junho 2019
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

:: 11/jun/2019 . 23:55

AINDA SOBRE CINEMA NOVO NO SARAU

Das figuras importantes influenciadoras do Cinema Novo deixamos de citar na matéria sobre o “Sarau a Estrada”, os nomes de Cacá Diegues, Roberto Santos (A Hora e a Vez de Augusto Matraga), Walter Lima Júnior (Menino de Engenho), Triguerinho Neto, Walter da Silveira e Lima Barreto, sem contar o filme Limite entre os mais listados pelos entrevistados e pesquisadores no livro “A Geração Cinema Novo, de Pedro Simonard.

Em sua obra, o autor fala do isolamento e da consagração do movimento, quando o grupo se desligou da sua classe de origem ao criticar a Chanchada pela sua xenofilia e identificação com a cultura norte-americana e europeia. O povo não se sentia representado por esses jovens intelectuais que diziam que ele agia erradamente. O público que era todo urbano não ia ver os filmes do Cinema Novo.

Ressalta o autor, que a classe média e a burguesia não viam os filmes porque não gostavam da imagem do Brasil que lhes era mostrada. Entre 1961/62, a Cinemateca Brasileira exibiu filmes clássicos no Sindicato da Construção Civil de São Paulo, e os operários não mostraram interesse, mas o documentário  Zuyderzee, de Joris Ivens, sobre o processo de construção de um dique na Holanda, teve grande repercussão.

Os temas do Cinema Novo não despertavam interesse nos operários. Pedro Simonard diz que o Cinema Novo era um movimento endógeno. Os diretores exibiram seus filmes em importantes festivais internacionais. Somente a partir dai, a classe média passou a demonstrar maior receptividade porque tinha o aval dos intelectuais dos países desenvolvidos.

Mesmo assim, não foi suficiente para abocanhar  maior fatia do mercado exibidor brasileiro, nem desalienar o povo. Sem isso, não seria possível combater o imperialismo e o colonialismo cultural, nem criar o novo homem. Para fugir do isolamento, os cinemanovistas passaram a participar das elaborações das políticas estatais, porque com a ditadura seria impossível tomar o Estado.

Após o golpe de 64, segundo Simonard, o movimento viu-se obrigado a buscar apoio do Estado autoritário que censurava suas produções e dificultava a exibição e a exportação dos filmes. Nessa conjuntura, uma das principais aliadas foi a Comissão de Apoio à Indústria Cinematográfica, criada, em 1963, no governo de Carlos Lacerda.

No entanto, o decreto trazia regras que definiam um controle ideológico para a produção. Muitos filmes foram produzidos pela Comissão, como Desafio, de Paulo César Saraceni, O Padre e a Moça, de Joaquim Pedro de Andrade, A Hora e a Vez de Augusto Matraga, de Roberto Santos e Menino de Engenho, de Walter Lima.  Premiou Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, Garrinha, Alegria do Povo, de Joaquim Pedro e Porto das Caixas, de Saraceni.

“Nunca os cineastas brasileiros alcançaram tanto respeito e foram ouvidos tão amplamente por setores importantes da sociedade quanto neste período” disse, ao destacar que em 14 anos (1950-1964) formou-se no Brasil, principalmente, no Rio de Janeiro, uma geração cinematográfica, produzindo filmes comprometidos com a realidade brasileira.

As críticas à Vera Cruz e à Chanchada marcaram posição contra tudo quanto foi feito em cinema até então. Outro sucesso foi criar uma incipiente indústria cinematográfica no país, formando-se uma mão-de-obra especializada. Órgãos e instituições financeiras, estatais ou privadas, começaram a ajudar o Cinema Novo.

Entretanto, Simonardo aponta alguns fatores que prejudicaram o desenvolvimento do Cinema Novo, como a tradição messiânica do intelectual brasileiro que encarava o povo como um grupo sem vontade própria; ter se colocado como dono da verdade de que o povo tinha que ser conscientizado; não ter elaborado uma política de distribuição; e ter encarado o grande público de maneira preconceituosa numa relação de mão única

 

CINEMA NOVO FOI TEMA DO “SARAU A ESTRADA” COM MUITOS DEBATES

A estudante de Cinema da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Uesb, Sarah Brazão, enfrentou o desafio de falar sobre o “Cinema Novo no Brasil” e suas influências socioeconômicas e políticas no “Sarau Colaborativo” no Espaço Cultural A Estrada, na última noite de sábado, dia 8, com a participação de mais de 20 pessoas de várias áreas entre acadêmicos, artistas, intelectuais e professores.

Numa noite cultural, como sempre acontece há nove anos, o “Cinema Novo” foi a estrela na abertura dos nossos trabalhos que começaram às 22 horas, e Sarah foi a nossa palestrante que discorreu sobre a história desse movimento no Brasil desde o final dos anos 50 e se intensificou nos anos 60, mesmo depois do golpe civil-militar de 1964, conforme ressaltou a palestrante.

VÁRIAS FIGURAS

Na ocasião, ela citou várias figuras que contribuíram para a mudança da linguagem e da narração do velho cinema brasileiro, ainda muito preso aos filmes importados do exterior, principalmente dos Estados Unidos, como Paulo Emílio, Alex Viany, Humberto Mauro, Paulo César Saraceni, Nelson Pereira dos Santos, Joaquim Pedro de Andrade, Roger Bastide, Eduardo Coutinho, Mário Carneiro, Leon Hirszman e o baiano e conquistense Glauber Rocha, o maior provocador que revolucionou a sétima arte no país.

Em sua explanação, Sarah falou dos tempos da censura pelo regime da época e de vários filmes que marcaram o movimento, como Macunaíma, de Joaquim Pedro, Deus e o Diabo na Terra do Sol e Terra em Transe, de Glauber Rocha, Rio 40 Graus, de Nelson Pereira dos Santos, Vidas Secas, do mesmo autor, dentre outros. Ela também pontou a influência da literatura e do pensamento crítico de muitos intelectuais para o nascimento do Cinema Novo que mostrou a outra cara do Brasil.

O professor Itamar Aguiar fez diversas pontuações durante o debate, acrescentando outros nomes do movimento que foi de encontro às ideias retrógradas daquele tempo, e colocou Glauber Rocha como ícone e grande incentivador que impulsionou o Cinema Novo no Brasil. Também falou o fotógrafo e entusiasta do cinema, José Carlos D´Almeida.

O jornalista Jeremias Macário, baseado no livro “A Geração do Cinema Novo”, de Pedro Simonard, lembrou do meado dos anos 50 com o fim da era Vargas e o embate entre a burguesia capitalista versus a esquerda mais esclarecida que combatia o cinema norte-americano e as imitações do cinema europeu. Destacou ainda as experiências fracassadas da criação da Vera Cruz que pretendia fazer algo novo, mas com técnicos estrangeiros e trabalhando em estúdios que ficaram muito caros, e terminou em falência. Disse que o Cinema Novo chegou a beber muita coisa da Chanchada que muito agradava a classe mais popular, sem contar os Cineclubes que colaboraram para que o movimento brotasse mais forte.

Cantorias e poemas

Logo após as discussões, entraram as cantorias de violão e viola, com Alez Baducha e Walter Lajes que animaram mais ainda o evento, que recebeu muitos convidados visitantes, como o ex-vereador Clovis Carvalho Iuan Guilherme Andrade, Brenda Fernandes, Rosângela de Oliveira, Luã Galvão e outros.

Estiveram também presentes Gildásio Amorim, Rose e seu marido, Céu, Aline, Jhesús, José Carlos, Rosimeire Rodrigues e os representantes da Academias de Letras de Vitória da Conquista, Rozânia e Evandro Brito que fez uma homenagem a Jeremias, citando trechos de um poema do seu primeiro livro Terra Rasgada, de 2001.

Edna Brito declamou um poema de Vicente Cassimiro que faleceu recentemente, e a anfitriã Vandilza Gonçalves bridou a todos com uma deliciosa dobradinha por volta das duas horas da manhã. Na mesa, além dos tira-gostos rolou umas “geladas”, vinho e uma cachacinha para esquentar o frio que ninguém é de ferro, mas tudo num clima fraternal e de um bom papo.

Ficou definido que o próximo Sarau terá como tema “O Império Romano e sua Formação” a ser abordado por Jeremias Macário. Todos foram convidados para o lançamento de “ANDANÇAS”, de autoria de Jeremias Macário, no próximo dia 14 (sexta-feira), na Casa Regis Pacheco. Mais uma vez, o “Sarau a Estrada” varou a madrugada deixando saudades para o próximo em agosto.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia