AS CENAS DE ESPANCAMENTOS E TORTURAS SÃO CHOCANTES

Vamos apurar os fatos e punir os culpados no rigor da lei – respondem os coronéis-comandantes diante das imagens incontestáveis de espancamentos, e até de mortes contra civis brasileiros, não importando se são suspeitos bandidos ou inocentes cidadãos de bem. Faltam dizer que vamos investigar, mas que não vai dar em nada, quando muito um afastamento temporário dos fardados brutamontes das ruas.

Sabem do que estou falando nestes tempos tão sofridos do coronavírus que ceifa vidas e deixa milhares com medo, pânico e passando fome. Refiro-me à pandemia da violência policial que estampa cenas também de horror e barbárie dos passados autoritários e tirânicos de ditaduras e atrocidades. Desses policiais dos cassetetes e de armas em mão. Não sabemos de onde vem tanta frustração e recalque para destilarem tamanha raiva e sadismo.

Aqui mesmo em Vitória da Conquista já aconteceram tantos casos semelhantes de extermínio, mortes por despreparo policial e agressões em pessoas durantes abordagens que terminaram sendo arquivados e esquecidos pelas autoridades que deveriam ter dado uma satisfação à comunidade, como, por exemplo, do menino Maicon que foi morto por uma ação atabalhoada da polícia militar.

TANTA RAIVA E VIOLÊNCIA!

Nos dizem os oficiais comandantes que eles foram treinados para lidar com equilíbrio e tratar bem o cidadão que paga seus salários. Então, por que chegam a descarregar tanta violência, principalmente nas pessoas mais pobres e negras das periferias? Há séculos que a polícia militar tem essa imagem de truculência, e sempre é reforçada com mais tanques, bombas e armamentos pesados, para combater a própria violência da bandidagem.

No entanto, a violência só faz aumentar e nada muda. De um lado, a polícia baixando o sarrafo no povo e, do outro, o marginal criminoso assaltando e também matando. A violência não cessa, a não ser nas estatísticas do sádico capitão-presidente que disse ter feito, em seu governo, acabar com os índices da criminalidade no país. Com certeza, ele mandou apagar os dados no mapa das informações da violência, como ocorria na ditadura civil-militar de 1964.

Se criam batalhões especiais, mais carros, mais fuzis, metralhadoras, granadas e até foguetes para combater a violência, o número de roubos, o tráfico de drogas, a extorsão, os homicídios, a violação dos direitos humanos deveriam cair, mas só fazem aumentar no país. Então, alguma coisa está muito errada neste método ultrapassado de policiamento. Algo precisa ser mudado e revisto.

Reformulação nem pensar

Errar é humano, mas persistir no erro é muita burrice, como fala o ditado popular. Vá falar em reformulação da polícia militar que lá vem os comandantes e as autoridades federais a soltar palavrões e a defender que tudo fique como está, que não se pode fazer mudanças numa corporação centenária, como se fosse um mito sagrado intocável.

Preferem manter os interesses corporativos, treinamentos retrógrados, ultrapassados e fardados de baixo nível sem condições de exercer a função de segurança da população, enquanto se assiste todos os dias na televisão cenas degradantes e medievais de torturas, porradas, sangramentos, botinadas, pernadas, cacetadas e até tiros pelas costas contra nossos brasileiros, e isso, sem punição rigorosa aos transgressores e criminosos da lei, que deveriam estar ali para defende-la e obedecê-la.

Quase todos os países reformulam e estão sempre reformulando e repensando suas polícias e guardas, que não são militares, menos o Brasil que registra um dos maiores índices de violência e abusos de direitos humanos do mundo, praticados pelas suas corporações. Aqui, não temos protestos e manifestações de ruas condenando a brutalidade, só pedidos isolados de justiça, muitas dores, choros e lágrimas que nunca passam.

Além desse mortal coronavírus, o brasileiro tem que conviver com várias outras pandemias, como da violência policial desregrada, do desemprego, da saúde, da fome que mata lentamente e tem como remédio único o alimento, da dengue, da injustiça social, da falta de saneamento básico, da ignorância e tantas outras que deixam um rastro de pobreza, doenças e misérias nessa terra arrasada.