Fotos do jornalista Jeremias Macário

Tem muita gente que nesta pandemia, que já ceifou a vida de quase 120 mil pessoas no Brasil, entrou em estado de medo, pânico e ansiedade. Aqueles que se confinaram, partiu para usar mais ainda a tecnologia do celular, se internando nas redes sociais, ou nos programas de televisão durante todo o dia. Outros, com maior poder aquisitivo, passaram até a comer muito mais, engrossando os grupos da obesidade, adquirindo outras doenças. Aos mais pobres, faltou  alimentos na mesa, e as preocupações aumentaram para se manterem vivos nessa onda viral. Adolescentes e jovens, muitos deles, caíram nas festas de paredões, contaminando mais gente e até pais e parentes. Tudo isso poderia ser amenizado se o nosso país tivesse o hábito da leitura, de viajar nas histórias dos livros. Um bom livro faz a alma continuar viva, mais forte e resistente, jogando para bem longe as ansiedades e a depressão. Infelizmente, ainda somos uma nação com baixo índice de leitura, mesmo em comparação a muitos dos nossos países vizinhos, como Argentina, Uruguai, Colômbia e outros. Não vou aqui nem listar os países da Europa porque seria um disparate. Como se não bastasse essa deficiência na leitura de livros, em decorrência de uma educação que deixa a desejar, temos agora um governo autoritário e fascista que está acabando com a nossa cultura, que despreza o conhecimento intelectual e até nega a ciência. Não adianta em nada falar em futuro melhor, se não tivermos uma boa educação e um nível cultural elevado. Não valorizamos nosso patrimônio cultural e artístico. Ao contrário, vandalizamos nossos monumentos e personagens da nossa história. Cure sua ansiedade e se livre da depressão com um livro na mão. Não dê desculpas para si mesmo, de que não tem tempo quando ele está sendo mais ocupado na internet, muitas vezes destilando ódio e intolerância nas redes sociais, ou acompanhando e vendo coisas fúteis.