Meninos eu vi, ouvi e já sabia de tudo! Acreditem, mas está acontecendo como eu previa e vem muito mais coisa por ai! Quem viver verá!

– Não, isso não foi uma reunião ministerial! Você se enganou, cara pálida, de pele tupiniquim!

– Mas, está lá gravado no vídeo: O capitão-presidente esbravejou com seus ministros, como se fosse um bárbaro, gesticulando com as mãos e espumando de raiva!

– Mesmo assim, não foi uma reunião ministerial! Foi coisa de estarrecer!

-Então foi o que? Aconteceu no dia 22 de abril, o dia do descobrimento do Brasil.

– Não, cara, você se equivocou! Aquilo ali que você viu não passou de uma reunião de moleques batendo boca num botequim de qualquer esquina, ou de uma gangue de gângsteres planejando um assalto, uma emboscada! Mais pareceu Pedro Álvares Cabral dando esporro em seus degredados, com todo tipo de palavrões impróprios, de baixo calão. Uma baixaria dos horrores! Pero Vaz de Caminha anotou tudo e mandou para D. Manuel, lá de Portugal! O rei ficou escandalizado! A rainha nem ouviu, porque ficou envergonhada e rubra!

– Horrível mesmo! Que coisa mais feia! Não entendi quem era o avo, ou qual era mesmo o assunto, se o coronavírus, a economia, a saúde ou a educação!

– Educação, não foi mesmo! Viu o nível dos caras? O alvo, na verdade, era nossa pobre senhora democracia, nascida lá na Antiga Grécia, que já anda feia na fita! Só jogam pedras nela! Querem golpeá-la e sangra-la com se faz com um porco! Ouviu o sujeito chamando todos de bandidos, inclusive os ministros do Supremo Tribunal Federal? E a outra do menino veste azul, e menina, rosa, dizer que vai mandar prender governadores e prefeitos?

-Eles não falam tanto de “Pátria Amada”! Elogiam a democracia e até de respeito aos poderes constituídos e a liberdade de expressão!

– Aquilo ali, seu moço, não passa de uma estratégia cínica, mansa e de conluio! Uma trama armada do Quartel-General do Planalto. Não viu o cara cercado de generais, arrotando palavrões porque quer a Polícia Federal sob seu total domínio, para blindar seus filhos e amigos?

– Coitada dessa nossa “Pátria Amada”, tão maltratada, onde seus filhos estão morrendo de fome e do tal coronavírus!

-Pois é, não passam de genocidas psicopatas! Viu o outro cabra que quer acabar com o meio ambiente e transformar a Amazônia numa fazenda de gado? Ele disse para aproveitar o momento que a mídia está focada na Covid-19 e fazer passar toda boiada, abrir a porteira de vez, como numa disparada. Xingou o Congresso Nacional, que já não é lá essas coisas, e apelou para que juntos façam uma corrente para se sair do regramento, sem passar medidas pelo legislativo.

– Vergonhoso, assustador! Aquilo mais pareceu um filme de terror de sexta-feira treze! Pena do nosso país, tão ridicularizado lá fora!

– É, estamos perdidos, num mato sem cachorro! O pior companheiro, é que ainda existem seguidores da morte que batem em jornalistas de chutes e paus da bandeira brasileira que eles carregam! Emporcalham nosso símbolo pátrio! Se misturam de amarelinhos e vão defender, em praça pública, a volta da ditadura! E sabe quem está lá?

– É, mas esse papo não merece ser mais esticado, porque dá nojo e náuseas! Vamos falar de outra coisa, senão vamos entrar em depressão nesses tempos tão difíceis do vírus que está matando nossos irmãos! Não sabemos qual pior das pandemias!

FERIADOS ANTECIPADOS: UM TIRO NO PÉ

Quando quase todo comércio está fechado e se está tomando outras medidas, para controlar a infestação do coronavírus, sinceramente, não vejo nenhum sentido antecipar feriados, como da padroeira de Vitória da Conquista, Nossa Senhora das Vitórias, em 15 de agosto, São João, que nem existe oficialmente, e o Dois de Julho, data da independência da Bahia e do Brasil.

Foi um tiro no pé, porque muita gente achou que os feriados eram para sair de casa e ir às praias, como aconteceu em Salvador; fazer lazer nos calçadões; e até festejar um São João que não existiu, como ocorreu em Vitória da Conquista e outras cidades, com direito a fogos, farras e festas. Foi como aproveitar para sair desse estresse e, em muitos lugares, houve aglomerações nas ruas e avenidas.

São tantos decretos de fechar ruas, bairros, toque de recolher, de revezamento na circulação de carros, coisa ali, coisa acola, que terminam em confusão. Fecham, abrem e falam de pico e queda de contaminação que nunca acontece, sem contar o maluco de Brasília que quer tudo misturado e que todos tomem cloroquina. O negócio está brabo. É preciso mais planejamento e menos experimentos. Estamos sendo cobaias.

Querem comparar a cultura ocidental com a oriental, cujo povo tem como característica rígida de disciplina e é bem mais organizado e segue ordens. Nossa cultura ocidental brasileira é ao contrário. É bagunçada e sem educação. As pessoas não estão nem ai pra disciplina e ordem. Resistem ficar em casa, mesmo com o perigo de morte nas ruas.

É lamentável dizer isso, mas nossa gente só obedece se for no pau e na repressão policial. É desprovida de consciência social e política. Cada um acha que com ele nada vai acontecer, enquanto milhares vão morrendo. Não dá para fazer comparações e dar como exemplo os países asiáticos. É muito diferente

O governador decretou feriados antecipados, e ai, como de costume, muita gente achou de ir passear nas praças, fazer caminhadas em avenidas e até viajar. Não sou pesquisador, mas entendo que esses feriados não mudaram muita coisa no nível de isolamento, que nem alcança 50%. Fui hoje resolver um problema em Encruzilhada, por exemplo, na base do bate e volta, e vi o comércio todo aberto e muita gente nas ruas e sem máscaras. Tudo tende a piorar, e muita gente ainda vai morrer nesse cenário conturbado de um presidente que só provoca desarmonia no pais. Ele não soma. Só faz subtrair e desagregar.