outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  


PÔR-DO-SOL NO SANTIAGO

Em Juazeiro muita gente aprecia  o pôr-do-sol na orla do Rio São Francisco, o “Velho Chico”, como nesta praça  ao lado com a estátua de Santiago Maior, em imagem flagrada pelo jornalista e escritor Jeremias Macário em suas andanças pela Bahia, onde já fez muitas farras com amigos. O pôr-do-sol no “Velho Chico” é também paragem de reflexão poética e existencial.

ENTRE UM E O OUTRO

Poema do jornalista Jeremias Macário

Brigam a ciência e o mistério,

pela verdade do peregrino,

mas poucos levam a sério.

 

Misturam religião e profano,

nas festas de todo o ano.

 

Uns vão e outros ficam,

na curva escura da vida.

 

Uns preferem a linha reta;

outros duvidam da seta.

 

A saudade aperta,

quando termina a festa,

e o encontro se desfaz,

no ar como o gás.

 

Entre a água e o fogo,

fico com o fogo.

 

Entre a terra e o ar,

fico com o ar para respirar.

 

Entre a pauta e o roteiro,

temo ficar com os dois,

e ser escolhido pra depois.

 

Entre a morte e a vida,

não tem mais saída.

 

Entre a treva e a luz,

fico com a que me conduz.

 

Entre a música e a literatura,

só se tiver conteúdo e cultura.

 

Entre o deletar e a tortura,

me leve para a sepultura.

 

Entre o amor e a dor,

nos dois eu sou.

 

Entre a capela e a catedral,

sou a mais simples pra rezar,

e chegar do outro lado de lá.

 

Entre o amigo só das festas,

fico com o das horas incertas.

 

Entre Raul, Chico e Gil,

melhor se for de vinil.

 

Entre Milton e Vandré,

fico também com Tom Zé.

 

Entre a religião e a filosofia,

prefiro a popular sabedoria.

 

Entre esse espaço de aço

e a sociedade alternativa,

fico com a criatura primitiva.

 

Entre a chuva e a maré,

prefiro ir seguindo a pé.

 

 

 

 

 

A CULTURA DE CONQUISTA

Carlos Albán González – jornalista

Colega e amigo Jeremias, entendo perfeitamente seu desapontamento com o movimento cultural, que não é de hoje, não somente em Vitória da Conquista, mas em todo o País. Concordo que é frustrante para um escritor, após três anos de trabalho, ver que o seu livro será lido por poucos. Você deve estar lembrado que, recentemente, um nosso colega aqui esteve, a convite da prefeitura. Naquela noite, no Memorial Régis Pacheco, ele autografou apenas quatro exemplares de sua obra literária.

A título de consolo, peço permissão para afirmar que, naquele encontro do último dia 14, tanto você como a artista plástica Elizabeth David, que expôs seus belos quadros, devem ter feito uma avaliação dos amigos que aqui possuem, dispostos a impedir que a cultura em Vitória da Conquista atinja o fundo do poço. Ninguém em sã consciência perdoa a ausência de um representante da Secretaria de Cultura do município, e da Câmara de Vereadores.

Imperdoável é que entre os ausentes figurem dezenas de conquistenses que você prestou favores e lhe bajularam durante o período (14 anos) em que exerceu a chefia da sucursal de “A Tarde” em Conquista. O próprio município tem uma dívida a lhe pagar, em troca da divulgação, inclusive na área cultural, de toda a região sudoeste do estado, pelo jornal de maior circulação do Norte e Nordeste do País.

Seria reprovável de minha parte se não elogiasse iniciativas que deveriam servir de exemplo, Refiro-me à programação artística do Centro de Cultura Camilo de Jesus Lima, e a sensatez da prefeitura em contratar para os festejos juninos artistas da terra, autênticos forrozeiros, em vez de pagar altos cachês a safadões, intérpretes de um “lixo” que eles chamam de música.

Receio, prezado companheiro, que a censura política, que já pesa sobre a cabeça de alguns dos  nossos colegas, venha lacerar as nossas manifestações artísticas. Repórter de “O Estado de S. Paulo”, no período da ditadura militar, que matérias vetadas pelos censores, eram substituídas por poemas de Camões, inseridos na primeira página do jornal; testemunhei a invasão da Redação de “A Tarde” por soldados armados, para prender um colega, que nunca mais foi visto.

Cinema

Na terra de Glauber Rocha, aplaudido como maior cineasta brasileiro, nem o cinema nacional tem vez.

Como o tema desse comentário é cultura, peço licença para colocar em pauta a 7ª arte, talvez a minha preferida. Começo recordando Glauber, o mais discutido personagem do cinema nacional. Tenho convicção de que a maioria dos conquistenses jamais assistiu a um filme do seu conterrâneo mais famoso, e vai continuar sem ver, enquanto não mudar o raciocínio dos programadores das salas de cinema da cidade.

:: LEIA MAIS »

DE VOLTA AO “VELHO CHICO”

Estou aqui, mais uma vez, em Juazeiro, no norte e agreste do sertão, celeiro das frutas que emanam das terras áridas, revendo o Rio São Francisco, mais carinhosamente chamado de o “Velho Chico” que tanto deu e ainda dá sustento a este povo. Não se sabe até quando ele vai resistir aos maltratos dos homens que só fazem dele retirar suas riquezas e não repor as perdas e revitalizá-lo.

Basta uma temporada de estiagem e o “Velho Chico” entra em colapso e em estado terminal, mostrando extensas áreas de areia e o mar invadindo suas águas na foz. Os governantes lá de cima de suas mordomias e castas sempre prometem cuidar, repor suas matas ciliares e não sugar tanto suas águas, mas não passa disso. A ganância do capitalismo vil só quer saber de lucrar e tome mais projetos de irrigação, sem a devida sustentabilidade.

Quando batem as chuvas em suas cabeceiras, ele volta a se erguer e se encorpar, e aí o governo federal esquece de colocar em prática a revitalização. Ainda bem que estou revendo, porque não se sabe até quando o “Velho Chico” vai aguentar tanta destruição! Suas margens não são mais as mesmas, e as cidades em torno dele derramam esgotos e todo tipo de sujeiras.

Mesmo em decadência, ele continua transportando e rendendo frutos, como uvas, mangas e melões que são exportados para diversos países do mundo. Os pescadores e ribeirinhos não têm mais a mesma fartura de anos passados, depois de tantas hidrelétricas, da transposição em canais para outros estados nordestinos e falta de preservação. Os peixes estão escassos e não é mais navegável como antes. Só os barquinhos atravessam com dificuldades

O seu futuro é incerto, principalmente agora com o governo do capitão-presidente que só pensa em castigar o meio ambiente com seus projetos malucos, como o de transformar o paraíso de Angra dos Reis num lixo capitalista de uma Cancun mexicana. O “Velho Chico” pede socorro e seus afluentes vão desaparecendo desde Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe.

Sempre que venho a Juazeiro, ou visito outras cidades banhadas pelas suas águas, presto a minha homenagem ao “Velho Chico” estraçalhado, cujas nascentes estão sumindo na Serra da Canastra. Do jeito como está, haverá um dia que se transformará num fiapo, ou num riacho. Ai será o desastre para todo Nordeste.

As canções hoje não falam mais de sua abundância de outrora, mas do seu definhamento e do seu fim. São cantos e poemas de lamento. É muito triste ver o que está acontecendo, mas faço a minha oração para que os homens se compadeçam e não fiquem só esperando por “milagres” das chuvas de São Pedro. Passou da hora de todo o povo, os artistas, intelectuais, ambientalistas e toda gente, sem distinção, se levantar e protestar contra sua depredação. Não vamos deixar o “Velho Chico” morrer e só ficar na lembrança das fotos.

 

 

UM LANÇAMENTO MUITO ESPERADO

Quero agradecer aos amantes da cultura que estiveram presentes ao lançamento do livro “ANDANÇAS”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, na noite do último dia 14 de junho, na Casa Regis Pacheco. Foi uma noite cultural também de lançamento do nosso “CD Sarau A Estrada” e exposição de artes plásticas da pintora e artista Elizabeth David.

O que mais importou não foi a quantidade, mas a qualidade dos amigos, artistas, como Alex Baducha, Walter Lajes e Alan Karded, intelectuais e outras pessoas que ainda se mostram como força resistente em defesa da cultura, que está tão desprezada e com suas flores murchas, como assinalou o autor da obra.

O livro foi um lançamento que estava sendo esperado há muito tempo porque foi um projeto colaborativo onde muitos assinaram o “Livro de Ouro”, numa espécie de pré-venda. A impressão do trabalho na gráfica Eureka, com arte final e visual de Beto Veroneze, foi um dever cumprido que durou mais de três anos, mas saiu com uma linda capa.

Perdeu que não compareceu e ainda não adquiriu a obra de contos, causos, prosas e versos, com várias letras já musicadas por artistas da terra, como Walter Lajes, Papalo Monteiro e Dorinho Chaves. Ainda haverá outros lançamentos em breve, em Vitória da Conquista, e em outras cidades da região.

Na ocasião, o autor apresentou seus outros livros “Terra Rasgada”, “A Imprensa e o Coronelismo” e “Uma Conquista Cassada” que fala da ditadura civil-militar em Conquista, na Bahia e no Brasil e que está sendo útil para pesquisas de estudantes e professores, inclusive sendo indicado nas escolas e faculdades.

“Andanças” foi um trabalho árduo e difícil por falta de patrocínio, mas muitos colaboraram para que o projeto fosse concretizado. É isso, caros ,amigos, fazer cultura neste país é coisa de “doido” , mas estamos aí para continuar na luta pela divulgação do conhecimento e do saber que, infelizmente, os governantes nem querem saber, e entendem, como o atual capitão, que educação é gasto e não investimento.

O CD Sarau foi outro projeto inédito que exigiu muito sacrifício, mas terminou saindo com 22 faixas intercaladas com músicas, poemas e causos. Foi o resultado dos nossos saraus no “Espaço Cultural A Estrada” que completou nove anos. Participam músicos e compositores como Alex Baducha, Walter Lajes, Marta Moreno, Jânio Arapiranga. Evandro Correia, Dorinho Chaves e outros poetas e contadores de causos. O CD começa com abertura de um texto onde conta a história do sarau e como surgiu a ideia da obra documental.

A exposição de artes de plásticas, de Elizabeth David, veio a se juntar à nossa noite cultural na Casa Regis Pacheco, e muitos tiveram a oportunidade de apreciar seus belos quadros campestres, com muito colorido e alegres, que mostram flores vivas e paisagens do campo. Vamos continuar unindo literatura com outras linguagens artísticas porque, na verdade, todas são irmãs e nos dão sentido à vida.

A QUEIMADA NO PÔR-DO-SOL

Flagrante de um pôr-do-sol nas lentes do jornalista Jeremias Macário, em Bom Jesus da Lapa. Por si só, a imagem já diz tudo na linda paisagem e a na triste queimada no agreste do sertão em tempos secos.

0 SISTEMA TECNOTÓXICO

Poema do jornalista Jeremias Macário

Neste mundo de tanta tecnologia

A sabedoria caiu no coito da orgia;

O homem ficou ainda mais idiota,

Que nem sabe mais abrir sua porta,

E como tropa segue cego sem rota.

 

Ainda jovem plantei árvore, livro e fiz filho,

E dai Raul, continuo um cara insatisfeito,

Um andarilho sem sentido e sem conceito,

Nesse sistema que nos empurra pro poço;

Sou como um cão faminto roendo um osso.

 

A máquina roubou o seu lugar;

Planta na terra mais agrotóxico;

Colhe veneno alimento de matar;

Tudo fresco e vistoso por fora,

Que se come até a casca na hora.

 

O homem corre dia e noite, noite e dia;

Respira no ar as partículas de dióxido,

E lá vai o elemento andante tecnotóxico

No sistema tóxico de tanto pó e negócio,

Que suga sua alma e cada gota de energia.

 

Sou um invento contente tecnotóxico;

O sistema que manda fazer isso e aquilo;

Beber ácido e comer a comida a quilo;

Ser um ativo neste mundo competitivo;

Fumar tóxico e engolir fumaça de monóxido.

 

Sou do sistema um átomo e fio de conectar;

Sempre carrego na cabeça a senha do celular;

Excremento que por ai vagueia sem um tema,

Pronto pra aprender o teorema do esquema,

E repetir na entrevista tudo que me perguntar.

 

Não tenho nome, sou número tecnotóxico,

Moço engravatado e um liso comportado,

Se quiser um emprego de gari ou deputado,

Sigo a linha padrão de um bom capitalista

E nada de artista, ativista ou comunista.

 

Minha artéria venenosa de competição

No sistema bruto sem caráter e sem lição,

Nem vejo miséria nesse mundo tecnológico;

Como na fila o hamburguer cheio de tóxico,

E nem quero saber dessa coisa de ser lógico.

 

A DEMOCRACIA DOS GENERAIS E UM PAÍS EM DECADÊNCIA CULTURAL

O capitão-presidente está agora voltando aos estádios de futebol e, em declaração pública, se vangloriou que está sendo aplaudido como o general Médici quando do tempo duro da ditadura civil-militar no início dos anos 70. Que triste lembrança de mais uma apologia a um regime de opressão! Enquanto ele construía as arenas e ia aos estádios, presos políticos estavam sendo torturados e mortos nos porões dos Dops e nos quarteis das forças armadas.

Nessa democracia dos generais em que estamos vivendo, quase 50 anos depois, lamentável constatar que quase ninguém sabe mais do que aconteceu naquela época, nem quem era o general Médici, especialmente os frequentadores dos estádios onde o “Bozó” passou a frequentar e recebeu aplausos. Sem cultura, o nosso povo vai sendo tragado pela decadência de um país sem memória. Ele, pelo menos, deveria respeitar a dor das famílias que perderam seus entes queridos.

A esta altura da minha idade queria ver um país educado, altivo, instruído e não engolindo e aceitando barbaridades, impropérios e bravatas preconceituosas. Não queria ver meu povo se afundando na ignorância porque temos um presidente que não valoriza a educação, a ciência e o conhecimento. Instiga as pessoas a viverem nas trevas do saber.

Não queria ver a flores da nossa cultura tão murchas, sem mais falarem. Não queria ver o povo de armas na mão, mas cada um com um livro na mão. Não queria ver gente morrendo nos corredores dos hospitais por falta de atendimento médico. Não queria ver crianças, adultos e idosos pisando nos esgotos à céu aberto por falta de saneamento básico. Não queria ver tantas epidemias de mosquitos e doenças que não deveriam mais existir.

Não queria ver meu país sendo vendido e torrado no mercado a preço de banana, aumentando mais ainda a legião de desempregados. Não queria ver tanto ódio e intolerância, tanta bestialidade e irracionalidade. Não queria ver tantos índices negativos e tanta desigualdade social, com milhões vivendo na extrema pobreza. Não queria ver as pessoas catando alimento nos caminhões de lixo. Não queria ver tanta alienação e tanto desprezo à cultura, como se ela fosse um tumor maligno.

LANÇAMENTO

Na sexta-feira passada (dia 14) lancei meu novo livro “ANDANÇAS”, na Casa Regis Pacheco, e senti angústia, fracasso e alegria ao mesmo tempo. Foi uma noite cultural de lançamento da obra, do nosso CD Sarau e apresentação de artes plásticas da artista Elizabeth David. Angústia tive por ver tão pouca gente naquele recinto, não que eu me considere uma celebridade famosa, como das redes sociais e das tvs..

Não somos uma banda de sertanejo, de arrocha, de pagode e sofrência que atrai mais de 60 mil pessoa enlouquecidas e histéricas, mas senti a falta de segmentos que se dizem mais representativos da nossa sociedade, como da Secretaria de Cultura, de algum vereador, de algum deputado, de entidades da área, da Prefeitura Municipal, os quais em tempos passados se sentiam no dever e na obrigação de incentivar, apoiar e estimular a cultura.

É um grande mito dizer que Vitória da Conquista é uma cidade cultural, e ainda mais que é uma suíça baiana, só porque teve e ainda tem uns poucos que se destacaram nas artes e nos estudos. Alguém aí pode até estar dizendo que estou querendo ser admirado ou coisa assim, mas falo também no que tenho visto em outras atividades culturais. O artista desta terra é pouco prestigiado.

Ao mesmo tempo, me senti alegre e com orgulho de ter realizado mais um árduo trabalho com apoio de amigos que assinaram o livro colaborativo na espécie de uma pré-venda. Demorou, mas fiquei satisfeito por ter cumprido com minha missão. Senti como se fosse mais um resistente na trincheira em defesa da cultura e do conhecimento. O “Parto” foi muito difícil, mas está aí “Andanças”  para quem tiver interesse de apreciar a sua leitura de causos, contos, prosas e poemas.

.

 

 

O SOCIAL E O CAPITAL

Foto do jornalista Jeremias Macário, na Praça Nove de Novembro, em Vitória da Conquista, durante o embate entre o social e o capital que, diante do progresso, pressionou o poder público para retirar os ambulantes de artesanato do local por conta de dar uma imagem aparentemente mais desenvolvida à cidade, dentro dos padrões “civilizatórios”. Na luta pelo espaço, o artesão fez uma greve de fome, mas cometeu um erro de português. Isso não importa. O importante é que deixou uma mensagem social sobre a situação do nosso país que privilegia o capitalismo selvagem que criou mais de 13 milhões de desempregados, graças à política burguesa dos nossos governantes.

NÃO QUERO MAIS ESTA LIÇÃO

Poema de autoria de Jeremias Macário

Meu poema não fala de libido e amor,

Lembra de um gado em disparada,

Como no verso galopeiro de Vandré;

Ele é mais de dor ferida que de flor;

É cálice amargo, vida de caça fuzilada,

Como na angústia do Drumond de José.

 

Não quero esta assassina lição,

De esquecer a milenar sabedoria;

Não quero soldado para abater,

Fazendeiro com guia pra matar,

Brasileiro comer pedra pra viver,

No país de um futuro sem razão.

 

Quando a mente vira aço se cala,

E o artista se quebra em pedaços;

Não protesta contra esta estupidez,

Em nossos peitos o cara mira a bala;

Voltam-se aos tempos dos cangaços;

E o povo freguês nunca tem sua vez.

 

A mídia quer mesmo é bajulação,

Como o profeta Raul Seixas anuncia;

Fazer sua média atrás do capital vil,

E os canalhas encurtam nossa educação;

Querem um povo de cangalhas e servil;

Negam a ditadura e cospem democracia.

 

Como no rasgo da viola do vate,

Não quero aprender esta lição

Dos inimigos da nossa cultura;

Sou menino e visto o rosa;

Sou a menina desse céu azul;

Quero o saber da Sociologia,

De toda parte, do norte ao sul,

O livre pensar da nossa filosofia,

E gritar bem alto a minha prosa;

Marchar firme contra esta loucura

Da apologia a essa arte do descarte.

 

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia