junho 2019
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

:: 6/jun/2019 . 23:30

LANÇAMENTO DE “ANDANÇAS” EM NOITE CULTURAL

No próximo dia 14 de junho, a partir das 20 horas, vamos ter uma noite cultural com o lançamento do livro “ANDANÇAS”, a mais nova obra do jornalista e escritor Jeremias Macário que dessa vez mistura ficção com realidade, ao contrário do “Conquista Cassada” que foi um trabalho de pesquisa sobre a ditadura civil-militar em Vitória da Conquista, na Bahia e no Brasil e vai estar lá no evento.

Na ocasião, vai ocorrer também o lançamento do nosso “CD Sarau A Estrada” com cantorias de artistas da música, causos e declamações de poemas. Para completar, a artista plástica Elizabeth David vai abrilhantar mais ainda a noite com uma exposição de seus belos quadros. Portanto, vai ser uma noitada cultural com a apresentação de várias linguagens artísticas, na Casa Regis Pacheco, na Praça Tancredo Neves.

“Andanças”

Contos, causos, histórias e versos, “Andanças” é um livro que mistura ficção com realidade, ou, como queira, um fantástico realístico, mas que também contém pesquisas em temas específicos, romanceados e curiosos sobre a ditadura civil-militar de 1964, e na viagem título “Pelas Brenhas do Mundo” de um anônimo andarilho mochileiro das décadas de 60 e 70, os anos livres e revolucionários que mudaram hábitos, costumes e conceitos ultrapassados.

Sem a preocupação com estilo ou escola literária, o livro “Andanças”, de 368 páginas, formato de 16 cm por 23,5 cm, capa em quatro cores, ilustrações no miolo e arte final de Beto Veroneza, pode ser lido de trás pra frente, de qualquer ponto, sem sequência linear.  Tem também poemas, muitos dos quais já foram musicados por artistas locais, como Walter Lajes, Papalo Monteiro e Dorinho Chaves.

A obra do autor, que já escreveu “Terra Rasgada”, “A Imprensa e o Coronelismo no Sudoeste” e “Uma Conquista Cassada – Cerco e Fuzil na Cidade do Frio”, retrata cenas do Nordeste, do homem do campo, do retirante da seca, da coivara, do jeito matuto catingueiro;  e fala de amor, ódio, raiva, tempo, saudade, mulheres, erotismo, vida e morte.

Sobrou ainda espaço para a cultura da corrupção, da gatunagem e do levar vantagem em tudo. Nos versos rolam a imaginação, o fingimento, o olho visível no invisível e o foco no real e no irreal. Trata-se de uma publicação colaborativa (muitos amigos assinaram o “Livro de Ouro”, numa espécie de pré-venda), onde o leitor vai curtir e viajar na imaginação, sem regras. A obra nasceu da veia jornalística do autor e tem o tempero realístico e sentimental. De um modo sutil, é também um autorretrato da sua vida em alguns contos e causos.

Entre outros lançamentos, trabalhos, artigos, crônicas e comentários, “Andanças” é mais uma publicação que demandou dedicação e sacrifício, mas também contou com a ajuda de muitos amigos que alavancaram o trabalho literário.

A VELHA SALVADOR

Foto do jornalista Jeremias Macário em uma de suas andanças. É a Velha Salvador, a primeira capital do Brasil de muitas histórias e cheia de contradições, numa mistura de raças e religiões. O Elevador Lacerda é um de seus cartões postais, dividindo a cidade em alta e baixa, com seus encantos e tradições, mas que ainda precisa muito de cultura e educação para ser uma verdadeira capital turística e receber bem seus visitantes, não só pensando na exploração do “gringo” como se diz por lá. Quer queira ou não, Salvador ainda tem o ar provinciano onde museus não abrem aos domingos e feriados e fecha suas portas na hora do almoço. Tem um museu Afro-Brasileiro que bem poderia ser uma preciosidade, mas carente em termos de mais peças da cultura afro e de estrutura para receber seus visitantes. Recentemente estive no museu e senti uma grande lacuna na falta de apoio do poder público. Já o Museu Cota Pinto, no Corredor da Vitória, é um luxo de jóias crioulas, peças antigas de jacarandá, pratarias e louças nobres da Inglaterra e de Portugal. Infelizmente, deixa a transparecer aquele quadro colonial da Casa Grande e Senzala, descrito pelo escritor pernambucano Gilberto Freire.

 

FREGUÊS DE TODO MÊS

Poema de autoria do jornalista Jeremias Macário

 

Para poucos o colosso, para muitos o osso;

O cristianismo pegou dos celtas e romanos

O solstício, e veio o capital inventou Noel

E os profanos de Cristo lotearam todo o céu.

 

Você corre e corre atrás do metal vil,

E nem dá conta que não passa de freguês;

Se esbalda no bar no final de semana;

Em casa ouve um som do antigo vinil

Que fala de liberdade e se acha bacana,

E a conta chega todo o final do mês.

 

Olhe meu camarada para seu espelho;

Você corre, corre e todo fim de mês

Entra na maldita lista de besta freguês;

Faz conta, conta e só bate no vermelho

 

Você corre e voa como cavalo alado;

Discute, briga e solta seu baseado;

Busca como um louco pela verdade,

E pensa no filósofo da antiga idade,

De que a vida lida é um bem incerto,

E que a morte conserta um mal certo.

 

O brutal sistema sempre nos frita,

Nos faz de brita todo regime maldito,

Seja no verão, primavera ou inverno,

E cada um tem seu deus e seu inferno.

 

Esmagado como cana que vira bagaço,

Você abre o site burocrata do formulário;

Faz o passo a passo pra abrir os cadeados,

E segue o rigor dos minutos e do horário,

E ele pede sempre mais e mais dados,

E testa seus nervos esticados de aço,

E no final ainda lhe chama de fracasso.

 

Lembre-se que você tem as fronteiras,

De norte a sul tem arames e muralhas;

Do outro lado vivem os frios canalhas;

E nem adianta pedir para abrir passagem

Nessas tormentas fileiras de vaga viagem.

 

Olhe meu camarada para seu espelho;

Você corre, corre e todo fim de mês

Entra na maldita lista de besta freguês;

Faz conta, conta e só bate no vermelho.

 

O DESMANTELAMENTO BRASIL

Há seis meses de governo e só temos factoides e decretos de desmantelamento da educação, das leis do meio ambiente, do estatuto do desarmamento, das políticas públicas voltadas para o social, do combate da corrupção com o enfraquecimento da Força Tarefa da Lava-Jato e agora da legislação nacional do trânsito, fazendo com que mais gente morra nas estradas que já ceifam por ano 65 mil almas.

Está faltando decretar o fim da Lei Seca, com o slogan “Se beber, Dirija”, e criar o “Bolsa Armas” para quem não pode comprar uma. Não existe nenhum planejamento sério de recuperação da economia, e a única coisa que se fala é da reforma da previdência social como salvação da pátria e a ilusão de que vai ser boa para os pobres, mesmo com as castas mantendo seus privilégios de polpudas pensões.

O Congresso Nacional ainda mais conservador de extrema-direita bate cabeça e vai aprovando projetos e leis que desmantelam muitas conquistas. O alvo é desfazer tudo que foi construído pela esquerda, não importando o que seja positivo e benéfico para o país. A impressão que passa é daqueles antigos coronéis prefeitos do interior que quando ganhava a eleição quebrava e destruía tudo que foi feito pelo adversário, numa atitude de terra arrasada. Isso nunca foi patriotismo. É a imbecilidade acima de tudo.

Enquanto os poderes lá de cima propõem um pacto, o povo se divide em pedaços, em ódios e intolerâncias. As ruas se infestam de camisas amarelas da seleção brasileira para apoiar o desmantelamento e acusar as esquerdas que deixaram o Brasil destruído. As cenas são lamentáveis e tristes porque o país continua se derretendo como cera quente na frigideira, sem perspectiva de se erguer dos desastres e do caos que já perduram por cinco anos.

O orgulho da ignorância e da imbecilidade

Há poucos dias li um lúcido artigo do jornalista e escritor Thales de Aguiar intitulado “Quando a Imbecilidade é mais Importante do que a Educação” onde cita na abertura que, de acordo com alguns filósofos, estamos vivenciando momentos em que os ignorantes se sentem orgulhosos de suas imbecilidades. Para esses, a ficha só vai mesmo cair quando começarem a ser atingidos diretamente em suas vidas.

Pelas suas maluquices e falatórios destrambelhados, o capitão-presidente, como aponta o articulista, tem conseguido convencer até gente instruída de que o conhecimento científico nada vale, e até nega a existência de uma ditadura que torturou e matou. Para o “Bozó”, o diploma é uma bobagem, e a pesquisa é um atraso, negando trabalhos de instituições que ainda são referências no Brasil e no exterior, como da Fiocruz e do IBGE.

A pregação é a de que o trabalhador deve abrir mão de seus direitos, trabalhar mais e ganhar menos; que o racismo não existe, mesmo sendo o último pais a libertar os escravos na América Latina; que a homofobia é uma conversa fiada; e ainda defende milicianos e grupos de extermínio como policiais bem formados. Ele prefere colocar uma arma na mão de cada cidadão a apresentar um plano nacional de segurança pública. A igualdade de gênero é uma besteira, e acha que a mulher tem que receber menos porque perde tempo engravidando. O feminicídio é uma baboseira.

Sinceramente, não consigo acreditar no que estou vendo, com tanta gente, inclusive “esclarecida”, apoiando estas barbaridades, simplesmente para descarregar suas raivas no PT e nas esquerdas que estão calados. É uma tremenda irracionalidade continuar seguindo cego como se ainda estivéssemos em plena campanha eleitoral, olhando pelo retrovisor! Quando essas pessoas vão cair na real de que é o Brasil que está sendo penalizado aqui e lá fora?

Essa turma, sem planejamento de governo, entende que a saúde pública deve ser privatizada, num país onde a renda de grande parte da população não alcança um salário mínimo. O capitão acredita que a natureza e seus recursos naturais devem ser cada vez mais explorados, inclusive em áreas de preservação permanentes. Quer transformar Angra dos Reis num lixo capitalista brega da Cancun mexicana.

Seu guru é um “filósofo” charlatão que conseguiu transformar o Ministério da Educação numa babel de barro, e incentiva cortar verbas das universidades, somente por achar que elas são ninhos das esquerdas. Quando estudantes e professores são chamados de “idiotas úteis” é sinal de que a educação não tem nenhuma serventia pra o progresso.

É o antipatriotismo, e não o Brasil acima de tudo. Pelo andar da charrete desgovernada, ainda não estamos no fundo do poço. Só vejo em minha frente figuras exóticas e sem conhecimento. O mais triste ainda é ver o povo aplaudindo os extremismos políticos. Como disse o escritor francês Victor Hugo, “Entre um governo que faz o mal e o povo que o consente, há uma certa cumplicidade vergonhosa.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia