junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  


AUGUSTO, O IMPERADOR ROMANO QUE CONTROLOU O SENADO E O EXÉRCITO

Depois da guerra civil no triunvirato de Júlio César, Pompeu e Crasso, o sobrinho, ou filho de César divinizado, Otaviano Augusto, mesmo tendo recusado os poderes extraordinários, controlou o Senado, o exército, as províncias, restaurou o reino e fortaleceu como absoluto o império romano, introduzindo inovações e deixando um grande legado para seus sucessores. Governou como rei por mais de 40 anos e restabeleceu a paz.

Enfrentou a ambição de Marco Antônio e, pela sua obra, foi chamado de imperator Caesar Divi Filius (o imperador filho do divino César). A princípio, ignorou o desejo que o corpo de cidadãos tinha de manter sua posição privilegiada no império, e a alta posição atingida pelas duas classes dominantes da comunidade, os senadores e os cavaleiros (homens de negócios), conforme descreve o historiador M. Rostovtzeff, no livro “História de Roma”.

No período de 40 e 30 a.C., as camadas mais altas não desejavam abrir mão de suas posições privilegiadas e serem colocadas em pé de igualdade com a população das províncias. Falava mais alto o orgulho nacional da Itália. Otaviano derrotou Antônio compreendendo este sentimento e se comprometeu manter o predomínio político da Itália.

Sangue novo e restauração

O Estado romano necessitava de sangue novo e de restauração, mas não um novo Estado sobre as ruínas do antigo. Roma não estava morta, e ele tinha a missão de renovar sua antiga glória, mantendo sua posição privilegiada. Os primeiros dois anos que se seguiram ao término da guerra civil foram dedicados por Otaviano à aprovação de medidas.

Agora ele era o chefe do Estado romano, sem contestação para administrá-lo. Suas primeiras providências foram restabelecer as fileiras mais altas da sociedade e o corpo de cidadãos, bem como, restaurar a própria cidade. Em 29 a.C. reexaminou a relação dos senadores e expulsou 190 membros, em parte admitidos por César, mas que não pertenciam à classe senatorial. O Senado voltou a representar a mais alta nobreza romana.

Um ano antes, Augusto tomou uma série de medidas para purificar o quadro de cidadãos e assegurar a predominância de romanos e italianos. Incentivou que todos os cidadãos casassem e tivessem famílias, e que o sangue fosse puramente italiano. Foi proibido o casamento com libertos e   adotadas medidas para evitar a contaminação das classes superiores. Os senadores foram proibidos de se casarem com escravas libertas. Em 28 a.C. Otaviano iniciou sua tarefa de restaurar a capital. Não abandonou os poderes extraordinários de que gozava como chefe militar, em virtude do seu juramento de fidelidade.

Era hábito em Roma acrescentar Otavianus ao nome de Caio Júlio César. Preferia o título honorífico de imperator, conferido pelo exército, puramente militar. O nome Otaviano foi aceito para distingui-lo dos outros. Nas províncias, esse título ligou-se à ideia de natureza universal e ilimitada de seu poder. Ele pertencia à família dos Otávios.

:: LEIA MAIS »

CRATERAS NAS ESTRADAS DA CHAPADA

Quem sai de Vitória da Conquista em direção a Andaraí, cortando a Chapada Diamantina para pegar a BR-242, passando por Tanhaçu, Ituaçu, Barra da Estiva e Mucugê, tem o prazer e o privilégio de curtir belas paisagens, lavouras de horticulturas, café, os morangos e um clima ameno, mas, ultimamente, passa tormento e se irrita com as crateras abertas nas estradas. Elas são um teste para cardíacos e provas de resistência física.

A viagem que exige muita paciência, preparo psicológico e muita atenção para evitar acidentes e não ter o veículo quebrado, começa logo depois de Anagé pela BA-142 e continua depois de Mucugê, principalmente na subida para Andaraí. Diria que é cruel como comentei com uns amigos artistas que também enfrentaram as buraqueiras para chegar à Nova Redenção onde foi realizado semana passada o Festival de Música.

As queixas e os protestos foram gerais, e muitos resolveram retornar por outro roteiro, mesmo percorrendo distâncias bem maiores. Decepção maior teve quem veio de cidades do norte de Minas Gerais que ficou horrorizado com o que viu. Se é sofrido para quem mora naquela região  e é obrigado a transitar todos os dias entre estas cidades, para pessoas de fora, a situação é mais que vergonhosa para o Governo do Estado que gasta milhões em propagandas e não conserta as estradas.

O pior é que se trata de um trecho turístico de cerca de 200 quilômetros em estado lamentável a partir da entrada para Tanhaçu, logo depois de Anagé, até boa parte depois de Mucugê. Dizer que está intransitável é pouco porque tem locais que são verdadeiras “panelas”, e os motoristas têm que fazer ziguezagues para se livrarem das enormes crateras lunares.

A parte mais crítica começa a partir do povoado de Suçuarana, em Tanhaçu, e vai até Ituaçu. De lá até o entroncamento de Ibicoara, o motorista tem que continuar atento porque se acelerar um pouco,  volta e meia se depara diante das crateras. É uma viagem cansativa e perigosa de cerca quatro horas, num trajeto que poderia ser feito em pouco mais de duas horas.

Além das buraqueiras, existem trechos em que o mato, o capim alto e árvores invadiram as pistas e a sinalização sumiu no matagal. Próximo a Andaraí, e de lá para chegar até a BR-42 (Bahia-Brasília), as árvores estão baixas, podres e quase sempre estão caindo na pista. Esse quadro já perdura há quase um ano, e o Governo do Estado não toma nenhuma providência, nem para fazer uma simples operação de tapa-buracos.

Os donos de vans do transporte alternativo que fazem linha para Vitória da Conquista têm que sair bem mais cedo de suas cidades para chegar nos horários marcados pelos passageiros que têm seus compromissos marcados, principalmente de exames médicos. Eles lamentam os prejuízos devido ao constante desgaste em seus veículos. Outro problema são os animais nas pistas. O cidadão paga impostos, IPVA caro, é multado se os domumentos não estiverem regulares, mas o direito de boas estradas os gatos e os ratos comeram.

O RETIRANTE DA SECA

Foto do jornalista Jeremias Macário em suas andança pelo sertão. Durante a secas muitos partem em retirada em busca de lugares melhores para sobreviver, no mais para São Paulo, Minas Gerais e outro estados. Tudo é deixado para trás, e a casa fica abandonada na espera do retorno do sertanejo quando as chuvas voltarem a molhar a terra. É assim que vive o homem do campo, atribulado e correndo pra lá e pra cá na esperança de dias melhores. Os políticos só fazem prometer e só aparecem de quatro em quatro anos para roubar sua fé.

DOR DA SAUDADE

Esta dor que a ti dilacera,

é uma dor que rasga e corta;

vem na forma de quimera;

entra como uma desvalida,

sem ao menos bater na porta.

 

A depressão corre pela veia;

a hora para e turva o ser;

o passado vem e não passa;

o futuro curto não clareia,

e o presente só faz sofrer.

 

É uma dor que amolece,

e não tem cura de doutor;

nem o tempo desaparece,

com este nó da saudade,

quando se pensa no amor.

 

É uma dor doída varada,

que te impede de comer;

suga a alma desamparada;

deixa a boca seca e amarga;

e só faz lembrar de você.

 

Parece não ter mais fim,

esta tal tirana da saudade,

que não escolhe a idade;

entope qualquer coronária,

e se espalha como cupim.

 

É uma vilã, esta ordinária,

de véu e traje existencialista,

que consome toda nossa diária;

rouba sorrateira a nossa alma;

e ainda diz que é uma altruísta.

SEMANA CULTURAL CULMINOU COM O FESTIVAL DE NOVA REDENÇÃO

Fotos de Jeremias Macário Pôr-d0-Sol em Nova Redenção na terra do festivais, na Chapada Diamantina

A pequena cidade acolhedora de Nova Redenção do encantado Poço Azul, encravada na Chapada Diamantina, abrigou de 23 a 27 de abril, a 26ª Semana de Arte e Cultura e o 7º Festival da Música, nos dias 26 e 27, atraindo gente de vários municípios da redondeza e artistas da Bahia e de outros estados, como de Minas Gerais, São Paulo, Ceará e até de Goiás. Com seus instrumentos e bagagens, músicos e compositores apresentaram suas lindas canções sobre o homem nordestino, seus costumes populares, as labutas na terra e o amor, incluindo protestos contra a destruição e o abandono do rio São Francisco, mais conhecido como o “Velho Chico”, ou o “Chiquinho” na palavra de um poeta paulista que defendeu o tema “Francisco”.

Paulo Gabiru foi o vencedor do Festival com a música “Ponteio Agudo”

A ansiedade para os artistas do 7º Festival, que de regional se transformou em nacional, patrocinado pela Prefeitura Municipal, começou na sexta-feira (dia 26) durante todo o dia e logo mais ao cair do pôr-do-sol com a afinação dos seus violões violas, e só terminou na madrugada do dia 28 com o esperado anúncio do locutor sobre os resultados das premiações dos melhores escolhidos por um corpo de jurados. Como sempre ocorre nos festivais, a classificação provocou críticas e questionamentos sobre os critérios de avaliação, como a troca de alguns jurados da noite de sexta para sábado, apesar da coordenação do evento ter jurado total lisura no trabalho.

Com todo aquele pulsar cultural da cidade de 10 mil habitantes, não tive como não lembrar de Vitória da Conquista, a terceira maior cidade da Bahia com mais de 350 mil almas, cheia de grandes talentos onde a nossa cultura entrou em decadência, sem há muitos anos realizar um verdadeiro festival da música, uma feira de livros, exposições de artes plásticas e outras linguagens artísticas para mostrar ao nosso povo que aqui é uma cidade que tem sede de conhecimento, e ainda faz jus aos grandes nomes da arte, da poesia, da literatura, do cinema, da dança e do teatro.

Os vencedores

Na sexta-feira à noite, o famoso violeiro mineiro “Pereira da Viola” foi o convidado especial que abrilhantou o evento. Não decepcionou e balançou a praça com seu show de belas cantorias. No sábado à noite, antes de revelar os vencedores, a cantora Dani Lasalvia e o violonista Marcelo Fonseca com o show “Subindo o São Francisco” atraíram o público com suas obras musicais no encerramento do Festival. Nos dois dias foram apresentadas 24 músicas das 37 inscritas neste ano, sendo que na sexta-feira, mesmo com a exibição de músicas de boa qualidade, só houve uma premiação de melhor letra. No sábado, a troca de alguns membros dos jurados não agradou aos artistas do primeiro dia que se mostraram contrariados com a medida. Sentiram-se prejudicados pela mudança.

Pereira da Viola encantou o público com seu show no primeiro dia do Festival (sexta-feira)

Entre graves e agudos nos tons das violas e violões, com baixos e altos nas caixas de som, montadas no palco da praça, ao lado do Centro de Cultura, o músico e compositor Paulo Gabiru, representando a cidade de Bom Jesus da Lapa, com a canção “Ponteio Agudo” se emocionou ao levar o primeiro lugar com a premiação de R$7.000,00, mais troféu. O segundo lugar foi para Leilane Coutinho, de Vitória da Conquista, com a música “Dose Certa”, recebendo R$3.000,00, mais troféu. ZéBeto Corrêa, de Belo Horizonte, com a música “O Que Era da Gente” foi premiado em terceiro lugar, levando R$2.000,00, mais troféu.

Walter Lajes defendeu a música Na Espera da Graça, letra de Jeremias Macário

O quarto lugar foi Diorgem Júnior, de Governador Valadares, com a música “Saudade Matadeira”, homenageado com uma medalha. O mesmo foi classificado como melhor intérprete e premiado com R$2.000,00, mais troféu. No quinto lugar, Cícero Gonçalves, de São Paulo, com a música “Francisco” recebeu uma medalha. A melhor letra que fala do “Velho Chico” foi “Martelo da Perenidade”, de Reginaldo Belo, de Ibotirama-BA, com R$2.000,00, mais troféu. Fabrízia Macedo, de Nova Redenção, com a canção “Viola Velha” foi a revelação do Festival, com troféu. O melhor trabalho de cultura popular ficou com José Miguel Rodrigues, de Goiânia (Goiás), com a música “Pedaço de Sonho”, contemplado com uma medalha.

O Festival foi idealizado no mandato do prefeito Ivan Soares, do PT, mas ficou parado entre 2013 a 2016 quando assumiu outra administração. Foi reativado com a prefeita Dilma Soares, segundo informou a assessora de Comunicação, Cristina do Anjos. As premiações e os troféus foram patrocinados por várias empresas do município, visto que o evento não contou com apoio do Governo do Estado. Ela não soube informar os gastos com a Semana da Cultura e com o Festival.

Os Participantes

Dani Lasalvia encerrou o Festival de Nova Redenção

Os artistas que partiram de longe “comendo” poeira e pulando em buracos nas estradas de crateras, inclusive de outros estados, com muito sacrifício financeiro e boa vontade para participarem do certame cultural tiveram que arcar com despesas de transporte e alimentação. Contaram apenas com alojamento coletivo, mas não tiveram ajuda de custo porque a Prefeitura alegou não dispor de recursos para cobrir estas necessidades. Foi tudo na base da abnegação artística para mostrar suas obras.

Papalo Monteiro cantou Louvado Seja o Santo, de sua autoria

Participaram do Festival Jorge Café, de Brejões, com a música e interpretação de “Milagres da Caatinga”; Paulo Armando e Fabrizia Macedo, de Nova Redenção, com “Viola Velha”; Francisco Gui e André Marques, de São Gabriel-BA, com “De Repente um Canto”; Marcelo Nunes e Joilson Mello (Gerri Cunha –intérprete), com “Por Causa de Tu”, de Ibotirama-BA; Walter Lajes e Jeremias Macário (Walter Lajes – intérprete), de Vitória da Conquista, com “Na Espera da Graça”; Reginaldo Bello e Carlos Araújo (intérprete Reginaldo Bello), de Ibotirama, com “Martelo da Perenidade”; Adenilton Ribeiro (intérprete Almirante de Meireles), de Nova Redenção, com “Chapada Parte de Mim”; Antônio Lima e Jorge Dyra, de Feira de Santana (intérprete Antônio Lima), com “Por que Tu Choras?; Dão de Abreu compositor e intérprete, de Ibiquera-BA, com “Sentidos Débeis” (Densidade); Samara Neves (intérprete Renata Rodrigues, de Nova Redenção, com “Mistura Oxente”; Reizinho Pereira e Adriano Casanova (intérprete Adriano Casanova), de Ibotirama, com “O Velho Chico”; Sacha Arcanjo e Raberuan (intérprete Mané Quiabeira, de Lapão-BA, com “Galope Selvagem”; Cícero Gonçalves e Adriano Lopes (intérprete Cícero Gonçalves), de São Paulo, com “Francisco”; Edilson Barros e Klévisson Viana (intérprete Edilson), de Fortaleza, com “Engenho de Rapadura”; Papalo Monteiro compositor e intérprete, de Vitória da Conquista, com “Louvado Seja o Santo”; Rogério Flávio compositor e intérprete, de Itambacuri –MG, com “Pássaro Errante”; Paulo Gabiru e Clerbet Lui (intérprete Paulo Gabiru), de Bom Jesus da Lapa, com “Ponteio Agudo”; Saulo Fagundes e Olympio de Azevedo (intérprete Paulo Macedo), de Vitória da Conquista, com “Saudade do Zeca”; Pedro Hoisel e Valério Pisauro (intérprete Leilane Coutinho, com “Dose Certa”, de Vitória da Conquista; ZéMiguel compositor e intérprete, de Goiânia, com “Pedaço de Sonho”; Glebson Neve (intérprete Beatriz Dias, de Nova Redenção, com “Memória e Invenção”; Diorgem Júnior compositor e intérprete, de Governador Valadares, com “Saudade Matadeira”- MG; ZéBeto e Bruno Kohl (intérprete ZéBeto), de Belo Horizonte, com “O que Era da Gente”; e Ronaldo Tobias, compositor e intérprete, de Minas Gerais-MG, com “Flor do Vale”.

Semana da Cultura

A Prefeitura também promoveu, no período de 23 a 27, a Semana de Arte e Cultura, cujo projeto envolveu alunos das escolas do município com trabalhos de técnica, voz e violão. Foi uma semana de muito movimento cultural e troca de conhecimento e saber com crianças das escolas, jovens e adultos da pacata cidade da Chapada de deslumbrantes paisagens.

Contou ainda com a participação de outras cidades da região, como Bonito (Exposição Quilombola); Seabra (Grupo Cultural Lamparinas), com exposição de literatura de cordel de Pedro Lima e teatro. O grupo apresentou a peça Tango no Presídio e o escrito monólogo “Retalhos Nordestinos”. O distrito Ubiraitá, de Andaraí, trouxe um trabalho interessante contando a história dos tempos da “Rádio e Novela” onde Amália de Oliveira representou Dalva de Oliveira. De Nova Redenção, Viviane apresentou “Cante Lá que eu Canto Cá” e falou sobre fragmentos da Poesia – ofício de Poeta, de Nelson Fatinelli. O evento realizou diversas palestras e exposições literárias e também uma mostra das obras de Tuna Espinheira (filme Cascalho) e da sua família.

NA ESPERA DA GRAÇA

Logo mais na noite de hoje, às 21 horas, dia 26 vai começar o Festival da Música de Nova Redenção. O músico Walter Lajes vai defender a melodia Na Espera da Graça, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário. São 12 música hoje que vão ao palco com um público de moradores da cidade e de outras da região. Amanhã são mais 12 apresentações. O evento, patrocinado pela Prefeitura Municipal reúne artistas  de Vitória da Conquista, de diversos municípios da Bahia, de Minas Gerais, São Paulo e até do Ceará. A expectativa  de a Espera da Graça ser a vencedora é muito grande, a qual fala do homem sofrido do sertão que sempre vive esperando a graça de Deus. Faz procissão de pedra até a colina sagrada e pede ao divino que não lhe dê sal, mas água para molhar a terra. É uma letra muito forte e Walter disse que vai cantar com alma. Está aqui agora só na emoção e garantiu que vai levar esse troféu.

TERRA ARRASADA

Foto do jornalista Jeremias Macário de uma terra arrasada, não somente pela natureza da seca, mas, sobretudo, pelas mãos assassinas do homem que desmata e não pensa nas novas gerações. Estamos caminhando para o extermínio, não da terra, mas do perverso ser humano

EXISTE E NÃO EXISTE

EXISTE E NÃO EXISTE

Ainda existe

processo sem prisão,

a tortura sem história,

corrupção com vitória,

o crime que compensa,

a manipulação da imprensa,

o sonho feito de cristais,

como promessas sagradas

dos amantes e dos casais.

 

Ainda existe

a vergonha da esmola,

a escola sem lição,

país sem educação,

criança sem livro,

rei fajuto de camisola,

a justiça da pistola,

o cruel capital,

o empreiteiro pardal,

o ladrão de gravata

o coronel da chibata,

o amolador de navalha,

o ferreiro do fole

e o político canalha.

 

 

 

 

 

 

 

 

Não existe

relógio sem hora,

piora sem melhora,

cordel sem rima,

cantador sem viola,

presente sem passado,

chato que não amola,

sandália sem poeira,

cavalo sem crina,

cidade sem feira

país sem hino,

nem vida sem sina,

romaria sem peregrino,

e criatura sem destino.

A DITADURA DE CÉSAR E A ACUMULAÇÃO DE PODERES

No ano de 48 a.C. César tornou-se o chefe do Estado romano, posição que manteve até 44 a.C. Não procurou destruir todos os que haviam lutado contra ele. Julgou que o reino de terror era um meio inadequado para sustentar o poder. Convocou a cooperação de todos os adversários, como alguns políticos atuantes, como Cícero, Cássio, Marco Antônio e Décimo Bruto.

O novo chefe nunca pensou em restaurar o poder do Senado, nem reconhecer a soberania da plebe. Sua atividade durou menos de dois anos e foi interrompida pela campanha espanhola de 45 a.C. Estava convencido de que era preciso proteger as fronteiras contra os inimigos externos antes de lançar as bases de um novo sistema de governo.

As fronteiras das novas províncias orientais da Síria, Palestina e da Bitínia tinham de ser garantidas contra os trácios, ilírios e celtas. Crescia no Danúbio um novo reino trácio que ameaçava engolir as cidades gregas na costa oriental do Mar Negro. Na Mesopotâmia, os romanos sofreram uma derrota dos partos.

Com uma grande expedição, estava disposto a pôr em prática o plano de Mário quanto à composição do exército romano. Como Estado mundial incluiu soldados de todos os povos capazes de lutar, como da Gália, da Espanha e da Ásia Menor. Em Roma deixou apenas pequeno destacamento da guarda pretoriana.

César considerava a Constituição existente como inútil e obsoleta e pretendia fazer modificações radicais. As formas externas e as denominações foram conservadas, mas o Estado romano por ele governado era diverso do Estado governado pelo Senado. Seu poder supremo lhe conferia o título de ditador que usou em 49 e 47 a.C. Os gregos chamavam de tirania e o Oriente de monarquia.

Colocou em prática a ocupação de vários cargos, como fez Pompeu em 52. A partir de 48 a.C. foi eleito cônsul, anualmente, e recebia do povo o poder tribunício, ou seja, sem ser tribuno, gozava de todos os direitos do posto, inclusive das imunidades que o povo lhe concedera por uma resolução de 47. Em 63 fora eleito pontífice máximo e em 48, membro de todos os colégios sacerdotais patrícios. A acumulação de títulos era contrária às políticas romanas, mas o povo tem o direito de criar novas formas de poder. Muitos outros poderes foram criados. Uma lei especial dava a ele a supervisão dos costumes morais (praefectura morum), que era função dos censores. Nomeava magistrados para as províncias. Podia concluir a paz e declarar guerra; votar em primeiro lugar no Senado; comandar o exército e dispor dos fundos públicos.

O Senado passou a funcionar como um conselho. A assembleia popular reunia-se apenas para votar leis antecipadamente aceitas. O tribunato do povo não mostrava sinais de vida. César era de fato um monarca e podia até aceitar o título de rei.

Acreditava-se que ele queria mudar a capital de Roma para o Oriente. Os boatos corriam que desejava desposar Cleópatra, a rainha do Egito, e adotar Cesarion, o filho que dela tivera. Trouxe Cleópatra de Alexandria pra Roma, dando-lhe uma residência.

Ele considerava seu poder hereditário, tanto que, poucos antes de partir para o Oriente fez um testamento, adotando o sobrinho Caio Otávio, legando-lhe o maior poder de sua fortuna. Otávio estivera com César na Espanha e foi depois enviado à Ilíria para completar sua educação geral e preparo militar.

Para as massas, César não era apenas um gênio militar, mas um ser superior, um super-homem, um herói no antigo sentido religioso. César gostava e estimulava o endeusamento do culto à personalidade. Construiu um templo a César e à deusa Clemência, com um sacerdote especial para o novo culto, modificando o nome do mês Quintilis para Iulius, ou Julho.

Noutro aspecto, pretendia estender a cidadania romana e latina a todos habitantes das províncias. A Gália Cisalpina e a Narbonense deveriam tornar-se parte da Itália. Colônias romanas foram fundadas na Espanha e África. A cidadania latina era concedida às comunidades provinciais, como na Sicília. Restaurou Cartago, na África e Corinto, na Grécia.

O considerado ditador queria acabar de vez com a distinção entre Itália e as províncias, e criar em todas as partes do império uma classe que gozasse dos mesmos direitos dos cidadãos romanos na Itália. O Senado deveria representar todo o império. Corrigiu o calendário; reformou parte dos tribunais civis e criminais; e instituiu uma lei regulamentando a organização do governo local.

A nomeação de arrivistas para o Senado, a generosa distribuição da cidadania romana, a recusa em reconhecer os privilégios das classes dominantes, segundo o autor do livro, contribuiu em proporções para o fim de César. Os senadores nobres não aceitaram abandonar sem luta os privilégios que a classe desfrutava há séculos e terminaram vencendo esta luta.

A CONSPIRAÇÃO

:: LEIA MAIS »

“FAUNA LIVRE SERTÃO I” RESGATA ANIMAIS SILVESTRES EM CATIVEIRO

Mais uma vez os caçadores perderam para as caças e até fugiram às carreiras mata a dentro na operação “Fauna Livre Sertão I” do Inema, em conjunto com a Companhia de Polícia de Proteção Ambiental – COPPA nos municípios de Jaguarari, Senhor do Bonfim, Pindobaçu, Queimadas, Capim Grosso, Itiúba, Cansanção, Monte Santo, Uauá, Curaçá e Juazeiro, com objetivo de coibir atividades da caça predatória e a criação, em cativeiro, de animais da fauna silvestre, principalmente, com a finalidade comercial de traficar aves. Ao final, a operação contabilizou a apreensão de 652 pássaros de várias espécies, além de outros animais e 82 aves de arribação abatidas.

Realizado nessa primeira quinzena de abril, o trabalho dos agentes do meio ambiente contou ainda com o apoio logístico da Policia Rodoviária Estadual (base Cansanção) que participou fazendo o transporte dos animais, do Parque Estadual de Sete Passagem (Miguel Calmon) e do Cema-fauna (Univasf/Petrolina), responsáveis pelo acolhimento,  triagem e soltura dos animais apreendidos. Os médicos veterinários fizeram a devida avaliação. Os que estavam em melhores condições foram tratados e soltos em áreas próprias do seu habitat, e os doentes ficaram em observação para cuidados especiais até ficarem aptos para ganhar a liberdade.

Denúncias

A mobilização do grupo na “caça aos caçadores” ilegais começou a partir do registro de denúncias recorrentes feitas pelos escritórios das unidades regionais de Senhor do Bonfim e  Juazeiro. De acordo com um dos agentes do Inema, Washington Macário, essas denúncias geralmente se concentram em lugares já conhecidos da fiscalização por integrarem a rota de tráfico de animais silvestres do grupo passeriformes, a exemplo de Capim Grosso, Itiúba e do povoado de Jatobá, em Cansanção. Outras áreas se destacam na apanha de ovos e filhotes de papagaios, como é o caso de Uauá.

Com relação à atividade da caça, ocorre mais no povoado de Flamengo, em Jaguarari, onde se constatou um pombal de aves de arribação. Outros locais visados pelos caçadores são as áreas rurais e de serras, em Juazeiro, Uauá e Curaçá, onde eles praticam a caça predatória de todos os tipos de animais, incluindo a matança de tatus, veados, pacas e preás destinados à venda clandestina para bares, restaurantes e a particulares apreciadores dessas carnes.

Mesmo agindo de forma discreta e disfarçada, em Jaguarari os caçadores “espertos” sentiram o faro da fiscalização, certamente avisados por olheiros, e conseguiram fugir da tocaia, mas deixaram pra trás os indícios de suas ações, como espingardas, munições, um pombal com 82 aves de arribação abatidas, duas motocicletas e um caminhão de apoio carregado com lenha de vegetação nativa da caatinga. São tão atrevidos e inescrupulosos que matam os animais e ainda realizam desmatamentos irregulares.

A maioria dos animais apreendidos estava em residências, presos em gaiolas ou viveiros, muitos em condições de penúria, caracterizando maus-tratos. As pobres aves indefesas estavam doentes, mutiladas, cegas ou depenadas, famintas e com sede, sem contar as péssimas condições de higiene. A operação “Fauna Livre” dos agentes também abrangeu as  feiras de Itiúba, Capim Grosso e de Juazeiro.

Desrespeito às normas

Em Senhor do Bonfim um criador amador de passeriformes foi flagrado burlando as normas. Seu cadastro autorizava possuir 26 animais das espécies canários-da-terra, trinca-ferros e papa-capins, mas em sua residência ele tinha 45 pássaros, inclusive de outras espécies. Apenas sete animais faziam parte de seu plantel. Os demais não contavam com anilhas, ou estavam adulteradas. Os fiscais apreenderam todos os animais por desrespeitar as instruções vigentes, devendo ser descredenciado e ainda pagar multa por criação irregular.

A apreensão recaiu nas espécies mais visadas pelos caçadores, como o cardeal, canário da terra, azulão, trinca-ferro, papa-capim, coleira e caboclinho, mas também foram recolhidos pelos agentes o pintassilgo, sofrê, periquito, papagaio e o pássaro preto, além de 31 jabutis e 01 teiú.

Embora a operação tenha sido de caráter educativo, penalizando o criador de animais silvestres somente quando constatadas severas condições de maus-tratos, ou indícios de comercialização, foram lavrados pelos fiscais do Inema 13 autos de infração em campo, os quais deverão se transformar em autos de infração de multa, com base no valor de R$ 500,00 e até de R$ 5.000,00 por animal, conforme legislação em vigor.

Licença ambiental

Os agentes explicam que a criação de animais em cativeiro exige licença ambiental no órgão competente que, no caso de pássaros, o criador deve fazer seu cadastro no SISPASS/Bahia – sistema para gestão de criadores de passeriformes silvestres nativos, através do Inema, É exigido ainda o cadastro técnico federal no Ibama, na condição de amador ou profissional. O procedimento de regularização encontra-se na página da internet: http://www.inema.ba.gov.br/sispass.

A ausência desses requisitos permite o enquadramento na Lei dos Crimes Ambientais, baseado no artigo 29, parágrafo primeiro da lei 9.605-98. Conforme a Lei Estadual de Política do Meio Ambiente, a conduta de criar, reproduzir ou vender animais da fauna silvestre, sem licença ambiental e registro no órgão competente, constitui infração prevista no artigo 254, inciso I do parágrafo único do regulamento da lei estadual nº 10.431-06, aprovada pelo decreto 14.024-12. Os infratores estão sujeitos a penalidades administrativas previstas no art. 248 do mesmo decreto. As coordenações regionais do Inema estão aptas para informar e orientar aqueles que desejam se tornar um criador de forma regularizada.

As unidades regionais de Senhor do Bonfim e de Juazeiro mandam um recado aos caçadores de que as ações de fiscalização desse tipo vão se repetir com mais frequência nessa rota, visando combater essas atividades irregulares de caça e criação de espécies  silvestre, bem como o consequente tráfico de animais que é um dos maiores no país,  perdendo apenas para o de drogas e de armas.

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia