julho 2020
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: 23/jul/2020 . 23:45

AQUECENDO O INVERNO

Estamos na cidade baiana do frio, como é conhecida Vitória da Conquista, mas também dos biscoitos que aquecem o nosso inverno, que nesta época tem girado em torno de 12 a 10 graus, e até 8 e 7 nas madrugadas geladas. Não é somente o vinho, o preferido nesse tempo do ano, mas já imaginou uns biscoitinhos, casados com o café quente, para aquecer  essa noites, com o corpo bem protegido! Pois é, mesmo com a pandemia, que tirou muita gente das ruas e empobreceu milhares, o biscoito ainda tem o seu lugar em alta nas vendas. Há anos que Conquista tem se destacado na produção de biscoitos com uma variedades de ingredientes e sabores para todos os gostos, como na imagem clicada pelo jornalista Jeremias Macário no Centro da Ceasa. Quem visita a cidade, geralmente não deixa de levar seus pacotinhos de biscoitos, e quem vai a outros municípios sempre leva essas especialidades como presentes para amigos e parentes. Os biscoitos de Conquista se tornaram famosos até em outros estados, e estão sempre aquecendo o nosso frio. Não quer dizer com isso que essas delícias também não são consumidas no verão! São iguarias para todo ano.

O DEUS REI GALOPADOR

Poema inédito de autoria do jornalista Jeremias Macário

Galopeia, galopeia,

O cavalo deus rei galopador,

No sereno orvalho do prado,

Na poeira do cascalho da areia.

 

Desceu do Olimpo o cavalo,

Para nas bigas ser gladiador,

Poderoso como o Prometeu,

Veloz na arena como vencedor,

Rei deus da ventania a cavalgar,

Lenda guia na viagem milenar,

Esperado como deus inca-asteca,

Da América ao Novo Mundo veio.

 

Do cavalo o homem sugou sua força,

Pra cortar serras e matas da mãe terra,

Nas andanças invadir e colonizar,

Oprimir pela arma e matar na guerra,

Com aço espalhar germes e doenças,

E ainda impor suas fanáticas crenças,

Como nas Cruzadas das matanças.

Templários cavaleiros dos mistérios.

 

Cavalo-vaqueiro nos rastros da res,

Nos agrestes dos engaços do Nordeste,

Das Volantes no cerco à Coluna Prestes,

De valentes tenentes rumo ao Pantanal,

E sem ele não teria Caubói faroeste,

Nem o som da divina canção do genial,

Assovio italiano de Ênio Marricone,

Nas filmagens áridas de Sérgio Leone.

 

Campolina, manga-larga machador,

O puro sangue mustang e o árabe,

Pelo deserto beduíno o alado voou,

Na África teve que arrastar escravos,

No oeste dos bravos puxou diligências,

Com Pizarro executou o rei Ataualpa,

E Cortez prendeu o asteca Montezuma,

Tudo pelo ouro pra suas excelências.

 

No frio russo como máquinas biônicas,

Guerreou nas batalhas napoleônicas;

Júlio César no rio ergueu sua espada,

Lançou a sorte e foi rei dos romanos,

E o sanguinário Átila usou seus cascos,

Pra queimar toda grama por onde passou,

E os mangoiós adoravam como deus animal,

O feroz que lutou até a I Guerra mundial.

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia