dezembro 2023
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

:: 5/dez/2023 . 22:03

APEGO AO PODER

Carlos González – jornalista

Três anos à frente do município de Vitória da Conquista não foram suficientes para que a prefeita Sheila Lemos aprendesse os malabarismos da política. Poderia ter chamado para assessorá-la nessa complicada matéria um dos “catedráticos” – e não são poucos – do seu ex-partido, o MDB, ou do atual, o União Brasil. Preferiu seguir o caminho sinuoso do seu antecessor e padrinho político Herzem Gusmão.

O administrador público não deve considerar seu adversário como inimigo, atitude de quem se apega ao poder. No seu primeiro ano de governo, o ex-petista Herzem não quis conversa com os governadores Jaques Wagner e Rui Costa, ambos do PT. Seu lema era “ódio ao Partido dos Trabalhadores”. Preferiu recepcionar em Conquista os irmãos Vieira Lima, o ex-deputado Roberto Jefferson e o ex-presidente Jair Bolsonaro, todos condenados mais tarde pela Justiça, sendo que dois deles foram “hóspedes” da penitenciária da Papuda.

Num intervalo de três semanas, em outubro de 2020, milhares de eleitores em Conquista trocaram de camisas – no futebol seria como um torcedor do Flamengo passasse a se emocionar com o Fluminense. Herzem, ex-petista de carteirinha, que havia perdido no 1º turno para Zé Raimundo (PT), “virou o jogo”. O resultado foi contestado na Justiça pelos perdedores.

Aquelas pessoas que têm acesso aos corredores e salas da prefeitura afirmam que a repulsa de Sheila pelo PT e pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva é maior do que a do seu antecessor. Há poucos dias a população conquistense teve uma prova: sua prefeita não foi ao encontro do governador Jerônimo Rodrigues, da ministra da Saúde, Nísia Trindade, e da secretária estadual de Saúde, Roberta Santana. Nem há menção da visita no boletim diário do município.

A saúde, assim como a educação, não deve estar vinculada – o que não aconteceu no governo de Jair Bolsonaro – dessa nojenta política partidária. A ministra não se deslocou de Brasília para pedir votos para o candidato petista, o deputado Waldenor Pereira, nas eleições de outubro. Veio trazer benefícios (20 leitos de UTI, 12 ambulâncias para o SAMU e recursos estimados em R$ 22 milhões) para uma população que clama por melhor assistência médica e hospitalar. Ninguém pode negar que Conquista vive uma crise social. Mas, ao que parece, ampliar o número de salas de aula e de postos médicos não dá votos.

Se amanhã um cliente entrar no estabelecimento comercial da sra. Sheila Lemos usando uma camisa com a estampa de Lula e a estrela do PT tenho certeza de que será atendido atenciosamente, como ensinam os manuais da boa educação entre pessoas civilizadas.

O desequilibrado Javier Milet, presidente eleito da Argentina, enviou sua futura ministra das Relações Exteriores a Brasília com um convite a Lula para sua posse. Meses antes, o portenho chamou seu colega brasileiro de corrupto, revelando claramente que daria início a uma briga de vizinhos.  A título de curiosidade, revelo aqui uma particularidade do Milet: trocou a camisa do Boca Juniors, “que andava numa fase ruim”, pela do River Plate. Os dois clubes são arquirrivais. Palmeirense declarado, Bolsonaro posou a bordo de um jet-sky com a camisa do Corinthians. Sintomas de desequilíbrio emocional.

Inaugurar obras dos antecessores ou tomar para si resoluções alheias é comum entre os políticos. Bolsonaro foi o presidente que mais deu curso a essa condenável prática. Em 23 de julho de 2019, o ex-capitão esteve em Conquista participando da inauguração do Aeroporto Glauber Rocha. Numa placa feita às pressas constam os nomes de Bolsonaro e Herzem. Ambos não colocaram nem um tijolo no novo terminal aeroviário.

Sheila já deu a largada em busca dos votos do conquistense: aumento da verba publicitária e um maior endividamento do município (empréstimos no valor total de R$ 165 milhões feitos em três anos). Nessa corrida vale “pegar uma ponga” naquilo que o governo federal tem no momento em benefício da nossa população.

Um folder inserido no Diário Oficial do Município convidava os fazedores de cultura daqui a fazer suas inscrições para ter acesso aos recursos provenientes da Lei Paulo Gustavo (Lei Complementar 195, de 8 de julho de 2022). Os menos esclarecidos podem imaginar que se trata de uma iniciativa da Prefeitura de Vitória da Conquista, cuja marca está bem visível no convite. Não há menção ao Ministério da Cultura (atenção ministra Margareth Menezes), o verdadeiro responsável pela ajuda àqueles que não puderam dar continuidade aos seus projetos devido à pandemia.

Nos próximos meses será amplamente divulgada uma deliberação do governo federal de natureza bastante popular. O Ministério das Cidades anuncia a construção de 1.800 unidades do programa “Minha Casa, Minha Vida”. A inscrição dos interessados estará a cargo da prefeitura conquistense. Quais os critérios que serão usados na indicação dos beneficiados? Esperamos que não se leve em conta o voto de quem sonha com a casa própria.

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia