julho 2020
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: 17/jul/2020 . 22:23

A VERDADE NOSSA…

É mais um texto do livro “ANDANÇAS”, de autoria do jornalista e escritor Jeremias Macário, lançado recentemente e que pode ser encontrado na livraria Nobel, na Banca Central, ou através do próprio autor,  também da obra “UMA CONQUISTA CASSADA” e outras.

Há mais de dois mil anos Cristo disse: “Eu Sou a Verdade e a Vida”. Na época, quase ninguém acreditou. Terminou sendo flagelado e crucificado em nome desta verdade. Antes Dele, há 2.600 anos, os filósofos gregos ditavam sua verdade, passeando pelas ruas de Atenas. Contam que Sócrates tomou cicuta em nome da sua verdade. Muitos procuraram uma resposta nos deuses e mais tarde se decepcionaram. Os egípcios tinham sua verdade nos faraós. No deserto edificaram suas pirâmides de sabedoria, mas nem por isso se tornaram donos da verdade.

Desde os primórdios dos tempos, os homens se inquietam e se agarram aos sinais, tentando captá-la por aí com suas antenas parabólicas. Transbordam ansiedades. Uns jorram inquietações pelos planetas a fora. Outros preferem ficar no sofismo. Onde está mesmo essa verdade? Entre as estrelas? Qual o sentido de viver? A vida já é uma verdade? Que verdade é essa que nos ensinam valorizar a morte?

Mentira e verdade andam em lados opostos e, às vezes, juntas. Às vezes se confundem. No mundo materialista, a mentira vive camuflada num aparente conceito de verdade, como no prazer a qualquer preço, na estética da beleza e nas propagandas enganosas. A filosofia espiritualista diz que ela tem a verdade na reencarnação. Como encontrá-la? A verdade é uma “metamorfose ambulante”?

A verdade, nada mais que a verdade. Jura dizer só a verdade? Aí vem a mentira como moeda corrente e ofusca a verdade.  O filósofo britânico Simon Blackburn conta a história da verdade na cultura ocidental, desde os gregos, passando pelas narrativas bíblicas, os pensadores da Idade Média, o pragmatismo americano e os pós-modernos.

O ex-presidente Bush, o filho, (EUA) mentiu sobre a existência de armas químicas no Iraque. Mesmo assim, foi reeleito.  O cidadão deve, a esta altura, estar se perguntando: por que dar tanta atenção á verdade, se a mentira dá tanto resultado?  Vivemos mais da mentira, ou da verdade?

Os tempos se evoluíram e a verdade sempre foi imposta sob diversos pontos de vista, com faces diferentes, sombras e dúvidas. Analisem sob a ótica da religião; em termos subjetivos e objetivos; absolutos e relativos; sob os ângulos filosófico, material e científico; e ainda no campo da política e da justiça.

Na sociedade moderna, ela se torna camaleão, de acordo com o meio em que se vive, dando sensação ilusória de que basta lustrar a couraça para se

tornar confiável. No mundo do consumismo ela está sempre mudando de imagem e de cor. Na estética da beleza, a verdade aparece como caminho de sucesso. Uns dizem que é fundamental. Outros que é uma coisa relativa e banal.  O medíocre sobrevive e a competência falece. A aparência faz escárnio do conteúdo. Não se valoriza mais o caráter. O mundano virou celebridade. O homem é produto do meio? Carrega na sua essência o DNA do mal? Para uns, sim, para outros, não.

Cada religião, cada seita, cada credo, cada simbolismo, cada slogan, cada código procura transmitir e defender sua verdade, mesmo que seja através de dogmas da fé. Os deuses estão por todos os lugares, com faces e visões diferentes. Cada um com seu caminho de salvação. O vazio faz aumentar a concorrência da crença e da cura do espírito. A busca é incessante.

Nunca se acreditou tanto em tantas coisas fúteis e descartáveis dentro de um materialismo vulgar e adorado. É a “corrida do ouro de tolo”. Será que o entrevistado a uma vaga de emprego fala a verdade? Seu comportamento diante do entrevistador é a sua verdade? Ele foi treinado para seguir um padrão ditado pelo mercado. Quem está com a verdade?

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia