agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

:: ‘Notícias’

ZONA RURAL, A “ROTATÓRIA DA MORTE” E AS IRREGULARIDADES DA VIAÇÃO ROSA

Vários assuntos relacionados ao município fizeram parte das discussões na sessão de ontem (dia 21), da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista, mas os destaques foram voltados para as questões da zona rural, principalmente Veredinha e Inhobim, a rotatória do novo Aeroporto Glauber Rocha, chamada pelo parlamentar Sidney Oliveira, de “rotatória da morte”, e as irregularidades da empresa coletiva de transportes Viação Rosa, denunciadas pelo vereador Coriolano Moraes.

Antes dos debates variados focalizados pelos vereadores, dona Luciana Magalhães, mãe de uma criança com deficiência usou a Tribuna Livre da Casa para denunciar a Viação Cidade Verde que bloqueou os cartões especiais, mais de 200, dos alunos que utilizam o transporte para as escolas. Ela fez um apelo à Câmara para que interceda junto à empresa, no sentido de que a medida seja revista. O presidente da Casa, Luciano Gomes, prometeu enviar o problema para a Comissão de Direitos Humanos.

ZONA RURAL

Outro que ocupou a Tribuna Livre foi o líder comunitário, mais conhecido como Peu, que reclamou que a zona rural do município não está sendo olhada pelo poder público como deveria, especialmente no que se refere às estradas que estão esburacadas e a falta de água, e citou os casos dos distritos de Veredinha e Inhobim. Criticou o poder público, exaltou alguns parlamentares e teceu comentários negativos ao trabalho de outros, no que foi repreendido pelo presidente do legislativo, de que aquele espaço é cedido ao povo para falar de problemas de suas comunidades.

Quanto ainda a zona rural, o vereador Álvaro Phiton elogiou as ações do prefeito Hérzem Gusmão diante da administração pública, citando os serviços de iluminação das praças Vitor Brito e Murilo Mármore, esta localizada na região oeste da cidade. Na ocasião, deu boas vindas ao novo líder do prefeito na Câmara, Edvaldo Ferreira Filho.

O vereador Rodrigo Moreira informou que esteve em Salvador e conseguiu um milhão de reais, através de uma emenda parlamentar, para ser investido na zona rural nos distritos e povoados onde já possuem poços artesianos. A verba será aproveitada para a aquisição de canos para o abastecimento de água para os produtores, o consumo humano e de animais. Na oportunidade, Rodrigo chamou a atenção para a lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas para menores, a qual não tem sido cumprida.

“ROTATÓRIA DA MORTE” E VIAÇÃO ROSA

O parlamentar Sidney Oliveira fez duras críticas à rotatória do novo Aeroporto de Vitória da Conquista Glauber Rocha, construída pela Via Bahia, denominando-a de “rotatória da morte”. Destacou que o próprio governador Rui Costa reconheceu que o equipamento, na BR-116, onde no local transitam seis mil carros por dia, é muito perigoso. De acordo com ele, a obra é ridícula, alertando que o mais importante é preservar a vida. Informou que o Governo do Estado prometeu construir um viaduto, para evitar acidentes com tragédias na área.

Coriolano Moraes, o Cori, do PT, denunciou as irregularidades da nova empresa (leva o emblema da Prefeitura Municipal) Viação Rosa que está rodando nas linhas da Cidade Verde. Disse que os funcionários contratados estão trabalhando há três meses sem carteira assinada. Entre outras ilegalidades, apontou que as placas dos ônibus coletivos são de Osasco – São Paulo e muitos veículos estão quebrados. “É um descalabro total” – desabafou o vereador, ao reivindicar que a prefeitura faça logo uma licitação do lote que era da empresa Cidade Verde.

 

A ESCORCHA CONTRA O POVO ROMANO NO REINADO DE DIOCLECIANO

Entre o século III da era cristã, Diocleciano restaurou a ordem por algum tempo e defendeu o Estado contra os inimigos externos. Pôs em prática um programa de reformas da vida público, mas através do sacrifício do povo com a elevação de impostos e taxas para sustentar o exército durante as guerras.

A sociedade estava desgastada e o imperador conseguiu manter firme seu reinado. O mundo ansiava pela paz, mas ele queria fortalecer o Estado, reformar os métodos e regenerar o exército degradado, atrasado, corrupto e de mercenários.

No século III os imperadores já eram monarcas absolutos, como no Oriente, e o Senado virou um conselho municipal da capital. Apenas o exército participava da vida pública, e o imperador ainda tinha de obedecer às imposições dos soldados que escolhiam os governantes.

CORTARAM OS LAÇOS

Diante desse quadro, várias províncias cortaram os laços com o Estado, procurando viver de forma independente com imperadores próprios. Diocleciano introduziu o governo conjunto que existia antes. Para a região Ocidental nomeou Valério Maximiano e cada um adotava um líder militar. Os filhos adotivos recebiam o título de César e podiam suceder o governante.

O trono continuou sendo a magistratura suprema, levando em conta “O Melhor dos Melhores”, onde o imperador tornava-se senhor e deus. Todos tinham de prostrar-se de joelhos e beijar a ponta do seu manto. Sua principal junção era comandar o exército e conviver com os soldados onde houvesse perigo.

Os soldados eram recrutados entre o povo mais atrasado, e os mais estimulados eram os germanos. As melhores tropas, geralmente de bárbaros, ficavam aquarteladas perto das capitais dos quatro governantes (dois Augustos e dois Césares).

Em seu governo, foram criadas divisões especiais à base da guarda pretoriana. A função era policiar as fronteiras. Na verdade, era uma guarnição de colonos com obrigação hereditária do serviço militar. Existiam ainda as frotas marítimas e as tribos bárbaras ligadas a Roma por tratados.

CRESCIMENTO DO EXÉRCITO

Com essas mudanças, o exército cresceu muito. Qualquer soldado poderia ser promovido a guarda, ao posto de oficial comandante, comandante de uma força independente, de todas as tropas de uma província, e ainda comandante-chefe do exército. Dessa forma, surgiu uma nova aristocracia, baseada no serviço militar e público. As figuras mais destacadas eram os bárbaros germanos. Na verdade, era um exército de mercenários, e os soldados eram servos do Estado, mas tinham pagamento de salários e direito de ocupar a terra.

No entanto, a lei que exigia o serviço militar não foi abolida, se bem que muitos fugiam desse compromisso. Os imperadores mantiveram a legislação nos séculos III e IV. A lei permitia criar novo imposto para quem não servia. Era chamado o “ouro dos recrutas”.

Dioceses, vicarius e agentes secretos

O Império foi dividido em 101 províncias que, por sua vez, formavam grupos menores (as 17 dioceses) e quatro praefecturae (prefeito pretoriano). Cada diocese era governada por um vicarius, e cada província por um governador. Havia ainda a polícia secreta (agente in rebus) com a função de proteger o imperador. Chefiava a polícia secreta um quarto ministro, o da corte (magister oficiorum).

A baixa educação e moral dos oficiais e dos funcionários levavam a práticas inadequadas de suborno e corrupção. O peso disso repousava nos ombros do povo já muito empobrecido pelas guerras civis do século III através das cobranças de impostos, taxas sobre a terra, para sustentar os soldados.

Tropas de cargas e carroças tinham que ser fornecidas pelo povo. Os conselhos municipais e os grandes proprietários eram responsáveis pelo pagamento das taxas e os trabalhos forçados. Nem assim a situação melhorou muito com a reforma e a aparente ordem. O país estava reduzido à mendicidade, e o povo não aguentava mais tanta escorcha.

:: LEIA MAIS »

“ANDANÇAS” FOI LANÇADO EM GUANAMBI

O lançamento do novo livro “Andanças”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário também estava lá presente na solenidade comemorativa dos 100 anos de emancipação do município de Guanambi (14 de agosto), juntamente com outras obras escritas por Dário Teixeira Cotrim e do coronel Lázaro, versando sobre a história da cidade.

Foi uma grande noite cultural de três autores, na Câmara de Vereadores, que aconteceu no último dia 15, à noite (quinta-feira), com as presenças do prefeito Jairo Magalhães, do secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Paulo Costa, dos ex-prefeitos Vá Boa Sorte e Izaltina Donato, do presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros (Minas Gerais), Wanderlino Arruda, que presidiu o encontro,   da acadêmica Lucília Donato, representando a Academia Guanambiense de Letras, do jornalista e escritor Joao Martins, professores, estudantes e admiradores da cultura que prestigiaram o evento.

Lançamento coletivo

Num acordo com os outros escritores, a Prefeitura Municipal, através do secretário de Cultura, Paulo Costa, promoveu o lançamento coletivo onde cada um apresentou seus trabalhos para o público, com debates e discursos, conduzidos pelo cerimonialista da noite, radialista Joé Roberto. Entre outros de sua lavra (mais de 50), o acadêmico Dário Cotrim lançou o livro “História Política e Administrativa de Guanambi – 1919-2019, em louvor do seu centenário”. O coronel Lázaro escreveu sobre o primeiro ginásio de Guanambi.

Além de “Andanças”, já lançado em Vitória da Conquista (Casa Regis Pacheco e Livraria Nobel) e em Jequié, no Museu Histórico João Carlos Borges, o jornalista Macário também se fez presente com as obras “A Imprensa e o Coronelismo no Sudoeste” e “Uma Conquista Cassada- cerco e fuzil na cidade do frio”. Na ocasião, acompanharam suas criações, o “CD Sarau A Estrada” que conta com músicas, causos e declamações de poemas.

Ao contrário do que muitos pensavam, de que um lançamento coletivo não teria espaço para todos, a reunião de escritores levou mais conhecimento ao público que teve várias opções para adquirir as obras. Os trabalhos apresentados pelo jornalista Jeremias Macário, de Vitória da Conquista, tiveram uma boa procura, principalmente por causa da diversidade dos temas, não somente de “Andanças”, uma mistura de realidade e ficção de causos, histórias e poemas, como também “A Imprensa e o Coronelismo” que cita Guanambi, e “Uma Conquista Cassada” que versa sobre a ditadura civil-militar de 1964 em Conquista, na Bahia e no Brasil.

Foi uma noite memorável com abertura do Hino Nacional e encerramento do Hino de Guanambi. Em seus pronunciamentos, o prefeito e seu secretário de Cultura anunciaram o início da construção de uma biblioteca moderna ainda para este ano, dependendo apenas de alguns trâmites formais com o Governo do Estado no que tange ao terreno onde será edificado o novo equipamento.

Ainda no âmbito da cultura, ficou acertada a instalação do Instituto Histórico e Geográfico de Guanambi, com apoio da mesma instituição que já existe há muito tempo em Montes Claros. Professores mais antigos da cidade que prestaram relevantes serviço à comunidade foram homenageados pelo Instituto da cidade mineira com a entrega de diplomas. O presidente do Instituto convidou o jornalista Macário para proferir uma palestra e lançar seus livros em Montes Claros, numa data a c

OH QUANTA MEDIOCRIDADE E INCAPACIDADE!

Vamos aterrar o Pantanal para fazer pastagens, plantar soja, milho e criar boi; derrubar toda floresta amazônica; transformar Angra dos Reis numa Cancun mexicana; colocar uma arma na mão de cada cidadão para se proteger dos bandidos; pegar o Fundo da Amazonas para indenizar terras dos invasores de reservas de proteção ambiental; mudar as estatísticas do Inpe; colocar coronéis e fazendeiros à frente das principais instituições de pesquisa para alterar os dados; desmentir a ditadura e negar tudo que aconteceu de ruim nela, como as torturas, desaparecimentos e mortes; e ensinar o brasileiro a fazer cocô dia sim, dia não.

Oh, Senhor, quanta mediocridade e incapacidade num país de tanta vitalidade e infinitas possibilidades de se tornar uma grande nação desenvolvida, sem tantas desigualdades sociais, pobreza e miséria! Terminamos um ciclo prolongado de Fernando Henrique e Lula, e entramos agora noutro bem pior, de retrocessos e atrasos, onde um projeto neoliberal atabalhoado de mente colonial se faz prevalecer com maior ênfase. A reforma da Previdência Social é colocada como salvação, e depois vamos esquartejar as estatais e vender aos capitalistas estrangeiros a preço de banana.

No lugar disso, o BNDES, que possui ações em milhares de empresas nacionais e multinacionais poderia vender suas participações e, com esse dinheiro, o governo poderia investir em milhares de obras que estão paradas pelo Brasil por falta de recursos. Além de concluir a construção dessas obras, muitas das quais em estado de sucateamento, esse investimento alavancaria o mercado e geraria milhões de empregos, tirando o país da estagnação econômica.

Sem clima para investidores

Nesse marasmo de mediocridades, no qual navega o Brasil, existe clima para atrairmos investidores de fora? Não é favorecendo o patronato, massacrando os trabalhadores, abolindo as leis de proteção ao meio ambiente, expandindo o uso de agrotóxicos nas lavouras e acabando com os quilombolas e as reservas indígenas que vamos tornar o Brasil competitivo em relação às outras nações desenvolvidas.

Ainda não saímos da dependência dos produtos primários (cereais, ferro, grãos e outros) para conseguirmos saldos na balança comercial (Exportações e importações). Somos grandes fornecedores de tecidos, sapatos, algodão, soja, milho, café, carnes, petróleo cru e outros alimentos, para adquirirmos produtos industrializados, sobretudo da química fina, como nos tempos coloniais.

Somos um poço de incapacidade, com uma educação inadequada e caduca, que nos impede planejar e projetar o país no panteão das outras nações bem mais adiantadas e competitivas. Temos muitas cabeças pensantes e talentos adormecidos porque pouco investimos e pesquisas, sem contar a preferência pela mediocridade, principalmente agora que entramos no vão seco do retrocesso de extrema-direita que manda destruir o que aos poucos estava sendo construído, por pura birra ideológica. Nesse ritmo de ciclos tortuosos para o pior, estamos todos perdidos, ou somos uma nação perdida, sem futuro?

Alianças monstruosas

Entre mais de vinte anos tivemos ciclos alternados de poder entre dois partidos (PSDB e o PT), que só fizeram brigar entre si e se aliaram com o que existia da pior espécie, de mais sinistro, monstruoso e bizarro. Nunca pensaram, em termos coletivos, construir um Brasil que não fosse hoje um símbolo de retrocesso lá no exterior. A nossa educação, a saúde e o saneamento básico só fizeram regredir. A pobreza extrema e a miséria crescem.

Estamos nesse buraco profundo graças ao oportunismo e a picaretagem individualista deles que só pensaram em tirar proveito próprio para se locupletarem e se manterem no poder. Tudo isso gerou o que é de pior. Continuamos com mente colonial de péssimo gosto, e a plateia ignara só faz aplaudir e a xingar a outra parte de satanás, sem cair na consciência política de que somos, na verdade, um poço de mediocridade e incapacidade num Brasil tão grandioso. Não passamos de bucha de canhão.

Enquanto isso, o povo briga nas ruas, ao invés de se unir, dando um aval para que este poder de retrocesso se perpetue. Sem a capacidade do pensar coletivo, grupos e indivíduos se fecham num discurso e numa retórica pragmática, sem perspectivas de mudanças. Não temos oposição e lideranças fortes para reverter este quadro de mediocridade e incapacidade. Como se não bastasse o risco de um autoritarismo, estamos alimentando este ciclo do pior para que ele perdure por mais tempo.

SANGUE E MISÉRIA NO IMPÉRIO DO III SÉCULO

Novo período de sangue e miséria se inicia no reinado do imperador Cômodo (180 a 192 d.C.), filho de Marco Aurélio, colocando fim ao despotismo esclarecido. A principal característica foi o controle do poder pelo exército que, como senhor absoluto, decide o destino do Estado. Cômodo foi um segundo Nero, ou Domiciano, lembrando os piores governantes das dinastias Júlio-Cláudia.

Logo apareceu uma forte oposição, tendo como causa mais imediata a paz com os germânicos, feita por Cômodo e considerada como traiçoeira e vergonhosa pelas classes superiores. Como em 69 d.C. o êxito da conspiração provocou uma guerra civil.

Lúcio Severo e sua dedicação ao exército

Com a morte de Comodo, os exércitos elevaram-se seus favoritos ao poder. O Senado elegeu Hélvio Perfinax para o trono, mas foi logo assassinado pela guarda pretoriana, corrompida e vendeu a sucessão a Dídio Juliano, mas os exércitos recusaram a aceitar o ditame, e Lúcio Séptímo Severo, comandante da Panônia,  marchou sobre Roma com seus ilírios e trácios, adiantando-se aos seus rivais Clódio Albino e Pescênio Níger, que comandavam poderosos exércitos da Grã-Bretanha e Síria.

Severo derrotou os pretorianos e tomou Roma sem luta. Enganou Albino, prometendo fazer dele seu herdeiro e aproveitou os erros cometidos por Pescênio. Depois acertou contas com todos que não estavam ao seu favor em Roma, na Itália e nas províncias, condenando-os à morte e confiscando suas propriedades.

Ele não estava a fim de restaurar as tradições de Augusto e intitulou-se filho de Marco Aurélio e sucessor da linha dos Antoninos. Suas ideias ficaram gravadas nas últimas palavras endereçadas aos seus filhos Caracala e Geta, “Enriquecei os soldados e zombai do resto”. Seu poder baseava-se na dedicação dos soldados à sua pessoa. Toda sua atenção voltou-se para o exército. Desconfiava da aristocracia, mantendo-a à distância por meio de seus guardas semibárbaros e da legião parta.

Em seus atos lançou as bases da política pela qual a classe senatorial seria afastada dos comandos militares e dos governos provinciais. No lugar colocou seus oficiais do exército. Apesar de tudo, Severo não conseguiu impor derrota aos partos, nem concluir o domínio da Grã-Bretanha, onde morreu em 211 d.C. no meio de uma prolongada luta contra os habitantes das terras altas da Escócia.

Seu herdeiro Caracala livrou-se do irmão com quem dividia o trono, mas perdeu a vida em 216 d. C., tão logo procurou utilizar o exército para uma luta contra os partos. O exército proclamou então Macrino, mas traiu-o ao descobrir que ele pretendia pôr fim às operações militares e reduzir seus salários.

As Mulheres no Poder

As mulheres que moravam no palácio eram sírias, aparentadas com Júlia Domna, mulher de Severo, e pertencente à família dos reis sacerdotes de Êmeso. Essas mulheres ambiciosas aproveitaram do descontentamento entre os soldados. Júlia Mesa, com suas filhas Sonemias e Maméia, conquistou uma parte do exército sírio e derrotou Macrino, colocando no trono o filho de Sonemias chamado de Vário Avito, principal sacerdote de um deus-sol com o nome de Elagábalo, nome esse por ele adotado.

O reinado dos parentes sírios foi um dos mais tristes da história. Elagábalo ou Heliogábalo, era um fanático religioso e introduziu em Roma os hábitos de sua teocracia síria. Então, as princesas sírias tomaram medidas para conservar o poder, e quando Heliogábalo foi assassinado pelos soldados, elas colocaram no trono Alexiano, filho de Maméia, mais moderado. Como imperador tomou o nome de Marco Aurélio Severo Alexandre. Entretanto, o exército tinha mais força que Alexandre, Os sassânidas dos reis persas invadiram as províncias romanas. Uma campanha contra os germanos custou a vida do imperador, morto pelos próprios soldados em 235 d.C.

Os motins militares e os saques

:: LEIA MAIS »

SARAU DEBATE O IMPÉRIO ROMANO E A SUA FORMAÇÃO

O Império Romano foi tema de debate no “Sarau Colaborativo A Estrada”, realizado no último dia 10 (sábado), com a participação de visitantes convidados e pessoas que sempre frequentaram nosso evento que está completando nove anos de atividades, e já produziu o “CD Sarau” com  o formato de músicas autorais de artistas locais, causos e declamações de poemas.

Um dos palestrantes do assunto foi o jornalista e escritor Jeremias Macário, que pontuou a fundação de Roma em 753 a.C, numa história carregada de lendas da mitologia grega e realidade, descrita por historiadores. Foi uma grande viagem desde os tempos dos reis, a República, construída pelos Tarquinios etruscos, passando depois pelos imperadores Sila, Pompeu, Caio Júlio César, Otaviano Augusto, Tibério Cláudio Nero, Calígula, Nero, os quatro imperadores do ano 69 d.C. (Galba, Oto, Vitélio e Flávio Vespasiano), Tito, Domiciano, Caio Nerva, Marco Trajano, Públio Adriano, Antonino Pio, Marco Aurélio e seu declínio com Cômodo, Diocleciano e Constantino entre os séculos II e III da nossa era.

Rômulo e Remo

Reza a lenda que quando os gregos Menelau, Ulisses e Aquiles conquistaram Troia, na Ásia Menor, um dos poucos defensores a se salvar foi Enéias, cuja mãe era a deusa Venus-Afrodite. Ele andou perambulando com uma mala ao lombo até alcançar o Lácio, no norte da Itália. Casou-se com Lavínia, filha do rei Latino, onde fundou uma cidade com o mesmo nome da mulher. Dessa descendência, nasceram Rômulo e Remo, os fundadores da cidade.

Lenda ou não, sabe-se que os gregos exerceram grande influência no desenvolvimento político, social e religioso de Roma durante todo seu período de Império, o mais forte daquele mundo que se estendia da Itália a Grã-Bretanha, Egito, Ásia Menor, Oriente e até regiões da África, como Cartago, hoje a Tunísia. No século IV a.C.se deu-se a unificação política italiana, com as conquistas contra os etruscos, équos, volscos e tribos gregas.

Como bem sabemos, o tema é por demais amplo, mas conseguimos resumir falando das guerras púnicas (a primeira durou de 264 a 241 a.C.) e a segunda, de 218 a 201 a.C., quando o grande general Aníbal com seus “tanques de elefantes” encurralou os romanos, chegando às portas da capital Roma, só não acontecendo graças à união e ao orgulho do seu povo. Aníbal com suas estratégias e diplomacias foi considerado pelos historiadores, o maior general da antiguidade, e até de todos os tempos, só comparado com Napoleão.

O grande general Caio Júlio César, que governou o Império com mão de ferro e teve que combater Pompeu para chegar ao trono, foi outro ponto interessante das discussões, sem falar no seu sobrinho, ou filho, Otaviano que recebeu o título de Augusto, o chamado divino pelo povo. Se não foi o maior, foi um dos maiores dos imperadores com suas mudanças de gestão e ordem, estabelecendo um período de 40 anos de paz, e sendo exemplo para muitos outros de seus sucessores. Governou como rei por mais de 40 anos.

O Cristianismo e a Inquisição

Religião e arte, a dinastia Júlio-Cláudia e o despotismo dos Flávios, a evolução do Império nos séculos I e II da era cristã quando atingiu seu auge, as províncias romanas, sangue e miséria no Império do século III, principalmente com Cômodo que massacrou o povo, a escorcha dos impostos nos reinados de Diocleciano e Constantino, que muito contribuiu para seu declínio e a evolução religiosa até o cristianismo foram questões abordadas durante o Sarau.

O tema foi arrematado pelo professor Itamar Aguiar que falou da ascensão do cristianismo no Império já em decadência, e no mundo atual. O povo adorava vários deuses que lhe davam sustentação até meados do século II e início do século III. A nova doutrina conquistou adeptos, cuja população já vivia cansada e não mais acreditava nas promessas terrenas, mas numa felicidade de vida futura.

Depois dos debates, como sempre ocorre, o evento foi animado e ficou mais descontraído com a viola do músico e cantador Walter Lajes, Marta Moreno,  com os causos de Jhesús e as declamações de poemas, como de Evandro Gomes, nosso companheiro de academia e frequentador do nosso Sarau, juntamente com Rozânia Brito.

O Sarau contou ainda com as participações de Mano Di Souza, Cleide, Juan Guilherme, professor Jovino, Tânia, Maria Luíza, Aline Kiriaki, Renata Santana, Jaqueline Silva, Kika, Anne Rocha, Calcídia  Silva, Maxwell Rocha, Sérgio Viana e a nossa anfitriã Vandilza Silva que a todos atendeu com muita dedicação, nos servindo bebidas e um tira-gosto de pato no final do nosso Sarau, que no próximo terá como tema “A Inquisição na Idade Média”.

SESSÃO DA CÂMARA LEMBRA OS 13 ANOS DA LEI MARIA DA PENHA

Com a participação de várias representantes de entidades da sociedade que combatem a violência contra as mulheres, a Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista realizou, ontem, dia 07/08, uma sessão especial para lembrar os 13 anos da Lei Maria da Penha, concluindo que muito ainda tem por fazer para reduzir as agressões sofridas contra o sexo feminino, principalmente por parte de maridos e parentes.

Na ocasião, foram citados números de violências que, infelizmente, só têm aumentado, apesar das leis terem endurecido contra os agressores. Falaram  em defesa da mulher as vereadoras Nildma Ribeiro, Viviane Sampaio, a diretora da União das Mulheres de Conquista, Maria Otília Soares, Luciana Silva, da Comissão das Mulheres da OAB regional, a capitã Débora Brito Nascimento e outras representantes da Faculdade Fainor e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Uesb.

Saúde pública

A vereadora Nildma Ribeiro destacou que a violência contra a mulher no Brasil é uma questão de saúde pública, que cabe também aos homens se conscientizarem a respeito do problema. Lembrou que agosto é o mês de combate contra este tipo de violência, e que está com projeto no sentido de estabelecer o dia 17 como data municipal de combate ao feminicídio.

Ela citou ainda que 43% das vítimas são menores de 14 anos, e 18% entre 15 a 18 anos. A maior parte das agredidas tem relação com o agressor. Otília afirmou que, apesar das leis de prevenção, “ainda temos muito trabalho pela frente”. Segundo ela, “a violência em sí já é uma doença, pior ainda quando é contra a mulher”. “Isso é uma praga, e uma prática abominável em nossa sociedade”.

A representante da OAB, Luciana indagou por que foi preciso estabelecer uma lei para proteger a mulher, e respondeu porque vivemos numa sociedade desigual onde as mulheres são as maiores vítimas. Todas elogiaram o trabalho da polícia através da Ronda Maria da Penha, uma mulher que por muitos anos foi agredida pelo seu marido e terminou ficando paraplégica numa cadeira de rodas, daí a origem da criação da lei, mas ainda persiste a impunidade em muitos casos.

Outras leis e a incoerência

No Brasil existem muitas leis e estatutos de proteção em defesa de várias camadas da população, como o Estatuto da Criança, do Idoso e do Consumidor, só para citar alguns, mas, na prática pouca coisa funciona, sem contar nas incoerências e paradoxos quando o cidadão procura reivindicar seus direitos.

O Estatuto do Idoso, por exemplo, é um dos mais violados e desrespeitados.  Basta olhar nas ruas as vagas de estacionamento ocupadas por quem não tem direito. Outra questão é a incoerência da lei que não é reparada, se for comparada com a população de idosos no país.

De acordo com as estatísticas, mais de 30% dos habitantes já estão na faixa superior aos 60 anos, mas as lotéricas e bancos só reservam um caixa para atendimento prioritário, incluindo ai mulheres grávidas, deficientes e pessoas com crianças, tornando um sofrimento maior para este tipo de usuário do que se ele for optar pela fila normal. É uma total incoerência do poder público, e que o brasileiro não reclama.

O mesmo acontece com relação a vagas de estacionamentos para carros nas médias e grandes cidades, como em Vitória da Conquista, por exemplo. No centro existem poucas vagas destinadas aos idosos e, para piorar ainda mais a situação, tem muita gente que não é idosa, mas ocupa o local. Além de incoerentes, a grande maioria das leis no Brasil não é cumprida.

 

EVOLUÇÃO DO IMPÉRIO NOS SÉCULOS I E II DA ERA CRISTÃ

Foi brilhante a evolução do Império nos dois primeiros séculos da era cristã, num único Estado civilizado entre os países do Mediterrâneo. Só as tribos selvagens germânicas, que nunca se dobraram a Roma, os eslavos, finlandeses, os nômades do deserto, os negros da África central, os iranianos e os mongólicos da Ásia ficaram de fora. A população podia mover-se livremente, com exceção dos servos orientais presos ao solo, conforme descreve o autor de “História de Roma”, M. Rostovtzeff.

O Mediterrâneo era um grande lago romano, bem como o Mar Negro, os rios da Europa Ocidental e o Nilo, que transportavam mercadorias e passageiros. A comunicação com a Índia era segura através dos portos egípcios. Pelas estradas era fácil viajar para o Atlântico e outros mares. Uma rede de estradas semelhantes cobria a Ásia Menor, Síria, África do Norte e Grã-Bretanha. Toda segurança era garantida pelas forças armadas nas comunidades de autogoverno.

SEM ASSOCIAÇÕES SUBVERSIVAS

O Estado mantinha destacamentos especiais de polícia em Roma (brigada de bombeiros), Lião e Cartago. A vida municipal estava livre do controle do governo central, mas não aceitava clubes de caráter subversivo em seus limites. Apenas as comunidades cristãs eram perseguidas, mas não se sabe se o eram como associações (collegia illicita), ou acusadas, individualmente, por se recusarem a participar do culto ao imperador. Haviam associações fechadas como escolas filosóficas.

No Oriente, as constituições, ou cartas das cidades, variavam muito entre sí. Indiferente, o governo romano apoiava a aristocracia, e via com desagrado a democracia. Na maioria das cidades gregas, a Constituição era oligárquica. A Alexandria recebia tratamento excepcional, isto é, tinha direitos reduzidos e era controlada rigorosamente pelo governo romano.

A maioria das comunidades italianas e nas províncias tinham suas constituições dadas pelo governo central. A cartas eram padronizadas, obedecendo ao mesmo esquema, determinando a criação de instituições municipais, magistrados, conselho de anciães ou decuriones (senadores locais) e uma assembleia popular. Eram acontecimentos importantes as eleições dos conselhos e dos magistrados, com competições acirradas.

Quando eleito para o Augustales (associação de libertos) era uma honra muito disputada por recolher fundos para o culto ao imperador nas cidades. Na Ásia recebia o título de guardiões do templo do imperador. A maioria dos edifícios públicos nas cidades gregas eram construídos por meio de subscrições particulares entre os ricos. Em Roma, a coisa era mais complicada. A população, calculada em mais de um milhão de habitantes, não tinha direitos políticos e municipais. Era totalmente controlada pelo imperador, seus ministros e pelo Senado. Augusto fez de Roma a verdadeira capital do mundo e seus sucessores seguiram os passos. A capital tornou-se, aos poucos, a mais agradável para se morar.

A ordem era mantida pela polícia imperial, com sete regimentos de bombeiros. Funcionários especiais fiscalizavam os aquedutos, esgotos, o curso do Tibre, a conservação dos edifícios públicos, ruas e avenidas. Não existiam, em outro lugar, templos tão nobres e fóruns ricamente adornados, arcos triunfais e uma floresta de estátuas. Os teatros, anfiteatros e circos eram amplos. Nenhuma tinha mais bibliotecas públicas e museus, ou uma galeria de estátuas construídas por Augusto no seu fórum de famosos comandantes romanos.

200 MIL MANTIDAS PELO ESTADO

:: LEIA MAIS »

“ANDANÇAS” NO MUSEU HISTÓRICO DE JEQUIÉ

Nesta sexta-feira, dia 9, às 19h30min, no Museu Histórico João Carlos  Borges, em Jequié, o jornalista e escritor Jeremias Macário, estará lançando seu mais novo livro “ANDANÇAS” com o show do músico, cantor e compositor Walter Lajes, dentro do projeto “Cantorias Literárias” que já aconteceu em Vitória da Conquista, na Casa Regis Pacheco e na Livraria  Nobel.

O evento conta também com apoio do jornal “ A Folha”, do jornalista Ari Moura, e “Andanças” é uma obra que mistura ficção com a realidade, através     de causos, histórias, prosas e poemas, muitos dos quais musicados por artistas locais como o próprio Walter Lajes (Na Espera da Graça), Dorinho Chave (Lágrimas de Mariana)  e Papalo Monteiro (Nas Ciladas da Lua Cheia).

Nos próximos dias 15 e 16 do corrente mês, o livro será lançado em Guanambi e Bom Jesus da Lapa, com o show do cantor e compositor Alex Baducha, numa mistura de música com literatura. Em Jequié, no dia 9, vamos realizar uma noite cultural para quem comparecer ao lançamento da obra, que contou com a colaboração de muitos amigos e apoiadores da cultura.

“Andanças” e “Uma Conquista Cassada”

“Andanças” foi um trabalho feito com muito esforço e dedicação, que demorou mais de três anos para ser publicado devido à falta de patrocínio. Existem capítulos e versos dedicados à Vitória da Conquista, como figuras lendárias da cidade do passado, fatos e versos sobre a Serra do Piripiri, a Mata Escura, O Cristo de Mário Cravo e as obras do artista Cajaíba.

Coube espaço também para comentários inéditos sobre a ditadura civil-militar de 1964, mostrando o outro lado do regime, em relatos diferenciados do livro “Uma Conquista Cassada -cerco e fuzil na cidade do frio”, de sua lavra, que também será apresentado aos interessados pelo assunto histórico da ditadura. Este livro está sendo indicado aos estudantes por professores das escolas públicas e universidades.

O trabalho do novo livro também exigiu uma parte de pesquisas, como a história de um mochileiro no capítulo “Pelas Brenhas do Mundo”, que percorreu várias lugares do planeta e esteve presente nos acontecimentos históricos mais importantes, como “O Maio de 68”, na França, A Primavera de Praga, as guerrilhas na África e a Guerra do Vietnã.

Numa linguagem simples, beirando ao realismo fantástico em muitas passagens, “Andanças” é prazeroso de ser ler, sem regras e amarras sequenciais. Pode ser lido de qualquer parte e está dividido em dois que é “A Estrada” dedicada aos amantes da poesia solta e s

O IMPÉRIO ROMANO NOS DOIS SÉCULOS DA ERA CRISTÃ

Dentre os sucessores de Augusto que mantiveram o Império mais metódico nos dois primeiros séculos da era cristã, Cláudio, Vespasiano e Adriano realizaram um trabalho mais frutífero. Tudo se concentrava nas mãos do imperador através de um Escritório Central (editos, cartas, finanças, petições), e os chefes de departamento assumiam o caráter de ministros. As decisões dos tribunais eram presididas pelo imperador, funcionando como juiz de apelação.

Para os diferentes ramos dos assuntos, o Escritório Central dividia-se em departamentos, e cada um era supervisionado por um chefe ( liberto ou servo pessoal). A partir de Oto passou a ser por um funcionário (rationibus) da classe equestre. O mais importante era o departamento das finanças, incluindo as propriedades do imperador (rationes).

O papel dos magistrados

O súdito comum, com exceção do habitante da capital, estava muito menos em contato com os representantes do governo do que em qualquer Estado moderno. Os magistrados eletivos da comunidade faziam a ponte entre o homem da rua e o Estado. Eles tinham completo controle da cidade e seus assuntos. Eram juízes de primeira instancia e davam ordens à polícia.

Atuavam ainda como agentes do governo na estipulação e coleta dos impostos, e impunham ao povo outras obrigações, como a construção e a conservação das estradas, o transporte dos funcionários, dos bens e do correio do governo. O imperador vigiava todos os atos dos governadores e estes sabiam que nas reuniões anuais estavam sujeitos a queixas contra atos violentos e ilegais praticados por eles no poder.

Neste período, grandes números das cidades estavam mergulhados em dívidas, incapazes de administrar suas finanças. Então, foram criadas comissões para estudar os fatos. No tempo de Trajano, inspetores (curatores) passaram a exercer tal função, cobrando providências das autoridades municipais. Só uns poucos departamentos eram controlados pelos imperadores, que cuidavam de suas imensas fortunas.

Além dos agentes, outro grande número de procuradores, atuando nas provinciais, recolhia também impostos diretos e supervisionava as receitas e as despesas, incluindo o pagamento do exército e o custo da administração do domínio estatal. Eles eram numerosos e ricos no Egito. Com o tempo, os imperadores resolveram estender a cobrança de impostos sobre heranças, escravos libertados, leilões e sobre importações e exportações. A princípio, eram fiscais especiais e depois a tarefa passou a ser exercida por funcionário nomeados pelos imperadores.

Exército de soldados e funcionários

Com o tempo, o imperador viu-se não só à frente de um exército de soldados, mas também de funcionários nomeados, pagos e julgados por ele. Em épocas remotas, os postos mais altos pertenciam às classes equestres (vir egregius, ou vir perfectissimus), e as funções inferiores exercidas pelos libertos e escravos. O título de vir claríssimus era reservado aos senadores.

Os equestres recebiam entre 60 mil a 300 mil sestércios e podiam tornar-se  comandantes da guarda pretoriana (praefctus praetorio), ou governador do Egito, e até mesmo controlador do fornecimento de cereais (paefectus annonae). Podiam ainda comandar o corpo de bombeiros, ou servir como procuradores nas províncias.

Como pontifex máximo, o imperador era o chefe da região estatal, sendo venerado em todo o Império. No entanto, a vida religiosa de seus súditos não era afetada pelo Estado. Ele não tinha ligação direta com a administração da Justiça e com a codificação do Direito Civil ou Criminal. Essas funções eram dos tribunais locais, tanto na Itália como nas províncias. O Direito Romano e os códigos penais por vezes entravam, em conflito, especialmente na Grécia.

Como governador de muitas províncias, o imperador no papel de apelação, proferia sentenças nos casos mais importantes. Como chefe do exército, elaborava as principais regras do Direito Militar e, como chefe da administração financeira, fazia com que os procuradores elaborassem um esquema de relações legais.

O Direito Romano

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia