janeiro 2020
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


QUEM ESTÁ NU?

Poema de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário

O ministro é mais um sinistro,

político tem o seu aplicativo,

o povo pede socorro a Cristo,

e tudo fica na base do relativo.

 

Pra gente fica o osso sem o angu,

ou uma nesga do recheado bolo,

uma esmola serve como consolo,

e acusam o rei Zulu de estar nu.

 

Nu está o jornalismo brasileiro,

a educação sem eira nem beira,

onde o errado se tornou o certo,

como a ética política do esperto.

 

Criaram um negócio da China;

a paranóia virou uma coisa real,

da sociedade que é geléia geral,

que confunde ouro com platina.

 

Nu está o cabra pobre mortal,

do sistema que carimba sua cor,

se você provar ser nobre castor,

ou consumidor de nível social.

 

Nu vai ficar o rio São Francisco,

cada um tirou dele o seu petisco,

ainda chamaram o frei de alienado,

e apontaram Corisco como culpado.

 

Só conta quem tem poder e tutu,

pra financiar o estouro da boiada,

manipular e fazer muita cachorrada,

e deixar o povo espiar a praia do nu.

 

Sindicato é plataforma de pelego

pra quem não gosta fica com o sal,

se esbalda no futebol e no carnaval,

e vive em cavernas como morcego.

 

 

 

MUITA SUJEIRA E PERTURBAÇÃO NA RUA “G” DO JARDIM GUANABARA

Há anos que os moradores da Rua “G” (Veríssimo Ferraz de Melo) – Jardim Guanabara, ou Felícia, estão sendo seriamente incomodados com a sujeira de um terreno vazio onde é usado para jogar sacos plásticos, telhas, entulhos de todo tipo, fezes e, mais recentemente, descarte de remédios e molambos de roupas. É um verdadeiro criatório do mosquito da dengue, insetos, baratas, escorpiões e até ratos que aparecem nas casas vizinhas.

Existe uma lei no código de postura do município, se não me engano, que obriga que os donos de imóveis vazios cerquem e cuidem de seus bens, sob pena de multas e outras punições. No entanto, a Prefeitura Municipal, através de sua Secretaria competente, ou incompetente, faz vistas grossas. Quando a coisa está bem feia, cheia de lixo, faz-se uma queimada, e aí, a ação é condenada. Então, temos que apelar para quem? Para o Papa?

Existe ainda na rua uma casa abandonada há mais de dez anos que deve ter todo tipo de sujeira, e já se tornou moradia de pombos. Tanto o terreno, como a casa são atentados à saúde pública, mas cadê os órgãos que deviam zelar para evitar doenças às pessoas que pagam impostos, inclusive o IPTU?

PARADISE

Outra coisa que tem perturbado os moradores da Rua “G” é o barulho infernal em finais de semana das festas da casa de eventos, denominada de Paradise. O som e a gritaria são ensurdecedores até o clarear do dia no estabelecimento, onde residem muitos idosos e crianças, sem contar que próximo funcionam o Hospital de Base, a UPA e a Policlínica.

Nem é preciso falar muita coisa para entender que uma casa de festas (virou até boate noturna) não deveria ter permissão do poder público para funcionar numa área residencial. Vai saber como o dono conseguiu um alvará da prefeitura! Fica por conta da imaginação.

Muitos moradores falam em fazer um abaixo-assinado para levar ao conhecimento do Ministério Público, da Delegacia Regional, da Polícia Militar e da própria Prefeitura Municipal para que tomem providências contra este absurdo.

Além do barulho, quando chega altas horas da madrugada, os festeiros bêbados fazem zoeiras na rua com o ronco dos motores de motos e carros. Houve uma vez que aconteceu até briga com tiros. Só vão fechar esta boate quando acontecer o pior. Há algum tempo, o nosso blog já publicou esta situação que tira o sossego dos moradores.

Sem Essa de Novo . Por Jeremias Macário

O SÍMBOLO DO NORDESTE EM EXTINÇÃO

Primeiro ele foi sendo substituído pelos gafanhotos motorizados, ou os cavalos de fogo, que estão espalhados em toda parte rural e urbana,. logo o jegue que atravessou o deserto até o Egito transportando a família sagrada, e tanto serviu ao nordestino no seu sustento do dia a dia Agora está em extinção sendo cruelmente morto para virar carne e pele para os chineses. Cadê os ambientalistas e os ditos protetores dos animais que só falam das tartarugas, das baleias, dos cachorros e gatos. Raro encontrar, mas o nosso símbolo do Nordeste, o inocente jumento se tornou uma espécie em extinção ainda servindo ao homem, como neste flagrante em Juazeiro da Bahia, carregando papelões e outros objetos recicláveis. Ninguém importa mesmo para os jegues e estão sendo vendidos baratos para os matadouros. O homem é mesmo um animal predador da pior espécie. Foto do jornalista Jeremias Macário

SEM ESSA DE NOVO

Amigo mano, sem essa de ano novo

Mesmo assim te desejo um novo ano

Na Sofia nada se cria, tudo se copia.

 

As luzes se apagaram, o show acabou

Você continua sendo escravo do patrão

O sinal indica não entrar na contramão

E o pássaro astronauta levanta seu voo.

 

O pobre continua sendo um estorvo

Meu camarada, não existe ano novo

No castelo assombrado pia o corvo

E o ano conta os meses e os santos dias

No calendário freguês das companhias.

 

Nas noites vagam as tristezas e alegrias

Os amores começam e se vão pelas vias

Ninguém mais aprecia noite de lua cheia

Preferem mesas suculentas da santa ceia

 

No sertão só vingam cacto e o mandacaru

E o homem labuta na terra o ano inteiro

Ronda no céu pela carniça o tenaz urubu

E nas cidades, só se vê retirante estradeiro.

 

Mano véio, sem essa de ano novo

Mesmo assim te desejo um novo ano

Seja bonito, corcunda ou como for

Siga o mais velho, amando a sua flor.

 

NOVO SÓ MESMO O CALENDÁRIO

Logo mais as luzes e os shows encantadores do Natal da Cidade de Vitória da Conquista se desligam e se apagam, e entram os fogos do Ano Novo, que não tem nada de novo, a não ser o calendário que vai marcar os meses e os dias para o próximo chegar. Nada muda, nada se transforma e tudo continua em seu lugar, como as paixões, os amores e as desilusões. Não é o ano que pode ser ruim ou bom, mas você que vai dar o tom e o seu toque especial para que sua vida seja diferente para melhor. Não adianta só pedir.

Mais um final de correrias, de gastanças e consumismo exagerados. O alvo foram os presentes da cultura tupiniquim do Papai Noel do Polo Norte. Conquista se iluminou para receber seus moradores, namorados e visitantes que foram às praças e avenidas com suas famílias para festejar o Natal. O Espaço Glauber Rocha recebeu milhares para ouvir as lindas canções das bandas musicais, com artistas locais e de fora. Todos desejaram um Feliz Natal e Boas Festas. O show acabou.

NO SEU ESPÍRITO

As festas dos comes e bebes estão chegando ao fim, para dar entrada à ressaca das noites etílicas e das despesas. As doações vão minguar e as barrigas pobres voltam a roncar de fome. O novo não está dentro do ano, mas dentro do seu espírito, de suas ideias e do seu pensamento. Os caras lá do Planalto serão os mesmos das falas exóticas e bizarras, atentando contra a nossa democracia através de suas atitudes autoritárias. Não é o ano que vai tirar o Brasil das profundezas das desigualdades sociais.

Não peça mudanças para o ano que está a bater em sua porta. Ele não tem esse dom de transformação. O tempo prossegue com seus mistérios e seus enigmas. Siga seu caminho correto, reforçando seus princípios de bom caráter, para desvendá-los, ou tome cuidado para não ser por ele (o tempo) devorado. As mortes, as tragédias e as catástrofes vão acontecer, e somente a consciência humana ambientalista pode mudar algum rumo do aquecimento global.

Não é o ano que vai reverter o retrocesso político e melhorar o nível da nossa combalida educação. Os corredores dos hospitais vão continuar no mesmo vale de lágrimas por falta de atendimento médico. Os bandidos vão estar lá na esquina e no asfalto de armas na mão. Os militares atirando para abater, inclusive cidadãos inocentes, e mais gente vai rogar por justiça, sem ser escutado.

É o ano de mais eleições municipais para você carimbar sua cidadania democrática, seu direito de escolher, como prega os chavões da mídia e dos políticos, correndo como loucos atrás dos votos, não importando os meios empregados. O corrupto vai continuar roubando e dizendo para os investigadores que é apenas inocente. Que nada fez.

Não é o ano que vai ter a magia de mudar a mentalidade comodista e individualista do brasileiro. Só o senso de coletividade é que pode mudar a cara do ano, e não ele que vai acalmar as águas turbulentas com seu santo cajado. O milagre está dentro de cada um, sendo mais unido e com mais tolerância e menos ódio. Nada adianta fazer doações e ser solidário de campanhas maquinais de final de ano.

Não adianta programar um monte de metas, ou fazer uma extensa lista de planos para realizar, se seu espírito não tiver a força de vontade para dizer que o novo é você, e não o ano. O calendário passa depressa como o ponteiro do relógio, tocando o “tic, tac, tic, tac” no compasso do tempo, que é cruel e não para. Ele não dá a chance do recomeço.

Sem essa de que existe ano novo. É uma pura ilusão. As perguntas vão continuar sem respostas. O fundamentalismo radical vai engrossar o caldo, se as pessoas não respeitarem as escolas dos outros. Seu calendário pode ser seu carrasco, e não o ano, que nada tem a ver com isso. A saída é o conhecimento e o saber que podem fazer com que seu ano seja bom. Nada é novo. Tudo se copia. Seja você mesmo e tente acertar mais ainda as arestas.

COISAS DO SERTÃO

Os garranchos secos cinzentos num traçado com os cactos transmitem uma imagem poética da terra árida nordestina, numa paisagem singular e única do nosso bioma. São coisas  do nosso sertão forte como o homem que nele habita com dureza, sempre esperando a chuva cair para plantar sua lavoura. É bonito e, ao mesmo tempo, triste, porque o nosso sertanejo sofre e ainda acredita nas promessas dos políticos e governantes, de que um dia as coisas vão melhorar. Reza a Deus sempre, numa reza penosa, e nunca perde a fé e a esperança. “Coisas do Sertão” foi captada pelas lentes do jornalista Jeremias Macário.

NA ESTRADA

Poema de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, inserido no livro “ANDANÇAS”

que pode ser encontrado na Livraria Nobel e na Banca Central

Na estrada cigana galante

Anavalhada, livre e longa

De uma vida curta e pouca

Sou sereno, frio e vento

Sol a pino de cara ardente

Poeira lá do horizonte

E ando com tanta gente

De senso santo e louca

Que comove e engana

Na procura daquela fonte

Que mata sede do andante.

 

É uma via do mal e do bem

De sina divina e satânica

Em toda extensão da pista

Com aviso em cada esquina

Riscos da liberdade proibida

Esculpidos por um artista

Com entrada, meio e saída.

Gira e muda como enigma

O sentido finito da vida

Com face suave e tirânica

Sem decifrar o rosto do além.

A BANALIZAÇÃO DO ANORMAL E DA MORTE NUM PAÍS SEM INDIGNAÇÃO

Feliz natal e boas festas já virou uma saudação maquinal no país que institucionalizou a banalização do mal, do anormal, da contravenção, do imoral, do crime e do ilegal. Com rimas fracas, não é uma linguagem redacional apropriada e recomendada nas escolas, mas é a força da minha profunda indignação para justificar e expressar meu sentimento com o que vem acontecendo de violência, injustiças sociais, atitudes e atos de barbáries contra o povo que, infelizmente, só tem demonstrado passividade e submissão.

Sei que meus textos são um brotar de revolta com tintas vermelhas, e confesso que tenho tentado me calar diante de tanto fanatismo e fundamentalismo de extrema que só tem engrossado o caldo que queima como soda cáustica a imagem do Brasil lá fora como um país do retrocesso e da desconstrução dos grandes pensadores das ideias libertárias no campo da cultura, da educação e da ciência. Até o meio ambiente tem sido dessa agressão criminal.

NÃO POSSO FICAR AQUI PARADO

Não consigo ver tanta gente morrendo nos hospitais por falta de atendimento médico, tanta gente a derramar lágrimas pedindo justiça para uma Justiça que não faz justiça, tantas chacinas de inocentes pelos brutos das botas de ferro, tanta misoginia, tantas agressões homofóbica e racistas, tantos conceitos medievais inquisitoriais, tanta destruição da natureza, tantas chamas da esperança e da fé se apagarem, tanto assassinato da cultura e da educação e ficar aqui “parado com a boca escancarada esperando a morte chegar”.

Difícil desejar a todos um feliz natal, quando nestes tempos sombrios e obscuros, as ” boas ações” de presentes e cestas básicas de final de ano soam como hipócritas diante do gosto amargo das desigualdades sociais tão alarmantes e que tendem a se agravar com o aumento da concentração de renda egoísta do capitalismo. Parafraseando o poeta “Boca do Inferno”, triste Brasil, oh quão dessemelhante!

Em um ano o país avançou numa linha do fascismo retrógrado, com manifestações integralistas do Plínio Salgado, numa falsa moral de pátria, família e tradição, num governo que joga na fogueira a ciência e a cultura, com pronunciamentos e palavras exóticas e bizarras nunca vistos na nossa história, “mas tiramos o PT” – foi o contra-argumento chulo de uma pessoa com quem falava semana passada. Essa cabeça e tantas outras irracionais querem dizer que pouco importa o Brasil regredir no conhecimento e no saber, daí a banalização do anormal numa mídia acrítica. Quo Vadis? Para aonde vamos?

QUEM É MESMO O ENERGÚMENO?

Quem é este cara que chama o educador e pensador Paulo Freire, cultuado pelas melhores universidades do mundo, de energúmeno? Donde vem este cara psicopata destrambelhado que demite um cientista renomado do Inpe, de reconhecimento internacional, só porque revelou o tamanho abismal do desmatamento da Amazônia? Quem é este, e de qual planeta saiu, que chama a menina ativista Greta, pejorativamente, de pirralha? Não esperava que depois desta idade fosse ver meu país tão achincalhado lá fora!

Quem é mesmo o energúmeno, o idiota e imbecil? Quem é este cara sem compostura que agride outros povos irmãos, dizendo que eles votam errado? Quem é este cara que chama a mulher de um presidente de feia? Que trata os negros de arroba que não servem nem para reproduzir? Quem é este cara que não mais reconhece a profissão de jornalista e manda extinguir o seu registro? Quem é este estrume que quer acabar com a União dos Estudantes e com os sindicatos, escravizando ainda mais os trabalhadores? Quem é este elemento que está plantando ervas venenosas em terreno árido? Quem é este cara que está aos poucos matando a democracia para implantar seu autoritarismo medieval?

Como este cara vai ser recebido nos países mais civilizados? Vai entrar pelas portas do fundo e sair escondido como persona non grata? Que país é este de mortos-vivos que não reage e só faz chorar pelas misérias, matanças, tragédias e apelar a Deus, como se Ele fosse responsável e culpado por tudo de ruim? Que nação é esta que incorpora cada vez mais o fundamentalismo, e as religiões de varejo se apropriam dos ignorantes, pobres e incultos para fazer neles a lavagem cerebral do ódio e da intolerância?

Estamos virando monstros insensíveis que só sabem dizer “feliz Natal e boas festas”? Banalizaram também o Feliz Natal, quando só se fala em Papai Noel, em noite de comilanças e empanturramento. Banalizaram a morte com requintes bárbaros. A violência virou coisa banal, comum e natural nos noticiários do dia a dia. O tempo não para, e as barbaridades aumentam em escala matemática. Infelizmente, não dá para falar coisas bonitas e de próspero ano novo. No momento, não consigo ser otimista no sentido da elevação humana, se nossa liberdade sofre ameaças.

“VIVA O POVO BRASILEIRO”

Para encerrar meu desabafo, cito aqui um trecho do livro “Viva o Povo Brasileiro”, do baiano intelectual e imortal João Ubaldo, que já foi e deve estar horrorizado com o que está vendo lá do além. “Faço revolução, meu pai –respondeu Lourenço – desde minha mãe, desde antes de minha mãe até, que buscamos uma consciência do que somos. Antes não sabíamos nem que estávamos buscando alguma coisa, apenas nos revoltávamos. Mas à medida que o tempo passou, acumulamos sabedoria pela prática e pelo pensamento e hoje sabemos que buscamos essa consciência e estamos encontrando essa consciência (-).

Nosso objetivo não é bem a igualdade, é mais a justiça, a liberdade, o orgulho, a dignidade, a boa convivência. Isto é uma luta que trespassará os séculos, porque os inimigos são muito fortes. A chibata continua, a pobreza aumenta, nada mudou. A Abolição não aboliu a escravidão, criou novos escravos. A República não aboliu a opressão, criou novos opressores. O povo não sabe de si, não tem consciência e tudo que faz não é visto e somente lhe ensinam desprezo para si mesmo, por sua fala, por sua aparência, pelo que come, pelo que veste, pelo que é”.

O CINZENTO DO AGRESTE

Como o próprio título já diz, a paisagem cinzenta do agreste, de galhos retorcidos pela sequidão do sertão nordestino, retrata o sofrimento do sertanejo que labuta o ano todo e sempre está à espreita de uma chuva para salvar sua lavoura. Fica na espera da graça com as mãos postas para o alto. Quando perde as esperanças se retira com a família para outras terras estranhas. Já ouvi dizer que é uma paisagem “bonita”, mas não é não. É triste. Bonito é quando tudo está verde. A imagem saiu das lentes do jornalista Jeremias Macário lá em Carnaíba, Juazeiro da Bahia.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia