junho 2020
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

:: 3/jun/2020 . 0:21

TORCEDORES UNIDOS PEDEM DEMOCRACIA

Carlos González – jornalista

Jair Bolsonaro conseguiu, no final de semana, o que até então era considerado como improvável: unir os torcedores arquirrivais do São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Santos, que até já cometeram assassinatos entre si, num movimento em favor da democracia. O ato realizado na Avenida Paulista tende a se expandir por outras partes do país. No domingo, em Salvador, integrantes da principal organizada do Vitória, “Os Imbatíveis”, ensaiaram um protesto nas ruas da Mouraria; aficionados do Flamengo se defrontaram com bolsonaristas na Praia de Copacabana; a Praça da Bandeira, em Belo Horizonte, foi o local de encontro entre atleticanos e cruzeirenses.

A mobilização de torcedores coincide com o aceno do presidente da República ao clube mais popular do Brasil, em mais uma investida para acabar com o isolamento social, aconselhado pela OMS e pelos mais renomados cientistas e pesquisadores do mundo, e decretado por governadores e prefeitos, como o método mais eficaz para impedir a expansão do novo coronavírus. Os 30 mil brasileiros que não desapareceram nos porões da ditadura militar (1964-1985) vão morrer vítimas da pandemia.

Sem uma consulta prévia à chamada nação rubro-negra, principalmente ao Departamento Médico do clube, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, fez rapidamente as malas e rumou para Brasília, levando na bagagem seu colega do Vasco da Gama, Alexandre Campello. Com a adesão do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, Bolsonaro ofereceu aos clubes cariocas, para treinos e jogos, o Estádio Mané Garrincha. O Flamengo vem realizando há semanas treinos presenciais, descumprindo decreto do prefeito Marcelo Crivella.

Pressionada pelos seus dois principais filiados , a Federação Carioca, com o apoio dos clubes do interior do estado, decidiu marcar o reinício do campeonato para 14 de junho. Fluminense e Botafogo se posicionaram contra, sob o argumento de que o retorno dos jogos este mês colocaria em risco funcionários, comissão técnica, atletas e seus familiares, no momento em que o Rio registra cerca de 70 mortes diárias de infectados pelo vírus. Ao mesmo tempo, o governador fluminense, Wilson Witzel, assinava decreto, prorrogando as medidas preventivas e de enfrentamento ao Covid 19.

Prefeitos têm feito apelos – alguns até instituíram a cobrança de multas – para que seus munícipes fiquem em casa. Ocorre que, o brasileiro, ou não acredita na existência da pandemia, que já faz do seu país o segundo do mundo em número de mortes, ou é dotado de uma demasiada insensibilidade, que se revela desprovido de conhecimentos, cultura e recursos financeiros.

Essa indiferença, que impede que a taxa de isolamento social nas cidades chegue a 70%, facilita a propagação do vírus, levando o sistema de saúde a um colapso. No entanto, estamos assistindo, com perplexidade, a reabertura do comércio em municípios do interior do país, onde a fiscalização do poder público está ausente. Estudos constataram que pequenas cidades do Nordeste elevaram os índices de contaminação a partir da chegada de ônibus clandestinos,  procedentes de São Paulo. Em Vitória da Conquista esse índice não chegou aos 40%.

Pressionado,  Herzem Gusmão avalizou a reabertura do comércio. Resistiu até quando pôde, mas teve que se dobrar àqueles que “choram de barriga cheia” e que põem a vida humana em segundo plano. Buzinaços interromperam seu descanso; lojista acusado de financiar a indústria de fake news resgatou o verde do movimento integralista (fascista), usando seus empregados em manifestações de protesto; pastores evangélicos, preocupados com a perda da fonte de renda dos seus templos, pleitearam o acesso dos fieis aos cultos; o vereador David Salomão impediu a interdição de uma barbearia, dirigindo ofensas ao prefeito. O ato de Herzem acendeu o sinal vermelho no Comitê Científico do  Consórcio Nordeste, criado para auxiliar os governadores da região no enfrentamento à Covid 19.

Voltando ao futebol, treinos e jogos na Bahia estão proibidos, pelo menos, até o dia 21 deste mês, por decisão do governo do Estado. Federação e clubes não têm intenção de se insurgir contra o decreto governamental. A Arena Fonte Nova, assim como o Maracanã e Pacaembu, foi transformada num hospital de campanha para receber os infectados pelo coronavírus.

Logo após a suspensão do campeonato,  em 17 de março, o Vitória da Conquista dispensou todos os integrantes do Departamento de Futebol, incluindo os atletas, minorando uma crise financeira, que vem afetando grandes clubes brasileiros e europeus. Impediu também o surgimento de casos – no Vasco foram 75, sendo 16 jogadores – de infectados pelo Covid 19. O clube conquistense e os outros 67 participantes do Brasileiro deste ano da série D receberam da CBF uma ajuda de R$ 120 mil, e a promessa de transporte, hospedagem e alimentação durante a disputa do torneio, que ainda não tem data marcada. O presidente Ederlane Amorim agradeceu o auxílio, revelando que pensou em abrir mão da vaga, mas foi avisado de que o clube poderia ser punido pela CBF.

 

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia