Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário

Quem é aquela mulher?

Tão linda e bela,

Com jeito de pantera,

Que me olhou,

Como se fosse pai dela?

 

Olhei simplesmente,

Como uma mulher,

Não com olhar paternal,

Mas como formosa carnal,

Pra fazer amor com ela.

 

Quem é aquela mulher,

Que me disse sincera,

Que eu era o pai dela?

 

Quem é aquela mulher,

Que apareceu na festa,

Me espiou pela fresta,

Da luz pela janela,

E na saída me beijou,

Como se fosse pai dela?

 

Mas não foi assim,

Que abracei ela.

 

Quem é aquela mulher,

Que nem procurei saber,

Sobre o nome dela?

 

Sumiu e foi embora,

Imaginando,

Que sou o pai dela.

 

Quem é aquela mulher,

Que não me deu

A sua delicada costela,

E deixou sua doce imagem,

Pintada em minha tela,

Tão bonita e tão bela?

 

Podia ser uma fera,

Ou ter sido uma quimera.