julho 2020
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: 22/jul/2020 . 23:53

O MAIOR CULPADO É O PODER PÚBLICO

Como se não bastasse a pandemia da Covid-19, com mais de 1.500 casos, Vitória da Conquista está sofrendo também com a infestação do mosquito da dengue, da zica e da chicunkuhya, doenças que se confundem com o novo coronavírus, agravando mais ainda a situação. A população tem sua parcela de culpa por não ter os devidos cuidados, mas o poder público é o maior vilão nesta história.

Todos sabem que existe uma lei dentro do antigo Plano Diretor Urbano (a Câmara precisa aprovar um novo) que obriga que os donos de terrenos cerquem e limpem suas áreas, sob pene de punições e multas, mas a norma não é cumprida porque a Prefeitura Municipal pouco fiscaliza.

Praticamente, cada rua de Conquista fora do centro tem dois ou mais terrenos vazios onde viraram depósitos de lixo, sacos plásticos, latas, garrafas e até pneus, reservatórios ideais para a criação das larvas do mosquito que pode até matar. O quadro é ainda mais grave em bairros das periferias mais distantes que não têm serviços de tratamento de esgotos.

O paradoxo nisso tudo é que Vitória da Conquista é uma das cidades mais bem servidas do país no que tange ao saneamento básico, o que, a princípio, colabora em muito para evitar a proliferação de mosquitos e, consequentemente, doenças originárias dele. Portanto, a cidade não deveria estar passando por esse estado de infestação e contaminação.

A mídia faz coberturas jornalísticas sempre colocando a população como a maior negligente por não deixar seus quintais bem tratados e limpos, sem água em vasilhames e plantas, mas pouco cobra do poder executivo quanto aos terrenos particulares cobertos de matagais, locais usados como lixeiras. Cadê a lei para impor penalidades pesadas aos donos de imóveis que não muram e limpam suas áreas?

A Prefeitura precisa ser mais rigorosa e fazer sua parte, não apenas distribuindo alguns agentes comunitários para visitar moradias que, quase sempre ao lado, têm um terreno totalmente sujo como fonte de propagação do mosquito. O legislativo também tem a obrigação de agir e cobrar do executivo que as leis sejam cumpridas, e não ficar apenas colocando postes e calçamento nas ruas para ganhar votos.

 

TEMPOS DE RETROCESSOS E NEGAÇÕES QUE NOS DEIXAM TRISTES E DEPRESSIVOS

Quando olhamos para o passado de quase 100 anos atrás e vemos nítidas semelhanças de comportamentos negacionistas da ciência das pessoas com relação à pandemia da gripe espanhola e a atual Covid-19, quando vemos o meio ambiente sendo destruído através do desmonte das estruturas de órgãos responsáveis pela preservação, quando vemos tanto preconceito, ódio e intolerância e que ainda tem gente do tipo, sabe com quem está falando, os mais sensatos ficam estarrecidos e bate momentos de tristeza e depressão.

Confesso que, da minha parte, depois de tantos tempos vividos, esse quadro tão arrasador me leva à depressão e tristeza de ver meu país sendo destruído, como que por uma força maligna que arranca do brasileiro a esperança e a fé, que sempre teve e acreditou num futuro melhor, com menos desigualdade social e mais justiça. Nos últimos anos e, mais recentemente, milhares que têm condições aquisitivas estão deixando o Brasil para morar em terras estranhas no exterior, como uma resposta de que não dá mais para ficar aqui.

Não dá para ver todos os dias tantas atitudes de retrocesso, como o desmatamento acelerado da Amazônia e a floresta ardendo em fogo, e não entrar em angústia. Causa-me espanto e revolta ver um desembargador em Santos, no litoral paulista, rasgar uma multa, amassá-la e jogar o papel no chão depois de ter chamado o guarda de analfabeto. “Sabe com quem está falando”? Mais de 500 anos depois e o nosso país não avançou. Continua primário e, talvez, pior, inclusive no segmento da produção de produtos.

Previa que a extrema-direita, o fanatismo e o fundamentalismo moralista iam subir ao poder, mas não imaginava que haveria tantos lunáticos escondidos para vomitar suas podridões armazenadas há anos em suas cabeças. Sempre critiquei as posições tomadas pelo ministro Gilmar Mendes, do Tribunal Superior Federal, mas sou obrigado a concordar com seu pronunciamento de que as forças armadas está, direta ou indiretamente, sendo conivente com esse genocídio, quando mais de 80 mil já foram abatidos pelo coronavírus.

O entendimento é que mais que triplicou a presença de militares generais e coronéis, mesmo que reformados de pijama, em cargos chaves do governo federal, como no Ministério da Saúde, cujo ministro interino é da ativa e nada do setor. O mais grave é que a maioria são neófitos no assunto, desbancando técnicos experientes civis de carreira, como aconteceu na área ambiental. Sobre essa questão, o que teria a dizer as forças armadas?

Embora numa democracia mambembe, estamos vivendo em pleno regime militar, sem uma intervenção de golpe do exército, da marinha e da aeronáutica através das armas. Como fica a imagem da instituição diante dessa avalanche de bombardeios a que o país está sendo vítima? Como entender um Ministério que quer a todo custo empurrar o uso da cloroquina contra o vírus, quando a comunidade científica mundial não recomenda? Como convencer os investidores externos de que os índices de aumento dos desmatamentos e queimadas são mentirosos e equivocados?

Como ocorreu há quase 100 anos com a gripe espanhola, no Brasil de hoje da Covid-19, por falta de uma liderança central e de uma coordenação conjunta, está se registrando uma mortalidade por rebanho, chamada também de imunidade por rebanho, o que significa crime de genocídio, sem que os responsáveis sejam julgados, condenados e presos. O Estado do Amazonas e alguns do Nordeste são exemplos.

Além dessa matança, que atingiu os mais vulneráveis economicamente, a pandemia serviu para tirar do armário do esquecimento mais de 38 milhões de pobres e miseráveis invisíveis, milhares morrendo todos os anos de fome e doenças variadas por falta de água potável, tratamento de esgoto e saneamento básico (mais de 100 milhões não contam com esses itens). Todos os dias a nossa Constituição é violentada, inclusive em outros tipos de violações dos direitos humanos.

No Brasil de hoje existem dois blocos divididos e se digladiando ideologicamente. Um extremista de direita que pede até Intervenção Militar e insiste que está com razão. O outro que condena os retrocessos, o preconceito a política de desmonte que aí está e também fala que está com a verdade. Cada bloco só se comunica isoladamente com quem comunga da mesma ideologia. Os dois não aceitam se interagir e discutir política.

Como, então, dialogar com uma pessoa que prega e apoia toda essa política de desmonte e retrocesso? Que é preconceituoso, racista, misógino, defende posições retrógradas na área da educação, acha que o coronavírus não passa de uma gripezinha e não se deve fazer isolamento social? Que chega a dizer que o governo atual é o orgulho para América Latina? Existe uma forma de aproximação entre esses blocos para que o país não continue dividido entre o ódio e a intolerância? Falta uma liderança, com um novo discurso, não o do passado.

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia