março 2021
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

:: 27/mar/2021 . 0:17

OS ASTECAS, OS INCAS E AS DOENÇAS

Depois das três expedições do navegador Cristóvão Colombo, no final do século XV pelas terras das Américas Central e do Sul (Ilha Hispaniola – Haiti e Venezuela), atrás dele vieram os desbravadores espanhóis que penetraram no interior dos reinos dos astecas, maias e dos incas, disseminando as piores doenças (as armas mais letais) que exterminaram metade dessas nações.

Está no livro “Uma Breve História do Mundo, de Geoffrey Blainey, que em 1517, o navegador Grijalva saiu de Cuba e visitou várias cidades portuárias do continente. Na volta trouxe notícias dos rumores do Império de Montezuma II, no México, (em redor de um lago). Era temido e odiado pelos maias, mas o audacioso Hernán Cortés, com 34 anos, não muito preparado em guerras, foi lá enfrentar a fera.

Partiu de Cuba em novembro de 1518, com 530 europeus dentre os quais 30 especialistas em atirar com besta (arma medieval). A maioria de seus soldados tinham mais experiência com arcos e flechas. No navio levava centenas de índios cubanos e escravos africanos. A maior surpresa estava nos 16 cavalos que foram vistos em seu desembarque como se fossem deuses.

Na páscoa de 1519, Cortés passou três semanas na cidade de Potonchán onde foi erguida uma cruz cristã. Nela, como narra o autor da obra, o aventureiro foi presenteado com uma mulher de nome Marina que lhe serviu de intérprete na jornada. A cidade de Montezuma, chamada de Tenochtitlan (México) ficava no caminho entre o Oceano Atlântico e o Pacífico, numa altitude e 2.500 metros.

Conhecer a cidade de cerca de 200 mil habitantes (uma das maiores do mundo) era uma visão extraordinária. Em pleno planalto, um lago, e ao longe umas pirâmides de pedras. Naquela época, somente Constantinopla e Nápoles tinham igual tamanho.

O império abrigava em todo seu território, não muito grande, cerca de oito milhões de nativos que se destacavam nas artes da construção, arquitetura, na agricultura e como ourives. Cultivavam o feijão, o milho e abóbora. Criavam perus e patos-do-mato.

O sacrifício de vidas humanas fazia parte do calendário da cidade asteca, e era mais parecido com uma carnificina do que com um festival religioso. A maioria das vítimas era constituída de homens. Um século anterior, esse ritual tornou-se mais frequente. A vida após a morte era vista como mais importante, e a execução era feita com muita dramaticidade pelos sacerdotes. O ato chegava a ter a acolhida dos pais, na maioria pobres, que entregavam seus filhos. O coração era habilidosamente arrancado do corpo e depois queimado em cerimônia, segundo o historiador Geoffrey.

A invasão de Cortés contou muito com o apoio de povos vizinhos que odiavam os astecas. Ele chegou até mesmo a ganhar ajuda de astecas que estavam no comando e que pensavam, quando o espanhol chegou em 1519, que fosse a reencarnação de um deus por quem a muito eles esperavam. Montezuma humildemente se rendeu, e Cortés assumiu o poder do império.

OS INCAS E AS DOENÇAS

Bem mais ao sul, na região montanhosa dos Andes, havia outro império mais novo, governado por um imperador conhecido como o Inca. Suas cidades contavam com um escudo protetor de montanhas e desfiladeiros. A região começou a se agitar por volta de 3000 a.C. quando domesticou a lhama, a alpaca e o porquinho-da-índia. Mil anos depois, seu povo começou a cultivar milho e batata.

Na época de Cristo, esses nativos de Nazca já cavavam túneis nas encostas dos morros, ao sul do Peru, com a intenção de desviar os lençóis subterrâneos para a irrigação. A construção dos terrenos para a agricultura e os aquedutos era um trabalho admirável.

Por volta de 1400 existia uma profusão de estados separados, muitos dos quais ocupavam os vales e as encostas. A paisagem acidentada facilitava o isolamento entre eles, com 20 línguas distintas e cerca de 100 grupos étnicos.  Nessa época, uma superpotência começou a lutar pela sua supremacia.

Os conflitos entre as nações chegaram a danificar os projetos de irrigação pelos vencedores que levavam mulheres e crianças como prisioneiras. Nessas guerras, os incas chegaram a ser superiores, expandindo seus territórios a partir de 1438.

Originários da região de Cuzco (atual Peru), os incas chegavam a cerca de 40 mil. Depois de uma sucessão de lutas, governaram uma população de mais de 10 milhões de pessoas, isto por volta de 1492. Seus domínios iam da Colômbia e Equador até a região central do Chile. “Hoje, cinco repúblicas independentes ocupam o território um dia governado por eles”.

O império era unido por uma grande rede de estradas, espalhadas por mais de 23 mil quilômetros, até mais notáveis que as do tempo do Império Romano e as construídas pelos chineses. Com pontes seguras, serviam para transportar mercadorias e como vias por onde passavam os soldados para patrulhar alguns pontos estratégicos.

O sol, como fornecedor de calor, era visto como amigo (a vida após a morte era vivida sob seu calor). A lua era tida como outro deus. Como deus masculino, o sol regulava o calendário que começava em dezembro, e tinha sua planta favorita, cujas folhas produziam a coca que possuía qualidades espirituais. Dessa planta vieram a droga cocaína e o aditivo que até 1905 fazia parte da receita do refrigerante Coca-Cola.

Na sociedade inca, as mulheres vinham em primeiro lugar e tinham a lua como a deusa da fertilidade. Seu direito à propriedade era respeitado. O papel econômico era tão honrado quanto ao dos homens. Nos rituais religiosos praticavam o sacrifício de animais (lhama e o porquinho-da-índia) e também o de seres humanos quando se ia à guerra e para pedir chuva em tempos de seca.

Com o tempo, os incas aprenderam a cultivar a batata, o tomate, feijão, o caju, o amendoim, a coca, pimentas, a abóbora e a mandioca. Seu império começou a se desmoronar com a chegada dos espanhóis no início do século XVI. “A maior influência veio na forma de doenças que se alastraram entre os povos”, inclusive vitimou o imperador por volta de 1525 quando retornava de uma guerra.

Com o seu falecimento, as discórdias provocaram uma guerra civil, mesmo antes do verdadeiro inimigo chegar. Os incas lutaram entre si sem saber que um inimigo poderoso, os espanhóis, estava a bater em suas portas. Na verdade, as doenças foram mais letais que as armas. Quando Cristóvão Colombo chegou às Américas, a varíola já era comum na Europa. Em 1519, a doença já havia atingido o Haiti, ou ilha Hispaniola.

“Era uma arma secreta e não intencional dos soldados espanhóis que, sob o comando de Francisco Pizarro, partiram do Panamá para conquistar os incas”. Em novembro de 1532, os espanhóis capturaram o imperador Atahualpa,

Antes disso, em 1530 a varíola já havia feito grandes estragos, desde a Bolívia até os Grandes Lagos, no norte. Em seguida vieram o sarampo e o tifo que eram doenças novas para os espanhóis. Na leva vieram a gripe, observada nas Américas em 1545, a coqueluche, a difteria, a escarlatina, a catapora e a malária .

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia