junho 2021
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

:: 24/jun/2021 . 22:20

QUEIMADAS NA CAATINGA

Foto do jornalista João Martins

A foto do meu amigo e companheiro jornalista, João Martins, me lembra muito quando atuava como chefe da Sucursal do Jornal A Tarde de Vitória da Conquista e elaborávamos muitas matérias denunciativas sobre a derrubada de árvores da caatinga para serem queimadas em fornos e se transformarem em carvão. A grande maioria das queimadas era irregular, como o transporte do carvão para as siderúrgicas mineiras. Ele pela revista “Integração”, e eu com meu amigo fotógrafo José Silva pelo o A Tarde estampávamos reportagens denunciando os destruidores do nosso milenar bioma, chamando a atenção de que a caatinga ia virar um deserto. De certa forma isso ocorreu em várias partes do nosso sertão. Em nossas andanças, cortando estradas por esse semi-árido cruzávamos com caminhões rumo a Minas Gerais, principalmente. Nos postos de combustíveis lá eles estavam carregados de carvão. Como era muito perigoso para a nossa profissão, tinhamos que ter muito cuidado para flagrar  os fornos no meio da caatinga e o transporte, quase sempre clandestinos. Os fornos sempre usavam mão-de-0bra, que muito lembrava o sistema escravagista diante das condições dos trabalhadores, inclusive crianças de rostos esfumaçados e doentes dos pulmões. Conversei com meu amigo João sobre o assunto e, para meu alívio, disse-me que esse quadro praticamente não mais existe devido a intensa vigilância e fiscalização do Inema. É uma boa notícia, mas os estragos ficaram na paisagem da nossa natureza, difíceis de serem recuperados quando se trata da caatinga, sempre seca.  Os municípios que mais queimavam carvão eram Sebastião das Laranjeiras, Palmas de Monte Alto, Caculé, Igaporã, Riacho de Santana, dentre outros.

VIOLAÇÃO

Poema de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, do seu último livro “ANDANÇAS”

Mesmo o mais contrito do santo,

Tem no seu lamento o seu pranto,

Com a revolta varando o seu peito,

Pela violação sagrada do direito.

 

A alma em secura não mais chora;

Tortura do pau-de-arara e choque;

Abafa os gritos, a censura lá fora,

Calando canção suingada do Rock.

 

Nos porões desaparecem os mortos,

Na selva sepultam quebrados corpos,

Sem punição, sangrados como porcos.

 

A justiça cheira como um coliforme,

E nas cadeias simulam os suicídios,

Com mentiras impostas pelo uniforme.

DE ESTILINGUE A FOGOS DE SÃO JOÃO

Eu e meus compadres João Catingueiro, de Guanambi, e Vate da Viola, mais os cabras Severino e Sirino já estamos de mochilas prontas para partir para o Vale dos Cocais de Goiás em busca do fugidor Lázaro Barbosa que há 15 dias está dando uma canseira danada no batalhão de quase 300 policiais, drones, helicópteros e viaturas armadas de metralhadoras, bombas e fuzis.

O homem virou bicho invisível com a rezas de São Supriano da Capa Preta, capaz de se transformar em touco, uma moita, animais e tantos outros seres, como num encantamento, como disse o professor Itamar Aguiar, para se despistar da tropa e dos aparelhos sofisticados de raios lasers da tecnologia que detectam até o calor do seu corpo.

Para desfazer essas mudanças feiticeiras do cara, vamos levando também um pajé Jarê da Chapada Diamantina, e ai ele vai ficar visível para levar umas estilingadas dos nossos potentes badogues que têm um alcance de até 500 metros, sem escapatória. Vai ser certeira na testa dele. Vai cair como um Golias. Vamos pegar o sujeito na unha!

Nas mochilas também vão umas rapaduras com carne seca, facões, peixeiras e cordas para laçar a fera, se for preciso. Ah, vamos levar ainda uns pacotes de cloroquina para caso de malária e como iscas, pois o danado gosta da bicha, e vem no faro.  Se demorar mais, o Lázaro vai passar a ser chamado de Lampião e ter sua Maria Bonita. Ai, está montado o cangaço goiano, ou até pode ser um João Requisado, da Chapada, que botou tropas do governo para correr lá da serra.

Antes de partir para esta jornada heroica, de dormir dentro de matas, copas de árvores, grunas e cavernas, ouço daqui da minha casa o pipocar dos fogos juninos, que essa gente insiste em fazer festas, mesmo com o cancelamento oficial do Governo do Estado que pede para ninguém se aglomerar, porque a maldita Covid está solta no ar, e até adora fumaça de fogueiras.

Aqui mesmo em nossa rua, no Jardim Guanabara, na casa de eventos Paradise,  o pau comeu até de madrugada, com muita cachaça, ajuntamento e som alto perturbador do silêncio. Seu dono é um transgressor da lei. Cadê a fiscalização do estado e da prefeitura? Depois ficam ai dizendo que o Papa Francisco está errado quando falou que não existe salvação para os brasileiros.

Como aconteceu no ano passado, é sempre aquela história de que “se Deus quiser vamos fazer a festança no próximo 2022”.  Mesmo sem disciplina e conscientização, fazendo paredões, bailes, eventos clandestinos, bares cheios em finais de semana, muita cachaça e zoeira, sem máscaras e álcool-gel, o povo joga toda responsabilidade para Deus. Ele tem que se virar nos 30. Tudo é se Deus quiser.

Deus já está cheio de tanto pedir, sem você fazer sua parte. Seu recado é de que estamos colhendo o que plantamos lá atrás, inclusive elegendo um desequilibrado louco para a presidência da República, que já nos chamou de “maricas” e de outros nomes de baixo calão. Nessa terra do atraso, da falta de educação e cultura, do egoísmo, da indiferença e da negação da ciência, tudo é Deus pra lá, Deus pra cá, até em time de futebol e jogos de sinuca e baralho.

Dia desses indaguei a um camarada, meu amigo, se vamos ter São João no próximo ano de 2022, e ele respondeu na tampa: “Se Deus quiser”. Nem se deu ao trabalho de dar uma olhada na nossa ficha pregressa, um boletim de ocorrências maldosas que dá para atravessar todo Oceano Atlântico até a Europa.

Mesmo com fome e desempregado, brasileiro arranja um jeitinho de fazer festa. Enche a casa de filhos e fica dizendo que foi Deus que quis. Quando alguém morre de Covid, foi Deus que levou porque estava no seu designo. Não respeita os outros e abre a boca para afirmar que tem o direito de ir e vir, e que é livre para não usar máscara.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia