Das figuras importantes influenciadoras do Cinema Novo deixamos de citar na matéria sobre o “Sarau a Estrada”, os nomes de Cacá Diegues, Roberto Santos (A Hora e a Vez de Augusto Matraga), Walter Lima Júnior (Menino de Engenho), Triguerinho Neto, Walter da Silveira e Lima Barreto, sem contar o filme Limite entre os mais listados pelos entrevistados e pesquisadores no livro “A Geração Cinema Novo, de Pedro Simonard.

Em sua obra, o autor fala do isolamento e da consagração do movimento, quando o grupo se desligou da sua classe de origem ao criticar a Chanchada pela sua xenofilia e identificação com a cultura norte-americana e europeia. O povo não se sentia representado por esses jovens intelectuais que diziam que ele agia erradamente. O público que era todo urbano não ia ver os filmes do Cinema Novo.

Ressalta o autor, que a classe média e a burguesia não viam os filmes porque não gostavam da imagem do Brasil que lhes era mostrada. Entre 1961/62, a Cinemateca Brasileira exibiu filmes clássicos no Sindicato da Construção Civil de São Paulo, e os operários não mostraram interesse, mas o documentário  Zuyderzee, de Joris Ivens, sobre o processo de construção de um dique na Holanda, teve grande repercussão.

Os temas do Cinema Novo não despertavam interesse nos operários. Pedro Simonard diz que o Cinema Novo era um movimento endógeno. Os diretores exibiram seus filmes em importantes festivais internacionais. Somente a partir dai, a classe média passou a demonstrar maior receptividade porque tinha o aval dos intelectuais dos países desenvolvidos.

Mesmo assim, não foi suficiente para abocanhar  maior fatia do mercado exibidor brasileiro, nem desalienar o povo. Sem isso, não seria possível combater o imperialismo e o colonialismo cultural, nem criar o novo homem. Para fugir do isolamento, os cinemanovistas passaram a participar das elaborações das políticas estatais, porque com a ditadura seria impossível tomar o Estado.

Após o golpe de 64, segundo Simonard, o movimento viu-se obrigado a buscar apoio do Estado autoritário que censurava suas produções e dificultava a exibição e a exportação dos filmes. Nessa conjuntura, uma das principais aliadas foi a Comissão de Apoio à Indústria Cinematográfica, criada, em 1963, no governo de Carlos Lacerda.

No entanto, o decreto trazia regras que definiam um controle ideológico para a produção. Muitos filmes foram produzidos pela Comissão, como Desafio, de Paulo César Saraceni, O Padre e a Moça, de Joaquim Pedro de Andrade, A Hora e a Vez de Augusto Matraga, de Roberto Santos e Menino de Engenho, de Walter Lima.  Premiou Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, Garrinha, Alegria do Povo, de Joaquim Pedro e Porto das Caixas, de Saraceni.

“Nunca os cineastas brasileiros alcançaram tanto respeito e foram ouvidos tão amplamente por setores importantes da sociedade quanto neste período” disse, ao destacar que em 14 anos (1950-1964) formou-se no Brasil, principalmente, no Rio de Janeiro, uma geração cinematográfica, produzindo filmes comprometidos com a realidade brasileira.

As críticas à Vera Cruz e à Chanchada marcaram posição contra tudo quanto foi feito em cinema até então. Outro sucesso foi criar uma incipiente indústria cinematográfica no país, formando-se uma mão-de-obra especializada. Órgãos e instituições financeiras, estatais ou privadas, começaram a ajudar o Cinema Novo.

Entretanto, Simonardo aponta alguns fatores que prejudicaram o desenvolvimento do Cinema Novo, como a tradição messiânica do intelectual brasileiro que encarava o povo como um grupo sem vontade própria; ter se colocado como dono da verdade de que o povo tinha que ser conscientizado; não ter elaborado uma política de distribuição; e ter encarado o grande público de maneira preconceituosa numa relação de mão única