(Chico Ribeiro Neto)

Estava começando a dormir, umas 22 horas, e despertei com os gritos dos vizinhos: “Tá pegando fogo!”: “É incêndio!”; “Não usem o elevador!”. Assustado, corri pra janela para ver onde era o fogo. Será que dá pra pular pela janela sem quebrar nada? Aos 75 anos, tá difícil.

Havia muita fumaça, mas vi que o fogo era no prédio vizinho. E foi um corre-corre danado. O zelador disse depois: “Nunca vi tanto velho descendo correndo pela escada”. Num instante se formou uma multidão de curiosos e vizinhos. O grande Millôr Fernandes escreveu: “Os homens não são bons, são curiosos”.

O melhor são as versões. Cada um conta uma história:

– Eu soube que queimou o apartamento todo.

– Mentira, só queimou a sala e a cozinha. O banheiro chamuscou um pouquinho e nos quartos não teve nada.

– Eu soube que foi uma vela acesa.

– Já eu ouvi dizer que foi curto-circuito.

– Soube que foi a mulher que deixou o ferro ligado.

– Ela deixou foi a boca do fogão aberta. Quando o marido acendeu a luz, o pau quebrou.

– O marido dela deixou o celular carregando e foi pra rua.

– E o cachorro? Eles não tinham um cachorro?

– O cachorro morreu queimado.

– Mentira, o cachorro escapou, não teve nada.

– O cachorro fugiu quando o fogo começou e não voltou até agora.

– Eu soube que o cachorro só queimou o rabo.

– E tinha cachorro no apartamento?

E os bombeiros?

– Meu filho, quando os bombeiros chegaram, o incêndio já tinha acabado.

– Mentira, os bombeiros chegaram a tempo e jogaram foi muita água.

– Interessante, eu nem vi os bombeiros.

– Você não ouviu a sirene, não, homem?

Uma vizinha falava pra outra: “Minha filha, outro dia eu vi na Internet que a gente precisa ter em casa a Pasta do Incêndio. Você junta tudo de documento importante – escritura do apartamento, identidade, título, cartões do banco e de crédito, passaporte – e coloca tudo numa pasta. Na hora do incêndio é só pegar ela e sair correndo”.

Outro dia assaltaram uma farmácia na Pituba. Veja os comentários:

– Foram cinco assaltantes. Quatro entraram e um ficou do lado de fora dando cobertura se chegasse a Polícia.

– Não, senhor, eram seis, pois ainda tinha o que ficou no carro esperando.

– Eu tava lá dentro na hora pegando meu remédio de pressão. Só vi três: dois entraram e um ficou montando guarda lá fora.

– E teve assalto? Eu moro aqui do lado da farmácia e não vi nada.

(Veja crônicas anteriores em leiamaisba.com.br)