Como se não bastasse a pandemia da Covid-19, com mais de 1.500 casos, Vitória da Conquista está sofrendo também com a infestação do mosquito da dengue, da zica e da chicunkuhya, doenças que se confundem com o novo coronavírus, agravando mais ainda a situação. A população tem sua parcela de culpa por não ter os devidos cuidados, mas o poder público é o maior vilão nesta história.

Todos sabem que existe uma lei dentro do antigo Plano Diretor Urbano (a Câmara precisa aprovar um novo) que obriga que os donos de terrenos cerquem e limpem suas áreas, sob pene de punições e multas, mas a norma não é cumprida porque a Prefeitura Municipal pouco fiscaliza.

Praticamente, cada rua de Conquista fora do centro tem dois ou mais terrenos vazios onde viraram depósitos de lixo, sacos plásticos, latas, garrafas e até pneus, reservatórios ideais para a criação das larvas do mosquito que pode até matar. O quadro é ainda mais grave em bairros das periferias mais distantes que não têm serviços de tratamento de esgotos.

O paradoxo nisso tudo é que Vitória da Conquista é uma das cidades mais bem servidas do país no que tange ao saneamento básico, o que, a princípio, colabora em muito para evitar a proliferação de mosquitos e, consequentemente, doenças originárias dele. Portanto, a cidade não deveria estar passando por esse estado de infestação e contaminação.

A mídia faz coberturas jornalísticas sempre colocando a população como a maior negligente por não deixar seus quintais bem tratados e limpos, sem água em vasilhames e plantas, mas pouco cobra do poder executivo quanto aos terrenos particulares cobertos de matagais, locais usados como lixeiras. Cadê a lei para impor penalidades pesadas aos donos de imóveis que não muram e limpam suas áreas?

A Prefeitura precisa ser mais rigorosa e fazer sua parte, não apenas distribuindo alguns agentes comunitários para visitar moradias que, quase sempre ao lado, têm um terreno totalmente sujo como fonte de propagação do mosquito. O legislativo também tem a obrigação de agir e cobrar do executivo que as leis sejam cumpridas, e não ficar apenas colocando postes e calçamento nas ruas para ganhar votos.