agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

:: ago/2019

VIDA E MORTE NA CANDELÁRIA

Na foto do jornalista Jeremias Macário em suas andanças da vida, a Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro, representa vida e morte, como é o caminho natural de todos nós. Vida porque a Candelária sempre foi espaço ocupado para protestos de jovens e adultos em favor da vida, da liberdade e por uma Brasil melhor para se viver, ou como se diz, um país do futuro. Neste lindo espaço, milhares se concentraram para denunciar os desmandos e as mazelas dos nossos governantes. Morte porque foi ali que um grupo de exterminadores executaram nossos inocentes meninos de rua, numa fria noite em que cada um procurava o calor humano no outro para se esquentar, entre papelões e  velhos  cobertores. Este é o país que não zela pelos seus filhos, e elimina milhões por falta de assistência social e econômica. Nossa Candelária só deveria ser símbolo de vida, mas, infelizmente, é também de morte.

VOU ASSIM…

Poema de autoria do jornalista e escritor

Jeremias Macário

O sol no dia de fim,

descamba rajado de se ver,

com raios de fogo no ar,

e leva minha vida de viver,

como escrito na profecia,

grudado vai ficar,

o seu cheiro de alecrim.

 

Por aqui ainda em lidas,

as folhas são sacudidas,

como caniços ao vento,

no vai-vem do arrebento,

e a água no quebra-mar,

serena a se acalmar.

 

Vou assim na vida,

lambendo a minha ferida,

tratado como genérico,

de povo africano escravo,

português de rosto ibérico,

lutando como um bravo,

nesta sociedade indiferente,

que engana e se alimenta,

do sistema desta gente.

 

Vou indo assim devagar,

com meu feijão com arroz,

no desvio dos malfeitores,

às vezes o ontem e o hoje,

o amanhã e o depois,

ora cheio de raiva,

ora tomado de amores.

 

Vou no meu devaneio,

de quem nunca teve lar,

sem carta e sem e-mail,

como perdido das ruas,

com a cara na janela,

caçador e caça da vez                            ,

criado numa gamela,

de um mercado tarado,

que todo fim de mês,

enche de contas a pagar,

toda caixa de correio.

 

Na inversão do normal,

na viagem do galopeio,

vou assim no meu trote,

firme no meu arreio,

brandindo meu chicote,

contra esta trama imoral,

que do açúcar fez sal,

fez do errado o correto,

dizendo que sou inseto.

JORNALISTA É HOMENAGEADO PELA CÂMARA COM MOÇÃO DE APLAUSOS

Na sessão desta quarta-feira (dia 28/08), o jornalista e escritor Jeremias Macário foi homenageado pela Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista com uma moção de aplausos pelo lançamento, no dia 14 de junho, do seu mais novo livro “Andanças”. A indicação foi feita pelo presidente do legislativo, Luciano Gomes, e aprovada pelos parlamentares da Casa.

O livro “Andanças”, uma mistura de realidade com ficção, traz em seu conteúdo, contos, causos, histórias e poemas, muitos dos quais musicados por artistas locais e até de Fortaleza (Ceará). Foi lançado em Conquista em duas datas, em Jequié e em Guanambi. Deverá ainda ser apresentado em Salvador, Itapetinga, Brumado, Caetité, Bom Jesus da Lapa e Montes Claros (Minas Gerais) em datas ainda a combinar.

A Cultura Agoniza

Na ocasião, Macário fez um rápido pronunciamento em defesa da cultura que, segundo ele, vive momentos difíceis e em estado agonizante, que precisa de socorro da sociedade em geral e dos poderes públicos. Destacou que a situação crítica já perdura há muito tempo, e desabafou que, infelizmente, Conquista não conta até hoje com uma política cultural, mas com um calendário de festas, resumindo ao São João e ao Natal.

Dirigindo-se à Câmara, sugeriu que esta realize uma sessão especial para discutir o tema com os artistas da música, da literatura, da dança, do teatro, das artes plásticas e de tantas outras linguagens da nossa cultura. Afirmou que a Secretaria de Cultura do Município não dispõe de um orçamento próprio para apoiar a arte, nem no âmbito logístico, como pagar o aluguel de cavaletes para uma artista expor seus quadros.

Em sua fala, ressaltou ser triste uma cidade de 350 mil habitantes, a terceira maior da Bahia, não promover uma feira do livro, um festival da música, uma exposição de artes plásticas ou outro evento da mesma natureza, enquanto cidades menores realizam atividades de apoio aos seus artistas locais e à cultura popular. Para ele, nossa cultura está sendo massacrada, e nunca se tem recursos para ela, nem nos bons tempos.

O homenageado com a Moção de Aplausos foi prestigiado pelos vereadores, contando ainda com as presenças de sua esposa Vandilza Gonçalves e pelos amigos José  Carlos D´Almeida, professor Itamar Aguiar, Carlos Gonzalez, Evandro Brito e sua esposa Rozânia, professor Jovino Moreira, Gildásio Amorim, Raimundo Lezer, além de colegas de profissão, a maioria representando o “Sarau A Estrada” que completou novo anos de atividades em julho de 2019.

CÂMARA QUESTIONA AS MULTAS DE TRÂNSITO E A SITUAÇÃO DA SAÚDE

Uma “fábrica de multas” de  trânsito foi como a maior parte dos vereadores de Vitória da Conquista classificou a ação da Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Mobilidade Urbana, alvo de duras críticas na sessão de ontem (dia 28/08), que também questionou a precarização na saúde, para eles, um estado lamentável no atendimento e na falta de medicamentos.

O primeiro a levantar o tema das multas foi o cidadão Romeu dos Santos, que, ao usar a Tribuna Livre,  considerou um absurdo o que vem ocorrendo na cidade, uma vez, segundo ele, que o próprio secretário de Mobilidade Urbana declarou que iria dobrar a arrecadação das multas para fazer caixa. Ele condenou o procedimento, ao invés de procurar educar os motoristas.

MULTAS E SAÚDE

Os vereadores Valdemir Dias, Fernando Vasconcelos, Márcia Viviane e David Salomão foram na mesma linha das multas cobradas pela Prefeitura, entendendo ser uma prática absurda. Dias e Viviane afirmaram que o assunto é recorrente na cidade, citando que o mais grave é que a Secretaria faz de tudo para impedir a defesa do “infrator”.

Viviane foi mais além, assinalando que a prática tem sido corriqueira e arbitrária.  Valdemir, por sua vez, tratou de outros temas como da saúde, da falta de um centro de zoonoses em Conquista, do troca-troca de chefias e secretários no atual poder executivo. “Na administração não se deve admitir amadorismos”.

Outro a ocupar a Tribuna Livre foi o ex-vereador Antônio Carlos “Babão” que preferiu falar do problema da saúde no município, afirmando que há três meses o Posto de Saúde do Bairro Ibirapuera não tem remédio e nem internet. De acordo com ele, a saúde de Conquista está “doente”, e tem lugares que não contam com água e lenço.

Também, o vereador Danilo “Kiribamba” tratou da questão da saúde, denunciando que há meses a Prefeitura Municipal não fornece passagens para crianças com problemas se tratarem fora do município. Seu colega Cícero Dantas, destacou que a saúde nos postos está precária, apontando existir muita demora e burocracia na marcação das consultas.

“Kiribamba” ainda criticou o Governo do Estado que retirou o SAC do Shopping Conquista Sul para o Bulevar Shopping, e apelou para que seja instalada uma unidade de atendimento ao cidadão também no Bairro Brasil.

Esta proposição foi acompanhada de outros colegas da Câmara, como da vereadora Lúcia Rocha, que condenou o que ela chamou de desmonte do SAC, no lugar de criar novos postos para facilitar a demanda da população.

O parlamentar, Álvaro Phiton, o decano da Casa, ao esclarecer o seu voto, na sessão passada, com relação ao projeto de proibir as blitz na cidade, juntamente com outros 16 votantes, disse ter votado contra por se tratar de um assunto do âmbito estadual, mas se posicionou contrário à apreensão de veículos quando o dono está em atraso com o IPVA, comprando ao IPTU onde a prefeitura não pode tomar a casa da pessoa quando esta deixa de pagar a taxa. Álvaro concorda com as blitz quando são feitas para pender ladrões

CPI dos Combustíveis

O parlamentar Coriolano Moraes preferiu falar do andamento da CPI dos combustíveis, para apurar o abuso cobrado pelos postos de gasolina. Adiantou que a Comissão está fazendo uma comparação, ou perfil, nos preços entre Jequié até a Divisa com Minas Gerais, de Itapetinga até Aracatu para avaliar os custos nas bombas em Vitória da Conquista. Prometeu concluir o relatório em duas semanas.

Com seus costumeiros tapas na mesa, David Salomão fez veemente desabafo de que existe um cartel dos combustíveis em Conquista, e que não tem medo em denunciar os responsáveis, chamando-os de canalhas a quem se opôs ao seu projeto de proibir as blitz em Conquista, com o argumento de ser inconstitucional.

Por fim, falaram os parlamentares Luís Carlos Dudé e Edvaldo Ferreira sobre as obras realizadas pelo Prefeitura Municipal, como as praças e outros serviços entregues à comunidade. Dudé elogiou os serviços prestados ao município pelo professor Itamar Aguiar que estava presente na plenária. Como líder do governo na Câmara, Ferreira aproveitou a palavra para apresentar um resumido relatório das atividades do atual executivo e suas ações no legislativo.

 

 

 

E EVOLUÇÃO RELIGIOSA NO IMPÉRIO ROMANO

O espírito racionalista grego desde o período republicano romano começou a perder terreno para uma atitude religiosa e mística, tanto no Oriente, na Idade Helênica, como no Ocidente após as guerras civis do século primeiro a.C. Correntes religiosas conquistaram o povo no século I da era cristã.

O interesse pela religião não morreu com Augusto. A religião do Estado visava o imperador e a Trindade de Júpiter, Juno e Minerva. Essa religião era o centro da vida das cidades e do exército. Deferia das religiões das guerras civis e da divinização de Augusto como salvador. O livro “História de Roma”, de M. Rostovtzeff conta toda trajetória desta evolução.

O estoicismo e outros meios de satisfação

O culto estatal da antiga Roma e do imperador tornou-se sem vida e impessoal. O povo se reunia nos templos e prestavam tributos ao poder divino, graças à existência do Império. Esses ritos não proporcionavam consolo para aliviar as dificuldades. Além do culto ao imperador, a consciência religiosa exigia outros meios de satisfação.

As classes educadas valiam-se do estoicismo com sua moral e teologia panteísta. O estoicismo era frio, lógico. A astrologia era insatisfatória. Era natural que o racionalismo estoico desse lugar à versão mística platônica e pitagórica, e florescesse o conhecimento espiritual esotérico. No final do século II, essa tendência conquistou novos adeptos e produziu personalidades notáveis pregando o neoplatonismo.

Nos primeiros dois séculos, os principais representantes da religião e da filosofia são Epicteto (escravo), Sêneca (Senado) e Marco Aurélio, o imperador. No III século, Plotino foi o grande pensador e profeta. Essa escola formula uma teologia e uma doutrina dos meios onde os poderes espirituais podem ser colocados à serviço do homem. Estes são os combatentes na batalha contra o cristianismo.

As classes médias, ora seguem as superiores, ora as inferiores. As mais baixas alimentavam o sentimento religioso. Nos dois primeiros séculos mantém a tendência aos cultos locais. Na Itália, volta o culto doméstico dos Gênius, Lares e Penates, que preservou a vida, a prosperidade da casa e da família. Continua existindo a velha religião greco-romana dos deuses e deusas – a Fortuna e Mercúrio.

Culto aos próprios deuses

As províncias rendiam homenagens aos seus próprios deuses. Os celtas dedicavam louvor aos deuses da natureza, do estado, fadas e ninfas. Os trácios, aos deuses das florestas, jardins, caçadores e guerreiros. Os ilírios, aos deuses das montanhas. Os africanos se voltavam para as divindades bérberes e semitas (Baal e Tanit, Saturno, Juno e Celeste). Os anatólios adoravam a Grande Mãe. Os Sírios tinham variedades ao deus sol. O Egito mantinha sua antiga religião – Serápis – e a uma versão de Ísis. Nunca se levantaram tantos templos e altares e se sacrificaram mais vítimas na história.

Cultos orientais se difundiram. Essa tendência cresceu no período persa e ficou forte na época helênica entre o Império Romano. As mais antigas religiões eram as egípcias e anatólias (Serápis, Ísis e Harpócrates) e o culto à Grande Mãe, deus dos céus, do sol, Mitras e Sabázio. Cada uma tinha suas teologias, com ritos místicos e hierarquia sacerdotal.

O CRISTIANISMO

:: LEIA MAIS »

A AMAZÔNIA EM CHAMAS!

A cena nos faz lembrar a Roma em Chamas de há mais de dois mil anos quando o maluco do imperador Nero mandou tocar fogo na capital do “mundo civilizado” daquela época, só porque achava feia a arquitetura da cidade, e dizem alguns historiadores que ele colocou a culpa nos cristãos, muitos dos quais foram suas vítimas, perseguindo pensadores, intelectuais e filósofos. Enquanto Roma queimava, Nero alimentava seu ego tocando harpa.

Pode até ser uma comparação não muito feliz e fora de tempo, mas a verdade é que a nossa Amazônia está em chamas em pleno século XXI, e quem é o Nero, ou os Neros que estão a fim de destruir nossa imensidão de floresta, que também é o oxigênio e a biodiversidade do mundo?  Será que ela é tão feia e queremos transformá-la num descampado desértico sem árvores, para lucrar com a venda da madeira; criar gado; e plantar grãos exportáveis?

OS CULPADOS

Agora, não são os cristãos os culpados pelas labaredas que estão consumindo a Amazônia, mas as Ongs e os ambientalistas, conforme aponta o dedo do capitão-presidente do Brasil, que chegou a elogiar os destruidores de florestas; tudo está fazendo para flexibilizar as leis de preservação ambiental; ameaçou expulsar as tribos indígenas de suas reservas; mandou cortar verbas, reduzindo as fiscalizações contra os depredadores; falou em transformar Angra dos Reis numa Cancun mexicana; e ainda desmentiu as previsões macabras dos desmatamentos feitas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais -Inpe.

Talvez ele tenha incorporado o espírito do imperador Nero por achar a mata amazônica uma construção feia da natureza, e aí abriu a senha estimuladora para que os lenhadores grileiros capitalistas e fazendeiros com seus capangas avançassem com os desmatamentos, seguidos de incêndios criminosos que aumentaram em mais de 300% em pouco tempo. Em um ano, uma área de 500 mil campos de futebol foi destruída, o que equivale a meio bilhão de árvores.

Hitler também culpou os judeus e outras etnias julgadas inferiores pelas mazelas que aconteceram na Alemanha quando estava com sua economia dilacerada. A história está repleta de narrações nefastas de ditadores e tiranos que praticavam suas crueldades e colocavam a culpa em seus adversários que, segundo eles, queriam derrubá-los do poder. Eles se auto intitulavam de nacionalistas, e também condenavam outras nações que reagiam contra suas ações maléficas. Num mundo globalizado, até onde vai o limite da soberania nacional? As críticas que vêm de fora podem ser consideradas como interferência estrangeira nas questões do nosso país?

A poluição do meio ambiente nos Estados Unidos e na China não é só uma questão dos norte-americanos e dos chineses. A destruição também afeta toda humanidade, principalmente nos tempos atuais onde o planeta virou uma aldeia. Um fogo no nosso quintal incomoda toda vizinhança, que até pode intervir e ir de encontro ao discurso de que sua casa é um território privado, e que você pode fazer dela o que bem quiser.

CHAMA AS FORÇAS ARMADAS

Um presidente da República não pode aparecer na mídia fazendo suposições sem provas, como agora no caso da Amazônia, e em relação à morte do filho do presidente da OAB durante à ditadura, de que foram as próprias organizações armadas da época que o eliminaram, quanto mais dizer para a nação de que “estamos no caos”. Um líder verdadeiro não precisa mandar recado de que é ele quem manda, e não é presidente banana. Não soa contraditório afirmar que “meus ministros são livres, mas sou eu quem manda? São sinais do autoritarismo.

Não é somente a Amazônia que está em chamas com a elevação das queimadas, mas todo o Brasil que, infelizmente, está se afundando com a mediocridade e a incapacidade. Os grandes talentos, cientistas e técnicos preparados estão simplesmente sendo excluídos do nosso cenário para comandar instituições e resolver problemas críticos. A ordem agora é chamar as forças armadas para, literalmente, apagar os incêndios, como o real que está ocorrendo na Amazônia.

As forças armadas agora viraram bombeiros? Rebelião nos presídios e violência nas capitais, chama as forças armadas. Suas reais funções foram desvirtuadas, e isso faz com que sua “credibilidade” seja cada vez mais minada. Seu pronunciamento de postura nacionalista militar em rede de televisão, sem contar declarações preconceituosas e descabidas, como faça cocô dia sim, dia não, para preservar o meio ambiente, afundam mais ainda a imagem do Brasil lá fora.

NADA ENGRAÇADO – Não existe nada engraçado no que o capitão-presidente diz, nem se deve menosprezar seus insultos e afrontas aos grupos minoritários, com seu tom de desprezo, como se fossem coisas sem importância e sem relevância. Ai estão escondidos o autoritarismo e a imposição de suas ideias como unas.

O povo também não dava muita importância no que Hitler, na Alemanha, Mussolini, na Itália, e Franco, na Espanha, falavam, e deu no que deu. O “Duce” contava que gostava de transar camponesas sujas e cabeluda, e todos achavam engraçado. Não podemos deixar que os ultradireitistas, que avançam em vários países do mundo, repitam a mesma história da truculência e da morte.

 

COMO SERÁ NOSSO AMANHÃ?

Ele está lá com sua moderna arquitetura numa paisagem encantadora na Baía da Guanabara com vistas para a Ponte Rio-Niterói. Trata-se do Museu do Amanhã (Rio de Janeiro) que nos convida a entrar e a refletir sobre o nosso futuro, do qual tanto falamos desde criança na escola. Lá dentro, imagens nos encantam e nos faz pensar como será nosso amanhã. Cada um tem o seu amanhã, bom ou ruim, e isso depende do interior de cada pessoa construir o seu, e o do Brasil. A foto foi mais um flagrante do jornalista Jeremias Macário em suas andanças até o poente.

 

SONHO DO DEVENIR

Senti a pílula do dormir

No apagar dos sentidos.

 

Sonhei que estava sonhando

No devenir do tempo.

 

No sono pensei

Que estava pensando.

 

Conheci feiticeiros da noite

Gentes gritos de dor do açoite.

 

Falei com meu ego

Percebi que estava cego.

 

Na agonia vi um raio do dia

Que caia do rochedo do medo.

 

Não tinha mais céticos

Porque os políticos eram éticos.

 

Todos nas aulas aprendiam a lição

Pra viver como cidadão.

Não havia mais filas dos SUS/ INSS

Nem engarrafamentos e estresse.

 

Os soldados estavam desarmados

Porque todos viviam irmanados.

 

Depois morri no sonho

Do meu eterno devenir.

ZONA RURAL, A “ROTATÓRIA DA MORTE” E AS IRREGULARIDADES DA VIAÇÃO ROSA

Vários assuntos relacionados ao município fizeram parte das discussões na sessão de ontem (dia 21), da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista, mas os destaques foram voltados para as questões da zona rural, principalmente Veredinha e Inhobim, a rotatória do novo Aeroporto Glauber Rocha, chamada pelo parlamentar Sidney Oliveira, de “rotatória da morte”, e as irregularidades da empresa coletiva de transportes Viação Rosa, denunciadas pelo vereador Coriolano Moraes.

Antes dos debates variados focalizados pelos vereadores, dona Luciana Magalhães, mãe de uma criança com deficiência usou a Tribuna Livre da Casa para denunciar a Viação Cidade Verde que bloqueou os cartões especiais, mais de 200, dos alunos que utilizam o transporte para as escolas. Ela fez um apelo à Câmara para que interceda junto à empresa, no sentido de que a medida seja revista. O presidente da Casa, Luciano Gomes, prometeu enviar o problema para a Comissão de Direitos Humanos.

ZONA RURAL

Outro que ocupou a Tribuna Livre foi o líder comunitário, mais conhecido como Peu, que reclamou que a zona rural do município não está sendo olhada pelo poder público como deveria, especialmente no que se refere às estradas que estão esburacadas e a falta de água, e citou os casos dos distritos de Veredinha e Inhobim. Criticou o poder público, exaltou alguns parlamentares e teceu comentários negativos ao trabalho de outros, no que foi repreendido pelo presidente do legislativo, de que aquele espaço é cedido ao povo para falar de problemas de suas comunidades.

Quanto ainda a zona rural, o vereador Álvaro Phiton elogiou as ações do prefeito Hérzem Gusmão diante da administração pública, citando os serviços de iluminação das praças Vitor Brito e Murilo Mármore, esta localizada na região oeste da cidade. Na ocasião, deu boas vindas ao novo líder do prefeito na Câmara, Edvaldo Ferreira Filho.

O vereador Rodrigo Moreira informou que esteve em Salvador e conseguiu um milhão de reais, através de uma emenda parlamentar, para ser investido na zona rural nos distritos e povoados onde já possuem poços artesianos. A verba será aproveitada para a aquisição de canos para o abastecimento de água para os produtores, o consumo humano e de animais. Na oportunidade, Rodrigo chamou a atenção para a lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas para menores, a qual não tem sido cumprida.

“ROTATÓRIA DA MORTE” E VIAÇÃO ROSA

O parlamentar Sidney Oliveira fez duras críticas à rotatória do novo Aeroporto de Vitória da Conquista Glauber Rocha, construída pela Via Bahia, denominando-a de “rotatória da morte”. Destacou que o próprio governador Rui Costa reconheceu que o equipamento, na BR-116, onde no local transitam seis mil carros por dia, é muito perigoso. De acordo com ele, a obra é ridícula, alertando que o mais importante é preservar a vida. Informou que o Governo do Estado prometeu construir um viaduto, para evitar acidentes com tragédias na área.

Coriolano Moraes, o Cori, do PT, denunciou as irregularidades da nova empresa (leva o emblema da Prefeitura Municipal) Viação Rosa que está rodando nas linhas da Cidade Verde. Disse que os funcionários contratados estão trabalhando há três meses sem carteira assinada. Entre outras ilegalidades, apontou que as placas dos ônibus coletivos são de Osasco – São Paulo e muitos veículos estão quebrados. “É um descalabro total” – desabafou o vereador, ao reivindicar que a prefeitura faça logo uma licitação do lote que era da empresa Cidade Verde.

 

A ESCORCHA CONTRA O POVO ROMANO NO REINADO DE DIOCLECIANO

Entre o século III da era cristã, Diocleciano restaurou a ordem por algum tempo e defendeu o Estado contra os inimigos externos. Pôs em prática um programa de reformas da vida público, mas através do sacrifício do povo com a elevação de impostos e taxas para sustentar o exército durante as guerras.

A sociedade estava desgastada e o imperador conseguiu manter firme seu reinado. O mundo ansiava pela paz, mas ele queria fortalecer o Estado, reformar os métodos e regenerar o exército degradado, atrasado, corrupto e de mercenários.

No século III os imperadores já eram monarcas absolutos, como no Oriente, e o Senado virou um conselho municipal da capital. Apenas o exército participava da vida pública, e o imperador ainda tinha de obedecer às imposições dos soldados que escolhiam os governantes.

CORTARAM OS LAÇOS

Diante desse quadro, várias províncias cortaram os laços com o Estado, procurando viver de forma independente com imperadores próprios. Diocleciano introduziu o governo conjunto que existia antes. Para a região Ocidental nomeou Valério Maximiano e cada um adotava um líder militar. Os filhos adotivos recebiam o título de César e podiam suceder o governante.

O trono continuou sendo a magistratura suprema, levando em conta “O Melhor dos Melhores”, onde o imperador tornava-se senhor e deus. Todos tinham de prostrar-se de joelhos e beijar a ponta do seu manto. Sua principal junção era comandar o exército e conviver com os soldados onde houvesse perigo.

Os soldados eram recrutados entre o povo mais atrasado, e os mais estimulados eram os germanos. As melhores tropas, geralmente de bárbaros, ficavam aquarteladas perto das capitais dos quatro governantes (dois Augustos e dois Césares).

Em seu governo, foram criadas divisões especiais à base da guarda pretoriana. A função era policiar as fronteiras. Na verdade, era uma guarnição de colonos com obrigação hereditária do serviço militar. Existiam ainda as frotas marítimas e as tribos bárbaras ligadas a Roma por tratados.

CRESCIMENTO DO EXÉRCITO

Com essas mudanças, o exército cresceu muito. Qualquer soldado poderia ser promovido a guarda, ao posto de oficial comandante, comandante de uma força independente, de todas as tropas de uma província, e ainda comandante-chefe do exército. Dessa forma, surgiu uma nova aristocracia, baseada no serviço militar e público. As figuras mais destacadas eram os bárbaros germanos. Na verdade, era um exército de mercenários, e os soldados eram servos do Estado, mas tinham pagamento de salários e direito de ocupar a terra.

No entanto, a lei que exigia o serviço militar não foi abolida, se bem que muitos fugiam desse compromisso. Os imperadores mantiveram a legislação nos séculos III e IV. A lei permitia criar novo imposto para quem não servia. Era chamado o “ouro dos recrutas”.

Dioceses, vicarius e agentes secretos

O Império foi dividido em 101 províncias que, por sua vez, formavam grupos menores (as 17 dioceses) e quatro praefecturae (prefeito pretoriano). Cada diocese era governada por um vicarius, e cada província por um governador. Havia ainda a polícia secreta (agente in rebus) com a função de proteger o imperador. Chefiava a polícia secreta um quarto ministro, o da corte (magister oficiorum).

A baixa educação e moral dos oficiais e dos funcionários levavam a práticas inadequadas de suborno e corrupção. O peso disso repousava nos ombros do povo já muito empobrecido pelas guerras civis do século III através das cobranças de impostos, taxas sobre a terra, para sustentar os soldados.

Tropas de cargas e carroças tinham que ser fornecidas pelo povo. Os conselhos municipais e os grandes proprietários eram responsáveis pelo pagamento das taxas e os trabalhos forçados. Nem assim a situação melhorou muito com a reforma e a aparente ordem. O país estava reduzido à mendicidade, e o povo não aguentava mais tanta escorcha.

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia