março 2021
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

:: 4/mar/2021 . 22:50

CORONAVID

Durante esse amargo período da pandemia, para acalmar meu espírito e passar alguma mensagem para os outros, tenho procurado ocupar o tempo lendo, escrevendo meus textos e versos poéticos, produzido vídeos e, mais recentemente, enveredei pelo terreno tão difícil da escultura, como desafio (não é mesmo meu forte). Nessa investida, passei duas semanas montando uma escultura feita de cipó intitulada “CORONAVID”, uma homenagem ao meu poema e uma fusão do maldito Corona com a Covid. Trata-se de uma figura humana se protegendo com a máscara e, na cabeça, a danada da Covid atacando ou invadindo o globo terrestre. Seja como for, é uma obra conceitual, de protesto contra esse governo genocida que aí está, o pior da história do Brasil, bem como de pesar e lamento pelas mais de 160 mil mortes vítimas desse vírus. Para acabar com isso, queremos vacina, mas o capitão emperra as negociações e responde ao clamou social, dizendo que só se for comprar “da sua mãe”. É tão imbecil ao afirmar que o Brasil é um país de mais de 200 milhões de habitantes e, diante disso, que os laboratórios procurem o país para vender seus produtos. Ora, os países que se planejaram bateram nas portas das companhias farmacêuticas e adquiriram, a muito custo, seus lotes de vacinas. Ele não está nem aí para vacinar o povo brasileiros. Os governadores e prefeitos deveriam sim, redigir uma carta aberta à nação pedindo que esse capitão renuncie à presidência.

SANGUE PROIBIDO

Poema de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário

Morena serena,

de corpo inteiro,

de olhos verdes,

cores do coqueiro.

 

Palmas balançam,

entre a faca afiada,

no fio do corte,

da carne cortada,

com sangue espirrado,

na mão ensanguentada.

 

Toque terno interno,

no vermelho a escorrer,

entre o proibido sentir,

no desejo quente,

do beijo ardente,

tocando até o ventre.

 

Ternura carente,

de uma tarde fria;

desperta o membro,

e o prazer irradia,

por fora e por dentro,

no corpo latente rente.

 

O orgasmo aflora,

entre pernas sedentas;

o sangue bombeia,

na medida da hora,

correndo pela veia,

acordando os sentidos,

dos líquidos proibidos.

 

Do fruto dos seios,

escorre a deliciosa ceia,

e fecunda o sêmen,

entre os galanteios,

tecendo sua fina teia.

 

Nascido da carne,

do extrato libido,

de um pecaminoso

sangue proibido,

Intravenoso.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia