setembro 2020
D S T Q Q S S
« ago    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

:: ‘De Olho nas Lentes’

A CARA DA MISÉRIA!

A triste imagem é um flagrante “pipocado” das lentes da máquina do jornalista Jeremias Macário, que retrata a miséria em nosso país, piorando cada vez mais nos últimos anos. Pesquisa recente do IBGE registrou mais de 20 milhões de brasileiros que vivem hoje na extrema pobreza, o que quer dizer, passando fome, uma tremenda vergonha para o Brasil que não cuida de seus filhos. A foto é de moradores de rua, em Vitória da Conquista, na Praça Barão do Rio Branco, que se somam a outros milhares ou milhões espalhados em todo país. Na mesma situação, ou até pior, existem as milhares de famílias que vivem amontoadas em casebres  sujos, expostas aos esgotos a céu aberto, com crianças e idosos que dormem com a barriga vazia e acordam como mortos-vivos zumbis. Para piorar mais ainda o quadro, são os mais vulneráveis à pandemia. Já disse o poeta cancioneiro que “o Haiti é aqui”. Enquanto isso, o resto da nação menos pobre sustenta  várias castas nos poderes com suas mordomias de supersalários,  que ainda dão o luxo de roubar e não serem punidos. A maioria que foi presa pela Força Tarefa da Lava Jato, em estado terminal, está voltando para suas casas, para reorganizar suas quadrilhas de corruptos. Com todo esse quadro de miséria, o Brasil mantém um Congresso Nacional, 27 assembleias legislativas e mais de cinco mil câmaras de vereadores mais caros do mundo. É o paradoxo de um país rico que exibe para o mundo um dos piores índices em termos de desigualdade social. Tudo isso porque assassinaram a educação. Na falta dela, só ignorância, submissão, alienação, opressão e injustiças, que os governantes aproveitam para a perpetuação no poder. Mais pobreza e mais crianças nas ruas a chorar de fome! Todo essa situação só faz engrossar o caldo da violência. Os pobres geram mais filhos, e a fé na religião diz que foi assim que Deus quis. Triste Brasil! Oh quanta dessemelhança!

NAS SINALEIRAS!

Fotos do jornalista e escritor Jeremias Macário. Procure e leia seus livros, artigos, crônicas, comentários e poesia.

As sinaleiras não somente servem para controlar o fluxo e o trânsito de veículos nas médias e grandes cidades, visando evitar acidentes graves, às vezes, com morte. Elas preservam vidas e devem ser obedecidas pelos motoristas, mas também, as paradas de minutos mostram outras realidades sociológicas, mercadológicas, filosóficas e até de entretenimento. Nelas, as crianças vendem balas, doces e alimentos variados para sobreviverem neste duro quadro social desigual do nosso Brasil. É o trabalho infantil que o capitão-presidente defende, quando o menor deveria estar nas escolas, ou brincando. Ali está a cara do nosso subdesenvolvimento e da falta de educação. Aparecem também os adultos pedintes, muitos dos quais por necessidade financeira, inclusive por se juntarem aos milhões de desempregado, mas tem os oportunista que fazem por preguiça e até para manter o vício das drogas. As sinaleiras também atraem os bandidos, principalmente à noite, para praticarem assaltos, muitas vezes com assassinatos. Tem ainda aqueles que aparecem para alegrar e tirar muita gente do estresse cotidiano, fazendo acrobacias e malabarismo. É a turma do entretenimento que sua para conseguir alguns trocados. Nelas se vendem água, frutas, artesanato e se distribui panfletos e propagandas de empresa. Elas também são chamas para os candidatos políticos, principalmente em época de eleições como agora, com os tais “santinhos”. Cuidado com os falsos profetas que prometem um monte de coisas e quando estão lá só fazem roubar e trair o eleitor. As sinaleiras também servem para o motorista apressado relaxar um pouco e pensar, por instantes, na vida que está lhe levando. Elas permitem até dar um beijo no amor ao lado, contando que não seja longo para não perder a atenção. Nas cores, o vermelho é um breque, o amarelo é o mais preocupante, embora represente o dourado, e o verde é a esperança de seguir em frente. O vermelho pode ainda ser sangue quando alguém tira a vida do seu semelhante, por vários motivos. Muitas vezes, as sinaleiras têm sido locais de ocorrências policiais, ou de uma troca de conversa com um conhecido que há muito tempo não é visto. Pode ser a oportunidade de passar seu telefone, ou seu Zap. Elas são pontos de comunicação e tem mais utilidades. É só usar a sua imaginação.

DE CONQUISTA BROTAM BAIRROS

Foto do jornalista Jeremias Macário

Quando aqui cheguei, há quase 30 anos, para assumir a chefia da Sucursal do Jornal A Tarde, Vitória da Conquista tinha poucos bairros, e os mais conhecidos eram Alto Maron, Candeias, Recreio, Bairro Brasil, Ibirapuera, Patagônia, Kadija, Jurema, Guarani, dentre outros. De lá pra cá, a cidade experimentou um dos maiores crescimentos do Brasil, principalmente no final dos anos 90 e início dos anos 2000, e um dos fatores que mais contribuiu para isso foi o avanço na educação, com novas faculdades públicas e particulares. A construção civil foi o setor que mais se beneficiou com a vinda de novos estabelecimentos de ensino superior. Desse desenvolvimento brotaram novos “bairros” que, na verdade, não passam de logradouros e loteamentos que precisam ser oficialmente ordenados pelo poder público através de um novo Plano Diretor que nunca chega. Na falta desse planejamento, criou-se uma tremenda confusão, e qualquer ajuntamento de ruas termina virando nome de bairro, dado pelos próprios moradores. São tantos que aparecem todos os dias na mídia, que se for fazer uma lista, o número ultrapassa os 170 bairros existentes em Salvador. Onde resido, por exemplo, existem três CEPs com denominações de Jardim Guanabara, Felícia e Jatobá. Tem ainda quem chame de Filipinas. Cada conjunto de casas e pequenas ruas viram um bairro, e cada um dá um nome e endereço diferentes, criando um sério problema para os correios. É preciso que no próximo ano, no mais tardar, a Câmara de Vereadores estude a fundo esta questão e aprove o novo Plano Diretor, fazendo um ordenamento oficial dos bairros, bem como, dos nomes das ruas, que é outra torre de babel, com números de casas repetidos e desencontrados. Onde moro, por exemplo, a rua é conhecida como “G” e também de Veríssimo Ferraz de Mello. Em cada conta tenho um comprovante de endereço diferente. E cada vez mais brotam bairros em Conquista!

A PANDEMIA E OS LIVROS

Fotos do jornalista Jeremias Macário

Tem muita gente que nesta pandemia, que já ceifou a vida de quase 120 mil pessoas no Brasil, entrou em estado de medo, pânico e ansiedade. Aqueles que se confinaram, partiu para usar mais ainda a tecnologia do celular, se internando nas redes sociais, ou nos programas de televisão durante todo o dia. Outros, com maior poder aquisitivo, passaram até a comer muito mais, engrossando os grupos da obesidade, adquirindo outras doenças. Aos mais pobres, faltou  alimentos na mesa, e as preocupações aumentaram para se manterem vivos nessa onda viral. Adolescentes e jovens, muitos deles, caíram nas festas de paredões, contaminando mais gente e até pais e parentes. Tudo isso poderia ser amenizado se o nosso país tivesse o hábito da leitura, de viajar nas histórias dos livros. Um bom livro faz a alma continuar viva, mais forte e resistente, jogando para bem longe as ansiedades e a depressão. Infelizmente, ainda somos uma nação com baixo índice de leitura, mesmo em comparação a muitos dos nossos países vizinhos, como Argentina, Uruguai, Colômbia e outros. Não vou aqui nem listar os países da Europa porque seria um disparate. Como se não bastasse essa deficiência na leitura de livros, em decorrência de uma educação que deixa a desejar, temos agora um governo autoritário e fascista que está acabando com a nossa cultura, que despreza o conhecimento intelectual e até nega a ciência. Não adianta em nada falar em futuro melhor, se não tivermos uma boa educação e um nível cultural elevado. Não valorizamos nosso patrimônio cultural e artístico. Ao contrário, vandalizamos nossos monumentos e personagens da nossa história. Cure sua ansiedade e se livre da depressão com um livro na mão. Não dê desculpas para si mesmo, de que não tem tempo quando ele está sendo mais ocupado na internet, muitas vezes destilando ódio e intolerância nas redes sociais, ou acompanhando e vendo coisas fúteis.

POR UM AUXÍLIO

E continuam as intermináveis filas nas agências da Caixa Econômica, como na foto do jornalista Jeremias Macário, tudo por um auxílio emergencial do governo federal que está usando o momento para fazer seu populismo com o dinheiro do próprio brasileiro trabalhador, desempregado e desamparado. Os milhões de invisíveis apareceram. É muito sofrimento e humilhação que não tem fim neste país, passando de governo a governo, que utiliza desse expediente de esmolas para se perpetuar no poder. Infelizmente, a maioria do nosso povo é inculta e sem consciência política para entender que os políticos se apropriam desse ponto fraco para manipular o eleitor nos momentos mais difíceis, como o que o Brasil está atravessando. O pior é que a nossa nação continua sendo massa de manobra por falta de educação, que eles próprios negam de propósito. Podem me chamar de pessimista, mas não acredito num futuro melhor enquanto permanecer essa política de deixar a população na miséria para dela se aproveitar.  Mesmo diante das dificuldades com o emaranhado burocrático (muitos passam o dia numa fila e voltam pra casa sem nada), esse povo acha o governo”bonzinho” e “caridoso”. É o mesmo que dar esmolas com o chapéu dos outros. É a tática de piorar mais ainda, negando o vírus e a ciência, receitando cloroquina e nem dando a mínima para as mais de 100 mil mortes, para capitalizar simpatia e aprovação com o auxílio emergencial. Não se enganem! Até quando vão abusar da nossa paciência?

O SARAU E A COVID-19

Há quase seis meses (o último foi no início de fevereiro – dia 7) que o nosso Sarau Cultural A Estrada deixou de ser realizado, de reunir nosso grupo, e nem é preciso explicar os motivos. Não posso falar por todos, mas acredito que os frequentadores estão com saudades dos nossos encontros bimensais todos os sábados, com aquela alegria fraternal, com aqueles abraços, descontração e, principalmente, dos temas abordados, das declamações de poemas e causos (Jhesus, Dorinho, Itamar e tantos outros), das piadas e das violadas cancioneiras da música popular brasileira com Mano Di Souza, Baducha, Moacyr Mocego, Walter Lages, Gabiru e outros tantos músicos e artistas visitantes. Tentamos recomeçar em agosto, mas houve posições contrárias, pois o tal coronavírus ainda não nos deu uma trégua. Diante dessa situação, não temos condições de fazer um sarau presencial, mas José Carlos deu a ideia de realizarmos um evento virtual para matarmos a saudade, talvez no próximo sábado à noite, dia 22, para quem estiver interessado num papo descontraído. No início do ano estávamos traçando um plano para comemorarmos os dez anos do nosso Sarau, completados em julho. Pena que tudo foi desfeito, e não sabemos se ainda vamos festejar esta data neste ano de 2020, tão importante para a nossa iniciativa cultural que começou em 2010 num encontro de amigos com o nome de “Vinho Vinil”, onde só entrava o vinho e só se ouvia os velhos e saudosistas vinis (bolachões) com aquelas lindas capas de boas músicas de grandes e eternos compositores e cantores. Da minha parte, sempre aos sábados, sinto um grande vazio no “Espaço Cultural A Estrada” quando decido, com a anfitriã da casa e minha esposa Vandilza, tomar um vinho e ouvir um som. Imagino todos reunidos naquele barulho e sempre pedindo silêncio para a fala, ou apresentação do artista. Lembro todos chegando com suas colaborações de bebidas e comidas, para incrementar nossos eventos que, de tão bons, varavam a madrugada.

 

O VÍRUS E O FRIO

Nesses tempos de pandemia, Vitória da Conquista está mais vazia e sua gente tem procurado se afastar das ruas por causa do vírus e também do frio, que em muitas noites tem marcado 12 e 10 graus com a sensação térmica de até 7 graus. Como em todo planeta, por irônico que pareça, o meio ambiente tem agradecido à Covid-19 pela redução da poluição através das paradas e das limitações no funcionamento das indústrias, do comércio e dos serviços, apesar de ter causado até agora quase 100 mil mortes somente no Brasil. Quanto ao frio gelado, tem sido difícil suportar as temperaturas baixas e sempre os mais pobres são os que mais sofrem nas periferias em suas casas apertadas e com pouca proteção. Aliás, com relação ao vírus, acontece o mesmo. É a categoria mais atingida por diversos fatores que todos já sabem, como o baixo poder aquisitivo, o desemprego e menos recursos para se proteger da doença, que em Conquista se agrava a cada dia, principalmente com a reabertura do comércio. Essa imagem do centro da cidade, na Praça Barão do Rio Branco, foi captada pelo jornalista Jeremias Macário.  O frio vai logo passar. E o vírus também vai, mas não se sabe quando.

EM TEMPOS DE PANDEMIA

Em tempos de pandemia, só o capitão-presidente pega “mofo” por ter ficado em casa 20 dias, contrariando a ciência e a recomendação dos infectologistas e epidemiologistas. Ele quis dizer, indiretamente, para os brasileiros não ficarem em casa. Seu incentivo é que haja aglomeração. Nem acredito no teste dele. Pois é, ficar em casa só pega “mofo” quem não usa a mente e o corpo para produzir algo de bom para si e para os outros, como minhas hortas em casa, escrever, ler, fazer vídeos com poemas, esculturas, exercícios físicos  e inventar outras coisas para manter a mente sã e o corpo são. Desde que começou a Covid-19, tenho procurado ficar em casa, quando possível, ocupando minhas 24 horas a que ainda tenho direito. Nesses tempos, procure ocupar sua mente mais que o corpo, inclusive com leituras que, infelizmente, é o hábito de poucas pessoas. Essa horta é um dos meus frutos em tempos de pandemia. Esse cara do” mofo”, lamentavelmente, ainda tem seguidores da morte, ou do seu próprio mofo, que utilizam o tempo para contaminar os outros com seus radicalismos, racismos, ódios, fascismos e fundamentalismos. Propagam por ai o que há de pior em termos de retrocesso humano. Na foto do jornalista Jeremias Macário

AQUECENDO O INVERNO

Estamos na cidade baiana do frio, como é conhecida Vitória da Conquista, mas também dos biscoitos que aquecem o nosso inverno, que nesta época tem girado em torno de 12 a 10 graus, e até 8 e 7 nas madrugadas geladas. Não é somente o vinho, o preferido nesse tempo do ano, mas já imaginou uns biscoitinhos, casados com o café quente, para aquecer  essa noites, com o corpo bem protegido! Pois é, mesmo com a pandemia, que tirou muita gente das ruas e empobreceu milhares, o biscoito ainda tem o seu lugar em alta nas vendas. Há anos que Conquista tem se destacado na produção de biscoitos com uma variedades de ingredientes e sabores para todos os gostos, como na imagem clicada pelo jornalista Jeremias Macário no Centro da Ceasa. Quem visita a cidade, geralmente não deixa de levar seus pacotinhos de biscoitos, e quem vai a outros municípios sempre leva essas especialidades como presentes para amigos e parentes. Os biscoitos de Conquista se tornaram famosos até em outros estados, e estão sempre aquecendo o nosso frio. Não quer dizer com isso que essas delícias também não são consumidas no verão! São iguarias para todo ano.

CENÁRIO IMPROVISADO

Foto de José Carlos D´Almeida, nosso câmara e um dos diretores dos nossos vídeos que estamos realizando desde março quando começou a quarentena da Covid-19 no Brasil, que  parece não mais terminar. Para cada assunto, sempre improvisamos um cenário e figurino. Neste último vídeo improvisamos de acordo com o tema que foi sobre a Intervenção Militar, ou ditadura, como queira, com o título “Brasil, Nunca Mais”! Já realizamos 13 vídeos enviados para nossos grupos, amigos e parentes. Estamos finalizando um curta-metragem, contando com a colaboração financeira de diversos admiradores do nosso trabalho, como Almerinda Gonçalves, Carlos Gonzalez, Ciro Macário, Itamar Aguiar, Jovino Moreira, Tânia Gusmão, Rócia e Dadai Almeida e Dr. Saúde. Com interpretações de Jeremias Macário e Vandilza Gonçalves, os vídeos têm a produção dos 10 anos do Sarau Espaço Cultural A Estrada.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia