Versos do jornalista e escritor Jeremias Macário, publicados em seu último livro  “ANDANÇAS”

Cidadão é não ter os seus direitos,

Dissolvidos na maior concentração;

Ser alimento no covil dos malfeitos,

E perambular na renda da contramão.

 

É ser eleitor e só servir para votar;

Viajar de avião uma vez na promoção;

Comer uma pizza com angu e caviar;

E humilhar esmola na fila do bolsão.

 

É pensar que existe uma democracia,

Onde o povo imagina estar no poder;

Que a submissão faz parte da cidadania,

E que a desigualdade já nasce com você.

 

Não importa se de fome a barriga dói,

Se todo ano tem uma festa de carnaval,

Quando se tem no peito seu ídolo herói,

E seu time foi classificado para a final.

 

Ser cidadão é ter orgulho do seu Brasil;

Não ter saúde e educação de qualidade;

Não ser honesto para não ser imbecil,

E não ligar para o regime da impunidade.

 

Autoestima é sediar os jogos olímpicos;

Armar barraquinhas na Copa do Mundo;

Virar elefantes depois dos paralímpicos;

E continuar resignados em sono profundo.

 

O barão condenado sorri em liberdade;

É que ele ainda está sendo o investigado;

O dezessete perigoso é menor de idade,

E o povo ferrado vai vagando como gado.

 

Deixaram queimar na Antártida nossa base;

Nos jogaram no lodo, sem saneamento básico;

Tem classe sem classe que não sabe uma frase,

E o roubo do bem público virou nosso clássico.

 

Já se falou em botar um astronauta no espaço,

Mas forças invisíveis retorceram os cientistas,

Lá em Alcântara, no país do reboco e do aço,

Musicado nas rimadas dos mestres cordelistas.

 

Uma cadeira na ONU por qualquer bagulho;

Não importa se já aprendemos a nossa lição,

Se os partidos políticos viraram um entulho,

Vivendo todos marchando nas ruas sem razão.