Poema acabado de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário

Nasci na Região dos Grandes Lagos,

Ao pé do Baobá da Montanha da Lua,

Entre reis e adivinhos de Muzagos,

Onde a livre aldeia da mãe terra flutua,

No triângulo dourado da escravidão,

Nas visões geográficas das Áfricas.

 

Sou do Congo belga sanguinário,

Da Etiópia do Mussolini ditador,

Da Argélia dos tambores da dor.

Da Península Ibérica das Áfricas

 

Cresci bantu-ketu-jeje Magrebe,

Lamento negro criado no arado,

Sou do Crescente Fértil sumério,

Um lambuzo do império mulato,

Nas visões lendárias das Áfricas.

 

Não mais gado domado do colonizador,

Sou a voz de Mandela, sim Senghor,

Soynka, Mia Couto, Diop, Chebel e Cabral,

Fela-Kuti, Fanon, Mudimbe e Fatema,

Pan-africano com minha raiz cultural,

Na arte da escrita, da música e do cinema,

Nas visões dos “Intelectuais das Áfricas”.

 

Sou da Guiné, Benin, Angola e Senegal,

Rota das correntes, massacres de horror,

Carnes da negritude curadas com sal,

Forte como as ondas do mar Orixá Criador,

Nas visões históricas islã das Áfricas.