julho 2021
D S T Q Q S S
« jun    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

:: ‘De Olho nas Lentes’

MUITAS PANELAS PARA POUCA COMIDA

 

 

Até que não temos escassez de produtos alimentícios nas feiras livres e nos supermercados. Como na pandemia, infelizmente, estamos vivendo uma alta da inflação onde a classe mais pobre não está conseguindo encher as panelas, que sempre estão vazias.  Temos sim, muitas panelas para pouca comida, e o pior é que existem milhões passando fome no Brasil. Os governos neoliberais e capitalistas subsidiam o agronegócio que só produz grãos, principalmente a soja, para serem comercializados no exterior. Na maior parte, esses produtos são utilizados na ração animal, e o povo passa fome porque não consegue comprar o alimento cotado em dólar. O pequeno agricultor que, na verdade, coloca o alimento na mesa do brasileiro, vive desassistido, sem contar as intempéries do tempos, como as estiagens. É um sistema bruto de muitas panelas para pouca comida. A saída seria vender as panelas para adquirir o  alimento, mas, também não tem comprador. O negócio é encostá-las num canto qualquer da casa, ou do casebre. Fotos do jornalista Jeremias Macário.

CORONAVID

Durante esse amargo período da pandemia, para acalmar meu espírito e passar alguma mensagem para os outros, tenho procurado ocupar o tempo lendo, escrevendo meus textos e versos poéticos, produzido vídeos e, mais recentemente, enveredei pelo terreno tão difícil da escultura, como desafio (não é mesmo meu forte). Nessa investida, passei duas semanas montando uma escultura feita de cipó intitulada “CORONAVID”, uma homenagem ao meu poema e uma fusão do maldito Corona com a Covid. Trata-se de uma figura humana se protegendo com a máscara e, na cabeça, a danada da Covid atacando ou invadindo o globo terrestre. Seja como for, é uma obra conceitual, de protesto contra esse governo genocida que aí está, o pior da história do Brasil, bem como de pesar e lamento pelas mais de 160 mil mortes vítimas desse vírus. Para acabar com isso, queremos vacina, mas o capitão emperra as negociações e responde ao clamou social, dizendo que só se for comprar “da sua mãe”. É tão imbecil ao afirmar que o Brasil é um país de mais de 200 milhões de habitantes e, diante disso, que os laboratórios procurem o país para vender seus produtos. Ora, os países que se planejaram bateram nas portas das companhias farmacêuticas e adquiriram, a muito custo, seus lotes de vacinas. Ele não está nem aí para vacinar o povo brasileiros. Os governadores e prefeitos deveriam sim, redigir uma carta aberta à nação pedindo que esse capitão renuncie à presidência.

AS NUVENS E SUAS IMAGENS

Dizia um político mineiro, se não me engano Tancredo Neves, que a política é como as nuvens. Você olha para os céus e elas estão sempre mudando de lugar. Só faltou afirmar que no Brasil a política muda de acordo com a máxima do toma lá, dá cá. Diferente da nuvem, a política é pilantra, e aqui só se faz politicagem. Mas, não é disso que quero tratar no momento. Na natureza, elas são belas e poéticas. Nos relaxa. Quando carregadas, transmitem esperança de chuvas, ou tristeza de seca quando vazias e ralas. Fora isso, as nuvens, olhando bem para os céus, como na foto do jornalista Jeremias Macário, compõem diversas imagens de pessoas, montanhas, animais selvagens, florestas, acidentes geográficos, colinas, rostos diferentes e ainda fazem aquele efeito vermelho-sangue no pôr-do-sol. Nessa imagem, por exemplo, dá para você navegar na imaginação, como a aparência de um dromedário, ou uma grande ave pré-histórica. Olhando bem, no alto vejo a imagem de um ser humano. Parece também com uma grande avestruz. Gosto sempre de mirar as nuvens e desenhar as minhas imagens em meu cérebro, e logo em seguida aparecem outras. É uma terapia olhar as nuvens e fazer suas imagens. Já olhar a nossa política, dá nojo, irritação, revolta e vergonha. Ela não merece a nossa consideração e passa uma péssima imagem do nosso país aqui dentro e lá fora, no exterior.

O COMÉRCIO INFORMAL DE AMBULANTES

Fotos do jornalista e escritor Jeremias Macário

É meus amigos, se a situação já estava feia para os mais de 13 milhões de desempregados e subutilizados no mercado de trabalho, piorou mais ainda com a chegada da Covid-19 no início do ano passado, e ainda mais agressiva depois de um ano, em razão de diversos fatores, desde um governo genocida até a própria população que não tem senso de coletividade e parte para as aglomerações suicidas. Para sobreviver a esse caos, por falta de estratégia do poder público central, todos se viram como podem, vendendo seus produtos no comércio informal de ambulantes. As ruas e avenidas das capitais e grandes cidades do nosso Brasil estão superlotadas de ambulantes tentando fazer uns trocados para apaziguar a fome. Vitória da Conquista não é exceção. Em todos os lugares, nas portas dos bancos, nas calçadas, em frente dos supermercados, praças e lojas, lá estão eles oferecendo suas mercadorias, como frutas, doces, bombons, chaveiros, artesanatos, bijuterias e outras tantas bugigangas. É claro que deixam a cidade com a cara mais feia, mas fazer o quê diante de tanta pobreza e aprofundamento das desigualdades sociais? A crise só tende a se agravar, e não adianta querer ser otimista porque a realidade está ai bem escancarada. Dias melhores e esperança não caem do céu de graça. O povo tem que se levantar e se indignar com esse quadro tão degradante, para que as coisas mudem. Nada se consegue sem sacrifício e sofrimento, a não ser para eles que se especializaram em roubar a dignidade da população brasileira com suas canalhices, malandragens e ladroagens.

 

DESABRIGADOS

Tem pesquisas que só dizem o óbvio ululante, porque qualquer pessoa com determinado nível de instrução já sabe. Essas pesquisas só têm sentido em termos de quantificação. O IBGE, por exemplo, concluiu que a pandemia do coronavírus aprofundou ainda mais  o fosso entre ricos e pobres. Os números negativos das desigualdades sociais são altos. Isso já está bem visível aos nossos olhos com o aumento da pobreza, dos desabrigados, dos milhões de desempregados e de outros milhões vivendo na miséria, como bem mostram as imagens clicadas através das lentes do jornalista Jeremias Macário nas ruas e avenidas de Vitória da Conquista.  Essas pessoas, que têm uma profissão, (um deles é motorista) estão nas ruas pedindo socorro, passando fome e necessidades de todos os tipos. São de todos lugares como estes personagens das fotos que vieram de Minas Gerais e não têm mais como retornar às suas terras. São como refugiados dentro do seu próprio país que, infelizmente, abandonou seus filhos, numa pátria onde o slogan diz que é amada. São quadros tristes e impactantes, mas que devem ser mostrados. Alguém já disse que o “homem sem pátria é como o rouxinol sem jardim”. É assim que muitos se sentem no Brasil, tão rico com um povo tão pobre. Achamos que não temos culpa pelo que está acontecendo, mas foi a nossa sociedade, com a qual compactuamos, quem criou a fome e a violência.

A FOME TEM A CARA DA MORTE

Foi no clique de suas lentes, na sinaleira da Avenida Luis Eduardo Magalhães, em frente do Estádio Lomanto Júnior, em Vitória da Conquista, que o jornalista Jeremias Macário registrou a cara da danada fome que deixa milhões de brasileiros subnutridos, levando-os até à morte.

A imagem do cartaz “AJUDE, TÔ COM FOME” contém muito mais que mil palavras. É inesgotável, e cada um procura descrever de acordo com seus sentimentos, suas emoções, racionalidades e revoltas. Por si só já é uma imagem de protesto e de denúncia. Sua face é séria e sisuda.

Tem o ditado que diz que ela tem pressa, e essa pessoa com o cartaz na mão, na sinaleira, comprova muito bem isso pelo seu semblante triste de quem pede socorro e misericórdia. Ela estava ali representando milhões de brasileiros que ainda passam fome em pleno século XXI.

Ela (a fome que tem a cara da morte) tem várias origens, desde os desmandos, as más gestões dos governantes e políticos até a corrupção que rouba o pão da boca dos pobres miseráveis. São cenas tristes que, infelizmente, ainda temos que registrar em nossas cidades e em todo Brasil.

Quando ela bate no estômago, a dor se alastra por todo o corpo e vai até o espírito. Digo isso porque já fui vítima dela pelas ruas de Salvador no começo dos anos 70 quando estava iniciando meu curso de Jornalismo na Universidade Federal da Bahia.

Lembro muito bem de tudo quando sempre passava pelas avenidas Carlos Gomes e a Sete de Setembro nos horários de almoço e jantar em frente de bares e restaurantes. Via aquelas pessoas lá dentro se alimentando, e a dor ficava ainda mais doída, mais latente. Ela causa zonzeira na mente e na alma.

Infelizmente, ela está cada vez mais se alastrando pelo país a fora, principalmente agora com os mais de 14 milhões de desempregados e tantos outros milhões que não ganham nem um salário mínimo. É sim, uma vergonha, e não dá para ter orgulho do seu país assim, convivendo com ela lado a lado.

BONS TEMPOS

No clique do jornalista Jeremias Macário, quem não se lembra dos bons tempos dos barzinhos na Praça do Gil? Quando aqui cheguei para chefiar a Sucursal A Tarde, no início dos anos 90, a Praça do Gil (homenagem ao pai de Gilberto Gil) era o ponto de encontro de amigos e namorados nos finais de semana, para tomar umas geladas e comer gostosos tira-gostos. Difícil era encontrar uma mesa para sentar. Era um divertimento só, e não nego que era um frequentador aos domingos. No entanto, tinha um lado negativo que vinha justamente dos carros de som que perturbavam os moradores dos prédios vizinhos. Houve até processos na justiça, e fiz matérias sobre o assunto, reprovando a ação dos baderneiros. Realmente, esse carros de som tiram o sossego dos moradores em qualquer ponto. Depois que começaram a abrir bares na Avenida Olívia Flores, onde se tornou ponto de encontro, a Praça do Gil se transformou num local bem mais tranquilo, e serve até para meditação e parada para se refletir. Ela continua famosa e conhecida de todos os conquistenses. Voltou a ser um local aprazível para se morar.

SÓ AS AVES CONSEGUEM

Bem em frente, na porta do nosso Espaço Cultural a Estrada, onde há dez anos são realizados nossos saraus (interrompidos com a pandemia), uma espécie de pássaro (topete vermelho) fez um ninho majestoso e criou seus filhotes. Tivemos o cuidado de preservar a árvore (florida durante todo o ano) que já estava dificultando a abertura da porta. Discretamente sempre olhava, e fiquei a imaginar o quanto é imensa a sabedoria da natureza. O que mais me chamou a atenção foi a perfeição e o cuidado que o casal teve para montar a casa para seus filhotes. Só as aves conseguem essa perfeição, por mais que o ser humano seja um grande artista artesão. Lembrei do João-de-Barro, da coruja, da arara e de outras aves que constroem seus ninhos bem arquitetados e com toda perfeição. Acompanhei toda trajetória desses pássaros, desde a confecção do ninho, feito de fiapos de capim e outras plantas, até as horas que eles traziam alimentos nos bicos para seus filhos. Era uma alegria só! O mais encantador foi quando os pequenos ganharam as asas da liberdade e voaram pela primeira, tornando-se independentes. Só as aves conseguem essa proeza. Sempre eles retornam para visitar o ninho.

INDIVIDUALISMO E COMODISMO

Um dos males do nosso país é o individualismo, muito parecido com o comodismo, que anda de mãos dadas com o desrespeito aos outros. Ele está visível em todas as partes, principalmente nessa época de pandemia onde ainda tem gente imbecil que berra ser livre para andar sem máscara, e até não tomar a vacina. No trânsito ele anda a mil por hora. Sinceramente, é de dar raiva! Os caras param bem em frente de um sinal proibido e liga o alerta, como se isso estivesse acima da lei de trânsito e anulasse o sinal de que ali não pode parar. Em frente ao Banco do Brasil, na Avenida Olívia Flores, é de estarrece como o ser humano é individualista e comodista. Existe a sinalização horizontal e vertical indicando não estacionar, mas o motorista comodista insiste. Só falta parar o carro dentro do banco. Logo mais na frente tem uma transversal onde existem vagas, mas o indivíduo acha que dá muito trabalho ir até lá e voltar andando até a agência para realizar sua transação bancária. Confesso mesmo que não consigo entender essa gente. Dia desses, presenciei a chegada de agentes do trânsito que ainda tiveram a tolerância de chamar a atenção dos donos dos veículos irregulares de que no local é proibido estacionar, e lá está a sinalização. Será que eles são cegos e dirigem? Por toda a cidade, a desobediência às leis de trânsito estão por todas as partes através de dirigir e falar no celular; não usar o cinto de segurança; dar “roubadinhas”;  e estacionar nas avenidas Juracy Magalhães, Luís Eduardo e outras, tomando uma pista. Essas pessoas não deveriam viver em sociedade, pois elas nem estão aí para os outros, e ainda chamam os políticos de safados, ladrões, corruptos e egoístas.

É TEMPO DE REZAR

Nessa pandemia onde os brutos se infestam nas festas, baladas e aglomerações, com mais de 200 mil mortes no Brasil, o que mais se fala é se ter esperança e fé, de que tudo vai passar. A questão é quando tudo isso vai passar. Com tantas incertezas, num país sem comando, é tempo de rezar e se meditar sobre a vida e a morte. Dar um mergulho em si mesmo. O povo brasileiro está sem um guia. Aliás, tem um capitão na presidência que só fala barbaridades e torce para que mais pessoas morram quando dificulta os programas de isolamento e o processo de vacinação, soltando fake news  de terror para seus seguidores malucos extremistas. Na tormenta, o nosso povo se apega na fé e na religião, de acordo com o credo de cada um, mas isso só não basta. Está escrito nas escrituras quando Deus disse: Faça por ti que te ajudarei. Temos que reagir, denunciar, protestar, contestar para que essa situação de desastre e abismo se dissipe, para que essa tempestade cesse e tenhamos dias melhores. Não basta só ter otimismo. Muitos têm encontrado paz e mais tranquilidade na Igreja e na Praça Tancredo Neves. O local nos faz refletir sobre esses momentos tão cruéis e de tantas perdas de parentes e amigos para esta peste que está ceifando vidas humanas em todo planeta. Cada um reza ao seu modo. A imagem da foto clicada pelo jornalista Jeremias Macário nos leva a várias reflexões, como a de não ser egoísta e individualista, bem como, preservar a nossa natureza e sermos mais humanos no sentido filosófico do ser.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia