agosto 2020
D S T Q Q S S
« jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: ‘Na Rota da Poesia’

SENHORA PARTEIRA

Poema do jornalista Jeremias Macário. Promete ser musicado.

Está praticamente no ponto.

 

Pelas mãos com cheiro de chão,

Da dona senhora nossa parteira,

Naquele rancho no pé da serra,

No aboio lamentoso do sertão,

Mirrado nasci de mãe roceira,

De um pai a lavrar a seca terra;

Sou filho do ventre nordestino,

E também destino certo da morte

Que ronda a vida e sempre vem.

 

Minha senhora mãe parteira

De muitos compadres rezadeira

Que já pegou na vida mais de mil

Sem do pobre cobrar o metal vil.

 

Vixe mãe Santa Nossa Senhora!

Geme a mulher na cama de dor!

Vai homem chamar dona parteira!

Que meu filho não morra de sete dias

Da fome tirana levar Josés e Marias;

Vai homem buscar nossa parteira

Que já viu cabra crescer trabalhador

E muita gente que virou até doutor.

 

 

 

Ave! mãe senhora parteira

De todos caminhos estradeira

De espinhos, veredas e poeiras;

Dia e noite das cancelas e porteiras;

Boa de prosa que ora rir, ora chora,

Pra no bom parto a mulher parir

Abençoar mais a luz desse existir;

E também reza uma reza penosa,

Na rasa cova angelical que partiu.

 

 

 

 

A MAGIA DAS MÃOS

Poema de Jeremias Macário

Mãos caseiras e finas;

mãos rachadas das lidas,

das armas frias assassinas,

e das inocentes meninas.

 

Mãos que fazem carícias,

que dão adeus e acenam;

de despedida e encontro,

podem ser de malícias.

 

Mãos marcadas e limpas;

de mensagens benditas,

são também carregadas

de ações vis e malditas.

 

Mãos que assinam papéis,

tratados de guerra e paz,

preferem ficar sem dedos

do que entregar os anéis.

 

Mãos da santa rezadeira;

mãos que doem no aperto,

sinal de angústia no peito,

da negra sem eira nem beira.

 

Mãos que clamam aos céus

por uma chuva de São José

no chão estorricado de Javé;

mãos que não perdem a fé.

 

Mãos de lindas camponesas,

de analfabetas manipuladas;

de gente simples e honradas,

escravas das casas baronesas.

 

Mãos que ensinam como rezar,

são as mesmas que se vingam,

e até batem em suas crianças,

nos momentos aflitos do lar.

 

Mãos que arrancam a dor;

enxugam lágrimas do rosto;

mãos de invernos passados,

enrugadas da avó e do avô.

 

Mãos de destino tão incerto,

que fazem da ilusão a magia;

falam na linguagem de gestos,

e nas andanças de cada dia.

 

Mãos que gritam socorro,

são lidas pelas as ciganas;

feitas de água, ar e de fogo;

são abençoadas e mundanas.

 

Nas mãos existem energias

de raios negativos e positivos;

cheias de histórias e de guias;

de crenças, artes e rebeldias.

 

As mãos dizem quem você é,

de personalidade reta e forte;

fraca só para coçar o sujo pé;

e de quem labuta até a mort

FLOR E DOR

Vou contar pra você, seu moço!

Quando ainda ginasiano,

No declinar do verbo latino

Ouvia falar e ainda ouço

Que toda poesia

Como piano, a flauta e o violino

Que comandam a sinfonia

Tinha que ter flor, luar e amor.

 

O poeta tinha que saber imitar

O canto do sabiá e da cotovia;

Tinha que ser melancólico,

Pálido, alcoólico e doente;

Ser o pôr-do-sol poente

Pra falar da angústia,

Dor e sofrimento da gente;

Viver como um bem-te-vi;

Andar como cigano;

Ser boêmio e até insano;

Passar noites sem dormir,

Como um penado zumbi;

Ser bem íntimo da morte;

Isalar o cheiro da depressão;

Abalar todo coração

Das mulheres românticas

Doces, sensuais e platônicas;

Ser a cápsula do tempo;

Comer dos manjares dos deuses;

Ser irmão do ar e do vento;

Renegar todo sacramento;

Ser orvalho do amanhã sereno;

Conversar com Zeus;

Provar de todo veneno;

Entender os fariseus,

E pelo menos ter

Uma musa inspiradora,

Não importando,

Se obtusa, confusa ou pecadora.

A ALMA DA NOITE

Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário

Laboratório de câmaras escuras,

a noite revela cenas existenciais,

dos negativos da luz do dia,

feitos de efeitos, olhar e juras,

de alma de gente doída e ferida,

entrecortada de medo e de poesia,

nos fleches de nossos manuais.

 

Com seus cabelos negros e soltos,

a noite é face de candura e prantos,

navegando no além mares revoltos,

nas ondas de desencantos e encantos,

encontros e desencontros que se vão

no orvalho da fumaça da manhã,

que isala o cheiro do meu chão.

 

Sua alma vaga na trama do enredo,

na crença e no engano da ilusão,

nos becos do dilacerado medo,

que não se rende na prece bendita,

do poeta surreal bruxo-maldito,

que se disfarça até de rei Salomão

e desaparece na estrela infinita.

 

A noite é caverna de etílico porre,

de boemia e trago de sal sagrado,

do segredo jamais aqui revelado,

da angústia que nunca morre,

por mais que a canção console,

e o riso dê uma risada amorosa

como faz a minha carinhosa rosa.

 

Sou a alma desta noite aflita,

que pede a ti o meu perdão;

sou espírito que chora e grita

pela tua bondade e gratidão,

que não me deixe tão sozinho,

como um acuado ferido animal,

na embriaguez visceral do vinho.

 

A minha alma é peregrina noite,

do dia e da penada escuridão,

que aparece repente na esquina,

para pedir o amparo de tua mão,

e sentir teu semblante de menina;

clarear-me na tua réstia de luz,

que o santo guerreiro te conduz.

 

A alma da noite me atormenta,

chicoteia os meus pensamentos,

tragando os goles do meu passado,

ora aliviando com seus unguentos,

os ferrões doídos desse presente,

de insetos que se passam por gente,

que de poder e usura se alimenta.

 

 

 

EXISTE E NÃO EXISTE

Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário

Ainda existe

processo sem prisão,

a tortura sem história,

corrupção com vitória,

o crime que compensa,

a manipulação da imprensa,

o sonho feito de cristais,

como promessas sagradas

dos amantes e dos casais.

 

Ainda existe

a vergonha da esmola,

a escola sem lição,

país sem educação,

criança sem livro,

rei fajuto de camisola,

a justiça da pistola,

o cruel capital,

o empreiteiro pardal,

o ladrão de gravata

o coronel da chibata,

o amolador de navalha,

o ferreiro do fole

e o político canalha.

 

Não existe

relógio sem hora,

piora sem melhora,

cordel sem rima,

cantador sem viola,

presente sem passado,

chato que não amola,

sandália sem poeira,

cavalo sem crina,

cidade sem feira

país sem hino,

nem vida sem sina,

romaria sem peregrino,

e criatura sem destino.

VIAJANTE

Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário, que faz parte do livro “ANDANÇAS”

Vou tocando meu caminhão,

cortando o asfalto desse chão,

seguindo sem mais ninguém,

vou levando a minha carga,

para outro lugar do além.

 

Essa estrada maluca,

queima a nossa cuca,

e vou assim nas retas,

sumindo nas curvas,

ouvindo as ondas longas,

e deixando as turvas.

 

Vou por aí tocando,

minhas duras lutas,

nas frenéticas disputas,

namorando prostitutas,

conhecendo cidades,

valentes e covardes.

 

Meu abrigo é a boléia,

meu canto é da solidão,

onde guardo a amada,

levando minha carga,

de química e de feijão.

 

Pra bem longe vou levando,

sem saber quem eu sou,

e assim rodo sem destino,

rezando pro meu divino,

com meu jeito de latino,

sem rimar amor e dor.

MEDOS E SEGREDOS

Meu espírito como ondas,

se bate nos rochedos

dos medos e da procura,

do infinito mistério,

que nos leva à tortura.

 

Anda em estranhas veredas,

baixadas, cumes e ladeiras,

e até em largas alamedas,

por entre belas palmeiras.

 

Tenho pavor do escuro,

que assombra com a sombra,

do passado de olho no futuro.

 

Tenho receio do segredo,

que insiste em esquecer,

seu roteiro de raiva e medo.

 

Não quero ser outra vez,

devorado pela insensatez

dessa gente sem enredo.

 

Vivo a engolir mensagens

e a usar  mil blindagens

pra fugir do fogo cruzado.

 

Sou como ferro ferrado,

vagando como manadas,

fugindo do fio das espadas.

 

Queria sair livre por aí,

perambular pelo universo

até não ter mais pra onde ir.

 

Queria que meu verso,

só fosse canto e encanto,

e nada de dor e pranto.

 

MEMÓRIA

De algum lugar da selva,

de gente pobre submissa,

o guerrilheiro firme resiste

redigindo sua carta,

para sua adorada Marta,

acreditando na vitória,

de construir uma justiça,

para mudar nossa história.

 

De algum lugar da selva,

vive uma senhora lenhadora,

onde as réstias da luz do sol,

disputam espaços nas folhas,

revigorando o social ideário,

de um guerrilheiro solitário,

que foi crivado de balas

pela traiçoeira metralhadora.

 

Veio a fúria do vento forte,

cuspindo fogo pelas ventas,

no disfarce de uma chicória,

que com seu cutelo da morte,

devorou a nossa memória.

 

Sem o direito de nem pensar,

quanto mais de se expressar,

os contras foram torturados

e levados ao sacrifício do altar.

 

Os sobreviventes dos horrores,

ainda temem seus algozes,

como os cães mais raivosos

que ainda causam as dores,

ultrajando a nossa memória.

 

De uma noite para o dia,

a lua cheia ficou vazia;

foi-se embora toda ternura,

porque o carrasco teve anistia,

e a família do desaparecido

ficou sem fazer sua sepultura.

 

Pior ainda é perdurar as trevas,

sem a punição dos assassinos,

que executaram os meninos,

e agora querem outra vez voltar,

para massacrar e humilhar

quem já foi arrastado do seu lar.

 

Está entalado em nossa garganta,

o grito proibido da verdade

dessa memória ultrajada,

que ainda não saiu do porão,

para punir toda brutalidade,

dos generais de plantão.

VOU ASSIM…

Poema de autoria do jornalista e escritor

Jeremias Macário

O sol no dia de fim,

descamba rajado de se ver,

com raios de fogo no ar,

e leva minha vida de viver,

como escrito na profecia,

grudado vai ficar,

o seu cheiro de alecrim.

 

Por aqui ainda em lidas,

as folhas são sacudidas,

como caniços ao vento,

no vai-vem do arrebento,

e a água no quebra-mar,

serena a se acalmar.

 

Vou assim na vida,

lambendo a minha ferida,

tratado como genérico,

de povo africano escravo,

português de rosto ibérico,

lutando como um bravo,

nesta sociedade indiferente,

que engana e se alimenta,

do sistema desta gente.

 

Vou indo assim devagar,

com meu feijão com arroz,

no desvio dos malfeitores,

às vezes o ontem e o hoje,

o amanhã e o depois,

ora cheio de raiva,

ora tomado de amores.

 

Vou no meu devaneio,

de quem nunca teve lar,

sem carta e sem e-mail,

como perdido das ruas,

com a cara na janela,

caçador e caça da vez                            ,

criado numa gamela,

de um mercado tarado,

que todo fim de mês,

enche de contas a pagar,

toda caixa de correio.

 

Na inversão do normal,

na viagem do galopeio,

vou assim no meu trote,

firme no meu arreio,

brandindo meu chicote,

contra esta trama imoral,

que do açúcar fez sal,

fez do errado o correto,

dizendo que sou inseto.

SONHO DO DEVENIR

Senti a pílula do dormir

No apagar dos sentidos.

 

Sonhei que estava sonhando

No devenir do tempo.

 

No sono pensei

Que estava pensando.

 

Conheci feiticeiros da noite

Gentes gritos de dor do açoite.

 

Falei com meu ego

Percebi que estava cego.

 

Na agonia vi um raio do dia

Que caia do rochedo do medo.

 

Não tinha mais céticos

Porque os políticos eram éticos.

 

Todos nas aulas aprendiam a lição

Pra viver como cidadão.

Não havia mais filas dos SUS/ INSS

Nem engarrafamentos e estresse.

 

Os soldados estavam desarmados

Porque todos viviam irmanados.

 

Depois morri no sonho

Do meu eterno devenir.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia