Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou dois projetos que formam a minirreforma eleitora.  Entre outros pontos, os textos alteram regras sobre prestação de contas e flexibiliza a cota de participação das mulheres. A proposta obriga a oferta de transporte público gratuito no dia das eleições.

Analistas criticaram a flexibilização excessiva, como regras de inelegibilidade, reduzindo o prazo de políticos condenados por crimes comuns (ficam inelegíveis nos oito anos após a data da condenação), acaba com as prestações de contas parciais, permite a compra de aviões e barcos com uso do fundo partidário (uma aberração) e libera doações por meio do Pix. Os textos vão para o Senado e têm que ser aprovados até começo de outubro para serem adotados nas eleições de 2024.

Estava demorando! Toda véspera de eleições, de dois em dois anos, os políticos do Congresso Nacional, com seus cinismos e caras-de-pau, aparecem com seus monstrengos de minirreformas eleitorais para reduzir penas e confundir a cabeça do povo.

Mais de 90% da população de mais de 200 milhões de habitantes nada entende. Eles são como cérberos, monstros meios cães, meios dragões, com várias cabeças que, segundo a mitologia antiga, estão à guarda do inferno. O Pacheco diz que quando o projeto estiver pronto vai ficar amadurecido, só se for para eles saborear o fruto.

O sistema eleitoral brasileiro é como um barco velho apodrecido, todo remendado de massa de quinta categoria, cheio de ratos por todos os lados, navegando em águas poluídas. Nunca que eles se dispõem a adquirir uma embarcação nova e moderna, com equipamentos de primeira geração.

A grande maioria dos políticos prefere manter um navio arcaico, retrógrado e caduco, lotado de coronelistas com a chibata na mão para açoitar no lombo dos eleitores, a maior parte ignorante, analfabeta e serviçal que vota por favores, dinheiro e aparências.

O esquema pode ser comparado também a uma capitania hereditária que passa de geração a geração, de pai para filho e sobrevive do trabalho escravo numa economia rudimentar à base do jumento e do carro-de-boi. Eles resistem adotar uma tecnologia avançada, e de tudo fazem para que seus subordinados não recebam um ensino de boa qualidade.

Além de desrespeitar, menosprezar, desvalorizar, eles têm medo de cultura e ficam criando esses monstrengos, com asas de cera. São simoníacos, mercadores das coisas mais sagradas que são os votos, símbolos de uma democracia que, por causa deles, ainda não se tornou real para acabar com as injustiças sociais.

Por que eles nunca se juntam para fazer uma reforma eleitoral ampla e completa para reduzir o número de parlamentares em todas as esferas do país, pôr fim às mordomias das polpudas verbas indenizatórias, dos foros privilegiados, terminar de vez com as anistias das irregularidades e legislar de frente para o povo e não de costas?

Não, preferem os monstrengos onde fazem “mudanças” escabrosas e escandalosas para nada mudar e tudo continuar em seu devido lugar. O negócio é manter a casta vigorosa e firme com a plebe debaixo de suas botinas nojentas e sujas de lama.

O sistema ainda garante dominar os presidentes através de cargos, muita grana e ameaças de impeachment se não fazerem o que eles querem. São uns verdadeiros lobos com peles de cordeiros e ainda têm o desplante de dizerem que tudo fazem pelo bem do Brasil.

Ao longo dos anos – essa cultura vem desde os tempos coloniais das corrupções e da avareza – o sistema foi sendo contaminado de vermes e vírus que hoje são poucos os esquerdistas e progressistas sérios que não aceitam esses monstrengos, verdadeiras deformações humanas saídas das mitologias antigas.

Não são as reformas trabalhistas, administrativas, previdenciárias e tributária que vão tirar esses pais desse atoleiro ou dessa areia movediça em que vivemos há séculos, mas uma reforma política eleitoral completa que acabe de vez com esse “toma lá, dá cá” e que abra espaços justos, sem corrupções, trambiques e trapaças, para que a meritocracia e os bons participem também desse processo.