agosto 2020
D S T Q Q S S
« jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: ‘De Olho nas Lentes’

CULTURA NO ESPAÇO

O maluco quer reeditar o tenebroso AI-5 dos anos de chumbo, com o fechamento do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e criar o belzebu da censura contra as artes e à nossa combalida cultura, que divulgamos e aprendemos nos encontros do nosso Sarau Espaço Cultura. Quem vai reeditar o abominável AI-5 do dia 13 de dezembro de 1968? Querem tocar fogo nos livros e proibir reuniões. São os inimigos da cultura, que devemo estar vigilantes e combatê-los com todas as nossas forças. Não podemos deixar a volta desses malignos nazifascistas. Não vão mais tirar a nossa liberdade de expressão. Esses psicopatas têm que passar pelos nossos cadáveres. Reage Brasil!

VERDE QUE TE QUERO

O verde da Praça Tancredo Neves encanta a todos que passam por ali. É de encher os olhos e acalma os mais apressados e estressados. Deixa os namorados mais poéticos, como o florido branco desta árvore captada pelas lentes do jornalista Jeremias Macário. Mesmo assim, Vitória da Conquista carece de muito mais verde para acalmar nossas almas.

PLANETA LIXO

O nosso planeta terra, que bem poderia ser chamado de água, como bem retratou o cancioneiro Guilherme Arantes, poderia também ser denominado de lixo, de tanto o homem sujar em nome da ganancia do lucro e da economia, sem se importar com a destruição do meio ambiente. A foto do jornalista Jeremias Macário, no município de Ituaçu, espelha a situação da maioria das cidades brasileiras que não têm aterro sanitário e jogam o lixo na terra, sem o devido tratamento. Como bem diz o título, é o planeta lixo em que a nossa terra está se transformando, principalmente os resíduos tóxicos, como os hospitalares, os plásticos e os eletrônicos. Ninguém quer saber de reduzir o consumo, mas produzir cada vez mais. O que será das novas gerações? Deixarão de existir porque a terra não suportará com tantas sujeiras, sem contar o aquecimento global advindo do gás carbônico.

SOU MAIS AS CAPELAS

Como bem diz o título, sou mais as capelas do que as catedrais. Nas capelas habita a simplicidade das pessoas que são mais autênticas e sinceras, enquanto as catedrais são mais frequentadas por gentes pedantes, hipócritas, moralistas e falsas que aparentam ser uma coisa, mas no fundo são outra. Nas catedrais existem mais lobos com peles de carneiros. Muitos nem são religiosos, e vão atrás de outros interesses, como acontece com os políticos, visando angariar votos. Só aparecem em épocas de festas. Quanto as capelas, são visitadas por pessoas honestas, mais fervorosos e que têm fé. Nelas pode-se confiar e ainda são prestativas e ajudam o próximo, sem outros interesses individuais. Nelas, existe o sentido de coletividade e irmandade. A foto desta capela, num povoado de Itaberaba, é mais uma, entre outras, do jornalista Jeremias Macário.

LAGOA DAS BATEIAS

Lá só existe mesmo o título, mas nenhuma Lagoa das Bateias, em Vitória da Conquista, que foi tomada pelos esgotos, matos e todo tipo de sujeira, como se pode ver na foto clicada pelo jornalista Jeremias Macário. Os equipamentos foram quebrados, e há anos os moradores e todos os conquistenses pedem ao poder pública a sua urbanização para que seja um local de lazer e entretenimento. Fizeram uma roçagem, mas a situação continua a mesma. Seria mais um local a ser visitado e usado para a prática de esportes.

POUSANDO PRA FOTO

Essa é “cria” do quinta,l e é tão mansa que virou modelo fotográfico. Essa foi um dos flagrantes do jornalista Jeremias Macário. Vive entre as plantas e passeia nas hortas se alimentando de insetos, e até  de folhas. Já alertei para não subir no telhado por causa da infernação dos gatos do vizinho. É parente do jacaré, quiçá dos dinossauros, a chamada lagartixa que é muita encontrada no agreste do nosso sertão. É, normalmente, arisca, mas essa do nosso  quintal gosta de ouvir música e pousa até pra foto. Adora ser fotografada, como se vê na imagem.

NO MEU QUINTAL

Meu quintal é como se fosse minha aldeia onde saio do mundo exterior para mergulhar no meu interior, entre as flores, plantas, inclusive medicinais, e minhas hortas onde colho folhas variadas para o consumo. No meu quintal, foto do jornalista Jeremias Macário, ainda tem um espaço cultural que me enche de vida através do conhecimento dos livros. No meu quintal, curto a vida e até esqueço que ela é passageira. Meu quintal é o meu planeta.

SUSPENSO NO AR

De um lado, a tecnologia destrói o ser humano quando este se deixa levar pelo vazio material do simples prazer egoísta, mas, do outro lado, leva conforto, conhecimento e lazer quando é bem utilizada com sabedoria, como no bonde do Corcovado, no Rio de Janeiro – um flagrante do jornalista Jeremias Macário em suas andanças da vida – que suspenso no ar nos oferece uma bela vista da cidade maravilhosa. Pena que do alto podemos ver outra triste realidade dos morros violentos onde manda a lei do fuzil e da metralhadora. Lá embaixo temos paisagens lindas e feias, infelizmente, um retrato do contraste do nosso Brasil, tão desigual, e agora sendo atacado pelo retrocesso de um maluco desembestado que quer crivar nossa democracia de balas.

VIDA E MORTE NA CANDELÁRIA

Na foto do jornalista Jeremias Macário em suas andanças da vida, a Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro, representa vida e morte, como é o caminho natural de todos nós. Vida porque a Candelária sempre foi espaço ocupado para protestos de jovens e adultos em favor da vida, da liberdade e por uma Brasil melhor para se viver, ou como se diz, um país do futuro. Neste lindo espaço, milhares se concentraram para denunciar os desmandos e as mazelas dos nossos governantes. Morte porque foi ali que um grupo de exterminadores executaram nossos inocentes meninos de rua, numa fria noite em que cada um procurava o calor humano no outro para se esquentar, entre papelões e  velhos  cobertores. Este é o país que não zela pelos seus filhos, e elimina milhões por falta de assistência social e econômica. Nossa Candelária só deveria ser símbolo de vida, mas, infelizmente, é também de morte.

COMO SERÁ NOSSO AMANHÃ?

Ele está lá com sua moderna arquitetura numa paisagem encantadora na Baía da Guanabara com vistas para a Ponte Rio-Niterói. Trata-se do Museu do Amanhã (Rio de Janeiro) que nos convida a entrar e a refletir sobre o nosso futuro, do qual tanto falamos desde criança na escola. Lá dentro, imagens nos encantam e nos faz pensar como será nosso amanhã. Cada um tem o seu amanhã, bom ou ruim, e isso depende do interior de cada pessoa construir o seu, e o do Brasil. A foto foi mais um flagrante do jornalista Jeremias Macário em suas andanças até o poente.

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia