Alguém já me disse certa vez que uma flor, é simplesmente uma flor, e mais nada, mas é muito mais que isso. Embora ela em pouco tempo desapareça ou murche, fica dentro do coração de alguém. Duvido que alguém, por mais seco e empedernido que seja, olhe para uma flor e não exale sentimentos, recordações, ou não faça uma reflexão da vida. Ela pode até lembrar amargura de algum passado, mas vai lhe fazer melhor para o futuro. Outros falam, e ouvir muito isso ainda jovem, que todo poeta tem que falar de flor e dor. Não necessariamente, porque a flor por si só já é uma poesia divina, mais ainda quando sai das lentes de uma máquina. Foi isso que senti quando a captei em minha máquina, e lá estava no quintal de um amigo. Confesso que ela me cativou pela primeira vez que vi, como se diz do amor à primeira vista. Ela nos faz esquecer, mesmo que seja repentinamente, dos problemas existenciais, das angústias e até das decepções da vida. Nos renova por dentro. Uma flor, é uma flor e, além do seu perfume, seja qual for o nome, tem um sentido de estar ali em meio a esse planeta tão desumano. Mesmo assim, ainda tem gente que a destrói, como faz com o todo meio ambiente, derrubando e queimando as nossas florestas. Os pássaros e os animais silvestre são mais sensíveis que nós humanos, e jamais a pisotearia. Uma flor não é simplesmente uma flor. É muito mais que isso em sua essência e profundeza.