agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


SECA CASTIGA O SÃO FRANCISCO E O SERTÃO

“Nunca se viu o Velho Chico tão raso nessa época do ano” – relata o jornalista João Martins em sua revista Integração, com fotos desoladoras captadas da lente de sua máquina. Numa ampla reportagem de capa, ele atesta que o rio está cada vez mais assoreado e sendo soterrado aos poucos, para não dizer morrendo em diversos pontos dos seus 2.863 quilômetros de extensão.

DOC DO SÃO FRANCISCO

O morador da cidade de Malhada, Valdomiro Batista de Jesus, 57 anos, coloca a maior culpa, além da forte estiagem, nos governantes com a construção de represas. “Os afluentes não têm mais água para jogar no rio”. João Martins afirmou que no trecho que separa as cidades de Malhada e Carinhanha, o curso d´água está praticamente interrompido, impedindo a navegação, inclusive de embarcações pequenas.

Na margem esquerda onde fica Carinhanha, o cais é um grande abismo sem qualquer serventia comercial, narra o jornalista, acrescentando que as águas estão tão rasas que se pode atravessar a pé em vários trechos. Os próprios moradores confirmam que nunca viram este quadro, temendo que a situação vá piorar porque a seca só está começando.

A Codevasf  (Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco) informa que contratou serviços de batimetria (quantificação do material a ser dragado) e monitoramento ambiental visando os trabalhos de dragagem do trecho da hidrovia entre os municípios de Ibotirama e Pilão Arcado. A batimetria vai definir o volume de areia ou cascalho a ser retirado do fundo do rio, de modo a permitir a navegação.

EÓLICA E SECA 013 - Cópia

Se o Rio São Francisco está morrendo devido à ação do homem e da natureza, o interior do seu sertão está cinzento com mostras visíveis de desertificação em vários locais da região sudoeste, principalmente nas cidades de Anagé, Brumado, Caetité e Guanambi. Muita parte das lavouras foi perdida e os rebanhos começam a sentir a escassez de água. A maioria dos municípios já decretou estado de emergência.

EÓLICA E SECA 014 - Cópia

O MOTOQUEIRO E O PNEU

EÓLICA E SECA 019 - Cópia

Na BA-262, entre Aracatu e Anagé, motoqueiro transporta o carona agarrado a um pneu, sem equipamentos de segurança. Nas estradas da região, conforme nosso flagrante, a maioria dos motoqueiros roda sem habilitação e documentação das motos. Eles fazem manobras e ultrapassagens perigosas, sem contar que sempre saem, inesperadamente, dos cruzamentos. Foto Jeremias Macário

ITAMAR COMENTA E INDICA ARTIGO DE ORLANDO SENNA

MARINA 

No momento em que escrevo essas linhas, madrugada de 15 de agosto, a televisão está reprisando as distintas opiniões de políticos e jornalistas, que foram ao ar durante todo o dia de ontem, sobre a possível postulação de Marina Silva à presidência da República do Brasil, herdando a candidatura de Eduardo Campos, onde estava como vice. A comoção pela morte do jovem, culto, bonito, progressista e indiscutivelmente promissor político pernambucano atingiu em cheio a alma brasileira e abalou a política do País, desestabilizando a campanha eleitoral, apesar de contar hoje com apenas 10% da preferência dos eleitores. O candidato Eduardo Campos estava desenhando com nitidez uma terceira posição com possibilidade de romper o compasso binário da política brasileira nos últimos vinte anos, o dualismo Partido dos Trabalhadores/Partido da Social Democracia Brasileira, PT e PSDB. Possivelmente não venceria as eleições, mas estabeleceria uma triangulação, uma situação mais democrática.

:: LEIA MAIS »

CURTA AS CURTAS

ADORMECIDO

Não se indignar e não se rebelar contra a ordem social são características do brasileiro. No entanto, quando muito fustigado e quando sente a espora do patrão, o povo tem reagido vez por outra, como nas manifestações de junho de 2013, depois de 21 anos do bota fora Color pelos caras pintados. Será que este gigante está sempre adormecido? Pela história dos levantes e rebeliões, não, só que o gigante tem a paciência do seu tamanho geográfico e tarda a resistir. Os poderosos e gatunos, desde os tempos coloniais, aproveitam para abusar e fazer pouco do clamor. O poder não pode ficar à margem do compromisso com a dignidade humana e o respeito à vida.

POBREZA E CAPITAL

O capitalismo tem em seu DNA a filosofia do débito e do crédito. O filósofo anarquista do século XIX, Peter Kropotkin já dizia que “os homens só pensam em si próprios ou naqueles que lhes são mais próximos. Ainda que, a primeira causa da riqueza é a existência da pobreza”. Não existe capitalismo sem pobreza e miséria. No popular, o que seria do malandro sem o mané?

:: LEIA MAIS »

ITAMAR INDICA LEITURA DO ARTIGO DE ORLANDO SENNA

ESCURIDÃO E ESPLENDOR

No filme alemão Jesus me ama (Jesus Liebt Mich), uma comédia alegórica e absurdista de Florian David Fitz sobre a eterna luta entre o Bem e o Mal, os jovens Jesus e o Diabo tentam resolver suas diferenças na mão, na porrada, em um confronto de socos, pontapés e pauladas. Enquanto Deus, o velho, lava as mãos e diz que essa briga é um problema da humanidade e não dele. Um dos eixos da alegoria é o egoismo do amor. Sabemos que a incorrigível humanidade chegou a profundidades radicais de estupidez e violência em vários períodos da sua história, gerando crises universais e, consequentemente, saídas para essas crises. Saídas dolorosas, desgarradoras, mas saídas — se assim não fosse o apocalipse já teria acontecido (no século passado o grande exemplo é a Segunda Guerra Mundial e seu rabicho Guerra Fria, com mísseis nucleares apontados para todas as direções).

:: LEIA MAIS »

LENÇÓIS REALIZA I FLICH

I FLICH LENÇÓIS 003 - Cópia - Cópia

Escritores, poetas, músicos, cineastas, críticos literários, estudantes, professores, contadores de estórias e causos se encontraram em Lençóis e Seabra, no período de 3 a 7 de setembro, na I Festa Literária Internacional da Chapada Diamantina (I FLICH). Foi praticamente uma semana de discussões as mais variadas, com oficinas, projeções de filmes, palestras e lançamentos de livros onde todos beberam da mesma fonte do conhecimento numa paisagem de verde e casarios históricos.

I FLICH LENÇÓIS 007 - Cópia

Numa ação conjunta da Prefeitura de Lençóis, Associação EcoViva, Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e empresas locais, a programação foi aberta no auditório da instituição pública, em Seabra, com apresentação da banda de pífanos da cidade, seguida da

Professor Itamar Aguiar apresenta o cineasta Orlando Senna

conferência “Poesia Negra, Contemporaneidade e Novas Mídias” proferida pelo escritor José Carlos Limeira.

I FLICH LENÇÓIS 008 - Cópia

Nos dois primeiros dias, as oficinas, as palestras e os debates literários com temas diversificados aconteceram na cidade de Seabra, unindo turismo e cultura, ecologia e Patrimônio Arquitetônico Colonial. Ainda no dia 4, às 20 horas, o evento foi aberto em Lençóis no Mercado Cultural.  Os trabalhos prosseguiram nos dias 5,6 e 7 na cidade histórica onde quem chega entra no túnel do tempo das larvas diamantinas e dos coronéis e jagunços.

Além do escritor João Ubaldo Ribeiro e do compositor e poeta Dorival Caymmi, o cineasta lençoense que participou do encontro, Orlando Senna, foi também um dos homenageados que falou de literatura e cinema. Seu prestigiado filme Diamante Bruto, com o ator protagonista José Wilck, foi exibido no auditório do Centro Cultura da EcoViva com posterior debate do próprio diretor  que respondeu, pacientemente, a todas indagações feitas pela atenta plateia.

I FLICH LENÇÓIS 010 - Cópia

 

Recital de poesias e lançamentos de livros na EcoViva

I FLICH LENÇÓIS 024 - Cópia

 

 

Palestra sobre Literatura e Cinema com João Jardim e Orlando Senna

 

 

 

 

I FLICH LENÇÓIS 027 - Cópia

 

Cineastas João Jardim, Orlando Senna e a professora Solange Lima no debate sobre Literatura e Cinema, no Canto das Águas

 

 

I FLICH LENÇÓIS 030 - Cópia

No Mercado Cultural, o conquistense e escritor Alberto Marlon (de boné) participa da Feira de Livros

 

 

 

 

I FLICH LENÇÓIS 037 - Cópia

Joabson Figueredo, os professores Itamar Aguiar e Ronaldo Senna falam sobre Chapada Diamantina: Literatura e Memória Cultural, tendo como mediadora do tema a professora Cristina Sales

:: LEIA MAIS »

FUTEBOL BRASILEIRO EM CRISE Carlos Gonzalez -jornalista

“Amigo, em fui da época em que o Bahia bateu o Santos de Pelé e foi campeão brasileiro de 1959. Hoje, os clubes do Nordeste já iniciam o Brasileirão brigando para não cair”. Ademir da Guia, 72 anos, o maior ídolo do Palmeiras, usou esse exemplo para mostrar que o futebol brasileiro passa por uma crise técnica, onde os times dos grandes centros, como Rio e São Paulo, se nivelam aos nordestinos – há poucos dias, ABC e América, ambos de Natal, eliminaram, respectivamente, Vasco e Fluminense da Copa Brasil.

O “Divino”, como era apelidado nas décadas de 70 e 80, se limitou a falar sobre o panorama técnico do futebol brasileiro, deixando de mencionar o lado financeiro. A imprensa tem noticiado, quase que diariamente, a situação pré-falimentar de alguns dos grandes clubes que participam das quatro séries do Campeonato Brasileiro, revelando que, três ou quatro deles, anunciaram que abandonariam a competição, porque não conseguem levar seus torcedores aos estádios, mas só não o fizeram porque a CBF, a “mãe rica”, os ameaçou com pesadas multas e exclusão por dois anos de jogos oficiais.

Talvez tenha passado pela cabeça dos dirigentes do Vitória da Conquista, logo depois das terceira rodada do torneio da série “D”, com apenas um ponto ganho e sem chances de se classificar para a segunda fase, perder seus demais jogos por WO. O time conquistense, por falta de divulgação das suas partidas e de apoio dos desportistas e empresários da cidade, tem prejuízo financeiro toda vez que entra em campo. Os números podem ser consultados nos boletins publicados no site da CBF.

:: LEIA MAIS »

“UMA CONQUISTA CASSADA” NO IHGMC

O livro “UMA CONQUISTA CASSADA – Cerco e Fuzil na Cidade do Frio” , de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário foi apresentado no Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros (Minias Gerais) pelo diretor da instituição, Dario Cotrim que comentou o trabalho com os membros do IHGMC.

DOC IHGMC - Cópia

É MUITO SACRIFÍCIO!

É cômico para não dizer hilária a maratona dos candidatos em todas as eleições na corrida pelo voto do eleitor. É o mesmo “bandejão” no restaurante popular com aquela gororoba, o mesmo pastel da esquina, o mesmo copo médio do café com leite e pão cacete no bar sujo da praça, a mesma pinga de arromba peito e a mesma buchada gordurenta de sempre!

Em todas as eleições são as mesmas cenas. Eles ou elas abraçam criancinhas ricas e pobres (melhor se for pobre e feia), idosos, doentes e pessoas esquisitas desdentadas que nunca viram na vida. A maioria do eleitor fica contente e sai dizendo que o candidato é gente boa e simples do povo. Já outros mandam sair pra lá.

Quem é ateu passa a acreditar em Deus e a frequentar a Igreja Católica, os templos evangélicos e os terreiros de candomblé. É tanto abraço e apertar de mão que o pretendente ao cargo de presidente, governador, senador ou deputado termina o dia morto de cansado e com uma catinga danada.

:: LEIA MAIS »

SOBRE NOSSAS FERROVIAS

PROLONGAMENTO ATÉ VITÓRIA DA CONQUISTA

No contrato de arrendamento da Estrada Nazaré, assinado em 28 de março de 1921, fazia parte o prolongamento até a cidade de Vitória da Conquista, passando por Boa Nova e Poções. Em outubro de 1925 foi nomeada comissão de locação da estrada, chefiada pelo engenheiro Ciro Moreira Spínola. A orientação era que a comissão deveria aproveitar o projeto da Central de Estudos e Construções de Estrada de Ferro Sul da Bahia para a seção de Jequié – Conquista.

Est. de Contendas - Cópia

O projeto chegou a realizar traçados e montar estaqueamentos numa distância de até 38 quilômetros (Garganta do Segredo) rumo a Boa Nova, aproveitando-se os vales dos riachos Pau Brasil, Seco, São João e parte do rio Urubá.

Depois do enfrentamento de chuvas dentro das matas, os estudos dos técnicos ficaram paralisados na margem do Urubá, distante três quilômetros de Boa Nova.

Em setembro de 1926 foram aprovados os estudos dos 20 primeiros quilômetros de Jequié até Volta do Rio das Contas. A Comissão chegou a entregar à Viação Sudoeste os documentos dos quatro trechos. Em agosto de 1927 deu-se a primeira medição dos trabalhos, constando de roçagem, destocamento, escavação de alguns cortes e construção de bueiros.

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia