TORTURAS E EM TERRAS ALEMÃS RUMO À VITÓRIA

As mulheres russas prisioneiras que lutaram na II Guerra Mundial contam como foram torturadas pelos alemães, e o que viram quando atravessaram a fronteira da Alemanha em direção a Berlim, em 1945, no livro “A Guerra não Tem Rosto de Mulher”, da escritora Svetlana Aleksiévitch.

Recomendo sua leitura por se tratar de uma obra inédita que mostra a atuação das mulheres durante a Grande Guerra.  Esse livro e outros, como “O Fim do Homem Soviético”, lhe renderam o prêmio Nobel de Literatura de 2015.

“Chegamos na primeira frente Bielorrúsia… Vinte e sete garotas… O sentido geral era que as meninas fossem comoventes como rosas de maio, que a guerra não mutilasse suas almas. De acordo com um depoimento colhida em entrevista, “antes não tínhamos tido tempo nem de dar um beijo. Encarávamos essas coisas com mais severidade que nos tempos de hoje”.

“Beijar alguém, para nós, era se apaixonar por toda vida”. A testemunha conta que o amor no front era proibido. Se o comandante soubesse, via de regra, separava os casais e transferia para outras unidades. Mesmo assim, elas se ariscavam e se apaixonavam. “Eu era esposa de campo e campanha. Esposa de guerra. Quem não falou disso foi por vergonha. Ficaram caladas”.

Para os homens numa guerra é difícil passar quatro anos sem uma mulher. “No nosso exército não havia bordeis, nem pílulas. Só os comandantes podiam se permitir a algo, mas os soldados, não”. “Eu o amava. Ia com ele para a batalha, mas ele tinha uma mulher que amava, dois filhos. Sabia que ele não seria feliz sem mim. No fim da guerra eu engravidei. Criei nossa filha sozinha. Ele não me ajudou. Acabou a guerra. Acabou o amor. Deixou uma foto de lembrança e não queria que a guerra acabasse”.

“Eu o amei por toda vida. Já estou velha e não me arrependo” – de uma enfermeira instrutora. De outra, “eu não queria juntar amor com aquilo. Naquelas circunstâncias, o amor morreria num instante. Sem triunfo, sem beleza, como pode haver amor”?

Sobre a solidão de uma bala e de uma pessoa: “A bala é uma só. O ser humano é um só. A bala voa para onde quiser. O destino manipula uma pessoa para onde quiser. Não nos é permitido penetrar no mistério. Gritaram para nós, Vitória! Lembro do primeiro sentimento de alegria e também medo e pânico. Sobramos mamãe e eu, duas mulheres. Antes tínhamos medo da morte, e agora da vida. Era igualmente assustador”. Depois da guerra gritavam para nós: “Sabemos o que vocês faziam lá. Seduziam nossos homens. Putas do front, Cadelas militares. Nos ofendiam de várias maneiras. Eu precisava aprender ser carinhosa. Meus pés se alargaram de tanto usar botas. Na guerra não há cheiros femininos, são todos masculinos. A guerra tem cheiro de homem”.

“Hitler, depois de Napoleão, reclamava com seus generais que a Rússia não segue as regras de combate. Até hoje tenho nos ouvidos o grito de uma criança quando foi atirada dentro de um poço”. Essa é uma referência aos alemães. “Ver um rapaz jovem ser esquartejado por uma serra. Um partisan dos nossos”.

“A Gestapo prendeu minha mãe. Foi torturada e interrogada. Ficou dois anos lá. Os fascistas mandavam minha mãe e outras mulheres na frente quando saíam para as operações. Víamos umas mulheres andando e atrás delas os alemães. Em 1943, os fascistas fuzilaram minha mãe. Em vez de morrer por nada, é melhor morrer, mas não por nada”. Ela (sua mãe) usava um lencinho branco. “Eu atirava para o lado de onde ela estava vindo”.

Sobre os massacres nas aldeias, uma testemunha contou como eles tinham sido fuzilados. Enquanto eram levados para o galpão, mataram as crianças. “O fascista sinalizava: Jogue para cima, vou atirar. A mãe jogou a criança de forma que ela mesma a matasse, para que o alemão não tivesse tempo de atirar.

“Os feridos se alimentavam de colheradas de sal. O que seria de nós sem a população? Éramos um exército inteiro na floresta, mas sem eles teríamos morrido. Eles semeavam, lavravam a terra quando não havia tiros. As pessoas estavam apodrecendo em vida, morrendo de fome. Tinham comido todas as folhas das árvores”.

“Sempre acreditei em Stalin… Acreditei nos comunistas… Eu mesma era comunista. Vivia por ele. Depois do discurso de Khruschóv no XX Congresso, em que ele contou os erros de Stalin, adoeci, cai de cama. Não conseguia acreditar que era verdade”.

“Lutei dois anos na resistência. Perdi as pernas. Fui salva ali mesmo na floresta. A operação foi feita nas condições mais primitivas. Me puseram na mesa de operações, e não tinha nem iodo. Serraram minhas pernas com uma serra simples, sem anestesia”.

Sobre as torturas, uma prisioneira narra que nos interrogatórios da Gestapo, todo dia esperava que a porta se abrisse  e entrassem seus parentes. “Eu sabia onde tinha ido parar, e estava feliz porque não traíra ninguém. Mais do que morrer, tínhamos medo de trair. Só quando tudo acabava e me arrastavam para a cela é que eu começava a sentir dor, e aparecia a ferida. Eu virava uma grande ferida. Batiam em mim, me penduravam, sempre completamente nua. Elas estavam morrendo nos porões da Gestapo. Era um inferno! A minha vontade de viver me salvou”.

A escritora cita a história de uma mulher que decidiu ir para a resistência com a filha e lá, como mensageira, tinha que levar uma máquina de escrever. Mesmo em perigo, em meio ao tiroteio, ela levava a criança e não soltava a máquina. Nem todos os homens conseguiriam fazer isso. O comandante ficou estupefato com aquilo. Quando saímos do cerco, estava coberta de furúnculos, a pele caiando.

“Quando me levaram para a prisão, me chutaram com botas, me açoitavam com chicotes. Aprendi o que era manicure dos fascistas. Colocavam sua mão sobre uma mesa, e uma espécie de máquina espetava agulhas debaixo de suas unhas. É uma dor infernal. Você perde a consciência na hora. Você escuta seus ossos estalando e se deslocando”.

“Fui condenada à pena de morte com outras 20 garotas. Nos arrastaram para uns barracões e lá tinha uma mulher dando de mamar ao bebê. O comandante tirou a criança dos braços da mãe. Tinha uma bica de água, e ele ficou batendo a criança contra o ferro. O cérebro começou a escorrer”.

“Em 1945 me mandaram para os trabalhos forçados dos fascistas. Fui parar no campo de concentração de Croisette, na margem do canal da Mancha. No Dia da Comuna de Paris, os franceses organizaram uma fuga. Sai e me juntei aos maquis”.