junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

:: ‘Notícias’

CHAPADA DIAMANTINA: A CIDADE HISTÓRICA E A FESTA DOS GARIMPEIROS

  • Constituição Federal, Direitos Humanos, Ambiental e

o Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural Nacional

 

Alexandre Aguiar

Advogado

Sobre cultura, a trintenária Constituição Federal diz:

Art. 215. O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.

  • 1º O Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional.

[…]

Sobre a vida dos Garimpeiros, na obra “Garimpo, devoção e festa em Lençóis, BA”, Maria Salete Petroni de Castro Gonçalves desempenhou o registro do acontecimento secular, que compõe o legado histórico, cujo recorte temporal compreendeu o conteúdo laboral, devocional e festivo local no período de 1844 a 1984.

Entre o surgimento de Lençóis até a interrupção dos garimpos, que efetivamente se deu em 1996, a economia, religião e cultura do lugar passaram por uma mudança de época, que sem a devida atenção da sociedade e do Estado, representa ameaça ao acervo material e fontes imateriais do patrimônio artístico, histórico e cultural nacional.

O emérito Professor Ronaldo de Salles Senna costuma dizer que “Lençóis deve tudo aos garimpos, porém os garimpos não devem nada a Lençóis”.

O fim do extrativismo mineral de diamantes levou Lençóis à condição de cidade turística, tendo a polis alcançado o perfil dos destinos indutores do turismo nacional, alavancando de forma pioneira a indústria turística na microrregião, do que é chamado de “Circuito dos Diamantes” e, que vem se expandindo pelas demais cidades da Chapada, gerando postos de trabalho e receita aos descendentes dos garimpeiros artesanais.

Na Chapada, como resultado do acervo patrimonial das lavras diamantinas, restaram Tombados pelo IPHAN, os conjuntos arquitetônicos das cidades de Lençóis (1973), Mucugê (1980) e a Vila de Xique-Xique de Igatu (2000), no Município de Andaraí. Desta maneira, nos dias atuais, todas as cidades lavristas contam com permanente visitação turística nacional e estrangeira, incluindo-se aí a cidade de Palmeiras, município que igualmente possui fluxo de visitação, no Distrito de Caeté-Açu (Vale do Capão).

A cidade de Rio de Contas também detém acervo arquitetônico, que despertou interesse do Instituto do Patrimônio e restou Tombado (1980), entretanto, situada ao sul do Parque Nacional da Chapada, no passado sua economia destinou-se a extração de ouro, o que lhe diferencia e destaca como “Circuito do Ouro”, inclusive, por distâncias e posição geográfica.

:: LEIA MAIS »

BAGUNÇAS NOS ENDEREÇOS, BAIRROS E LOTEAMENTOS GERAM CONFUSÃO

PRECISAMOS URGENTE DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR

macariojeremias@yahoo.com.br

Só para se ter uma ideia, na rua onde eu moro existem quatro CEPs diferentes e muitos chamam de Jardim Guanabara (não se sabe se é bairro ou loteamento), outros dizem ser Filipinas e até aparece Jatobá. A rua é nominada de “G”, mas também aparece Veríssimo Ferraz de Melo em algumas correspondências. O próprio Google e outros sites estão com suas informações desatualizadas e desencontradas.

É uma tremenda confusão quando se vai fazer um cadastro ou um contrato num órgão ou empresa e se pede o CEP e o comprovante de endereço. Não se sabe qual documento está com as indicações corretas. Problema maior ainda é com as numerações que se misturam entre pares e ímpares. Procurar uma casa é uma dor de cabeça, e tem gente que desiste. Nem o morador consegue informar quando algum desconhecido tenta procurar uma pessoa pelo “endereço”.

Esta situação não é somente onde eu resido, mas ocorre em quase toda a cidade, principalmente nos últimos vinte anos para cá com a expansão de construções nos espaços ocupados nas zonas leste, norte e sul. Não existem demarcações e ordenamentos corretos do que é bairro e loteamento e cada um vai colocando nomes e numerações das suas ruas. Existem centenas de nomes de logradouros em Conquista que não constam nos anais da Câmara e da Prefeitura. Constatei isso há muitos anos quando fiz uma pesquisa para o meu livro “Uma Conquista Cassada”.

Para os Correios é um trabalho hercúleo encontrar um endereço para a entrega de um documento ou encomenda. Nesta semana, por exemplo, um pedido meu por pouco não foi devolvido porque a empresa remetente colocou Filipinas. Estive lá na sede no final da tarde para pegar o objeto e muitas pessoas estavam passando pelo mesmo problema. Tivemos que esperar por mais de uma hora para o carteiro chegar da rua. A resposta era a mesma de endereçamento incorreto.

ORDENAMENTO E REVISÃO DO PLANO DIRETOR

Vitória da Conquista cresceu nos últimos 25 anos além do previsto, de forma desordenada, sem o acompanhamento da infraestrutura no mesmo ritmo, dai as crescentes irregularidades além das existentes quando a cidade era de porte pequeno a médio. Sem um ordenamento criterioso do solo, a grande maioria das construções das casas, mais de 80%, está em estado irregular. Diante da burocracia e do alto custo, as residências não passam de terrenos e uns vão vendendo para os outros na mesma situação e o IPTU é cobrado como se fosse casa com instalação de água e luz.

Depois de muitos anos, somente agora a Câmara de Vereadores está anunciando a discussão de uma revisão do Plano Diretor, já caduco para o tamanho da cidade, a terceira maior do estado, considerada de capital do sudoeste da Bahia. O trabalho não é fácil e exige muito esforço por parte do legislativo e de toda sociedade. Se o projeto for aprovado por esta gestão parlamentar, com certeza será de grande feito histórico em benefício de Conquista.

Os 21 edis, que no início do império romano, lá pelos séculos VI e V a. C., eles já tinham a função de supervisionar as ruas e edifícios da cidade, precisam se concentrar nesta legislatura de mais dois anos na feitura de um novo Plano Diretor, para dar uma cara nova ao ordenamento do solo, com leis mais rígidas no âmbito da construção, preservando o meio ambiente. Conquista tem tudo para ser uma cidade ecológica, mais planejada, mais urbanizada e mais humana.

Da forma como está, virou uma bagunça porque hoje existem estabelecimentos comerciais e de serviços em locais inadequados, como casas de eventos, de festas e boates em áreas residenciais, faculdades, prédios e até hospitais em ruas já congestionadas onde não há mais espaços para carros. Há necessidade também de proceder à facilitação de titularidades às habitações irregulares que são milhares, e impedir a edificação de outras em locais impróprios.

Há pouco tempo fiz um comentário aqui sobre a falta de opção de lazer em Conquista nos finais de semana, sendo que existe um grande potencial a ser explorado, como a Serra do Periperi, Lagoa das Bateias (entregue aos esgotos), o Poço Escuro e o Parque de Exposição Agropecuária, subutilizado durante todo o ano.

Coincidência ou não, o fato positivo foi que a Polícia Militar, numa parceria com a Prefeitura Municipal, criou e inaugurou no último domingo o Por do Sol no Alto do Cristo de Mário Cravo onde milhares de pessoas compareceram para apreciar as belezas do local. Com segurança, é um passeio relaxante para as famílias, jovens, crianças e idosos.

Além disso, sugeri implantar na Serra diversas trilhas passando pelo Cetras (centro de tratamento de animais silvestres), pelo Cristo, seguindo até o Poço Escuro. Em parceria com o setor privado, na base de uma PPP, falei da possibilidade de instalar um teleférico do Cristo ao centro da cidade, bem como requalificar a Lagoa das Bateias e tornar o Parque de Exposições uma área de lazer e diversão nos finais de semana.

 

 

NO PAÍS DAS TRAGÉDIAS ANUNCIADAS, O HUMANO E A NATUREZA NADA VALEM

É sempre assim, a mídia faz seu espetáculo no foco das desgraças dos desesperados que choram pelas suas vítimas, os governos e os famosos emitem suas condolências e pareceres críticos, os camisas amarelas coxinhas e os mortadelas vermelhos trocam farpas, arrotando cada um seu besteirol, os técnicos dão vastas explicações, muitos rezam e uns poucos se revoltam indignados com o descaso. No embalo, fiscais intensificam as vistorias e depois relaxam o trabalho.

Em pouco tempo, os mortos são esquecidos, os parentes que ficam penam desamparados nos seus vales de lágrimas das burocracias, a Justiça se arrasta como lesma, a natureza falece e os culpados não são punidos porque vivemos numa terra de ninguém, aliás, só dos fortes, onde nada é levado a sério. Os iludidos acham que as coisas vão mudar, e ai outras catástrofes batem em nossas portas e levam mais um monte de gente. Tudo se repete com o mesmo blábláblá de sempre e assim vivemos de tragédias acompanhadas das impunidades. Os responsáveis têm o poder de se tornarem invisíveis perante a “lei”, também opaca.

Claro que, no momento, estou me referindo a Brumadinho, mas esquecemos das tragédias que o povo brasileiro convive no seu dia a dia, como as dos corredores das mortes nos hospitais, as tragédias das filas da saúde e do INSS de idosos doentes, as da educação deficitária, as tragédias das injustiças praticadas contra os pobres, as da usurpação dos direitos civis, especialmente contra as minorias, as tragédias das matanças contra mulheres, as da violência bruta e cruel dos bandidos, as tragédias do trânsito que matam mais de 60 mil por ano, as dos homicídios (o mesmo número), as tragédias da profunda desigualdade social, as da fome, das crianças desnutridas, dos casebres em favelas subumanas, as tragédias da extrema pobreza e de tantas outras.

AS TRAGÉDIAS SEM REPARAÇÃO

A folha corrida das tragédias no Brasil daria para ir do Oiapoque ao Chuí, e em nenhuma delas houve uma reparação justa das perdas. Tudo começa com o jeitinho safado brasileiro de fazer armengues, de superfaturar obras que viram fonte de propinas e corrupção, de se fazer vistas grosas para o mal feito e mais barato, sem contar a incompetência de indicados políticos que nada entendem do cargo que exercem. Claro que entram também o por fora e as relações promíscuas com o poder econômico e político.

Há séculos aqui chegaram as multinacionais neste paraíso perdido onde tudo é permitido, para explorar com facilidades fiscais e outras benesses, as nossas riquezas naturais, deixando um rombo passivo de desastres ao meio ambiente, sem falar de vidas humanas, com o papo de trazer o progresso e mais empregos. Sempre se portaram como deuses da salvação, dando aos pobres algumas migalhas sociais como espécie de cala boca.

:: LEIA MAIS »

O POVO DE BOQUIRA ENCURRALADO PELA MINA

Com base num fato real de uma matéria jornalística realizada no auge pesado da ditadura civil-militar de 1974 pelo jornal “Estado de São Paulo”, proibida de ser divulgada, o assunto virou livro “Boquira”, numa reportagem romanceada a partir da pena ligeira e denunciativa do amigo-companheiro jornalista Carlos Navarro Filho, que na época chefiava a Sucursal do periódico, em Salvador.

O relato é a fiel voz de desabafo de um povo do interior do sertão baiano que sofreu todo tipo de opressão de uma companhia multinacional de mineração e que dava toda cobertura ao regime militar em troca de benesses dos governos dos generais Médici e Geisel. A empresa tinha suas influências políticas até em Vitória da Conquista onde Renato Rebouças possuía participações em muitas decisões.

Naquele período já era repórter de economia do jornal “A Tarde” e conheci o dinâmico, competente e irrequieto colega Navarro em algumas andanças de coberturas, inclusive feitas em outros estados. Em meu livro “Uma Conquista Cassada” faço algumas referências ao caso “Boquira” e sua prestação de serviços à ditadura na captura do capitão Carlos Lamarca.

A obra começa com um comentário fidedigno do repórter Biaggio Talento sobre o ambiente redacional barulhento, insalubre e “fumacê” dos jornais daquele tempo, e as dificuldades para se passar um texto do interior. Sou como meu amigo Carlos Gonzalez da mesma geração das máquinas de escrever, do teletipo e do aparelho de telefoto que enviava as imagens reveladas num laboratório para filmes.

Para matar as saudades, concordo com Paolo Marconi, no prefácio, quando disse que “fomos felizes e não sabíamos”. Lembra ele do respeitado Jornal do Brasil e os tradicionais Estado de São Paulo, Folha de São Paulo e o Globo, bem como do famigerado Ato Institucional no 5. As críticas não podiam ser nem construtivas, mas elogiosas, como retrucou o marechal Arthur da Costa e Silva para os editores do JB.

Para Marconi, o livro é produto de uma desforra de quem viu seu jornal não publicar uma grande reportagem sobre Boquira/Cobrac – Companhia Brasileira de Chumbo, subsidiária da francesa Penãrroya Oxide S.A. Foi, na verdade, uma censura interna. “O livro é de denúncia e ainda atual por mais estranho que possa parecer”. Depois de paralisar a extração em 1992 em Boquira e fechar a fábrica de lingotes de chumbo em Santo Amaro, a Cobrac deixou um dos maiores passivos ambientais da história da mineração do país.  A Samarco, em Minas Gerais, talvez tenha superado em termos de danos.

Em redor da mina e margeando o município de Boquira, Marconi calcula que existam mais de seis milhões de toneladas de resíduos, sem qualquer contenção. Em Santo Amaro estão hoje 490 mil toneladas de material contaminado, com metais pesados. Os órgãos de controle ambiental tentam, desde 1993, condenar a Penãrroya. A primeira sentença condenatória foi proferida em 2014. Mesmo assim, em janeiro de 2016 houve recurso da ré.

O PADRE AVARENTO

Na narração de Navarro, em sua história “Boquira”, que tanto mal fez ao povo do povoado de poucas casas, tudo começou no ano de 1954 com o padre Nazário, um descontente com sua situação de pobreza, saindo de Oliveira dos Brejinhos  com destino à fazenda Pajeú, em Boquira, para dar a extrema-unção à idosa Neusina de Filó.

Ele descreve o cenário de calor infernal do sertão. Padre Nazário é um avarento e passa pelo Morro do Pelado onde se esbara com, seu guia Codó, com pepitas gigantes. Imagina que as pedras são ouro puro e não esquece do que viu na terra de pessoas ingênuas e ignorantes.

Na volta, ele recolheu amostras das pedras brilhantes que só serviam para fazer cercas de mureta para não deixar animal escapar. Aquela extrema-unção um dia veio a mudar a vida de toda aquela gente de Boquira. Dali em diante o estado de espírito do padre se renovara e atendia a todos com satisfação em Macaúbas e vizinhança. Aguardava ansioso a chegada do seu amigo farmacêutico Agenor, para levar as pedras para exame em Salvador.

Tudo calculado em sua mente traiçoeira. Três semanas depois o amigo retornou e o resultado dava alto teor de chumbo, mas as pedras careciam de exames mais precisos a serem feitos em São Paulo. O padre malandro continuava a celebrar suas missas em Macaúbas, mas sonhava ficar rico. Passou a namorar a filha do Agenor que dava uma de médico charlatão.

:: LEIA MAIS »

OS GRANDES IMPERADORES, DEPRAVAÇÃO E A DECADÊNCIA DO IMPÉRIO ROMANO

Reza a lenda que quando os gregos Menelau, Ulisses e Aquiles conquistaram Tróia, na Ásia Menor, um dos poucos defensores a se salvar foi Enéias, cuja mãe era a deusa Venus-Afrodite. Ele andou perambulando com sua mala ao lombo até alcançar o Lácio, no norte da Itália. Casou-se com Lavínia, filha do rei Latino, onde fundou uma cidade com o mesmo nome da mulher.

Seu filho Ascânio fundou Alba Longa, a nova capital. Depois de 200 anos, Numitor e Amúlio, descendentes de Enéias, ainda ocupavam o trono do Lácio. Um dia Amúlio expulsou seu irmão e matou todos seus filhos, menos Réia Sílvia, mas obrigou-a a se tornar sacerdotisa da deusa Vesta para não ter filho.

Num dia bem quente resolveu tomar um ar fresco e adormeceu. Numa das suas descidas à terra, Marte a viu, apaixonou-se por ela e a engravidou. Amúlio ficou muito zangado, mas esperou que ela desse à luz e nasceram dois meninos gêmeos. Depois fez Sílvia colocá-los num barco e deixou-os à deriva na correnteza do mar. A embarcação encalhou nas areais e uma loba os acolheu dando do seu leite.

Esse animal tornou-se depois símbolo de Roma, mas muitos dizem que se tratava de uma mulher com o nome de Acca Larentia, chamada Loba pelo seu caráter selvático e infiel ao seu marido pastor. Os dois receberam os nomes de Rômulo e Remo. Depois de crescidos, voltaram a Alba Longa, mataram Amúlio e recolocaram Numitor no trono.

Depois de tudo resolveram construir um novo reino em meio às colinas onde corre o Tibre. Ali começaram a discutir sobre o nome a ser dado à cidade. No impasse, decidiram que venceria quem visse mais pássaros. Remo viu seis sobre o Aventino e Rômulo 12 sobre o Palatino. Foi colocado o nome de Roma e, em torno dela, edificaram muralhas. Remo achou frágeis e com um chute colocou um pedaço abaixo. Em represália à sua conduta, Rômulo abateu o irmão com um golpe de enxada.

:: LEIA MAIS »

NA REPÚBLICA DOS GENERAIS

A impressão que ficou evidente na entrevista do vice-presidente general é que somente os militares têm competência e são os honestos e incorruptíveis, e que todos os civis do Brasil não merecem mais confiança em cargos de governança do país, depois das falcatruas generalizadas nos últimos governos, especialmente do PT. Todos são sujos e não sabem como administrar a coisa pública, sem desperdícios.

O mais contraditório nisso é que os “baluartes” contra a corrupção querem o senador Collor de Melo na presidência do Senado, logo ele alvo de um monte de denúncias na força tarefa da Lava Jato. O ex-deputado queridinho do capitão ligado aos produtores rurais (bancada rural) foi nomeado para ser defensor das nossas florestas, e prometeu não haver indicação política. É o mesmo que colocar raposa no galinheiro. Antes o pai do presidente e seu filho disseram dispensar o foro privilegiado, mas agora defendem e até o sigilo. Logo mais pedem a censura.

TANTOS MILITARES NO PODER

Estamos apenas começando, mas já deu para se perceber que nem no período da ditadura civil-militar – para o presidente-capitão não existiu nada disso – houve tantos militares no poder da República, do primeiro ao segundo escalão e até no terceiro. Que seja bem-vinda a moralização, mas que a imprensa seja livre para denunciar os possíveis desvios de conduta, porque no regime de exceção era impedida pela censura.

Como muitos camisas amarelas da seleção pediram nas ruas, e diante do grande contingente de fardados das forças armadas nos ministérios e secretarias, estamos sendo agora submetidos a uma intervenção militar branca, pelo menos por enquanto. A mídia “amarelou” e apenas se limita a noticiar os fatos do dia, sem se aprofundar na questão.

:: LEIA MAIS »

OS QUE SE FORAM PERMANECEM VIVOS EM NOSSA MEMÓRIA CULTURAL

Nos últimos anos, principalmente do ano passado para cá, muitos incentivadores, pensadores e defensores da nossa cultura se foram, deixando uma lacuna em Vitória da Conquista, mas essas pessoas vão permanecer vivas em nossas mentes, com mais forças para continuarmos firmes nesta jornada que, infelizmente, conta com poucos apoiadores.

Com seus passos de sabedoria e desapego, essa gente deixou suas marcas registradas num trabalho incansável de promoção da cultura, por amor, sem interesses pecuniários. Mesmo sem o devido reconhecimento de gratidão de boa parte da sociedade, devemos seguir suas pegadas e nunca negar aos outros o conhecimento que aprendemos da escola acadêmica e da vida, esta a mais consistente e duradoura. Têm muitos que morrem como fantasmas.

A lição que nos deixam é nunca sermos egoístas, mas persistentes nos momentos mais críticos e difíceis, porque não faltam aqueles que torcem a cara e acham que os fazedores de cultura não passam de idealistas sonhadores, desprovidos de bens materiais e sem futuro. São os mais ricos e os menos valorizados. Nessa caminhada, são muitos os que só dão espinhos e poucos os que oferecem flores. Uma só pétala já basta para superar sacrifícios e não ser apenas um vulto nesta multidão.

Já dizia um filósofo que a vida é um bem incerto, e que a morte um mal certo. Mas, do incerto você pode fazer muitas coisas certas e tornar a morte um bem para cada alma que fica. Fizeram-nos bem as últimas pessoas que se foram, como o jornalista e historiador Luis Fernandes que sempre se mostrou preocupado em resgatar a nossa memória cultural, pesquisando e levantado dados da nossa história.

Há cerca de um ano, ou pouco mais que isso, partiu para o além o meu amigo e companheiro poliglota e intelectual Sérgio Fonseca, com o qual convivi no jornal “A Tarde” e tive a honra de substituí-lo na chefia da Sucursal desse impresso em Vitória da Conquista. Quando se foi, infelizmente era pouco conhecido, inclusive de grande parte da mídia, mas, com seus serviços prestados, nos deixou um grande cabedal. Pouco foi homenageado em vida e na morte.

Infelizmente, nosso sistema social e político tem como uma de suas péssimas características não valorizar a meritocracia. As pessoas mais preparadas são pouco aproveitadas. Recentemente, partiu também para o outro lado, a nossa guerreira e professora do projeto Proler, Heleusa Câmara, uma insistente na luta pela alfabetização de detentos e de todos aqueles que viviam à margem do ensino. Foi uma grande incentivadora da leitura, justamente nesses tempos tecnológicos da internet em que poucos têm o hábito de ler.

Quantas pessoas Heleusa tirou da escuridão da vida, para ver o mundo de outra forma, através do conhecimento! Não somente isso, ela com sua crença naquilo que fazia, devolveu à comunidade muita gente que vivia fora dela. Lembro dela em minhas entrevistas jornalísticas quando detalhava minuciosamente, com sua paciência, suas propostas de tornar as pessoas mais humanas e educadas.

Nesta semana, lá se foi, mas continua conosco, o nosso “Fera”, como assim tratava os amigos, o ator Gildásio Leite. Minha aproximação com ele não tinha muito tempo, mas foi o bastante para aprender com Gildásio muita coisa, como bondade e generosidade, sem falar na sua ponderação na análise de certos problemas.

Há uns três anos, viajei com ele e o professor Itamar Aguiar, para uma feira do livro em Lençóis, na Chapada Diamantina, onde ele aproveitou para realizar uma série de entrevistas com o cineasta Orlando Sena. Foi quando trocamos muitas ideias tomando umas geladas e passei a chama-lo de grande garimpeiro. Não se queixava, e sempre estava otimista com a vida. Na última vez em que nos falamos, pediu meu livro “Uma Conquista Cassada” para extrair alguns subsídios para um documentário que estava elaborando. Não me recordo agora o assunto. Gildásio divulgou muito Conquista nos filmes e nas peças em que participou.

 

 

OS DOMINGOS SEM FUTEBOL

Carlos Albán González – jornalista

Jeremias, no seu abalizado comentário sobre a ausência de iniciativas culturais e de entretenimento em Vitória da Conquista, principalmente nos finais de semana, peço sua permissão para ocupar este espaço a fim de emitir minha opinião. Na verdade, concordo plenamente com as suas críticas. Enquanto o poder público se omite, os empresários do ramo promovem shows com intérpretes do axé, do sertanejo e do pagode, como se o conquistense não aprecie uma cultura de boa qualidade.

Por uma questão de justiça devo destacar o retorno à atividade do Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima, que, nos últimos meses, tem trazido a esta cidade companhias de teatro e de dança clássica, orquestras sinfônicas e cantores de renome no cenário artístico nacional. Falta à direção da casa de espetáculos divulgar, com antecipação, sua programação, pelos meios de comunicação ou pelas redes sociais.

Residindo há quatro anos em Vitória da Conquista continuo recebendo, por e-mail, o programa de eventos culturais de duas instituições sediadas em Salvador com raízes espanholas: o Instituto Cervantes, subordinado ao Ministério de Assuntos Exteriores da Espanha, e a Associação Cultural Hispano-Galega Caballeros de Santiago, fundada em 22 de novembro de 1960 por um grupo de imigrantes provenientes da Galícia.

Caro colega, na condição de profundo admirador do esporte, incluo entre os seus queixumes a ausência de competições nos campos, quadras, pistas e piscinas. O futebol, praticado em qualquer vilarejo do país, passa por uma crise administrativa e técnica, revelada no abandono de seu principal palco e na ausência dos gramados do seu time de maior destaque.

Na tabela do Campeonato Baiano de 2019, divulgada pela Federação Bahiana de Futebol (FBF), constam as palavras “a definir”, aludindo aos quatro jogos que o Esporte Clube Primeiro Passo Vitória da Conquista tem programado para realizar diante de sua torcida, todos em domingos, sendo que dois deles, contra Bahia e Jequié, são apontados como os de maior presença de público.

Mais antigo do que seu coirmão, o Conquista F. C. ressurgiu em 2018, disputando a 2ª divisão do futebol baiano. Terminou em quarto lugar entre seis concorrentes. As peças do uniforme azul e branco voltaram para o armário e não serão exibidas este ano.

Depois de se submeter a três vistorias por parte da FBF o Estádio Lomanto Júnior ainda não está em condições de receber os jogos do “Baianão” – eu chamaria de “Baianinho”, pelo reduzido período de disputa. Na última inspeção, dia 12 deste mês, o assessor da FBF Jorge Inácio Diniz condenou um esgoto aberto atrás dos vestiários, o sistema de iluminação e a falta de local de trabalho para a imprensa escrita.

Pelo menos, o gramado de um milhão de reais, o “bermuda tifway”, que estava sendo “assaltado” por ervas daninhas, já pode ser utilizado. O andamento dos trabalhos de recuperação do “Lomantão” não tem podido ser acompanhado pela imprensa, diariamente barrada nos portões do estádio. A prefeitura garante que no dia 3 de fevereiro, data do primeiro jogo do Conquista em casa, “tudo estará perfeito”, afirma o prefeito Herzem Gusmão.

Sepultadas as esperanças do Sub-20 do Conquista na Copa São Paulo de Futebol Júnior, desclassificado na primeira fase, com duas derrotas e um empate, a direção do clube alviverde está voltada para o time profissional, com estreia no Campeonato Baiano no próximo dia 24, diante do Vitória, em Salvador.

Fora das competições de âmbito nacional (Copa do Brasil, Copa do Nordeste e Brasileiro), o Conquista terá que fazer uma boa campanha no Baianão, visando sua presença nos torneios de 2020. O time alviverde fará um máximo de 13, se chegar às finais, e um mínimo de nove partidas. Suas atividades em 2019 serão encerradas em 17 de março ou 21 de abril. O quê será feito até janeiro de 2020 é uma incógnita. Já o torcedor terá a certeza de que passará muitos domingos sem o futebol.

 

UMA CIDADE SEM OPÇÃO EM FINAL DE SEMANA

Citei aqui por várias vezes que Vitória da Conquista é uma cidade sem opção de lazer e cultura em final de semana. Normalmente, o conquistense só encontra um bar ou restaurante para levar a família, os amigos e bater um papo ou jogar conversa fora. Como todos já sabem, Conquista é uma cidade sem rios, cachoeiras ou uma praia para curtir, mas poderia ser diferente.

A terceira maior cidade da Bahia em população e de economia pujante, que se desenvolveu num ritmo acelerado nos últimos anos possui equipamentos que poderiam até servir de atração turística para seus moradores e até para visitante, isto se houvesse um trabalho conjunto de aproveitamento entre o poder público e privado, numa parceria de investimentos e concessões.

Primeiro quero falar da Serra do Periperi que continua subutilizada e sem uma estrutura adequada de segurança para se tornar num parque de visitação todos finais de semana. Poderia ali serem criadas trilhas, passando pelo Cetras (o centro de tratamento de animais), seguindo até o Monumento ao Cristo de Mário Cravo, com quiosques e até de brincadeiras para crianças, terminando o passeio na reserva florestal do Poço Escuro.

Trata-se apenas de uma área a ser explorada onde todos poderiam utilizar com segurança. Estes pontos são pouco visitados porque as pessoas têm medo de serem assaltadas, e não existem uma programação de guias e efetiva segurança. As trilhas, com certeza, iriam proporcionar bem-estar e estado de descontração em contato com a natureza, sem contar o efeito de preservação da Serra.

Outro local subutilizado, de propriedade particular, é o Parque de Exposição Agropecuária, outro símbolo tradicional da cidade. Por falta de “recursos”, segundo a diretoria da Cooperativa que administra o local, infelizmente, não haverá exposição neste ano. Depois dos eventos, toda extensão do parque fica praticamente sem uso durante todo ano, a não ser alguns shows fechados e o Festival de Inverno.

A classe empresarial de um modo geral sempre se acostumou (e isso virou uma cultura) a ter os subsídios do poder público, tanto municipal, estadual e federal para colocar uma programação em funcionamento. Por que não tornar o parque viável economicamente através da utilização dos espaços com a instalação de bares e restaurantes, apresentação de shows artísticos, feiras de artesanatos, atividades culturais, parque de diversão para a criançada e outros atrativos nos finais de semana?

Entendemos que não é fácil quando se trata de uma convocação da classe para uma empreitada dessa natureza, mas nada que um bom projeto não consiga colocar uma ideia desse porte em prática. Todos iriam ganhar com isso, não somente a comunidade que sente tanta falta de opção de lazer e entretenimento.

Sem querer me estender mais no assunto de que falo no título do meu comentário, existe ainda outro ponto em Conquista que está morrendo ou já morreu pelo total abandono e sujeiras dos esgotos dos bairros vizinhos. É o o caso da Lagoa das Bateias que poderia ser mais um grande atrativo de opção nos finais de semana.

Existem outros lugares subutilizados, como na zona oeste, mas como não existe uma política turística e cultural, só na Avenida Olívia Flores se realiza alguma coisa, vez por outra, como corridas, sem contar os amantes das caminhadas, corridas e praticantes de bikes. Os poucos eventos, de iniciativa de alguma entidade ou empresa, sempre só acontecem ali, frequentado apenas pelos moradores do Candeias e adjacências.

NÃO É COM DECRETO DE ARMAMENTO QUE SE VAI ACABAR COM O BANDITISMO

Pode ser engano, ou ainda é muito cedo para se definir conceitos, mas os primeiros sinais dão conta de que o nosso país vai mesmo entrar na bolha do retrocesso no campo das ideias no âmbito interno e externo. As posições e os comportamentos do novo governo do capitão nos levam nesta direção. O tempo dirá se tudo isso não passa de um equivoco, ou, se lamentavelmente, é o que irá acontecer.

Seguindo a trajetória da bala, o capitão vai assinar um decreto para facilitar a posse de arma para que os cidadãos tenham o legítimo direito de defesa de suas vidas e de suas propriedades, especialmente daquelas situadas no meio rural. Não está se arguindo aqui se a medida é ou não constitucional, mas não é com mais armas nas mãos que se vai combater a onda de criminalidade que tomou conta do Brasil.

Mais uma vez, as pessoas estão sendo iludidas por uma falsa segurança, ou solução do problema, quando a questão do país é muito mais profunda, de ordem econômica e social, que vem se arrastando ao longo dos anos, principalmente com a usurpação do poder pelos mais fortes esmagando os mais fracos. Quem mais ganha com isso é a indústria do armamento, obedecendo a um novo consenso da bandeira norte-americano.

A não ser os pés de chinelos, que estão fora desse esquema, os bandidos hoje atuam em quadrilhas organizadas, como os corruptos, e têm suas estratégias do chamado elemento surpresa para atacar. Além de bens e objetos, vão ter mais armas para roubar, com esquemas mais ousados como fazem nas cidades nos assaltos contra caixas bancários.

Glória à liberdade de expressão que ainda gozamos nesses novos tempos, não é somente sobre este decreto que quero expor minha opinião. As primeiras trombadas do presidente-capitão, que sempre está perambulando pelos quartéis-generais, já eram esperadas pelo seu despreparo, mas não nos assusta tanto como os comentários fundamentalistas da sua ministra Damares, e as indicações de privilegiados políticos, coisa que tanto condenou com veemência. A política externa vai isolando o Brasil que lá fora está sendo vista como fascista.

Primeiro vamos ao caso de que menino veste azul e menina veste rosa, que é menos ofensivo que pretender expurgar das escolas o estudo da evolução dos seres, e confundir ciência com fé religiosa. Será que vem por aí uma inquisição à brasileira em pleno século XXI? Vai haver uma depuração do que se pode ou não se aproveitar da ciência nas salas de aula? A teoria da evolução nada tem a ver com a fé, nem com ateísmo ou monoteísmo.

E quanto a posição retrógrada da ministra de que estudante não deve fazer curso em outra cidade ou estado, e sim onde vivem seus país? Só faltou ela dizer que somente ao homem é permitido, porque era assim nos tempos coloniais e do coronelismo quando o pai mandava o filho para Coimbra (Portugal) ou para a Sorbone, na França. Com toda esta evolução tecnológica (olha aí a palavra evolução!) e a aspiração do jovem em crescer e se amadurecer lá fora, o Estado vai criar a figura do fiscal da família?

Pelo panorama que se apresenta, nada muda no campo dos privilégios dos poderes, e as promoções de amigos vão continuar, como ficaram evidentes as indicações do filho do vice- presidente general para o Banco do Brasil e do queridinho do capitão para uma gerência da Petrobrás. Logo a coitada da Petrobrás que tanto foi bombardeada no governo do PT!

Outros sanguessugas da nação vão se apoderar e se incorporar aos já existentes. O pasto vai ficar mais verde para os militares que já exigem privilégios na decantada reforma da previdência social. O problema do Brasil vai muito além da corrupção, que já transformou o Brasil numa terra arrasada. O miolo das frutas para as castas, e as cascas para o povo. Mudam-se apenas os bois…





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia