agosto 2018
D S T Q Q S S
« jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


VOU SER MOCÓ E VIVER NUMA LOCA

Não fique ai esperando. Com um eleitorado quase todo ignorante, alienado e escravo dos favores e dos religiosos, as eleições não mudarão as coisas. A ratazana vai continuar roendo o delicioso queijo chamado Brasil. Sem esperanças e futuro incerto, vivemos numa sociedade acossada pelo medo.

Pode até ser covardia ou fuga do real, mas estou cansado e pensando em virar mocó num sítio qualquer por aí pra viver na minha loca, isolado no meu buraco egocêntrico, e bem longe de tantas idiotices e imbecilidades. Prefiro a reclusão nestes dias que me restam. As circunstâncias financeiras, infelizmente, ainda não me permitem, mas tenho pressa e apelado para Odin e a todos os deuses do universo que me levem.

O tempo não espera e estou me esvaindo aos poucos neste turbilhão de besteiras, retrocessos, violências e descalabros dos porcos malfeitores. Neste arrastão desumano, confesso que não sou um homem maduro o suficiente pra viver com sabedoria e serenidade, de modo a evitar a irritação e a revolta. Ainda me sinto um perdido nesta selva dividida de lobos, hienas e raposas raivosas. Meu lugar não é mais aqui.

Os extremistas estão avançando com seus tanques e passando por cima das diversidades e divergências. O ovo da serpente está sendo gestado. Os direitos humanos e trabalhistas, os movimentos em defesa da igualdade social, de gênero e de cor, as lutas em prol de justiça para os injustiçados e as denuncias contra as brutalidades da força repressora policialesca estão sendo destruídos e ameaçados de morte.

Como no poema de Maiakovski, do jardim pisoteado, agora estão arrombando nossas portas e destruindo nossas flores e lares, provocando choros, lágrimas e ranger de dentes. As nossas crianças e jovens estão sendo exterminadas por balas assassinas, e não se sabe quem é mais truculento e sanguinário, se as rajadas dos bandidos dos morros e asfaltos ou os homens ditos da lei com seus fuzis e metralhadoras em punho.

As ideias macabras nazifascistas de ódio e intolerância se disseminam nas redes sociais com calúnias, injúrias e difamações. Por todos os cantos se ouve impropérios, absurdos e incitações dos radicais. As notícias falsas e mentirosas se propagam como rastilho de pólvora. Das bocas tremulas escorrem espumas de ódio e dos cérebros endurecidos ofensas contra os que rogam por igualdade. O certo não é mais certo, e o errado é o correto.

Todos estão fixos como robôs de olho nas telas malditas, e longe do olho no olho entre os seres. A mobilização popular tem seu tempo curto de ativismo, só enquanto o sangue ainda está quente nas ruas e nas calçadas. Depois todos seguem indiferentes, cada um no seu caminho da busca pela sobrevivência individual. O coletivo é sempre o descartável e tem seu prazo de validade vencido.

:: LEIA MAIS »

VEREADORES REAGEM CONTRA SALOMÃO NUMA SESSÃO QUE “PEGA FOGO”

Num discurso inflamado, o vereador do PT Coriolano Moraes se dirigiu ao colega David Salomão dizendo que fascista sempre evoca o nome de Deus, pátria e família, para manipular e enganar o eleitorado com mentiras. No mesmo tom, outros se mostraram também revoltados com a atitude de desrespeito do parlamentar para com os outros membros da Câmara de Vitória da Conquista.

A rejeição por 16 votos ao projeto de Salomão, considerado como inconstitucional, o qual visava impedir a realização de blitz no trânsito da cidade com apreensão de veículos irregulares com o IPVA, foi o estopim dos desentendimentos na sessão de ontem (quarta-feira, dia 28), que na gira popular se diz que “pegou fogo”.

A reação de Coriolano endossou os pronunciamentos da maioria dos parlamentares da Casa que se sentiu ofendida por ter sido difamada nas redes sociais como traidora porque não votou seu projeto, por quase todos considerado como um absurdo jurídico por se tratar de uma questão da alçada do governo federal.

O primeiro a falar foi Álvaro Pithon que não poupou palavras para tecer duras críticas ao colega que, segundo ele, de forma mentirosa e vergonhosa tentou colocar o povo contra a Câmara que não aceitou um projeto que não é da competência dela legislar. Todos seguiram a mesma linha de repúdio à atitude do colega e se sentiram atingidos na sua honra.

Antes de mostrar toda sua agressividade, como sempre faz, Salomão leu seu Salmo preferido em louvor a Deus, e depois descarregou toda sua raiva naqueles que votaram contra sua proposta.

Atacou de forma grosseira o Governo do Estado e denunciou que os vereadores ficaram com medo de aprovar uma medida que iria beneficiar a população. No seu entendimento, foi uma covardia do legislativo municipal.

Quando começaram os bombardeios contra sua pessoa, o vereador retirou-se da sessão plenária, mas nem isso acalmou os ânimos e as posições de revolta. Muitos pediram sua presença para que ele ouvisse a verdade e não a mentira que soltou de forma antiética nas redes sociais na semana passada.

Todos contaram que foram interpelados pelos eleitores e a população conquistense de um modo geral, indagando sobre o motivo de não terem votado no projeto contra as blitz e apreensões de carros em débito com o IPVA e outras taxas obrigatórias cobradas pelo governo.

Os vereadores explicaram que todos os advogados, a própria OAB e especialistas consultados se posicionaram contra a matéria por não estar na esfera municipal, e que seria até ridículo se a Câmara aprovasse um projeto inconstitucional.

Não é a primeira vez que o vereador David Salomão vem batendo forte contra o legislativo municipal do qual ele pertence, destilando suas ideias conservadoras, retrógradas, arbitrárias e extremistas, inclusive pedindo o retorno de uma intervenção militar no país.

Não é somente isso, por muitas vezes o vereador em referência tem agido com a falta do decoro parlamentar, o que poderia já ter sido julgado pelo Conselho de Ética, cuja hipótese não foi descartada, conforme ficou evidenciada no discurso de alguns parlamentares que mais uma vez se sentiram ofendidos com suas acusações.

CRESCIMENTO ILUSÓRIO E REPETIDAS CRISES

Um passo à frente e três atrás. Assim é o crescimento de épocas em épocas curtas do Brasil primário com repetidas crises agudas, bem mais acentuadas que o capitalismo como um todo, conforme cálculo de Karl Marx. Sem planos estratégicos o futuro de uma nação é incerto.

Com economia frágil, desprovida de planejamento intensivo e fincada no agronegócio (no inicio era a monocultura) com maior peso na exportação de produtos primários e dependência dos industrializados finais, como a química fina, o nosso país é o primeiro a entrar numa crise de cunho externo e um dos últimos a sair dela.

Esta marca do improviso, com raras exceções, do endividamento dos recursos vindos de fora, do capital egoísta explorador e concentrador de rendas, da falta de compromissos sérios dos governantes para com as causas sociais, desde os tempos coloniais e imperiais, fizeram do Brasil um país feio, desengonçado e atrasado, de difícil recuperação.

De subdesenvolvido a emergente (só trocam os termos), esta terra de Santa Cruz não consegue galgar um crescimento desenvolvimentista sólido e duradouro, e ainda se vangloria da supremacia na agropecuária dos grãos e da carne, como sempre o carro-chefe da economia que evita quedas maiores do PIB (Produto Interno Bruto), ou ajuda na sua alta pífia de 1%, como a do ano passado. A base do superávit da balança comercial está nas matérias primas.

Mais uma vez, o destaque do PIB de 2017 foi o agronegócio altamente subsidiado, com 13% (milho, soja, algodão, carne e outros primários), com serviços e comércio pouco acima de 1%, e a indústria se arrasta com baixos índices de produtividade, hibernada no negativo ou na estagnação.

Na pauta de exportação valem bem mais os grãos, o ferro, o petróleo cru, alguns manufaturados e semi-industrializados (laminados de ferro e alumínio, celulose de papel e petroquímicos). O comando é sempre das matérias-primas que oscilam de preços e dependem da demanda dos grandes consumidores.

Da colônia, do império à república, os ciclos de produção, desde o Pau Brasil, a cana-de-açúcar, a pecuária, o ouro, a borracha e até o cacau, na Bahia e na Amazônia, tiveram seus picos de alta e depois entraram em fracasso, Da independência herdou uma pesada dívida para com a Inglaterra. A diversificação lenta da economia para o campo da indústria só se deu na segunda metade do século passado, muito menos pela iniciativa privada acumuladora de lucros em aplicações financeiras, e praticamente pela mão paterna do Estado.

A classe trabalhadora sempre foi explorada pelas empresas, principalmente as multinacionais do imperialismo norte-americano que aqui se implantaram para sugar nossas riquezas e usar a mão-de-obra barata. Tudo sempre voltou para os países de origem.

Os operários só vieram ter um alento em termos de benefícios e direitos trabalhistas a partir do segundo Governo de Getúlio Vargas, com sindicatos ainda pelegos amordaçados pela ditadura dele, de 1930 a 45. Ali começavam os golpes e as sucessivas crises.

Juscelino Kubistchek se notabilizou pelo entreguismo e mais endividamento pela construção de Brasília e mais abertura de estradas, privilegiando as rodovias com os carros das primeiras montadoras automobilísticas, em detrimento do transporte ferroviário e fluvial. A inflação começou a corroer as parcas economias dos mais pobres e quase nada em programas sociais, em educação e saúde.

:: LEIA MAIS »

FALTA DE RECONHECIMENTO E INGRATIDÃO

Como se diz no jargão jornalístico, no “gancho” do meu companheiro jornalista Carlos Gonzalez sobre Sérgio Fonseca que faleceu nesta semana do dia 22 (quinta-feira), quando disse que sentia nele em vida um semblante de mágoa pela falta de reconhecimento dos seus relevantes trabalhos em Vitória da Conquista, concordo que esta impressão foi confirmada no seu enterro nesta sexta-feira (dia 23).

Mais uma vez, caro Gonzalez, observei isso na ausência de uma representação do poder público no velório e no enterro de um jornalista sério que no passado prestou seus serviços na divulgação da cidade e da região. Cerca de 30 a 35 pessoas amigas acompanharam sua despedida, e nem um secretário da Prefeitura Municipal e um vereador da Câmara, ou seu legítimo representante, se fizeram presentes no ato.

Sei que quase ninguém gosta do que falo, mas nunca vou deixar de ser sincero com o que penso a respeito desta questão. Tenho constatado a falta de reconhecimento e até de gratidão da parte dos segmentos desta sociedade para com o passado de pessoas que quando estavam na ativa eram evidenciadas e depois caíram no total esquecimento e ostracismo.

Cabem às assessorias de comunicação, principalmente, dos órgãos públicos competentes ficarem atentas e alertar seus dirigentes no poder sobre a importância de prestar um tributo àqueles que fizeram parte da história do município, não somente na área política. É isso que faz reativar a memória de um povo. Não é só fazer moções e dar títulos de cidadão.

Não vou mais repetir sobre quem foi o intelectual jornalista Sérgio Fonseca, mesmo porque já falei aqui sobre a sua atuação como profissional da comunicação e a respeito da sua pessoa em vida na passagem por Conquista. No entanto, ele não é um caso isolado de menosprezo.

Há anos fiz um comentário neste mesmo sentido sobre a morte do geofísico Rui Bacelar Filho quando ele se foi e não prestaram nenhuma homenagem à sua pessoa. Naquela época, afirmei que Conquista era uma cidade ingrata para com seus adotivos e legítimos.

Não quero aqui forçar a barra, nem requerer atenção privilegiada para amigos, mas só dizer que as pessoas que prestaram seus serviços à cidade por muito tempo merecem o devido reconhecimento dos representantes da sociedade, especialmente do poder público constituído. É uma grande falha quando isso não é feito. Não é questão de vaidades, mas de consideração e respeito. No enterro do jornalista Sérgio, senti de perto este vazio enorme e a mágoa da qual se referiu o companheiro Gonzalez.

 

UM JORNALISTA DESBRAVADOR

Carlos Albán Gonzalez – jornalista

Aproveito o espaço reservado pelo amigo e colega Jeremias Macário para prestar uma homenagem a um companheiro do jornal “A Tarde”. Numa espécie de minibiografia Jeremias revelou para mim uma fase de conhecimentos e realizações de Sérgio Fonseca, que nos deixou nesta quinta-feira, aos 80 anos. Vivenciamos o mesmo período de grandeza do maior veículo de comunicação do Norte e Nordeste do país, o que nos deixava orgulhosos.

Pessoalmente, não nos conhecíamos. Mais de 500 quilômetros separavam nossas mesas de trabalho. Na bem aparelhada sede do Caminho das Árvores, em Salvador, a função do repórter, do redator e do editor era exercida num ambiente confortável, apesar da máquina de escrever e do telefone com fio. Não se imaginava a jornada de sofrimento dos correspondentes do interior, obrigados a cobrir os fatos importantes de uma imensa região do estado.

Sérgio foi um desses jornalistas desbravadores, tal como um bandeirante. Nas últimas décadas do século passado mostrou para os leitores de “A Tarde” o desenvolvimento de uma cidade que viria a ser a terceira do estado. Como chefe da Sucursal de Vitória da Conquista, Sérgio angariou assinantes e aumentou as vendas nas bancas da cidade.

Em 1991, Sérgio recebeu uma missão mais árdua: dirigir a recém criada Sucursal de Barreiras, a fim de acompanhar o crescimento de um promissor polo agrícola no oeste baiano. “Passou a bola” para Jeremias, que deu continuidade ao trabalho jornalístico e administrativo da Sucursal conquistense, e foi molhar os pés nas águas do Rio São Francisco, que ainda respirava com toda força dos pulmões.

Sérgio e eu escolhemos a mesma cidade para viver na condição de aposentados. Mudei há quatro anos para Conquista. Foi quando conheci pessoalmente o companheiro dos bons tempos do jornal dos Simões. Encontrávamos num barzinho na Rua da Granja. Desses encontros participavam Ricardo Di Benedictis, seu filho Ricardinho, Jeremias e Luciano.

Sérgio chegava apoiando seus 1,90 de altura numa bengala. Sentava, pedia uma dose de conhaque antes do primeiro gole de cerveja. Falava muito pouco, apesar do seu vasto conhecimento linguístico e literário. Sempre me deu a impressão de um homem solitário, magoado, talvez, por  não ter recebido o justo reconhecimento   pela divulgação que deu a Vitória da Conquista.

 

 

MAIS UM AMIGO E COMPANHEIRO QUE SE VAI

Terminou ontem pela manhã, quinta-feira, dia 22 de março, o longo ou curto caminho de 80 anos do amigo e companheiro jornalista Sérgio Fonseca que se foi. Lá no além, não se sabe onde, deve estar entre intelectuais distribuindo conhecimento e sabedoria, e falando alemão, inglês, italiano, francês, espanhol e até russo para gringos presunçosos que se acham superiores.

Conheci o Sérgio pela primeira vez entre março e abril de 1991 quando vim para Vitória da Conquista substituí-lo na chefia da Sucursal do Jornal A Tarde. Foi logo me passando as primeiras instruções de gerenciamento administrativo e jornalístico do andamento da Sucursal. Como dever de casa, um teste de como calcular espaços e preços de publicidade para o veículo.

Naquela época estava deixando Conquista, depois de muitos anos aqui, para comandar a Sucursal de Barreiras. Lembro que estava entusiasmado com a região do cerrado pelo seu potencial de nova fronteira agrícola e por possuir muitos rios e água em abundância. De lá para cá, houve muita exploração desordenada pelo homem, mas isto não é o caso.

Por mudanças na política empresarial da empresa, de lá o jornalista destemido e desafiador (fez curso nos Estados Unidos e andou por outros cantos do Brasil), foi trabalhar em São Paulo. Passou por Eunápolis, na Bahia, e resolveu, em definitivo, viver o seu resto de tempo em Conquista, segundo ele próprio, por ser uma terra boa e de clima agradável.

Foi um grande prazer e honra conviver com ele por perto nestes dez últimos anos de vida. Com sua concepção filosófica de bem viver de forma harmoniosa, ponderada e equilibrada, de uma memória fantástica, nas rodas entre amigos nos bares (alô Ricardo, Ricardinho, Luciano, Gonzalez e outros), sua opinião era sempre escutada e acatada por todos.

Observava os argumentos acirrados e dava sua cartada final, acompanhada de citações de grandes pensadores, poetas, escritores e filósofos. Assim procedia nos nossos saraus aqui no nosso Espaço Cultural A Estrada. Sempre fazia questão da sua presença, e algumas vezes não comparecia por causa de alguns problemas de saúde e pela sua idade já avançada. Mesmo assim, ligava no outro dia procurando saber como foi o bate-papo e a “confusão”.

Quando aparecia, aturava-nos por pouco tempo nas noitadas, por razões que já citei, mas deixava nos encontros seu recado certeiro e sensato, sem alterações e quase nada para contestar. Era um leitor voraz e me deu muitas dicas de livros. Foi revisor da minha última obra “Uma Conquista Cassada – Cerco e Fuzil na Cidade do Frio” e sempre me perguntava rindo quando eu ia parar de ler tanto sobre a ditadura civil-militar de 1964. Por último me brindou fazendo o prefácio para meu livro “Andanças” que estou tentando a duras penas publicá-lo.

Como jornalista e chefe da Sucursal A Tarde prestou grandes serviços para Conquista e região. Fica conosco um grande cabedal cultural, intelectual e rico em bondade, seriedade, ética e visão que tinha do mundo, da política nacional e do comportamento humano. Falei com ele na última terça-feira e estávamos planejando um encontro aqui em casa para trocarmos ideias com os amigos e companheiros.

O CINISMO DO APAGÃO ENERGÉTICO

Mais do que em outros governos, esse pessoal do mordomo de Drácula não tem mesmo nenhuma vergonha na cara. Trata o povo como burros, otários e idiotas desmemoriados. Sobre o apagão geral de ontem, que deixou o Norte e Nordeste nas trevas, o ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que não existe mais nenhum risco de outro apagão.

É mesmo muito cinismo dessa gente, visto que outros antecessores no cargo já falaram a mesma coisa. É mais um governo irresponsável e incompetente que este coitado povo tem que aturar e engolir. Se a categoria de terceiro mundo é o última indicação, o Brasil é o mais atrasado do planeta e, acima de tudo, o que mais maltrata seus filhos como se fossem bagaço de cana.

Como se não bastasse o desprezo que eles têm para com os brasileiros, o próprio ministro chegou a dizer que a energia retornaria às 20h30min. Aqui em Vitória da Conquista, a escuridão foi de 16horas até 22horas. Portanto, seis horas de aflição e transtornos. Os prejuízos foram incalculáveis, principalmente para o setor de bares, restaurantes e hotéis. Foi um final de tarde e noite de sufoco para os conquistenses.

Hoje, quinta-feira, muita gente deve amanhecer na porta da Coelba, na Avenida Olívia Flores, para relatar suas ocorrências e enfrentar a torturante burocracia para ser ressarcido de suas perdas. Verdadeiramente, este não é apenas um país desprovido de seriedade, mas o país que tem como marca o improviso.

Como já disse o poeta cancioneiro Raul Seixas, “a solução é alugar o Brasil”. É uma saraivada de trapalhadas e atrapalhões que fazem parte de um governo retrógrado que não preza pela meritocracia e competência. No aqui e agora, qualquer um pode ser ministro, e até um menino de menor chega a ocupar um cargo de chefia no Ministério do Trabalho. Cada vez mais, sinto-me triste, envergonhado e agredido nos meus direitos.

PLANEJAMENTO FOI UM BLEFE

Quando assumiu o comando da intervenção federal militar no Rio de Janeiro há cerca de um mês, o general Braga Neto pediu um tempo para apresentar seu planejamento, mas agora se percebe que tudo não passou de um blefe no jogo político.

A violência continuou desenfreada e culminou com a execução da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes há uma semana. Depois de muito blábláblá pra lá e pra cá, imagens de câmaras no trajeto do assassinato que não levam a nada, desvio de lotes de munição e muita pirotecnia de políticos, nada de concreto na investigação da polícia que investiga polícia.

Enquanto isso, nosso dinheiro está sendo jogado no ralo, e os profissionais do crime, que não são nada bestas, já tiveram tempo suficiente para apagar os rastros. O povo ainda está nas ruas, mas até quando? Não bastam discursos inflamados de que o ato bárbaro foi um atentado à democracia. Será que toda esta trapalhada de um aparato militar é proposital?

Sem apresentar uma estratégia, um general (o interventor) pede três bilhões de reais (o governo federal oferece um), e o outro general Villas-Boas (o comandante do exército) afirma o óbvio de que a violência tem suas raízes históricas de décadas de ausência do Estado no campo social. Diz-se preocupado e deixa a sensação de que a intervenção não vai resolver o problema.

Depois dessa confusão toda de balas perdidas e palavras cruzadas, integrantes da Comissão Externa da Câmara dos Deputados que acompanha a intervenção constataram que a dita cuja segue improvisada, sem planejamento. “É inaceitável se jogar com improviso e brincar com a vida das pessoas como o governo tem feito”- acusou o deputado federal Alessandro Molon, membro da Comissão.

Sem estratégia e sem plano, os bandidos continuam na sua marcha violenta de matar e aterrorizar. Do outro lado, os homens fardados com seus tanques, fuzis e metralhadoras simplesmente desfilam e exibem suas forças de guerra, entrando e se retirando das favelas, como agora está fazendo na Vila Kennedy, que seria transformada num exemplo de vitrine para devolver a paz aos moradores.

Outra questão é a truculência e a opressão militar contra os moradores, como denunciado pela ex-vereadora assassinada em referência a Acari pelo 41o Batalhão. Isso me faz lembrar a história das chamadas volantes do governo em perseguição a Lampião e seus cangaceiros no final dos anos 20. Quando menino ouvia dizer dos mais velhos que não se sabia quem era o pior e o mais temeroso no sertão. Era a tática de terra arrasada.

Neste cenário geral de terror, estratégia e planejamento de verdade até agora só da parte dos bandidos e dos milicianos ou agentes policiais que mataram, impiedosamente, a vereadora Marielle e seu motorista. O resto é incerto.

Em meio a tanta violência e confusão dos “bate-cabeças”, os assassinos aproveitaram para detonar suas pistolas contra quem clamava por justiça. Neste Brasil do passado e do presente, dá para acreditar que o crime será desvendado, ou vão pegar um bode expiatório qualquer, para dar uma satisfação da incompetência?

DISFARCES DOS JUÍZES NÃO CONVENCEM

Na semana passada, milhares de juízes pelo país a fora fizeram movimentos em defesa de seus penduricalhos, como auxílio moradia, gratificações, auxílio-alimentação e outros benefícios. No entanto, disfarçaram nas conversas de que as manifestações foram por mais condições de trabalho, aumento no número de magistrados e garantia na qualidade dos serviços prestados à comunidade.

Foi uma atitude vergonhosa quando alegaram que seus salários de mais de 30 mil reais estão congelados há mais de quatro anos. Muitos chegaram a afirmar que a campanha contra seus privilégios parte de um grupo que tem a intenção de desestabilizar a Operação Lava Jato. Todos sabem que se trata de mais uma casta que destoa da realidade tão desigual do Brasil, e que em países ricos não tem estas mordomias.

A sociedade pobre não aguenta mais sustentar as benesses dos três poderes (Legislativo, Judiciário e Executivo) que governam de costas para o povo. Não venham com essa de retaliação, senhores juízes! O auxílio-moradia é para quem não tem residência, mas o Sérgio Moro, por exemplo, tem em Curitiba e recebe. O Bretas e sua esposa juíza no Rio de Janeiro recebem dois auxílios-moradia. Pode?

Na folha de janeiro, apenas o auxílio-moradia para juízes federais custou mais de oito milhões de reais para o povo, o que projeta um gasto superior a 100 milhões para este ano. A soma de todos os penduricalhos ficou em mais de 10 milhões no mês, ou 123 milhões ao final do ano.

A gratificação com exercício cumulativo se situou em 6,2 milhões em janeiro, ou 74 milhões na estimativa anual. O auxílio-alimentação foi de 1,7 milhão em janeiro.  Toda esta dinheirama está isenta do imposto de renda.

Recente notícia dá conta que o Supremo Tribunal Federal vai contratar uma empresa com rede de lava jatos e oficinas mecânicas para limpeza e manutenção da sua frota de 88 veículos. O custo máximo anual previsto é de mais de um milhão de reais. No ano passado o custo foi em torno de 300 mil. É isso aí, e o povo sem educação é violentado nos seus direitos, passa fome e morre nos corredores sujos dos hospitais.

A SAGRADA CARTEIRA QUE JÁ TEVE SUA VALIA E OS CALOTEIROS DA TERCEIRIZAÇÃO

Foi-se o tempo em que ter uma Carteira do Trabalho era uma honra para o trabalhador brasileiro que sempre carregava a digníssima no bolso com segurança para comprovar nas batidas policiais que não era um vagabundo qualquer.

Hoje com a crise econômica, o desemprego e a reforma trabalhista que escravizou de vez a mão-de-obra, ela anda saudosista amarelada pelos cantos, e o seu dono cabisbaixo se sujeitando às negociatas opressoras do patrão, para não morrer de fome. Quando demitido aceita acordos de conciliação sem antes passar pela rescisão como ainda manda a lei.

A grande maioria dos ativos aptos a trabalhar está na informalidade fazendo bicos pelas ruas para levar um pouco de comida para casa. Só em janeiro deste ano mais de dois milhões entraram no mercado informal se somando a outros milhões de invisíveis às leis e aos direitos trabalhistas. Mais de 80% desconhecem os termos da nova reforma.

A pobre da Carteira, que já foi símbolo de autoestima, perdeu sua valia. Como agora o negociado está acima do legislado num país de 13 milhões de desempregados e de profundas desigualdades sociais de famintos, o capital ganancioso e concentrador de renda dita suas normas.

Do outro lado do balcão, humilhado e desprezado, o escravo operário é obrigado a aceitar tudo calado se quiser comprar um pedaço do caro pão para seus filhos. Existe ainda a figura do intermitente, aquele coitado avulso que só é chamado de tempos em tempos para mais um serviço. Dele extrai o rentável lucro fácil, sem gastos adicionais de adicionais  trabalhistas.

As férias foram esquartejadas, e o décimo terceiro profanado em pedaços. O santo labor do suor derramado com sacrifício foi prostituído. Tem empresa que deixa o empregado acumular várias férias por mais de dois anos e, para disfarçar de uma fiscalização que não mais existe, manda o serviçal trabalhar sem bater o ponto. Acabou o sagrado descanso.

No lugar da dor física e moral do chicote do senhor no lombo até abrir a carne em sangue do negro africano, criaram o mourão da reforma trabalhista do Brasil “moderno” onde só existe o poder de barganha do lado capitalista burguês. Embora com outros métodos disfarçados de bater e castigar, a dor no corpo e na alma em chagas continua intensa e dolorida. O psicológico sente-se destruído pela envergadura da exploração.

Toda classe empresarial apoiou e bateu palmas, mas a reforma é um tiro no pé no propósito intencional do governo de aumentar a arrecadação da previdência social, sem contar o tempo maior que o trabalhador terá que arcar para se aposentar.

:: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia