janeiro 2020
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: ‘Notícias’

“ANDANÇAS” NA NOBEL E NA CENTRAL

Depois dos lançamento no dia 14 de junho, na Casa Regi Pacheco, e dia 18 de julho, na Livraria Nobel, o livro “ANDANÇAS”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, agora pode ser adquirido na Banca Central , na Praça Barão do Rio Branco, e na própria Livraria Nobel peço preço de 40 reais o exemplar, através do telefone 77 98818-2902 e pelo e-mail macariojeremias@yahoo.com.br

A obra, fruto de um projeto colaborativo entre amigo da cultura, é uma mistura de ficção com a realidade através de conto, causo, prosas e poemas, muito dos quais musicados por vários artistas locais, como Papalo Monteiro, Walter Lajes e Dorinho Chaves, com as letras Na Espera da Graça, Lágrimas de Mariana e Nas Ciladas da Lua Cheia. Trata-e de um livro fácil de se ler e atraente em seus causos e histórias, numa linguagem simples para todos. Vale a pena apreciar mais esta literatura do autor.

AS PROVÍNCIAS ROMANAS NA ERA CRISTÃ

Os sucessores de Augusto na era cristã procuraram manter uma paz permanente, sem guerra externa e revolução interna na Itália e nas províncias. Com base na Idade Helênica, de acordo com o autor de “História de Roma”, M. Rostovtzeff, Roma teve a missão de receber o maior número de povos na civilização plantada pelo Oriente, regada pelos gregos.

Nos dois séculos de paz (1 e 11), Espanha, Grã-Bretanha, Gália, parte da Germânia, norte da península balcânica e litoral norte da África absorveram tal civilização em sua forma ocidental. “O Império Romano nunca tentou ser um Estado mundial do tipo nacional. Houve sempre a busca por manter a estrutura, mesmo durante os choques do III século. Essa cultura era a mesma  toda parte, a de associação de homens com hábitos e interesses comuns.

Base da vida social e econômica

No Império, as cidades tornaram-se a base da vida social e econômica em todas as partes, inclusive onde as populações nativas levavam uma vida tribal, e na Espanha onde só existiam cidades gregas ou fenícias no litoral e leste. O mesmo acontecia na África nas cidades fenícias pertencentes ao período da supremacia cartaginesa. Poucas foram fundadas por colonos italianos, e sim pela população nativa, viando pertencer a um Estado organizado.

No fim da guerra social de 89 a.C., todas as cidades italianas eram habitadas por cidadãos romanos e todas possuíam um governo próprio com relações idênticas com Roma. A forma habitual de comunidade nas províncias era a cidade habitada pelos provinciais, sob a supervisão de um governador romano que pagava impostos sobre a terra a Roma.

As cidades aliadas de Roma gozavam de privilégios assegurado pelos tratados, como a isenção de imposto (immunitas). Qualquer comunidade provincial tinha três possibilidades, tais como, ser colocada no nível das comunidades aliadas e um autogoverno; receber direitos de colônia romana ou latina; ou ser incluída na categoria de “municipia romanos”. O Império tornou-se, aos poucos, uma vasta federação de cidades, num Estado Único.

Quatro partes

O Império podia ser dividido em quatro partes, com base no histórico das diferentes províncias. Primeiro, um grupo celta (Gália, Espanha, Grã-Bretanha e as áreas alpinas). Em seguida, Cartago (Sardenha, África, Numídia e Mauritânia). Terceiro lugar, a região do Danúbio (ilírios, trácios e celtas). E, Finalmente, a Ásia Menor e Síria.

No caso dos celtas, antes da conquista predominava um sistema tribal, governado pelas famílias nobres. A primeira região celta anexada foi a costa sul da Espanha e da Gália. Nela foi feita a instalação de colônias (cidades fortificadas habitadas por romanos, principalmente soldados). Esses postos atraíram as classes superiores das populações nativas e parte dos menos favorecidos (artesãos, pequenos comerciante e trabalhadores do transporte e da construção).

:: LEIA MAIS »

“TORÇA PELO TIME DE SUA CIDADE”

Carlos Albán González – jornalista

“Torça pelo time de sua cidade”. Uma faixa com essa frase pode ser vista em todos os jogos da Chapecoense, na Arena Condá. Na verdade, os torcedores sdo Sul e Sudeste do país prestigiam os seus representantes em torneios nacionais, razão do crescimento de Chapecoense, Guarani, Ponte Preta, Brasil de Pelotas, Ituano de Osasco, Londrina, Criciúma, Botafogo de Ribeirão Preto, e muitos outros, que disputam as primeiras  divisões do Brasileirão.

Observo, desde que comecei a acompanhar o futebol, que o nordestino, nesse particular, age como cão vira-lata, que se mostra conformado em roer os ossos. Com exceção das capitais Salvador, Fortaleza e Recife, existe em toda esta nossa região uma paixão doentia pelas equipes do “Sul Maravilha”, em detrimento do que é nosso. Conquista, com mais de 350 mil habitantes, passa oito meses do ano sem abrir os portões do “Lomanto Júnior”, porque o seu clube, com a final do campeonato estadual,  já dispensou em abril atletas e comissão técnica.

O aficionado conquistense pelo futebol passa anos e anos esperando que o time de seu coração (Flamengo, Vasco, Fluminense, Corinthians, Botafogo e Palmeiras) apareça por aqui. Houve um tempo em que esses times excursionavam pelo exterior e interior do Brasil. O Santos de Pelé era o mais requisitado. Enquanto aguardam, criam torcidas organizadas, soltam foguetes, fecham os bares para assistir aos jogos pela TV, comprando o pacote Premiere da Globo. Sentem-se orgulhosos quando vestem a camisa do Flamengo, a mais vendida nas lojas de artigos esportivos; a do Bahia, bicampeão brasileiro, vem em seguida.

Lamentavelmente, a nossa mídia colabora com esse amor não correspondido. Esta semana um blog local destacou a goleada de 6 a 1 aplicada pelo Flamengo no Goiás. Nem uma linha sobre a campanha de dois times do interior baiano, o Juazeirense e o Jacuipense, que estão com um pé na série C do Brasileirão, onde devem fazer companhia ao Vitória, sob ameaça de queda. Com a contratação do equatoriano Caicedo o tombo pode se dar com algumas rodadas de antecedência.

“O Globo” estampou esta semana uma matéria, elaborada com minuciosa pesquisa, mostrando que o Bahia é o clube mais bem dirigido, em termos financeiro e administrativo, do país, conseguindo se recuperar, a partir de 2013, realizando eleições diretas, com a participação dos sócios, após uma batalha judicial contra a ditadura dos Guimarães. Pois bem, essa reportagem, que enaltece o futebol baiano e, consequentemente, o do Nordeste, não recebeu o merecido destaque dos nossos veículos de comunicação.

 

 

 

LANÇAMENTO DE “ANDANÇAS” NESTA QUINTA

Vai ser nesta quinta-feira, amanhã às 19 horas, (dia18), o lançamento do livro “Andanças”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, com o show “Cantorias Literárias” do músico, cantor e compositor Alex Baducha, contação de causos e declamação de poemas, na Livraria Nobel, na Rua Otávio Santos.

A obra, dividida em duas partes (A Estrada), é uma mistura de ficção com realidade numa linguagem leve, prazerosa para se ler, com causos variados, contos, crônicas, comentários sobre a ditadura civil-militar de 1964 e versos que falam de Vitória da Conquista e retratam coisas do Nordeste e do sertão, com o tempero de um realismo fantástico.

Trata-se de um projeto colaborativo onde muitos amigos assinaram o “Livro de Ouro”, possibilitando, em grande parte, a sua publicação depois de três anos de espera. Como se diz no popular, o livro nasceu de um “parto” muito difícil por falta de patrocínio, mas valeu a pena tanto sacrifício.

É mais uma oportunidade para o conquistense adquirir seu exemplar nesta quinta-feira, dia 18, às 19 horas, na Livraria Nobel, já que “Andanças” foi também lançada no dia 14 de junho, na Casa Regis Pacheco, com um bom público que prestigiou o evento.

Na ocasião, “Uma Conquista Cassada – cerco e fuzil na cidade do frio”, também de autoria do escritor,  que fala do histórico maio de  64 quando a cidade foi cercada por tropas do exército, estará ao lado de “Andanças” por um preço bem mais baixo para quem tiver interesse de levar os dois livros de estilos bem diferentes.

 

 

OS GRANDES RECESSOS DAS CASTAS

O trabalhador comum labuta o ano todo como burro de cangalha e muitos nem têm férias, principalmente depois da reforma escravagista onde o cara depende do patrão para lhe liberar por uns dias, e outros são obrigados a ficar em atividade, sem bater o ponto, para driblar a fiscalização de um Ministério que nem mais existe. Estamos vivendo numa “Sociedade Caranguejo” onde o povo prefere andar pra trás e apoiar os retrocessos sociais.

Enquanto isso, somos obrigados a conviver e alimentar as castas parlamentar e judiciária que têm três meses de férias durante o ano, chamadas pelo pomposo nome de recessos, porque eles “merecem” por serem os privilegiados gênios superiores aos mortais, mas dizem que são “ossos do ofício”. Nada disso existia no mundo antigo greco-romano e nem nos países mais civilizados de hoje. Acrescente a tudo isso os “feriadões” de semana e os carnavais dos bacanais.

Se estou enganado e equivocado que me digam, mas nunca ouvi e vi um político sério apresentar um projeto-de-lei para acabar com esses recessos de meio e final de ano e se igualar ao povo trabalhador que dá duro para ganhar o pão suado de cada dia. Quem fizer isso pode ser execrado do grupo. Isso não é nenhuma espécie de socialismo ou comunismo, mas simplesmente dar o exemplo de cidadania e respeito ao povo que paga caros tributos para sustentar as mordomias.

Sem falar nos outros tantos privilégios e penduricalhos destas castas brasileiras, incluindo o executivo, acabar com os recessos (existem os dos tempos eleitorais) seria apenas um ponto mínimo de partida moral dessas classes, para recuperar junto à população um pouco de credibilidade que anda tão perdida ao longo dos últimos anos. Como pode uma nação crescer e se desenvolver social e economicamente quando existe tanta diferenciação entre categorias? Como lutar todos por uma mesma causa, diante de tantas injustiças e excrecências? Nosso país está podre e fede, meus amigos!

DUAS SESSÕES

Pela “liberdade da economia”, agora o capitão-presidente formaliza que o patrão pode requisitar os serviços do seu empregado aos sábados e aos domingos, tendo ele direito apenas a uma folga do domingo no mês. Mais uma chibata no lombo do trabalhador nesse universo de mais de 13 milhões de desempregados. Quem haverá de reagir, se lá fora tem uma multidão querendo tomar o seu lugar? Estamos retornando aos tempos do mourão e das correntes. É muito triste o que vem ocorrendo em termos de absurdos!

Além dos recessos e feriadões, o Congresso Nacional (513 deputado e 81 senadores) esvaia Brasília a partir da quinta-feira, sob o pretexto banal de que tem as bases para visitar e dar “assistência”, quando cada um já tem mais de 20 cabos eleitorais espalhados em seus estados e municípios à sua disposição. O mesmo acontece nas assembleias legislativa e nas 5.570 câmaras de vereadores, com suas regalias de um monte de “funcionários” para zelar pelas suas plataformas e regar seus lotes todos os dias.

Aqui mesmo em Vitória da Conquista são 21 vereadores com apenas duas sessões por semana só no turno da manhã, com seus gabinetes e verbas para receber seus eleitores. Muitos deles são profissionais liberais que passam, mais tempo cuidando de seus negócios em seus escritórios do que na Câmara que realiza duas sessões, a maioria para aprovar indicações, títulos e moções de aplausos, com poucos projetos em benefício da comunidade e quase nenhuma fiscalização do poder executivo, sua principal função que ficou na teoria. A Casa entrou em recesso durante todo mês de julho.

Nos outros municípios brasileiros, o quadro não difere do de Conquista, apenas estou colocando como exemplo por estar próximo a nós cidadãos, que pagamos o maior e o mais caro “pelotão” de parlamentares do mundo, num Brasil abarrotado de misérias, com a mais profunda desigualdade social e gente catando comida nos caminhões de lixões.

UMA REFORMA “TORRE DE BABEL”

:: LEIA MAIS »

0 DESPOTISMO DOS FÁVIOS E ANTONINOS EM MEIO A INTRIGAS, CRIMES E ESCÂNDALOS

Cresceu entre as classes dirigentes do império, depois de Augusto, uma forte oposição ao principado como instituição, tudo por causa das intrigas, crimes e escândalos de seus sucessores, conforme relata o autor de “História de Roma”, M. Rostovtzeff.

Para os estoicos era falso considerar o principado como algo que pretendesse apenas gratificar a ambição pessoal, ou como um despotismo baseado na violência e na força, como no caso de Nero.

O governante não era um senhor, mas um servo da humanidade e devia trabalhar para o bem de todos, e não em prol de seus interesses próprios e de sua manutenção no poder, de acordo com a concepção estoica, teoria sustentada pelos cínicos da Idade Helênica.

A Monarquia e o “melhor homem”

Os acontecimentos que se seguiram depois de Nero provaram, porém, que a monarquia era inevitável, e que só essa forma de governo era reconhecida pela massa do povo e pelo exército. Daí, o surgimento de uma nova dinastia no trono não chegou a provocar protestos da sociedade romana. Os homens esperavam um principado regenerado nas mãos do melhor entre os melhores senadores, dentro da Constituição, mas sem prejuízos para as classes superiores.

Os reinados de Vespasiano e do seu filho Tito por doze anos procuraram seguir o principado de Augusto e tentaram recuperar o Estado, principalmente as finanças, arruinadas pelas extravagâncias de Nero e pelo custo da guerra civil de 69 e 70 da nossa era.

Domiciano, entretanto, filho mais novo de Vespasiano rejeitou a teoria do “Melhor homem” e imprimiu em todo os seus atos a natureza absoluta do poder e a condição sagrada de sua pessoa. Confiava apenas no exército, que subornou com um aumento considerável de salários.

O descontentamento do Senado foi esmagado com crueldade, sob alegação de combate aos filósofos, ou seja, a todos aqueles que apoiavam e pregavam uma nova teoria de relação adequada entre os governantes e seus súditos. Os filósofos, como Dion Crisóstomo, expulsos de Roma, atacavam a tirania.

Vítima de uma conspiração palaciana, Domiciano foi morto num acidente provocado. Para sucedê-lo, o Senado e os exércitos proclamaram Caio Coceio Nerva, pertencente à antiga e nobre família romana, que reinou de 96 a 98 (já era idoso). Uma de suas primeiras ações foi adotar Marco Úlpio Trajano, de família romana residente na Espanha.

:: LEIA MAIS »

“ANDANÇAS” NA LIVRARIA NOBEL DIA 18

Quem não foi ao lançamento do livro “Andanças”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, na Casa Regis Pacheco, vai ter a oportunidade de marcar presença no próximo dia 18, às 19 horas, na Livraria Nobel, na rua Otávio Santos, com o show do cantor e compositor Alex Baducha e mais declamações de poemas e causos.

A obra, que teve a colaboração de muitos amigos e apoiadores da cultura, é uma mistura de ficção com a realidade, com causos, contos, histórias  e poemas, muitos do quais já musicados por artistas da terra como Papalo Monteiro, (Nas Ciladas da Lua Cheia)Walter Lajes (Na Espera da Graça) e Dorinho Chaves (Lágrimas de Mariana).

Trata-se  de um trabalho feito com muito esforço e dedicação, que demorou mais de três ano para ser publicado devido à falta de patrocínio. Existem capítulos e versos dedicados à Vitória da Conquista, como figuras lendárias da cidade do passado, fatos e versos sobre a Serra do Piripiri, a Mata Escura, O Cristo de Mário Cravo e as obras do artista Cajaíba.

Coube espaço também para comentários inéditos sobre a ditadura civil-militar de 1964, mostrando o outro lado do regime, em relatos diferenciados do livro “Uma Conquista Cassada -cerco e fuzil na cidade do frio”, também de sua autoria que está sendo indicado por professores das escolas públicas e universidades.

“Andanças” também exigiu alguma coisa de pesquisa, como a história de um mochileiro no capítulo “Pelas Brenhas do Mundo”, que percorreu várias partes do planeta e esteve presente nos acontecimentos históricos mais importantes, como O Maio de 68 na França, A primavera de Praga, as guerrilhas na África e a Guerra no Vietnã.

Numa linguagem simples, beirando ao realismo fantástico em muitas passagens, o livro é prazeroso de ser ler, sem regras e amarras sequenciais. Pode ser lido de qualquer parte e está dividido em dois que é “A Estrada” dedicada aos amantes da poesia solta e sem normas acadêmicas.

“O BRASIL NÃO É TRANSGRESSOR DO MEIO AMBIENTE”

Esta afirmativa, de deixar qualquer pessoa esclarecida irada e se sentindo ludibriada, é da ministra da Agricultura, rebatendo críticas dos países europeus, especialmente Alemanha e a França. Senhora ministra, isso soa aos ouvidos como uma mentira proposital, ou que a senhora não conhece nada da área. Não acredito em ingenuidade, e sim que a senhora cometeu uma afronta a todos os brasileiros instruídos, chamando-os de burros, idiotas e ignorantes. Senhora ministra, não diga isso porque é vergonhoso, pois os europeus acompanham e sabem muito bem de tudo o que acontece no Brasil! Não adianta tentar enganar, jogar a sujeira debaixo do tapete e querer tapar o céu com uma peneira.

Isso é muito feio, senhora ministra! Não é assim que se deve vender o produto Brasil lá fora, passando uma ideia falsificada, do tipo “coisa do Paraguai”, que perdoem nossos Hermanos do outro lado. As agressões ao meio ambiente no Brasil estão aí escancaradas para todo mundo ver, desde da aldeia em que cada um vive até a mais distante deste país continental. Mais decente seria fazer um mea culpa e se comprometer a adotar medidas para conter as transgressões, visto que o governo do capitão dos generais está fazendo o contrário. A lista das transgressões, ou o BO do meio ambiente, é extensa e a folha corrida pode ir da terra até a lua.

Desmatamentos e outras transgressões

Não sou nenhum especialista do setor, mas nem precisa ser para falar, mostrar e denunciar as depredações ao meio ambiente no Brasil, coisas ainda primitivas. Vamos começar pelos desmatamentos na Amazônia, cujas estatísticas indicam que duplicaram no último ano pra cá, tendo como fatores a ganância dos madeireiros, do setor do agronegócio (pecuária e agricultura), dos mineradores, dos carvoeiros e dos grileiros de terra, só para ficar por aí.

Senhora ministra, seu presidente quer reduzir e não mais demarcar as áreas dos quilombolas, dos índios e até extinguir as de preservação ambiental, e acabar com paraísos como Angra dos Reis para transformá-la numa Cancun mexicana para os capitalistas se esbaldarem! Ele pretende desviar o dinheiro do Fundo da Amazônia para indenizar proprietários que invadiram terras de preservação.

O Brasil é um dos países do mundo que mais usam agrotóxicos na agricultura, inclusive de produtos proibidos lá fora. No seu governo (quem manda são os generais) nunca se liberou tantas substâncias perigosas, com tanta rapidez para o uso dos produtores rurais. E a “famosa” espuma tóxica do Rio Tietê, em São Paulo, todas as vezes que chove? Não é transgressão ao meio ambiente?

Na Mata Atlântica, é o segmento imobiliário que mais derruba árvores para construir prédios, viadutos e condomínios de luxo, incluindo também as invasões nos morros, que avançam  devido a falha na fiscalização do poder público. Desde a colonização, somente 8% de toda área ainda sobrevive. Desenvolvimento sustentável aqui é um marketing dos empresários para destruir a natureza e encher os bolsos de dinheiro, dando uns minguados empregos.

No Sudoeste da Bahia

No cerrado, o agronegócio constrói barragens afetando nascentes e desviando o curso dos rios, como aqui no nosso oeste baiano e na Chapada Diamantina no caso dos hortigranjeiros (região de Lençóis, Andaraí e Mucugê). As transgressões estão lá para todos verem. Basta conversar com qualquer morador do lugar. Dos 80 quilômetros de extensão do Rio Utinga, que deságua no Marimbus (pantanal da Chapada), metade morreu em decorrência do excesso da retirada de água para irrigação. O Rio Itapicuru também está morrendo devido a derrubada das matas ciliares.

Em Caetité e Pindaí, no sudoeste da Bahia, em nossa aldeia, uma mineradora vai construir uma grande barragem de resíduos de minérios, sem prévia consulta da população que está em pânico. Em Vitória da Conquista, a Serra do Piripiri foi toda depredada ao longo dos anos para pavimentar a BR-116 e edificar prédios, matando as nascentes, só sobrando um pouco do Verruga, praticamente morto no seu leito.

Deserto no Nordeste

O Nordeste, senhora ministra, está virando um deserto de tanto extraírem madeiras para as carvoarias, sem contar as prolongadas secas em razão do aquecimento global. O “Riacho do Navio”, cantado há muito tempo pelo rei do baião, Luiz Gonzaga, não tem o mesmo cenário de outrora. A letra diz: Riacho do Navio/corre pro Pajeú/o rio Pajeú vai despejar no São Francisco/o rio São Francisco vai bater no meio do mar/lá iá,lá iá, lá iá, lá iá, lá iá. O “Riacho do Navio” está morto e agora é o mar que invade o São Francisco 50 quilômetros adentro.

E, por falar no “Velho Chico”, sempre um agoniante quando batem as estiagens, cadê a revitalização tão prometida e anunciada pelos governantes? Agora mesmo, no final de junho, estive lá visitando e fiz uma prece para que ele não morra, mas o rio está precisando muito mais de ações concretas do que orações. A barragens, como a do Sobradinho, estão com suas vasões bem abaixo do normal, chegando hoje a cerca de 500 metros por segundo. É de doer ver extensos areões onde eram ocupados por suas águas, e somente algumas partes navegáveis, com muita dificuldade. As barragens cometeram altas agressões ao meio ambiente, e o mar está virando sertão.

Ficaria aqui, senhora ministra, um ano escrevendo e pesquisando para lhe provar que o Brasil do rompimentos das barragens de minérios, um país com alto déficit no que tange ao saneamento básico, onde poucos municípios, dos mais de cinco mil, não têm aterro sanitário e sim lixões, comete sim, transgressão ao meio ambiente. Não adianta esconder isso de ninguém, quanto mais dos europeus. Por essa e outras, é que esse acordo do Mercosul não vai sair do papel, enquanto não se resolver sair do atraso e do primitivismo. Não é assim mentindo, senhora ministra, que se defende uma soberania nacional!

 

OS MAIORES PREÇOS DA BAHIA

No mês de junho percorri muitos trechos da Bahia, saindo de Vitória da Conquista a Salvador e depois ao norte até Juazeiro e retornando por várias cidades da Chapada Diamantina e tive a curiosidade de observar os preços da gasolina nos postos por onde transitava. Constatei que o custo da gasolina em Conquista é o mais alto, só igualando em algumas unidades a Juazeiro por motivos de distância, mais de 500 quilômetros de Salvador, enquanto aqui o combustível é transportado a 150 quilômetros, em Jequié.

Confesso que passei toda viagem comentando o fato e fui até um chato revoltado. Na minha cabeça, e acho que na de todos os conquistenses, a única explicação é que aqui existe um cartel dos empresários, uma máfia do monopólio, e nada é feito pelas autoridades (poder público, procuradoria pública, promotores, Procon e a sociedade em geral) para desbancar esse complô contra os consumidores que já penam com outros preços altos dos combustíveis, inclusive o gás de cozinha.

VAI BAIXANDO

Basta sair da cidade que o preço vai baixando a partir do Bairro Lagoa das Flores, em patamares diferentes. Vi gasolina de R$4,34 o litro em Milagres a cerca de 150 quilômetros de Jequié onde se encontram os dutos da Petrobrás. Descendo até Salvador não se encontra uma tabela que se iguale a Conquista em termos de custo. Diante do absurdo e da afronta ao povo conquistense, sempre lembrava que esta cidade, chamada erradamente de suíça baiana, já teve os preços mais baixos da Bahia.

No outro roteiro, cortando parte da Chapada até Juazeiro, fiz questão de fazer a mesma coisa, olhando as bombas, com tabelas bem mais baixas que Conquista, variando de R$4,38, 4, 42, 4,46, 4,48, 4,56, 4,60, 4,65 nas cidades de Iaçu, Itaberaba, Ruy Barbosa, Macajuba, Baixa Grande, Mairí, Capim Groso e só aumentando um pouco a partir de Senhor do Bonfim até Juazeiro. Passei também por Jacobina, Piritiba e Mundo Novo, e não vi coisa igual como nos postos de Conquista.

Em outra rota, saindo daqui e entrando no sertão de Anagé, Aracatu, Brumado, Caetité, Guanambi e outras cidades, inclusive Bom Jesus da Lapa, Conquista também continua sendo campeã nos preços altos da gasolina, principalmente. Talvez pelo seu crescimento nos últimos anos, mais gente chegando, mais empresas e mais prédios e faculdades, Conquista tornou-se uma cidade de alto custo para se morar, não somente nos combustíveis, mas também em outros itens de consumo, inclusive na gastronomia, e olha que aqui não é uma zona urbana turística. É sempre a ganância do capitalismo que só pensa em lucrar mais e mais e tirar proveito da situação.

Quanto ao caso específico da gasolina, nesta semana alguns postos resolveram baixar os preços, mas ainda continuam altos em comparação a outras cidades da Bahia, conforme citadas. Pode ser apenas um disfarce, diante das pressões da Câmara de Vereadores com a CPI, da mídia e da provocação popular para que o Procon, O Ministério Público , Defensoria Pública e a própria OAB tomem providências conjuntas porque o consumidor não aguenta mais esse quartel, a única explicação cabível para se pagar preços tão altos e extorsivos.

Nas entrevistas só aparecem os gerentes dos postos tentando justificar o injustificável, e colocando sempre a culpa na cotação das importações da Petrobrás e outras companhias, e nos impostos, que são altos sim e escorchantes, mas convencem Conquista ter um dos preços mais altos da Bahia. Os donos e os representantes do sindicato dos patrões se blindam atrás de uma caixa preta que precisa ser aberta e punir os responsáveis por esse crime contra ao nosso povo conquistense.

TIBÉRIO ASSUMIU O REINADO SEM LUTAS E O EXÉRCITO 0 APOIOU COMO IMPERADOR

Depois de ter governado por mais de 40 anos, Augusto morreu no ano 14 da nossa era. Considerava o principado como uma instituição permanente. O primeiro dos herdeiros era o sobrinho Marcelo, casado com Júlia, a filha do imperador, mas morreu cedo em 23 a.C. O herdeiro seguinte foi Agripa, que se casou com Júlia, mas cedeu para Caio e Lúcio, seus filhos com Júlia, mas também morreram.

Então, Augusto foi obrigado, por influência da esposa Lívia, a adotar Tibério Cláudio Nero, filho da mulher com o primeiro marido, como único membro da família. A vontade de Augusto era que fosse Germânico, o sobrinho de Tibério, irmão de Druso, mas não deu. Para manutenção da paz, todos concordavam que o principado era indispensável. Sem luta, Tibério tomou as rédeas do governo.

O exército o reconheceu como imperador, e o Senado conferiu-lhe todos os poderes especiais que haviam feito a Augusto. Até o suicídio de Nero, o trono foi ocupado por membros da Casa Cláudia, dos quais os dois primeiros foram adotados pela família dos Júlios.

OS FLÁVIOS

Tudo sobre os membros dessa família e os incidentes nos reinados foram descritos pelo historiador Tácito, em seus Anais. Suas Histórias contam a queda daquele poder e o período de confusão que terminou com a ascensão dos Flávios, que não tinham parentesco com Augusto.

Nenhum deles tinham carisma, mas herdaram a popularidade de Augusto e isso justificava a posição que ocupavam. Tibério era um general competente, rigoroso e dedicado ao país. Mostrava as mesmas virtudes como estadista, mas não possuía a energia do seu predecessor. Ao seu lado estava a imponente figura de Lívia a quem devia a subida ao trono. Muitos que ocuparam postos de destaque no reinado anterior lhe eram hostis. Não gostavam do seu orgulho e frieza.

A vida na corte tornou-se impossível quando seu sobrinho Germânico morreu no Oriente. Muitos achavam que ele foi vítima de uma trama de Tibério e Lívia. Por tudo isso, Tibério deixou Roma e foi morar em Capri. De lá, o único homem em que confiava era Sejano, prefeito da guarda pretoriana, a quem deixou como seu representante em Roma. Sejano tornou-se governador da cidade.

AS INTRIGAS PALACIANAS

Enquanto isso, as intrigas palacianas continuavam, e Sejano resolveu aproveitar. Houve uma longa série de crimes sombrios, como o assassinato de Druso (filho de Tibério) envenenado pela esposa, que fora seduzida por Sejano. Os filhos de Agripina foram mortos, e ela foi exilada e morta. Depois foi descoberto que Sejano conspirava contra o imperador. Por isso, ele foi executado, seguido de um período de terror com a morte de inocentes.

Calígula sucedeu a Tibério e reinou de 37 a 41 da nossa era. Filho de Germânico, cresceu cercado de jovens helênicos corrompidos, temendo perder a vida por causa das brigas palacianas. Era único membro da família Juliana e, em seu reinado, deu prova de insanidade mental.

O louco Calígula destruía, sem piedade, todos aqueles que lhe inspiravam medo. Educado entre príncipes jovens do Oriente, exigia que lhe fossem prestadas honras divinas e declarou-se senhor e deus (dominus et deus). Provocou a ira de seu povo, introduzindo na corte costumes helênicos. Calígula teve ligações abertas com suas irmãs e proclamou uma delas sua mulher e deusa. Os conspiradores da guarda pretoriana deram-lhe um fim violento.

A GUARDA PRETORIANA

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia