setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago   out »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

:: 13/set/2019 . 15:17

“ANDANÇAS” TAMBÉM É MÚSICA

Não são só causos, contos e histórias, numa mistura de ficção com realidade, o novo livro “Andanças”, do jornalista e escritor Jeremias Macário, também tem poemas, muitos dos quais começam a ser musicados por artistas locais e de outras paragens do Brasil, como de Fortaleza, no Ceará.

Do título “Na Espera da Graça”, que fala do homem nordestino que sempre vive a esperar por tempos melhores, o cantor, músico e compositor Walter Lajes extraiu de sua viola uma bela canção, numa parceria que fez com o autor, com apresentação em vários festivais.

O músico e compositor Papalo Monteiro se interessou por “Nas Ciladas da Lua Cheia”, uma letra forte que descreve os políticos na figura de bichos que, de quatro em quatro anos, aproveitam as eleições com promessas vãs para se elegerem.

Tem “O Balanço do Mar”, um xote que lembra passagens de nossas vidas, e “Lágrimas de Mariana”, um belo poema triste sobre a tragédia do rompimento da barragem da Samarco, lá em Mariana (MG), musicados e cantados pelo amigo parceiro Dorinho Chaves.

Lá de Fortaleza, Ceará, o companheiro Edilsom Barros fez uma parceria musical, aproveitando a letra “A Dor da Finitude”, que versa sobre um tema que pouca gente gosta de tratar, que é a morte, e filosofa que tudo passa, tudo muda e tudo se transforma. Outros poemas do autor do livro estão sendo trabalhados para, em breve, também entrarem no rol das letras musicadas.

NO MEU QUINTAL

Meu quintal é como se fosse minha aldeia onde saio do mundo exterior para mergulhar no meu interior, entre as flores, plantas, inclusive medicinais, e minhas hortas onde colho folhas variadas para o consumo. No meu quintal, foto do jornalista Jeremias Macário, ainda tem um espaço cultural que me enche de vida através do conhecimento dos livros. No meu quintal, curto a vida e até esqueço que ela é passageira. Meu quintal é o meu planeta.

MEDOS E SEGREDOS

Meu espírito como ondas,

se bate nos rochedos

dos medos e da procura,

do infinito mistério,

que nos leva à tortura.

 

Anda em estranhas veredas,

baixadas, cumes e ladeiras,

e até em largas alamedas,

por entre belas palmeiras.

 

Tenho pavor do escuro,

que assombra com a sombra,

do passado de olho no futuro.

 

Tenho receio do segredo,

que insiste em esquecer,

seu roteiro de raiva e medo.

 

Não quero ser outra vez,

devorado pela insensatez

dessa gente sem enredo.

 

Vivo a engolir mensagens

e a usar  mil blindagens

pra fugir do fogo cruzado.

 

Sou como ferro ferrado,

vagando como manadas,

fugindo do fio das espadas.

 

Queria sair livre por aí,

perambular pelo universo

até não ter mais pra onde ir.

 

Queria que meu verso,

só fosse canto e encanto,

e nada de dor e pranto.

 





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia