) já comemoravam; santistas e vascaínos  gratificavam via pix nas últimas rodadas os adversários do clube baiano. Senhor do Bonfim e Oxalá receberam os agradecimentos dos tricolores.

Um detalhe passou despercebido no jogo em que o Fortaleza venceu o Santos na Vila Belmiro, resultado que manteve o Bahia na divisão de elite nacional. Na minha opinião o clube cearense pagou uma dívida que tinha com Rogério Ceni. Entre 2018 e 2019, o ex-goleiro do São Paulo, iniciando na função de treinador, ganhou o Brasileirão da série B, a Copa do Nordeste e o Campeonato estadual, projetando o Fortaleza no cenário internacional – a Sul-Americana – e a liderança do futebol do Nordeste, mantida até hoje. O mais importante foi que Ceni ganhou o apreço dos desportistas cearenses.

Na realidade, não foi um campeonato onde os times esbanjaram técnica, uma virtude que o Brasil perdeu desde 1982. A exportação de jovens jogadores para a Europa tem sido cada vez maior e os clubes não têm como barrar esse comércio. A imprensa esportiva tece elogios ao palmeirense Endrick,  de 17 anos, negociado no ano passado com o Real Madri por 60 milhões de euros (R$ 316 milhões). Se uma empresa está com déficit em caixa é obrigada a se desfazer do seu patrimônio. O Flamengo gastou em contratações este ano R$ 746 milhões e não ganhou nada; o Corinthians recorre ao seu mais influente torcedor, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para saldar um débito de R$ 600 milhões com a Caixa.

Sejamos mais uma vez realistas, os estádios “encolheram” (um público hoje de 50 mil pessoas é destaque no noticiário) e a “fábrica de craques” fechou. Não veremos mais um Bahia de Osni, Douglas e Bobô; um Fluminense de Carlos Alberto e Rivelino; um São Paulo de Raí; um Palmeiras de Ademir da Guia; um Flamengo de Zico e Adílio; um Cruzeiro de Tostão e Nelinho; um Vasco de Roberto Dinamite e Romário; um Corinthians de Sócrates.

O Fluminense viaja para a Arábia Saudita onde a partir do dia 18 vai disputar o Mundial de Clubes. Não leva as bênçãos dos seus coirmãos. Pelo contrário. Rubro-negros, vascaínos e botafoguenses acusam o Tricolor de traidor, por ter escalado um time alternativo nas últimas rodadas do Brasileirão, sob a justificativa, sem a menor contestação, de que não ia arriscar seus melhores jogadores em jogos que não alterariam sua posição na tabela. Depois de ganhar a Libertadores, o Fluminense vai em busca de seu maior troféu.

Esse atípico Brasileirão de 2023 projetou no cenário nacional um clube do interior do país. O Bragantino, da cidade paulista de Bragança Paulista, garantiu como sexto colocado uma vaga na pré-Libertadores. Fundado em 1928, o clube alvirrubro, apelidado de Massa Bruta, mudou de identidade em 2019 ao se associar à indústria de bebidas energéticas Red Bull. Uma dica para os clubes do interior baiano, em especial ao Conquista.

O Vitória conseguiu finalmente se livrar do estigma de vice que carregava há 124 anos. Campeão da 2ª divisão do Brasileirão este ano, o rubro-negro está em dúvida se coloca uma estrela na camisa Outra indagação está relacionada à troca de identidade, mediante a quantia de R$300 milhões, oferecida pela Fatal Model, uma agência de aluguel de acompanhantes. Na consulta feita aos torcedores cerca de 90% se mostraram contrários.

CBF fragilizada

Um dia depois de ter participado de seu último ato oficial (entrega da taça de campeão brasileiro ao Palmeiras), Ednaldo Rodrigues é afastado da presidência da CBF, por decisão de três desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, sob justificativa de irregularidades no ritual da última eleição. Um interventor foi nomeado para o cargo, com orientação de promover nova eleição dentro de 30 dias.

O processo, sob sigilo, teria sido movido por Ricardo Teixeira e Marco Polo del Nero, duas das principais peças na engrenagem corrompida da CBF, juntamente com o falecido João Havelange, José Maria Marin e Rogério Caboclo (acusado de assédio sexual). Marin chegou a ser preso na Suíça e condenado nos Estados Unidos. Por décadas, receberam o apoio das federações estaduais, cujos presidentes se tornaram vitalícios.

Se ficar comprovada a ilegalidade no processo que levou Ednaldo Rodrigues à presidência do futebol brasileiro, a CBF será suspensa pela Conmebol e pela FIFA. Em consequência, os times brasileiros estarão fora da Libertadores e da Sul-Americana de 2024. A FIFA garantiu a participação do Fluminense no Mundial de Clubes este mês.

Do nosso observatório, vínhamos notando a má vontade da imprensa carioca e paulista com o baiano aqui de Vitória da Conquista, que um dia chegou a declarar ter sido vítima de preconceito, por ser nordestino e negro. Na noite em que a Seleção da Argentina voltou para o vestiário do Maracanã, ameaçando não jogar contra o Brasil pelas Eliminatórias, o hoje colunista Galvão Bueno bradou: “Peça pra sair Ednaldo”. Responsabilizou o dirigente pelas três derrotas consecutivas do time nacional.

A Associação Nacional de Árbitros de Futebol do Brasil (ANAF) divulgou ontem nota parabenizando a Justiça por ter afastado “o pior presidente que a CBF já teve em sua história recente”. Assinada pelo presidente Salmo Valentim, a nota ressalta que chegou a hora da arbitragem andar sozinha e conclama clubes e federações a cortarem “o cordão umbilical que os unem à CBF”.

 

“ESCRAVOS CRISTÃOS, SENHORES MUÇULMANOS”

“Escravidão Branca no Mediterrâneo, na Costa da Berbéria e na Itália, de 1500 a 1800”.

“Qualquer um que diga hoje que a escravidão branca chegou a proporções tão significativas quanto às da escravidão negra será invariavelmente tachado de supremacista branco e revisionista histórico”.

O comentário é da editora Vide Editorial, responsável pela publicação de “Escravos Cristãos, Senhores Muçulmanos”, uma obra de autoria do historiador e professor emérito da Ohio State University, PhD em história do Mediterrâneo e da Itália, Robert C. Davis.

Na introdução do seu livro, Robert procura esclarecer que a escravidão branca ou dos cristãos, paralela à escravidão africana, foi uma forma de vingança dos muçulmanos em resposta às perseguições que os islâmicos sofreram durante as Cruzadas (séculos XI e XII) e a expulsão dos mouros pela Espanha (final do século XV).

Essa escravidão se deu na região da Berbéria (Túnis, Argel e Trípoli), praticada por corsários e piratas do mar que saqueavam impiedosamente embarcações da Inglaterra, Alemanha, Espanha, Irlanda, França, Portugal e da Itália. Muitas vezes eles adentravam o continente e os prisioneiros se tornavam escravos nas galés, nas lavouras, na mineração e até em fábricas.

Segundo o autor, “ao expulsar os mouros do sul da Espanha, Ferdinando e Isabel conceberam um inimigo implacável para seu reino ressurgente, e que veio a se estabelecer bem perto deles, em Marrocos, Argélia e, por fim, ao longo de todo o Magreb”.

O historiador também afirma que “na Berbéria, aqueles que caçavam e comercializavam escravos certamente esperavam obter lucro, mas, ao traficar cristãos, também havia sempre um elemento de vingança, quase de jihad, pelas injustiças de 1492, pelos séculos de violência nas Cruzadas que as precederam e pelas contínuas batalhas entre cristãos e muçulmanos que continuaram a assolar o mundo mediterrâneo até os tempos modernos”.

O próprio autor da obra reconhece que os números sobre a escravidão branca ou de cristãos, que ocorreu com maior intensidade entre os séculos XVI e XVII, são desencontrados por falta de notificações mais precisas. As estatísticas são mais baseadas nos relatos dos cônsules dos diversos país vítimas e de pessoas que sofreram esse tipo de servidão.

Robert destaca que até mesmo os ingleses, apesar de distantes da Berbéria, e eles próprios já figurando entre os captores de escravos mais agressivos nos anos 1630, foram escravizados por corsários muçulmanos operando a partir de Túnis, Argel e Marrocos.

De acordo com ele, os piratas de Argel e Salé podem ter escravizados cerca de mil britânicos por ano, praticamente o mesmo número de africanos cativos. Diz que, por volta de 1640, mais de três mil foram escravizados só em Argel e cerca de 1500 em Túnis.

“Foi dito que os argelinos tomaram, ao menos, 353 navios britânicos entre 1672 e 1682 – o que representaria que eles ainda agrilhoavam entre 290 e 430 novos escravos britânicos todos os anos”.

O historiador assinala ainda que os corsários berberes foram uma ameaça muito mais expressiva àquelas localidades mais próximas de seus litorais, como os povos flamengos, franceses, espanhóis, portugueses e italianos. Tudo isso ocorria, segundo ele, ao mesmo tempo em que acontecia o comércio de escravos africanos.

O escritor descreve, através de outro pesquisador no assunto, que o Mediterrâneo era “um mar abarrotado de piratas selvagens” e que “o papel perverso desempenhado pelos piratas muçulmanos em geral, e pelos corsários da Berbéria em particular, foi muito exagerado”.

Em seu livro, Robert ressalta que relatórios diplomáticos, jornais da época e o simples boca a boca contavam histórias sobre cristãos sendo capturados às centenas e milhares em alto mar ou durante surtidas litorâneas. Diziam que eles eram acorrentados e submetidos a uma morte em vida de tanto trabalhar em Marrocos, Argel, Túnis e Trípoli.

Fontes contemporâneas, conforme dito por ele, entre novembro de 1593 e agosto de 1594 os tunisianos trouxeram cerca de 28 espólios com 1.722 prisioneiros. Entre 1628 e 1634, os argelinos capturaram, só dos franceses, 80 navios mercantes, levando 986 cativos. Dos ingleses tomaram 131 navios e embarcações entre 1628 e 164, totalizando 2.555 cativos. Os viajantes de Trípoli tomaram 75 navios cristãos com 1.085 prisioneiros entre 1677 e 1685.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia