abril 2019
D S T Q Q S S
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


“PERDOAI, SENHOR, PORQUE ELE NÃO SABE O QUE DIZ”

Se não foi uma ditadura civil-militar o período de mais de 20 anos dos generais no poder a partir de 1964, conforme sempre negou o capitão-presidente Bozó, então ele mesmo deveria explicar qual foi o regime da época. Foi uma democracia, plutocracia, autocracia, teocracia ou uma oligarquia? Uma democracia, com certeza é que não foi. Será que foi uma “militocracia”? Não importa se o golpe contou com apoio dos civis (nem todos) e até da Igreja Católica. Portanto, “perdoai, Senhor, porque ele não sabe o que fala”.

Agora, dentre muitas outras destrambelhadas nestes quase 100 dias de brincar de governar, o capitão ordena que os quarteis comemorem o golpe de 64 (na concepção deles uma revolução) no dia 31 de março (amanhã). Na verdade, a derrubada oficial do governo constitucional de João Goulart foi no dia 1º de abril, e não 31 de março, quando houve aquela presepada do general Mourão Filho. Os militares não aceitam o 1º de abril porque é conhecido como o dia da mentira. Querem evitar gozações e o ridículo.

Mas, vamos deixar a data de lado e falar de coisas sérias. É verdade que de início o movimento contou com boa parte da população e de segmentos conservadores da sociedade que, naquela época, achavam que toda gente de esquerda era comunista que matava velhos, deficientes e comia criancinhas vivas. Era a propaganda da guerra fria, comandada pelos Estados Unidos e seus aliados ocidentais capitalistas.

Naquele turbilhão de ideias e posições socialistas, a promessa de quem tomou o poder constituído, tendo à frente o marechal Castelo Branco e outros, era que haveria eleições em 1965, só que a linha dura do generalato traiu o povo e não deixou. O cerco foi se fechando com prisões, cassações de políticos e vários outros tipos de perseguições contra quem pensava diferente. O pior aconteceu em 13 de dezembro de 1968 com a decretação do Ato Institucional número 5.

Ai sim, minha gente, esse abominável Ato aprisionou de vez a nossa liberdade de expressão com o fechamento do Congresso Nacional; censura a todos os veículos de comunicação; mais prisões, torturas e mortes; proibição de reuniões; exílio de políticos e mestres que não puderam mais lecionar; e institucionalização da tortura, com tropas das forças armadas nas ruas para reprimir qualquer manifestação justa de estudantes e trabalhadores.

A partir dai, o país passou a viver os chamados anos de chumbo com os generais Médici e Geisel, com o Doi-Codi e os CEIs nos porões, torturando, matando e fazendo desaparecer corpos. A vida de todos que militavam foi devassada, e a própria Igreja, os civis e a mídia que apoiaram o golpe passaram a contestar o autoritarismo. Padres, freis, freiras, jornalistas, estudantes e professores mais progressistas foram presos e colocados no pau-de-arara, sem contar outros inúmeros métodos bárbaros de tortura aprendidos através da escola dos oficiais norte-americanos.

Agora eu pergunto: Tudo isso foi uma democracia? Se não foi uma ditadura, então foi o quê? Eu só queria saber. Não importa se no Chile, de Pinochet, na Argentina, de Videla, no Paraguai, de Alfredo Strossner, em Portugal, de Salazar, na Espanha, de Franco e na Cuba, de Fidel Castro  foi bem mais brutal. Não importa quem torturou e quem matou mais, ou menos. Não importa se aqui foram 500 mortos e mais 500 desaparecidos, e por lá foram 10 mil, 20 mil, 50 mil ou mais de 100 mil.

Ditadura é ditadura em qualquer lugar do mundo, seja de direita ou de esquerda. Sem essa de quantidade de vidas ceifadas. O criminoso pode assassinar apenas um, ou 50, mas não é o um que ele deixa de ser criminoso. Trata-se de vidas humanas. É um argumento de quem é desprovido de argumento e não conhece a história, que pode se repetir quando ela é ignorada pelos incultos. O capitão Bozó critica a ditadura da Venezuela e comemora a do Brasil que ele nega. Vá entender!

Infelizmente, temos hoje uma juventude que não acredita que houve ditadura no Brasil e são, principalmente, esses jovens que são atraídos pela negação louca do capitão Bozó, que se atrapalha todo quando inquerido sobre sua ordem de comemorar um regime que envergonha a nós e ao mundo. Ele quer mudar a história quando deveria governar. É um despreparado.

É uma afronta, não somente aos presos políticos que ainda vivem, aos mortos desaparecidos, como no massacre da guerrilha do Araguaia quando o major Curió mandou esquartejar os presos e jogar numa vala qualquer na floresta Amazônica (alguns foram para o fundo dos rios), aos familiares e parentes perseguidos que não puderam enterrar seus entes queridos e a todos os brasileiros de ontem, os de hoje e os do futuro.

Pelo menos, os generais de hoje, especialmente os que se dizem mais moderados, deviam, pelo menos, respeitar este sentimento, a dor e o choro dos que sofreram e ainda sofrem. Essa ordem de um capitão-presidente, que não sabe o que diz, deveria ser desrespeitada em nome da família e da nação brasileira, enquanto as feridas da ditadura (ele nega e não explica qual regime foi) continuam abertas, porque os torturadores não foram punidos como em outros países da América do Sul.

Não dá para entender como ele elogia os ditadores como estadistas e, ao mesmo tempo, fala de democracia e liberdade para o nosso povo. É uma tremenda contradição e enganação. É uma mentira. Na cabeça dele, ditadura só existe de esquerda. A de direita é democracia, é gentileza e mimo. Nessa tremenda confusão, ele ainda diz que democracia e liberdade só se as forças armadas quiserem, e a sociedade tem que ouvir mais esta blasfêmia calada. “Perdoai, Senhor, porque ele não sabe o que diz”.

NOS TEMPOS DA FUNDAÇÃO

A velha cidade de Conquista na reprodução do fotógrafo José Silva, como entrar no tempo. Da chamada Rua Grande até o centro aqui nasceu o desenvolvimento do sudoeste baiano, tendo como fundador José Gonçalves da Costa. Hoje é a terceira maior cidade da Bahia e capital do sudoeste, cheia de belezas, atrativos e clima agradável, mas também de problemas a serem resolvidos com urgência. Ela roga por mais infraestrutura, melhor mobilidade urbana, educação de qualidade e construção de uma barragem para suprir a grande demanda de água. Cresceu com seus bolsões de pobreza como tantas outras. Ainda falta muito para ser chamada de suíça baiana. Vivo nela há quase 30 anos e a conheço. Sua história precisa ser mais estudada pelos próprios conquistenses. Tem potencial para se transformar numa cidade turística, mas falta decisão política e planejamento.

BERRO DE FERRO

Poema do jornalista Jeremias Macário

Meu grito explode e berra

como as bombas na guerra;

queima como brasa de ferro

nas fornalhas dos algozes,

que calam as nossas vozes.

 

Treme no úmido porão,

a carne do meu doído berro,

que tine na lâmina do ferro,

perfurando a minha mente,

nas mãos de um delinquente.

 

Meu gemido sussurra no berro

nos telefones de pau-de-arara;

choques e cusparadas na cara;

no ânus enfiam uma vassoura,

e pela garganta uma tesoura.

 

São os passageiros da agonia

por quem minha alma berra,

que ousaram sonhar um dia

com uma socialista-ideologia,

na terra dividida em igual fatia.

 

Minha alma vaga dilacera

no nevoeiro do mar negreiro,

nas entranhas da selva fera,

que testemunhou o horror

da besta de dente carniceiro.

 

Meu berro das torturas letais,

da suástica sádica seca a saliva,

na sede suada dos golpes fatais,

que no sabre sequestra até criança

e ainda manda ter fé e esperança.

 

Tem o berro ferido e calado,

que marca gente como boiada,

e ainda nos contam uma piada,

com enredo de dor existencial,

onde a vítima se torna animal.

 

Na base aliada do troca-troca,

cada rato cuida bem da sua loca,

fazendo da desgraça um negócio

e deixando o resto como esmola,

do tamanho de um pedaço de sola.

 

Sou aquele cabrito que berra,

da América do Sul até a África,

desde toda a matança trágica,

da peste do vírus que virou aço,

até os foguetes voando ao espaço.

 

Não quero ser mera quimera,

que só berra sem ser uma fera;

quero ser como ferro da terra,

que sai bruto e se torna metal,

para fazer sua história imortal.

EDUCAÇÃO E MUDANÇA DO TERMINAL EM DEBATES NA CÂMARA MUNICIPAL

O caos na educação com a falta de transportes para os professores e até de merendeiras, sem contar a estrutura inadequada nas escolas municipais foi o tema dominante na sessão de ontem (dia 27/03) na Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista, mas também a mudança do Terminal da Lauro de Freitas e a deficiência do transporte coletivo da cidade foram colocadas em questão.

Na sessão passada, a Casa recebeu alunos e professores do colégio do distrito de Cercadinho para reclamar da exoneração de um diretor e reivindicar melhorias no ensino. Ontem foi a vez dos estudantes e mestres da Escola Estadual Sá Nunes que se fizeram presentes para conhecer os trabalhos do legislativo e criticar o Terminal e a precariedade no sistema de transporte de Conquista que só tem uma empresa atuando.

Os vereadores da oposição e até alguns da situação engrossaram em seus pronunciamentos com relação ao atual quadro de desordem na educação, e admitiram também que o transporte coletivo necessita de urgentes providências por parte do poder público. A transferência do Terminal de Ônibus do centro para outro local recebeu adesão da maioria.

Acompanhado da professora do “Sà Nunes”, Paula Babilônia, o aluno Jean Souza usou a Tribuna Livre para apontar os principais problemas do transporte coletivo em Conquista e defender a mudança do Terminal Lauro de Freitas, o qual não oferece mais condições aos usuários em r5azão,  principalmente, da poluição do local e aos constantes engarrafamentos.

O parlamentar Álvaro Phiton lembrou que no mandato passado do prefeito defendeu a existência de três empresas de ônibus, mas não foi escutado e nem recebeu o apoio dos colegas. Ele falou ainda da educação e opinou que os diretores das escolas só sejam substituídos em dezembro.

Hermínio Oliveira citou que hoje só existem 120 ônibus rodando, e se colocou a favor da construção de outro Terminal, porque o atual não suporta mais a demanda e só apresenta transtornos. O vereador Cícero Custódio seguiu na mesma linha, dizendo que as pessoas disputam espaço no Terminal para pegar o transporte.

Sobre a educação, reconheceu que o setor vive um caos, e que não se pode ficar o tempo todo culpando os governos passados. “Estamos aqui para defender o povo”.  Valdemir Dias fez duras críticas aos problemas da educação, condenando as mudanças de secretários que já está no terceiro no governo de Herzem Gusmão, e acrescentou que o prefeito, ao invés de estar em Conquista, viajou para Salvador para fazer marketing. “Não se pode governar com amadorismo na terceira cidade da Bahia”. Coriolano Moraes expressou sua revolta sobre o descaso com a educação.

A vereadora Lúcia Rocha voltou a cobrar a requalificação do Parque da Lagoa das Bateias e anunciou que a prefeitura já tem um projeto para tornar o local num belo cartão postal da cidade. Danilo Kiribamba afirmou que a melhoria da Lagoa é uma luta nossa.  Quanto a educação, destacou ser uma vergonha para Conquista.

A CAÇADA DE ANÍBAL POR CORNÉLIO CIPIÃO

O historiador Indro Montanelli classifica o general Aníbal como o único militar que conseguiu vencer os romanos por quatro vezes consecutivas. Perdeu somente seis mil homens, dos quais quatro mil eram gauleses, não confiáveis. Seu maior segredo era a superioridade de sua cavalaria. Na época, muitos jovens romanos decepcionados pensaram em fugir para a Grécia.

O jovem Cipião reagiu. O povo aceitou novos impostos e sacrifícios. As nobres matronas levaram suas joias para o Tesouro e foram varrer o chão dos templos com seus cabelos. O governo ordenou o sacrifício de quatro vítimas e enterrou vivos dois gregos e dois gauleses. Os soldados recusaram o pagamento de seus soldos.

Voluntários de 13 e 14 anos se apresentaram para combater Aníbal que, ao invés de usufruir dos sucessos, preferiu descansar. Mandou para casa os prisioneiros não-romanos e exigiu em troca uma indenização. O Senado rejeitou e, como resposta, o general enviou para Cartago muitos deles como escravos. Outros foram ser gladiadores para diversão dos soldados. Esteve nas portas de Roma e depois marchou para o leste, em direção a Cápua.

Os romanos não o perseguiram e foram organizar um exército de 200 mil homens. Uma parte ficou com Cláudio Marcelo para colocar ordem na Sicília, outra ficou na cidade, como segurança, e a outra foi entregue aos dois Cipiões para combater Asdrúbal, na Espanha.

No ano seguinte, Marcelo conquistou a Siracusa que traíra a aliança e tentara resistir com a astúcia de Arquimedes, o maior inventor da antiguidade, como “as mãos de ferro” (guindastes) que levantavam os navios romanos, e os espelhos ustórios que incendiavam os navios com a concentração de raios solares.

Os dois Cipiões derrotaram Asdrúbal na Espanha, bem como a reconquista de Càpua, em 211 a.C., justamente quando Aníbal se afastara, fingindo marchar contra Roma. Os dois morreram em combate e Públio Cornélio Cipião, o fomentador da resistência, com apenas 24 anos, teve que substituí-los, mesmo contra a lei.

Quando chegou a Cartagena sitiada, teve que atravessar a nada um pântano que se ligava ao mar, devido a profundidade da água. Para convencer os soldados da empreitada inventou uma lenda de Netuno, de que este se apresentou a ele em sonho e prometeu baixar o pântano. Não houve milagre algum. Os pescadores de Tarragona lhe explicaram sobre o jogo da alta e da baixa maré que seus veteranos ignoravam. Cipião dizia ser filho de uma serpente monstruosa na qual Júpiter se metamorfoseara.

:: LEIA MAIS »

UM SHOW COM VÁRIOS ARTISTAS SE APRESENTA DIA 6 NO “CARLOS JEOVÁ”

 

“Cantorias A Estrada” é um show autoral de músicas, causos e declamações de poemas que se apresentará no próximo dia 6 de abril (sábado), às 20 horas, no Teatro Carlos Jeová, em Vitória da Conquista. Vão estar lá neste dia no palco Alex Baducha, Mano Di Souza, Dorinho, Paulo Gabiru, Marta Moreno, Jhesus, Edna Brito, Gildásio Amorim. José Carlos D´Almeida, Regina Chaves, Vandilza Gonçalves, Itamar Aguiar e Jeremias Macário, com participações especiais de Papalo Monteiro e Alisson Menezes.

Esse grupo dos treze está fazendo parte do CD Sarau, um produto fruto dos nossos saraus que estão completando nove de existência, no Espaço Cultural A Estrada. O show colaborativo “Cantorias A Estrada”, cujo ingresso será de apenas R$20,00 por pessoa (sem meia), tem como principal objetivo arrecadar recursos para a gravação de um CD, com o formato do Sarau, daí a importância da presença de todos que ainda amam e dão valor à nossa cultura.

Quem for vai se sentir dentro do nosso Sarau e ainda ter surpresas, numa agradável noite cultural de boas músicas de artistas locais de renome e conteúdo. O público vai ouvir ainda causos engraçados e populares, além de declamações de poemas que falam do nosso cotidiano, sem esquecer a vida nordestina do sertanejo. Há tempos que este projeto do CD autoral está sendo planejado e amadurecido em reuniões, e o grupo se preparou para oferecer ao conquistense um show eclético, com apoio dos amigos Papalo e Alisson Menezes que irão enriquecer nosso encontro.

 

CÂMARA TEVE UMA PAUTA CHEIA DE DEBATES COM MUITAS POLÊMICAS

Numa sessão de muitas discussões, como a questão da água, uma “invasão” da comunidade de Cercadinho, a reforma da previdência social, a situação crítica da Lagoa das Bateias e do Poço Escuro, o rio Pardo e sua morte na região de Inhobim, dentre outros assuntos, a Câmara de Vereadores de Conquista abriu ontem (dia 22/03) seu espaço para homenagear o advogado Evandro Gomes Brito com a entrega de uma moção de aplausos como homem dedicado à cultura e pelos seus serviços prestados à cidade.

Muitos vereadores, como Danilo Kiribamba, Lúcia Rocha e Denis do Gás aproveitaram o Dia Mundial da Água para criticar a situação de abandono em que se encontram a Lagoa das Bateias tomada pelos esgotos e sujeiras, a nascente do rio Verruga no Poço Escuro, que está contaminado no seu leito e necessita de cuidados urgentes de despoluição, sem falar do rio Pardo que foi motivo de uma Tribuna Livre aberta ao líder do distrito de Inhobim, Paulinho Magalhães.

Sobre este tema, todos pediram e cobraram maior parceria do prefeito Herzem Gusmão com o legislativo para solucionar estes problemas, apontando sua ausência nas discussões da Casa. A parlamentar Lúcia Rocha fêz um apelo ao poder público para que a Lagoa das Bateias seja revitalizada, pois o local não oferece mais lazer à comunidade, dizendo que a população está revoltada com o quadro de abandono.

Ainda em referência a água e aos rios da região, o desabafo maior veio de Paulinho Magalhães que chamou à atenção para o que está sendo feito com o rio Pardo, em sua opinião, praticamente morto. Segundo ele, os empresários poderosos represam a água do rio para irrigar capim, eucalipto e café, deixando o resto da população e os pequenos proprietários sem o precioso líquido para atender às suas necessidades de consumo e molhar suas plantações de subsistência.

Admilson Pereira criticou a cobrança abusiva de taxas aos comerciantes da Central de Abastecimento de Conquista, a Ceasa, fazendo um apelo para que a Casa e a prefeitura encontrem uma solução para o problema. A vereadora Nildma Ribeiro clamou por mais rigor contra as ações de racismo e violência à mulher.

OMISSÃO DA CÂMARA

A maior polêmica foi levantada pelo vereador Rodrigo Moreira, que até há pouco tempo estava afastado de suas funções pela Justiça. Primeiro ele condenou os penduricalhos da Prefeitura Municipal onde tem gente que é admitido, por exemplo, com salários de R$5.000,00 e logo é favorecido com aumento de 100%. Nessa linha de denúncias, disse que a Câmara tem sido omissa em seu papel de fiscalizadora do executivo, e que só tem se preocupado em aprovar moções de aplausos, de pesares e de dar nomes de ruas. No entanto, logo depois de sua fala, ele mesmo pediu desculpas aos seus pares, afirmando que não teve a intenção de ofender ninguém.

Hermínio Oliveira acusou a concessionária Via Bahia de descumprir os acordos feitos com o Governo do Estado, como duplicar a BR-116 (Rio-Bahia) na região de Vitória da Conquista, mas o brado mais forte foi do grupo do PT contra a reforma da Previdência Social, lembrando a mobilização do povo nas ruas neste data de 22 de março.

Valdemir Dias foi o primeiro a se posicionar conta a reforma, dizendo que ela representa um chicote nas costas dos mais pobres, enquanto os militares, os deputados e os magistrados continuam com seus privilégios. De acordo com ele, o teto tem que ser para todos, com isonomia, e não manter as castas, em detrimento dos carentes.

Coriolano Moraes também bateu forte contra a reforma do novo governo, classificando-a de um massacre contra os trabalhadores dos setores público e privado. Citou que o governo federal não faz o seu dever principal de cobrar as dívidas dos grandes sonegadores, como da empresa JBF que deve quase dois bilhões de reais para a Previdência.

O parlamentar apontou ainda como grandes sonegadores o Banco Itaú e o Bradesco. Na sua ótica, o sistema não é deficitário, e ressaltou que o Ministério Público tem sido ausente na sua função de agir contra os devedores. A vereadora Viviane Sampaio, do PT, também falou no mesmo tom.

CERCADINHO

No meio dos debates, quando David Salomão discursava sobre a prisão do ex-presidente Michel Temer se colocando a favor do combate à corrupção, mas que também outros fossem punidos como o ex-governador Jaque Wagner, o que chamou a atenção do auditório e dos vereadores foi uma invasão repentina de professores, alunos e moradores do distrito de Cercadinho.

Com cartazes, os representantes de Cercadinho entraram no recinto protestando contra a exoneração do diretor Fernando, da escola municipal, em ato do secretário da Educação, Esmeraldino Correia. A situação foi controlada pelo presidente da Mesa Diretora, Luciano Gomes, que abriu espaço para uma professora e uma moradora do local. Elas condenaram a demissão do diretor, considerando-a injusta por se tratar de uma pessoa que vem prestando um bom serviço no estabelecimento escolar. Pediram o apoio e a interferência da Câmara para que a medida seja revertida, pois o diretor conta com o apoio de toda comunidade.

Todas as reivindicações levantadas, inclusive do rio Pardo e a dos desalojados de uma invasão nas encostas da Serra do Periperi, foram atendidas pelo presidente da Câmara que colocou as respectivas comissões responsáveis da Casa à disposição das pessoas para ouvir e discutir cada caso em separado.  Os parlamentares Luis Carlos Dudé, Gilmar Ferraz e Fernando Jacaré se prontificaram ajudar a resolver o problema da demissão do diretor da escola de Cercadinho.

 

A FEIRA TAMBÉM É CULTURA

Foto do jornalista Jeremias Macário em suas andanças

A imagem já diz tudo, mas a feira não é só ponto de encontro e de negócios entre quem vende e compra. É também cultura popular milenar desde quando as pessoas marcavam um lugar para fazer suas trocas quando não existia a moeda chamada dinheiro. É assim em todo lugar ,como na Feirinha de domingo em Vitória da Conquista. É também poesia nesse mundo avançado da tecnologia das lojas presenciais e virtuais. As pessoas são mais simples, calorosas e espontâneas, bem diferente dos shoppings abafados que mais parecem com gaiolas. É um ato de prazer e bem mais humano. (Jeremias Macário – macariojeremias@yahoo.com.br)

O PONTEIRO E A MORTE

Poema do jornalista Jeremias Macário

macariojeremias@yahoo.com.br

No seu solitário espaço,

o ponteiro do relógio

avança como um arqueiro,

marcando todo nosso passo

nesse percurso traiçoeiro

do caminhar passageiro.

 

O ponteiro roda, roda…

e o tempo passa tic-tac, tic-tac…

pacientemente, sem correr,

e o tempo mais uma vez roda,

sem a pressa do apressado ser.

 

A distância vai reduzindo

da saída ao lugar de destino,

fazendo sua parada na tenda,

cada um faz seu rito peregrino,

ora chorando, triste ou rindo,

na procura da sua comenda.

 

Nas tempestades e bonanças,

nos abrigos para descansar,

das fatigantes andanças;

nas curvas, retas e cruzadas,

o ponteiro vai continuar lá,

para marcar tic-tac, tic-tac…

e depois em silêncio avisar,

que a sua hora vai chegar.

 

Não adianta tentar enrolar;

viver como um sideral;

se esconder na China ou Bagdá;

desprezar que existe um final,

o ponteiro vai girar incansável,

no ritmo do tic-tac, tic-tac…

alertando saque, saque,

não compre tick de embarque

nessa onda do insaciável,

de mais ouro e mais capital,

nesse mercado de vendaval.

As cordas podem até arrebentar;

os ponteiros pararem de rodar,

mas o tempo não larga seu cajado,

e o homem escravo vai até lá

acertar o ponteiro atrasado,

para servir a vontade do seu Alá.

 

À meia-noite para para badalar,

com toda força do seu pulmão,

nas catedrais monumentais,

ou no velho casarão do lar,

assustando o sono do ancião,

para recomeçar tic-tac, tic-tac…

no templo da vida do Deus dará.

 

Um ponteiro conta o segundo,

na marcha do tic-tac, tic-tac…

como alma imortal do mundo;

o outro troca de minuto,

fazendo sua ritual travessia;

e o terceiro aponta a hora,

no visceral da lida de todo dia,

e assim o tempo vai embora.

 

Para quem rir ou até chora,

da conversa do caçador,

ou do pescador e vendedor;

do vigor ou do coma terminal,

o tic-tac repete a sua sonora,

mas faz-se de mouco o imoral.

 

Quando o dinheiro é religião,

quando sua força é a espora,

quando se fomenta a mentira,

e do pobre se rouba o tostão,

em nome do céu e do inferno,

e só se pensa no aqui e agora,

a vida fica sem sul e sem norte,

na cegueira de que tudo é eterno,

e se esquece que existe a morte.

 

ESTÁ TUDO DOMINADO. É BELEZA PURA!

Como dizia o saudoso, místico e iluminado cantor e compositor baiano Raul Seixas, “nós não vamos pagar nada. A solução é alugar o Brasil. A Amazônia é o jardim do quintal. Este imóvel está pra alugar” Noutro verso, ele diz que o Brasil é charrete que perdeu o condutor, ou varrendo lixo pra debaixo do tapete que, supostamente, é festa para alegria do ladrão.

“O ponto de vista é o ponto da questão”. Mais uma dele, mas, assim como os poetas, todos nós temos o direito de sonhar e dizer o que pensa. Prefiro ser esta metamorfose ambulante… do que ter aquela opinião formada sobre tudo. A barca de Noé está partindo. Deus é brasileiro para trazer o progresso que não vejo aqui.

São reflexões do poeta que não se foi, mas está tudo dominado. É beleza pura, e o povo está gostando desse “Brasil acima de tudo”, mesmo com as destrambelhadas e atabalhoadas de mistura de ditadura com democracia e liberdade. Só estamos começando a rezar, “uma  reza cumprida pra ver se o céu saberá”, como dizia Geraldo Vandré, o Boby Dylan do sertão.

Se você ainda não foi ao espelho, então vá. Nem todo mal, nem todo bem me dão o direito de ensinar. São coisas do poeta que recomenda que cada um tenha seu ponto de vista. Para a maioria que fez sua escolha e ainda está mal ou bem sobrevivendo, está tudo bem e assim deve ser. Vamos todos bater continência.

Que importam as trapalhadas e os prenúncios do autoritarismo, se o povo não dá mesmo valor para essa coisa de liberdade e democracia! O que conta é ter um dinheirinho no bolso, um carrinho na porta, fazer uma viagenzinha  nos feriadões e tomar umas geladas com os amigos. Liberdade de expressão é coisa para artista e intelectual. Aliás, ditadura só existe de esquerda, e a desgraça é invenção de esquerdista.

Vamos entregar a Base de Alcântara para os norte-americanos e liberar a exigência do visto de entrada dos gringos. Afinal de contas, só temos o que ganhar com o atestado de inferioridade de cão vira-lata, e se eles mandarem, vamos invadir a Venezuela e fazer o trabalho sujo deles.

Vamos libertar nosso vizinho porque aqui está tudo beleza, com hospitais e educação de primeiro mundo. Aqui não existem milhões de pobres como lá, nem epidemias, esgotos a céu abertos, matanças indiscriminadas, nem violência como lá. Temos aqui a democracia que as forças armadas nos dão, com sua generosidade. Está tudo dominado porque as castas do legislativo e do judiciário vão continuar com suas mordomias, A gente morre, a gente luta… e a nossa palavra é sim….

Sem ódio e sem intolerância, o espetáculo vai continuar e temos que aplaudir os palhaços, os trapezistas e os homens motoqueiros do globo da morte. Quem disse aí que estamos regredindo? Esses são os espíritos de porcos que não sabem avaliar, nem aceitar que perderam.

Está tudo beleza! A educação vai ser militarizada e não é preciso pensar. Quem pensa é jumento, ou não sabe amar a pátria. Estes devem ser excluídos. A coisa está tão boa que nem temos mais oposição. Agora é entrar na arena do partido único e deixar as minorias falando sozinhas, como nos ensina o capitão Bozó

Reforma de previdência social não é para acabar com os privilégios de militar, de deputado, nem de juiz. É para acabar com os pobres mesmo que ainda vivem de teimosos Todo mundo já está calejado com isso e ninguém vai fazer revolução, nem berrar como bode.

Como faz parte da lei natural do capitalismo, o rico vai ficar mais rico, e o pobre mais lascado. Faz parte do jogo, e quem reclamar é porque é chato mesmo e não vê que as coisas estão melhorando. Acorda Brasil! Está tudo dominado. É beleza pura! Temos carnaval de duas semanas, samba no pé, cachaça, praias lindas pra namorar e muita farra!





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia