julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  


SARAU “A ESTRADA”

Mais um sarau em nosso “Espaço Cultural A Estrada” no último sábado á noite (dia 09/08) deu muito que falar entre os participantes que colaboraram para o sucesso do evento. Causos, musical, recital de poemas, debates políticos e literários atravessaram a noite num clima informal e descontraído.

SARAU AESTRADA 005 - Cópia

Além do professor da Uesb (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia) Itamar Aguiar, da nossa companheira Lídia Rodrigues, dos fotógrafos José Carlos D´Almeida e Ney, dos músicos cantadores e violeiros Moacir Morcego, Marta Moreno e Dorinho Chaves, do poliglota e filósofo Sérgio Fonseca, do escritor e pesquisador Mover, tivemos a grata satisfação de receber o professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e cordelista João Augusto Lima Rocha e sua esposa e enfermeira Aidil Rocha. Contamos também pela primeira vez em nosso encontro com a presença ilustre e graciosa da psicóloga Regina Chaves e do seu filhinho Francisco Miguel

SARAU AESTRADA 052 - Cópia

De sua autoria, o professor João, que também é pesquisador da Comissão da Verdade que investiga a morte do educador Anísio Teixeira, nos privilegiou com várias declamações cordelistas, inclusive uma sobre o padre Palmeira, personalidade muito conhecida da história de Vitória da Conquista nas décadas 50 e 60 quando foi deputado estadual e secretário de Educação no governo Lomanto Júnior.

SARAU AESTRADA 055 - Cópia

O violeiro Dorinho foi outro que nos brindou na noite cultural com seus causos, histórias, piadas e estórias da sua interminável coleção. Moacir e Marta Moreno fizeram um dueto que encantou a todos. Com seus quibes gigantes e deliciosos, Lídia nos fez rir com seu companheirismo que lhe é peculiar. Foi mesmo uma noite agradável como muito bate-papo e de conversa fora como se gosta de falar.

SARAU AESTRADA 060 - Cópia

:: LEIA MAIS »

FUTEBOL BRASILEIRO EM CRISE – Carlos Gonzalez – jornalista

A notícia de que um jogo amistoso entre Real Madrid e Manchester United, sem os seus principais astros, realizado há poucos dias em Michigan, nos Estados Unidos, reuniu mais de 105 mil espectadores, causando inveja aos  dirigentes do futebol brasileiro. Após a vergonhosa derrota do time da CBF na Copa do Mundo, a média de público do Campeonato Brasileiro caiu para 15 mil torcedores, levando a Rede Globo, principal fonte de financiamento dos clubes da série “A”, a convocá-los para uma reunião, a fim de pedir explicações para o baixo nível técnico dos jogos, fato que tem provocado uma queda de audiência da emissora, nas tardes de domingos e nas noites de quartas-feiras.

A Globo mostrou aos “cartolas” que em 2013 foram injetados, em seus clubes, a título de direito de arena, 33% de tudo o que eles arrecadaram, superando bilheteria, patrocínios e venda de jogadores. Os que mais receberam: Flamengo, R$110,9 milhões, e Corinthians, R$102,5 milhões. A revelação dos números provocou protestos dos clubes de torcidas modestas.

Alicerçados num calendário bem elaborado, os clubes europeus, após o Mundial, passaram a jogar amistosos, principalmente nos Estados Unidos, onde o futebol já detém a 4ª posição em público nos estádios, alguns deles improvisados, ficando abaixo apenas de Alemanha, Inglaterra e Espanha – o Brasil é o 13º. Por aqui, o Brasileiro, nas quatro séries, foi retomado, com o torcedor saturado e os times praticando um futebolzinho medíocre, de passes laterais, sem um destaque individual, exceção feita a dois argentinos,  Conca, do Fluminense, e D’Alesandro, do Internacional. Ambos teriam vagas na seleção do seu país, vice-campeã do mundo. :: LEIA MAIS »

SEM SINAIS DE MUDANÇAS

Há pouco mais de um ano o povo tomou as ruas para pedir melhorias nos transportes públicos, na segurança, na educação e na saúde, entre outras reivindicações como combate à corrupção, e até o governo (executivo, legislativo e judiciário) prometeu uma reforma na política eleitoral do país. Não houve sinais de mudanças reais. Apenas alguns remendos paliativos do tipo cala-boca.

Enquanto isso, o Congresso Nacional gasta um milhão de reais por hora, segundo cálculos da Ong Contas Abertas. No lugar de educação eficiente e saúde digna para todos, nos dão cotas e mais cotas. – Dona Maria, a senhora vai ter que se candidatar a deputada para preencher a cota exigida para as mulheres – ordenou o presidente do seu partido (são 39 no país).

– Mas, seu moço, eu não tenho a mínima condição! – Não importa dona Maria! É a lei para que o nosso partido participe das eleições. Só falta agora indicar ao eleitor em qual categoria de gênero, cor e sexo ele deve votar. Não são essas baboseira que vão tornar nossa sociedade mais igualitária e justa. Como se diz por aí, “o buraco é mais embaixo”.

:: LEIA MAIS »

“UMA CONQUISTA CASSADA”, ONDE ENCONTRAR?

LANÇAMENTO CONQUISTA 133 - Cópia

Quer conhecer toda história do golpe civil-militar que cassou o mandato do prefeito José Pedral Sampaio e prendeu mais de 100 pessoas em Vitória da Conquista em seis de maio de 1964? Quer saber mais sobre as revoluções socialista no mundo e a ditadura que há 50 anos implantou um regime repressivo no Brasil? Para saber sobre tudo isso é só ler o livro “UMA CONQUISTA CASSADA” – Cerco e Fuzil na Cidade do Frio”, do jornalista e escritor Jeremias Macário de Oliveira, que pode ser encontrado nas livrarias da Nobel (avenida Otávio Santos, Siqueira Campos e no Shopping Conquista Sul) ou nas bancas de revistas da Central (Barão do Rio Branco), na Sudoeste(praça Guadalajara – Colégio Normal) e na banca Conquista (avenida Olívia Flores, ao lado do Rondelli)

LANÇAMENTO DE “UMA CONQUISTA CASSADA”

LANÇAMENTO CONQUISTA 206 - Cópia

Noite de autógrafo do escritor Jeremias Macário – fotos de Zé Silva

Amigos, escritores, estudantes, professores, políticos e a imprensa em geral compareceram ao lançamento do livro “UMA CONQUISTA CASSADA- Cerco e Fuzil na Cidade do Frio”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, na livraria Nobel (avenida Otávio Santos), no último dia 31 de julho.LANÇAMENTO CONQUISTA 196 - Cópia

LANÇAMENTO CONQUISTA 171 - Cópia

Na abertura dos trabalhos numa noite cultural descontraída e informal, o juiz Reno Soares fez a apresentação do livro do autor, afirmando que a obra não foca apenas o golpe civil-militar que

aconteceu em Vitória da Conquista em seis de maio de 1964, com a cassação do prefeito José Pedral Sampaio, mas também se reporta aos fatos que ocorreram antes e depois de instalada a ditadura no Brasil.

LANÇAMENTO CONQUISTA 135 - Cópia

Ainda sobre o livro, Reno considerou um trabalho de pesquisa onde o leitor tem uma visão geral sobre os acontecimentos da época, desde as influências das ideias e das revoluções socialistas na Rússia (1917), na China (1949) e em Cuba (1959), até o golpe de 1º de abril de 1964, quando as forças armadas, com apoio de importantes segmentos da sociedade burguesa, tomaram o poder, derrubando o governo de João Goulart. LANÇAMENTO CONQUISTA 144 - Cópia

O juiz Reno Soares faz a apresentação do livro “Uma Conquista Cassada”

LANÇAMENTO CONQUISTA 253 - Cópia

 

O jornalista Paulo Nunes prestigia o lançamento do livro – Fotos de Zé Silva

:: LEIA MAIS »

VITÓRIA E MAICON

O modus operandi da ação desastrosa da polícia militar que vitimou a menina Maria Vitória, em Amargosa (BA), é muito parecido com o do menino Maicon há um ano e sete meses, em Vitória da Conquista (BA), sem contar que estes fatos têm sido constantes em outros estados brasileiros.

Uma diferença é que em Conquista quase todo mundo ficou calado e não houve revolta da população. Em Amargosa, moradores foram às ruas e se indignaram contra o procedimento estúpido de dois policiais que nunca deveriam exercer a profissão. Coisa de bandidos!

Quando as pessoas se rebelam, depois de tantos crimes cometidos pelo estado, aparecem “representantes da mídia” para chamar o povo de vândalo. Os governantes não se mobilizam para reformular uma corporação militar arcaica há muitos anos e nós é que somos chamados de vândalos.

O ex-presidente Lula sempre aponta que a mídia é mais um segmento da elite em defesa de seus interesses, mas esquece de dizer que essa mídia sempre esteve ao lado do governo quando a força da repressão recebe ordens para conter protestos e manifestações.

:: LEIA MAIS »

SOBRE NOSSAS FERROVIAS

SÃO MIGUEL-AREIA-MUTUÍPE

Em novembro de 1901 foi entregue o primeiro trecho da Estrada São Miguel – Areia, a partir do entroncamento com a linha Tram-Road de Nazaré, terminando na Estrada Nova Laje (72 quilômetros), com posto telefônico, linhas telegráficas e outras instalações.

O tráfego foi inaugurado pelo Governador do Estado, Severino dos Santos Vieira. Além de autoridades, o trem inaugural de duas locomotivas de 16 carros transportou mil passageiros.

Sucateados - Cópia

Nossas ferrovias foram sucateadas no Brasil

A partir desta data, o trecho São Miguel – Areia, de propriedade do Governo, mas trafegado pela Tram-Road, obrigava os passageiros a fazerem baldeação em São Miguel, pois os trens de uma estrada não podiam trafegar pela linha de outra.

Sob a chefia do engenheiro Frederico Pontos, em janeiro de 1905 foi inaugurado o tráfego no Ponto de Mutum que hoje é a cidade de Mutuípe. Já em janeiro de 1906 é inaugurada a Estação de Jequiriçá e aberto ao tráfego público no quilômetro 46, numa distância de 11 quilômetros de Mutum, contando com a presença do Governador José Marcelino de Souza. Em setembro do mesmo ano, o Governo aprova o prolongamento da Estrada até Santa Inês.

Em julho de 1906 foi dada a primeira ordem de serviço para o corte de prolongamento da via de Areia até Jequié. Em novembro do mesmo ano, foi entregue a Estrada de Areia no quilômetro 58, ou 131 de Nazaré, com ato presidido pelo Governador José Marcelino de Souza. A obra atravessou diversos problemas de ordem financeira a moléstias endêmicas nas margens dos rios, demandando sete anos de execução de serviços.

:: LEIA MAIS »

SÓ QUERIA ENTENDER!

Copa do Mundo e a vergonhosa atuação da seleção brasileira ainda vão ser assuntos discutidos por muitos anos, principalmente sobre o nosso time que amarelou literalmente em campo, tendo como maiores culpados o “sargento” Filipão e o seu capitão Thiago Silva que na hora de bater um pênalti se isolou dos companheiros para “pensar na vida”.

Não vou, no entanto, ficar aqui remoendo a histórica derrota de 7 X 1 do “mineiraço” no dia 8 de julho (sete mais um são oito e passa a régua), nem os 3 X 0 da “terceirona” do dia 12 seguinte (um mais dois são três). Somando os números isolados do ano de 20014 também resultam em sete.

Sete nunca mais! Mas, tem muitas coisas que ficam burilando em minha cachola e eu só queria entender. Como já disse alguém por aí, perguntar não ofende. Talvez eu seja burro demais, abaixo da média nacional.

:: LEIA MAIS »

CONVITE

Convite

QUEM VAI DAR A DESCARGA?

Alguém tem que dar uma descarga na privada da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), pois o mau cheiro está insuportável. Há anos que os velhos cartolas, a começar pelo sr. Ricardo Teixeira, só têm deixado sujeira. Todo sistema do futebol, inclusive as federações, está anacrônico e suas dependências estão infestadas de ratos.

O Brasil só volta a ser o país do futebol, como se diz por aí batendo no peito, quando houver uma limpeza geral nesta privada. Não adianta gritar que é nacionalista e patriota, se a camarilha continuar mandando no maior esporte da nação. Por causa desse bando, o brasileiro voltou a carregar o complexo de vira-lata como dizia o escritor e jornalista Nelson Rodrigues.

Não se pode iludir as pessoas por todo tempo, e foi isso que a mídia esportiva, principalmente a rede Globo na voz de Galvão Bueno, tentou fazer com uma seleção chorona e emotiva que nem deveria ter dado os seis passos. Melhor que tivesse dado quatro passos, mas que saísse com dignidade e cabeça erguida.

Na realidade, essa mídia manipuladora, que só visa e visou a audiência e o lucro, fustigou o torcedor a acreditar que o time poderia chegar ao final da competição e ser campeão. A ficha só caiu depois do horroroso vexame contra a Alemanha, que continua fazendo seu marketing de bonzinhos e simpáticos para agradar os brasileiros. Se não existisse o mané, não existiria o malandro.

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia