junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  


SAUDADES DO TREM

Foto do jornalista Jeremias Macário
Que bom os tempos do trem de passageiros!Esperar na estação e ouvir o toc-toc do telegrafista e o sino a tocar avisando sua chegada! Que desastre a opção dos nossos governantes atrasados  pelas rodovias  que impactam o meio ambiente e deixaram os brasileiros dependentes das cargas pesadas nas estradas esburacadas e mal traçadas! Lembro ainda menino quando usava o trem de Iaçú (pontilhão enferrujado), passando por Itaberaba, Rui Barbosa, Piritiba (minha terra querida), Jacobina até Senhor do Bonfim onde desembarcava levando saudades. Era o chamado “Trem Groteiro”, cortando as lindas paisagens do sertão, florido ou seco, transportando gente e mercadorias, de cidade em cidade. Que saudades do trem!

LEMBRANÇAS DO TREM

Poema do jornalista Jeremias Macário

Foi-se o tempo de menino,

espiando o telegrafista,

com batidas de artista,

mandar tocar o sino,

como se fosse um hino,

pra lembrar aos viajantes,

que em poucos instantes,

vai ter máquina na pista.

 

Lá vem o trem a se arrastar,

nas serras diamantinas,

como cobra a deslizar,

por entre as colinas.

 

Lá vem o trem roncando,

com suas patas de ferro,

levando usinas de sonhos,

nas cabeças dessa gente,

soltando o seu berro,

e avançando imponente.

 

Lá vem o trem groteiro,

pelas esquinas do sertão,

no seu traço rotineiro,

picado lento e ligeiro,

parando nas estações,

como fazia o tropeiro.

 

Lá vem o trem das matinas,

de janelas sem cortinas,

no seu balanço manso,

apitando pra avisar,

que logo vai parar,

na Estação de Paiaiá.

 

Lá vem o trem penitente,

puxando a sua corrente,

nos trilhos do dormente,

como um rezador,

que vai curando a dor

da alma do  doente.

 

Lá vem o trem lembrança,

dos dias que era criança,

matando minha saudade,

de no embalo a pongar,

e mais adiante se soltar,

pra na linha caminhar,

vendo o meu trem sumir

no horizonte de lá,

e noutra cidade chegar.

 

Em sua última viagem,

o trem partiu para o além,

e levou a minha bagagem,

ficando só na mente,

a marca daquela fumaça,

na minha cinzenta vidraça

 

Lembrança da valente,

Piritiba de toda gente;

do sábado de feirante;

do poema cortante;

do poeta Aragão,

que mistura pavio,

mandioca com feijão,

e ainda nos dá razão,

pra xingar de delinquente,

o governo indecente,

que deixou esse vazio,

do nascente ao poente.

 

AS GUERRAS PÚNICAS E O GENERAL QUE ENCURRALOU OS ROMANOS

A primeira guerra púnica, nome usado pelos romanos que chamavam os cartagineses de “Poeni”, ou fenícios, durou de 264 a 241 a.C.. Findou quando em 242 Lutácio Catulo derrotou os cartagineses no mar. A Córsega e a Sardenha tornaram-se romanas em 238 a.C. Logo os gauleses foram definitivamente destruídos. Dos embates com Cartago, Roma saiu mais fortalecida política e em termos econômicos com a expansão de seu território no sul da Itália (Sicília), na África e na Gália.

Mas, de 218 a 201acontece a segunda guerra púnica com o general cartaginês Aníbal que, com seus “tanques de elefantes”, atravessa os Alpes e encurralou os romanos em Ticino e Trébia. Por pouco não entrou na capital. Foi o calcanhar de Aquiles de Roma. Duas lutas de titãs da história que só teve um final em 202 a.C.. com a derrota de Aníbal por Cipião, em Zama.

PRIMEIRA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA

Dois historiadores Indro Montanelli, “História de Roma” e M. Rostovtzeff, com o mesmo título falam desse período de guerras que deixou milhares de mortes e consolidou a primeira unificação da Itália. Cada um ao seu estilo em suas pesquisas mostra a grande habilidade do general cartaginês que enfrentou os exércitos romanos ao lado de seus leais soldados e aliados.

Rostovtzeff relata a árdua guerra que levou à criação da confederação italiana, Roma tornou-se uma das mais fortes potências do mundo civilizado. Não tanto em números, o exército romano se destacava pela sua organização, solidariedade, capacidade e o orgulho patriótico do seu povo. Quando Roma derrotou Pirro, um dos mais bem dotados reis helênicos, os estadistas começaram a observar a força da Macedônia.

O Egito foi o primeiro a estabelecer relações diplomáticas com Roma, em 273 a.C., e na Grécia, a liga das comunidades livres passou a ver na nova potência uma possível aliada. Cartago foi afetada pela política externa de Roma no Mediterrâneo. Por isso, renovou, em 348 a.C., o tratado comercial com  Roma, celebrado em fins de do século VI. O acordo foi transformado em 279 a.C. durante a guerra com Pirro numa aliança militar contra o inimigo comum.

A situação modificou quando todos os portos do sul da Itália foram anexados ao império romano e quando os interesses de Nápoles e Tarento, rivais de Cartago, tornaram-se também os de Roma. É claro que Roma já estava de olho nos gregos sicilianos que sempre lutaram contra Cartago. Massília era outra inimiga grega que Cartago temia.

Diante do quadro de beligerância, as relações entre gregos sicilianos e tribos nativas italianas, bem como a tomada de Messana pelos mercenários samnitas, levaram a um choque entre Roma e Cartago. As forças eram quase idênticas. Seus poderios eram baseados numa comunidade de cidadãos, num exército numeroso e bem treinado com seus aliados.

De um lado estavam os etruscos, samnitas, úmbrios e gregos italianos, enquanto Cartago contava com os berberes, ou líbios, e os númidas, vizinhos tributários. Os cartagineses tinham cavalaria melhor e em maior número. Sua infantaria também estava bem armada. Possuía ainda um bom número de mercenários treinados na escola helênica e “elefantes armados”, coisa que Roma desconhecia.

:: LEIA MAIS »

A DEMOCRACIA E A LIBERDADE SÓ SE AS FORÇAS ARMADAS QUISEREM

 

DEMOCRACIA NÃO É FAVOR DOS MILITARES AOS CIVIS.

Não existem equívocos nem dúvidas nas palavras destrambelhadas e autoritárias do capitão. Sem essa de que não foi bem assim e tentar disfarçar com outras interpretações fajutas de que não foi isso que quis dizer. Faz parte da estratégia inocular aos poucos e em doses homeopáticas a pílula dourada do medo, ou amarela, de uma doutrina de ufanismo nacionalista retrógrado fascista. Existe um esquema silencioso e lento de repressão. Está difícil explicar e traduzir.

Existe uma plataforma obscurantista com o sonho de amordaçar e perfilar a sociedade brasileira nas fileiras militares de uma ordem e disciplina ao modelo deles, colocando a democracia e a liberdade na comissão de frente para impressionar os incautos. Sempre tenho dito que só estamos no começo introdutório da peça e vem muito mais coisa por aí.

Fotos de Evandro Teixeira

Há cinco ou seis anos ninguém acreditava que a marcha da extrema-direita iniciada com as intransigências e intolerâncias dos evangélicos e seus aliados conservadores chegaria ao poder. Agora ninguém teme que a liberdade de expressão esteja sendo minada porque temos as instituições do judiciário, do legislativo e da própria mídia mimada para defendê-la.

Em pouco mais de dois meses do governo do capitão, comandado pelos nove ou dez generais, só ouvimos impropérios e estupidez dele, de seus filhos aloprados, de ministros e políticos que seguem a cartilha de levar o Brasil ao primitivismo. Ainda não saíram do palanque do ódio e do rancor contra as esquerdas e Lula que está preso em Curitiba. São apelações para a falta de argumentos, e olha que a oposição continua opaca e muda.

A LIBERDADE E AS FORÇAS ARMADAS

Nesta semana brotou mais um vitupério da boca do capitão de que a democracia e a liberdade só existem quando as forças armadas assim desejem e queiram. Não existem subterfúgios para uma declaração desse quilate. Quer dizer, então, que se de uma hora para outra os militares decidirem não mais querer a liberdade, ela será imolada, passando por cima das fracas e desacreditadas instituições. Na concepção deles, ditadura só existe de esquerda. De direita é ordem e disciplina.

Não dá para ficar engolindo explicações enganosas de contemporização  onde cada um interpreta ao seu modo. O recado foi bem claro e não há espaço para enrolação de que não foi bem assim. Continuam nos tratando de burros e idiotas, se bem que poucos tenham percebido isso. Nesse vai e vem de réplicas e troca de definições da fala do capitão, o mais afrontoso foi que a sociedade brasileira ficou de fora como guardiã e conquistadora da democracia e da liberdade.

É como se ela, a população, não contasse e, passivamente, aceita o que vem do alto. Os políticos ofendidos (outros das fileiras bolsonaristas concordaram), por exemplo, só citaram o judiciário e o legislativo que estão atentos para lutarem pela liberdade. Logo esses poderes de imagem arranhada que perderam a credibilidade. Como sempre, o povo ficou de fora, como se tudo já estivesse dominado.

:: LEIA MAIS »

CRIATIVIDADE E ARTE

Foto do jornalista Jeremias MacárioA criatividade num tronco de árvore virou uma arte e serviu para indicar o nome das fazendas. A natureza não morre renasce  em forma de arte na mão do homem.

ESTAMIRA DO ALÉM

Poema do jornalista Jeremias Macário

Lá no além do além,

da energia que gira,

jamais intimista

do físico cientista,

está o espaço paralelo

do metafísico elo,

mundo de Estamira.

 

No além do além,

da súbita imaginação,

numa repentina fração,

Estamira rasga sua dor,

doída e sofrida,

de lucidez e loucura,

entorpecente secura.

 

A fala de Estamira,

transborda toda ira,

em seus restos de carne;

treme, contorce e morde,

para amaldiçoar

a perversidade humana,

de mente suja insana.

 

De dentes cravados,

vampiros do sistema,

fazem do sangue o tema,

e neles Estamira mira,

suas palavras de fogo,

com suas fibras de aço

contra todo o jogo,

dos homens malvados,

que invadiram seu espaço.

 

Estamira vive,

viajando pelos astros,

luminosos de gás,

de corpos verminosos,

falando de guerra e paz,

com mágicas de agonia

em toda noite e todo dia.

 

Lá se vai Estamira,

ao som da sua lira,

no seu ritmo acusatório,

perfurando o além,

nesse mundo sanatório,

onde não existe futuro,

no paredão de escuro.

 

Estamira não tem Deus,

no seu filosófico além,

e nem diz mais amém,

essa bruxa do lixo,

que fuça como bicho,

vendo sair o demônio

da camada de ozônio.

 

Das asas dos urubus,

do além da história,

Estamira divaga e delira,

na sujeira da escória,

dos canibais animais.

 

Estamira é lógica utópica,

sem sentido, sem ótica,

complexo do universo,

do além de ninguém,

que enfrenta o perverso,

e faz pouco do desdém

 

UMA OBRA ABANDONADA EM VILA DO CAFÉ QUE LUTA PELA SUA EMANCIPAÇÃO

Com aspecto de cidade e cercada de fazendas de café, como o próprio nome já diz, a Vila do Café, distrito de Encruzilhada e perto do povoado da Tapera, há anos vem lutando para ser emancipada como cidade, mas o projeto de “independência” política é sempre emperrado na Câmara dos Deputados por causa da escassez de recursos que já vive o Fundo de Participação dos Municípios e devido à questão da corrupção que envolve governos municipal, estadual e federal.

E por falar em corrupção com o dinheiro público dos contribuintes, o que mais chama a atenção em Vila do Café, distante cerca de 130 a 150 quilômetros de Vitória da Conquista, é uma obra abandonada há cinco anos onde já deveria funcionar um Ginásio de Esportes. O esqueleto das ferragens, pilastras e paredes que foram levantadas e não foram concluídas, causa revolta aos moradores que torcem para que a Vila do Café se torne uma cidade, como merece.

“Este prédio onde já foi aplicado muito dinheiro dos impostos dos cidadãos poderia hoje estar sendo usado por jovens estudantes e pelos próprios habitantes na prática de esportes, lazer e outras atividades culturais” – lamentou uma senhora que viu a promessa chegar em forma de campanha eleitoral e quando a obra foi iniciada e depois esquecida pelo poder público de Encruzilhada. É mais uma esperança que se perde.

Ao lado funciona a Escola Municipal Luis Eduardo Magalhães que, pelo seus aspecto, também necessita de reformas. O Ginásio seria um reforço de lazer e esportes para os alunos que já sofrem com a precariedade do ensino. A obra abandonada, como tantas outras espalhadas pelo Brasil, é o retrato do roubo, do superfaturamento e do desperdício de recursos.

Com cerca de 15 mil, ou mais pessoas, e estrutura de  pousadas, farmácias, restaurantes, casas de materiais de construção, serviços, colégio estadual e um comércio desenvolvido, a Vila do Café pode ser hoje considerada como um dos maiores povoados do Brasil. Expandiu-se rápido com a chegada da cultura do  café em meados dos anos 70 e início dos anos 80 do século passado.

Como em Vitória da Conquista e Barra do Choça, a Vila sofreu com os desmatamentos sem controle ambiental. A corrida do ouro vermelho, ou negro, como queira, levou muita gente a morar no local para trabalhar no campo. Acontece que o café sofreu e ainda sofre seus altos e baixos provocando o desemprego de muita gente.

O progresso e o crescimento inesperado também trouxeram seus males ,e um deles foi a violência e o tráfico de drogas como vivem atualmente as cidades brasileiras, mesmo as de menor porte. O que se percebe ao visitar o local, é que a Vila do Café precisa de muito mais atenção da Prefeitura de Encruzilhada em termos de ordenamento e prestação de serviços sociais. Essa falta de apoio leva o povo a defender sua emancipação como se fosse uma saída para todos os problemas.

O JEGUE DO SERTÃO

Foto do jornalista Jeremias Macário

No sertão do asfalto, não há mais espaço para o jegue que sempre esteve na lida com o homem do campo. Agora é a moto, o cavalo de aço,  que corta a paisagem, mesmo oferecendo perigo,  como na foto onde os dois transportam uma parabólica, outro instrumento do nosso progresso que acabou com a tradição.

ESSA GENTE SÓ QUER PASSAR

Poema de autoria de Jeremias Macário

Nesse mundo de loucura,

A vida é muito dura

No deserto das serpentes,

Frio ranger dos dentes,

No vazio vagão do trem,

A pé, de barco ou de boia,

Muito longe da sua aldeia,

Essa gente deixou sua teia

E só pede para passar,

Pra viver e trabalhar.

 

Tem compaixão, Senhor!

Da luta aguerrida e triste,

Desse povo sofrido,

Da fome que a tudo resiste,

Da violência, da guerra,

E deixe essa gente passar

Para o outro lado de lá.

 

Nas noites traiçoeiras

Dos assaltos bandidos,

Na terra dos excluídos,

Onde gente não é gente,

São escravos vendidos,

Esse cordão desesperado

Da sua terra refugiado,

Marcha firme pra passar,

Seguir caminho em frente,

Na esperança de melhorar.

 

 

CÂMARA DEBATE FECHAMENTO DE HOSPITAL INFANTIL EM CONQUISTA

Funcionários do hospital infantil Cami, o antigo Aivic, localizado na zona oeste de Vitória da Conquista, ocuparam ontem (dia 27/02) a Tribuna Livre da sessão da Câmara de Vereadores, para denunciar e reclamar do fechamento da unidade que está completando 30 anos de existência e irá provocar a demissão de 60 pessoas.

Os empregados da área da saúde que estão ameaçados de perder seus trabalhos fizeram um veemente apelo aos vereadores para que encontrem uma solução que impeça que o ato seja concretizado. A situação de crise do hospital, que atende pelo SUS, já se arrasta há algum tempo por vários motivos de ordem financeira, segundo alguns, inclusive devido à má gestão e a interferência política, de acordo com o parecer de um representante.

O parlamentar Luis Carlos Dudé, líder da bancada do Governo Municipal, foi um dos defensores de que o hospital, que é uma referência em Conquista na zona oeste, continue aberto e propôs que o legislativo forme uma comissão e converse com o prefeito Herzem Gusmão a fim de que o quadro seja revertido.

Outros vereadores também se colocaram à disposição para lutar no sentido de que a unidade não seja fechada como já foi anunciado, como Viviane Sampaio, do PT, ex-secretária da Saúde do governo passado. Disse ser conhecedora dos problemas que o hospital vinha enfrentando por falta de verbas para se manter. Suas instalações também estão em estado precário.

Coriolano Moraes, do PT, culpou a redução de gastos na saúde e outros programas sociais, imposta pela PEC (proposta de emenda constitucional) que limitou as despesa do governo federal aos índices da inflação. Ele também condenou o fechamento do hospital que serve a muita gente pobre do lado oeste da cidade.

Na ocasião, criticou a nova reforma da Previdência Social em tramitação na Câmara dos Deputados, dizendo que ela não trata de cobrar as dívidas das grandes empresas sonegadoras, mas apenas penalizar o cidadão brasileiro de menor poder aquisitivo. Segundo ele, antes de tudo, é preciso que se acabe com os privilégios.

Outro que condenou a paralização da unidade hospitalar foi o vereador Álvaro Phiton, lamentando a situação, principalmente de 60 famílias que podem perder seus empregos. A Mesa Diretora da Câmara, conforme expressou seu presidente Luciano Gomes, vai instalar uma comissão para estudar a questão e tomar providências, para que o hospital continue funcionando e atendendo a população mais carente.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia